Farmacologia Do Trato Gastrintestinal

Publicado em: 07/10/2009 |Comentário: 4 | Acessos: 14,231 |

As principais funções do trato gastrintestinal importantes farmacologicamente são: secreção gástrica, vômito (êmese), motilidade do intestino e expulsão das fezes e formação e eliminação da bile.

A secreção gástrica envolve a ação de três hormônios/transmissores: gastrina, histamina e acetilcolina. Essas substâncias atuam nas células parietais do estômago e estimulam um complexo mecanismo de secreção de ácido clorídrico ( HCL ) que envolve uma bomba de prótons (K+/H+) responsável pela liberação de íons H+, um carreador simporte responsável pela liberação de íons CL- , e um carreador antiporte responsável pelo ingresso na célula de íons CL- que serão liberados pelo simporte. O H+ liberado pela célula provêm do acido carbônico que por sua vez é resultado da reação entre CO2 e H2O mediado pela anidrase carbônica a nível intracelular. Esse acido carbônico formado se decompõe liberando um íons hidrogênio e um íon bicarbonato que sai da célula pelo carreador antiporte. A gastrina, Ach e histamina ligam-se à célula parietal através de receptores celulares específicos (receptores de gastrina, receptores H2 e receptores muscarinicos), ativando um segundo mensageiro intracelular que estimula o mecanismo da bomba de prótons.

Os fármacos utilizados na inibição ou neutralização do suco gástrico agem principalmente como antagonistas dos receptores de histamina (H2), inibidores da bomba de prótons e antiácidos. Os antagonistas dos receptores H2 ao se ligarem impendem a ação da histamina e consequentemente a ativação do mecanismo da bomba de prótons, são eles: ranitidina, cimetidina, nizatidina e famotidina. Os inibidores da bomba de prótons agem diretamente nesse mecanismo final da secreção gástrica e seu tempo de ação pode ser relativamente longo pois ele se acumula nos canalículos gástricos, são eles: omeprazol, lanzoprazol, pantoprazol e rabeprazol. Os antiácidos atuam reagindo com o suco gástrico, causando uma elevação do pH gástrico e assim inibindo a pepsina. Esses fármacos são utilizados principalmente nos tratamentos da esofagite de refluxo, ulceras pépticas e no tratamento da infecção pelo H. pylori.

A motilidade gastrintestinal pode ser regulada por fármacos que atuam como: (1) purgativos/laxativos que aceleram a passagem do alimento através do intestino; (2) agentes que aumentam a motilidade do músculo liso gastrintestinal sem causar diarréia; (3) antidiarreticos que diminuem o movimento; (4) agentes antiespasmoticos que diminuem o movimento. Os purgativos/ laxativos podem se subdividir em três classes: laxativos, amolecedores do bolo fecal e laxativos estimulantes.
Os laxativos propriamente ditos podem ser formadores do bolo fecal ou osmótico. Os laxativos formadores do bolo fecal atuam pela capacidade de reter água no intestino, estimulando assim o peristaltismo, são principalmente compostos vegetais não absorvíveis como a metilcelulose, estercúlia, agar, farelo e a casca de ispaghulia. Os laxativos osmóticos induzem a absorção de água pelo intestino por serem solutos pouco absorvidos, isso faz com que aumente o volume intraintestinal e estimule o peristaltismo, são principalmente: sais e lactulose.Os emolientes fecais atuam como uma espécie de detergente e fazem com que as fezes tenham uma consistência mais mole, o principal é o docusato de sódio. Os laxativos estimulantes  aumentam a secreção de água pela mucosa a atuam diretamente no peristaltismo, pois estimulam os nervos entéricos. Os principais são: bisacodil, picossulfato de sódio e a sene. Os fármacos antidiarréticos diminuem o peristaltismo e são utilizados no tratamento da diarréia sintomática ou patológica. O tratamento da diarréia normalmente incluem três diretrizes: manutenção do equilíbrio hidroeletrolítico, uso de agentes antiinfecciosos, uso de agentes antidiarréticos não-antimicrobianos. Os fármacos antidiarréticos são os antagonistas do receptores muscarínicos (que não são usados por seus efeitos sobre outros sistemas) e os opiáceos, que apesar de aumentarem o tônus muscular do intestino, contraem os esfincteres pilórico, ileocolico e anal. Os principais opiáceos de uso antidiarreticos são: codeína, difenoxilato e loperamida.

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/medicina-artigos/farmacologia-do-trato-gastrintestinal-1313508.html

    Palavras-chave do artigo:

    sistema digestorio

    ,

    farmacologia

    ,

    omeprazol

    Comentar sobre o artigo

    De acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer), no ano passado surgiram mais de 30 mil novos casos de câncer colorretal (designação que envolve câncer de cólon, de reto e de intestino grosso). Anualmente, essa doença leva à morte cerca de 14 mil pessoas, embora possa ser tratada e curada quando identificada logo no início. Daí a importância cada vez maior do diagnóstico precoce, antes que o tumor possa se espalhar para outros órgãos.

    Por: Vítor Margatol Saúde e Bem Estar> Medicinal 14/01/2015 lAcessos: 12
    Bernardo Sobreiro

    Neste artigo é abordada a história do tratamento dos cálculos urinários, dos procedimentos realizados em 600 AC até a moderna litotripsia com uso de Holmium laser e endoscópios flexíveis.

    Por: Bernardo Sobreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 11/01/2015
    Bernardo Sobreiro

    As margens cirúrgicas positivas ocorrem quando na análise patológica da peça cirúrgica se observa que o tumor maligno não foi retirado na sua totalidade. Neste artigo é abordada a frequência de margens cirúrgicas positivas na prostatectomia radical (tratamento curativo do câncer de próstata) e o impacto da sua ocorrência na recidiva e progressão da doença.

    Por: Bernardo Sobreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 11/01/2015
    Bernardo Sobreiro

    Neste artigo são abordados aspectos epidemiológicos do câncer de próstata, como as variações temporais na incidência, mortalidade, e fatores de risco como idade e raça.

    Por: Bernardo Sobreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 11/01/2015
    Bernardo Sobreiro

    Neste artigo é abordada a história do antígeno prostático específico (PSA), desde seu descobrimento até a sua aplicação clínica como principal ferramenta no diagnóstico precoce do câncer de próstata.

    Por: Bernardo Sobreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 11/01/2015
    Bernardo Sobreiro

    Neste artigo é discutido o papel do estudo urodinâmico na avaliação de disfunções miccionais como incontinência urinária e obstrução urinária.

    Por: Bernardo Sobreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 11/01/2015

    Este é um artigo muito importante sobre uma doença que é pouco conhecida aqui no Brasil. É a Febre Chikungunya. Você poderá saber mais a respeito desta doença que vem do mosquito Aedes aegypti e que traz sérias consequências. É preciso saber como evitá-la.

    Por: Silvial Saúde e Bem Estar> Medicinal 25/12/2014 lAcessos: 12

    Olá meninas estava estudando sobre as doenças sexualmente transmissíveis e notei que muitos dos artigos que falam sobre DST em homossexuais sempre focam o olhar nos rapazes gays, e esquecem que nós lésbicas também podemos adquirir a doença. Talvez por isso são poucas as garotas que se preocupam em se prevenir quando se relacionam com outras garotas. Percebi que muitas mulheres se cuidam mais em relacionamentos heterossexuais pelo fato de não quererem engravidar e não por causa das doenças.

    Por: Dominio Pessoall Saúde e Bem Estar> Medicinal 22/12/2014 lAcessos: 15
    Diogo Fontes

    Discussão de um modo bastante suscinto e objetivo sobre os principais fármacos de interesse que agem no sistema respiratório, bem como seus mecanismos de ação.

    Por: Diogo Fontesl Saúde e Bem Estar> Medicinal 12/04/2010 lAcessos: 7,299
    Diogo Fontes

    O modelo atual de vestibular tem se mostrado antiquado, pois nao prioriza os aspectos verdadeiramente importantes para o ingresso de um aluno na universidade. Diante disso o governo tem tentado com algum sucesso mudar esse quadro e modernizar os processos seletivos.

    Por: Diogo Fontesl Educaçãol 06/05/2009 lAcessos: 309 lComentário: 2

    Comments on this article

    1
    Eliza 30/10/2011
    Estava procurando uma explicação clara do mecanismo da bomba de prótons. Encontrei aqui!
    Muito obrigada!
    0
    edinilza 24/11/2009
    Parabéns, vc tem uma ótima didática, sua explicação é muito clara, me ajudou muito.
    0
    antonio 20/11/2009
    brigadão cara você me ajudou muito em minha pesquisa
    0
    Cleidimar 16/11/2009
    Achei interessantes essas informações. Auxiliaram o suficiente minha pesquisa rápida.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast