Neurite do Nervo Ulnar - Compressão do Nervo Ulnar no Cotovelo

24/08/2011 • Por • 2,465 Acessos

O nervo ulnar é um dor três mais importantes nervos do braço.Ele segue um trajeto próximo dos ossos do membro superior, na região da parte interna do braço. Ao nível do cotovelo ele passa por um "túnel" ósteo-fibroso, que chamamos de túnel cubital, o qual esta localizado na porção posterior e medial do cotovelo. Nesse local é possível sentir o nervo. Após passar o cotovelo, esse nervo segue por entre músculos, até atingir a mão.

Local de compressão do nervo ulnar no cotovelo

O nervo ulnar é responsável pela sensibilidade do 5º dedo e da metade interna do 4º dedo, o anular. Além disso é o responsável pela inervação de alguns músculos importantes do antebraço e de músculos pequenos, mas importantes para o movimento da mão.

A compressão do nervo ulnar ao nível do cotovelo é a segunda mais comum compressão de nervo nos membros superiores. Existem causas que levam a compressão do nervo ulnar ao nível do cotovelo, tais como: sequela de fratura, esporões ósseos causados por tração muscular, cistos e luxação da cabeça medial do triceps. Contudo, na grande maioria das vezes, não sabemos determinar a causa exata dessa compressão. Sabemos, ainda, que muitos pacientes dormem com os cotovelos fletidos, aumentando a pressão sobre o nervo ulnar ao nível do cotovelo e, como isso é realizado de maneira repetitiva, pode levar a sintomatologia de compressão do nervo ulnar. Não é incomum pacientes reclamarem de acordar no meio da noite com os 4º  e 5º dedos com formigamento (o que chamamos de parestesia) ou podem ter dor nesse local.

Região inervada pelo nervo ulnar

Os pacientes podem reclamar de parestesia  noturna como dito anteriormente, ou em situações que exijam que permaneçam com o cotovelo fletido por um tempo. Podem apresentar diminuição da sensibilidade no território do 4º  e 5º  dedos da mão e eventualmente podem reclamar de perda de força para pegar ou segurar objetos ou para realizar  movimentos finos da mão, tais como tocar um instrumento musical como piano.

Para confirmação diagnóstica, além do exame físico sugestivo, o médico pode solicitar uma eletro-neuromiografia dos membros superiores que geralmente confirma o diagnóstico. Radiografias simples e uma ressonância magnética são importantes para se descartar causas que poderiam levar a compressão, como dito anteriormente.

O tratamento, de inicio é conservador, salvo casos de alteração acentuada da sensibilidade e, especialmente da atividade motora do nervo ulnar. O paciente deve evitar manter o cotovelo muito tempo fletido. Evitar apoiar o cotovelo com a parte interna do cotovelo, pois isso também comprime o nervo e provoca a sintomatologia. Mesmo durante a noite devemos evitar ambas as situações. Travesseiros, entre o braço e antebraço, ajudam ou enrolar uma toalha junto ao antebraço também. Caso o paciente não se adapte, confecção de uma órtese em 70º  de flexão pode ser recomendado, para que o paciente evite fletir o cotovelo a todo custo durante a noite.

O uso de anti-inflamatório está indicado em casos agudos. Exercícios de alongamento são recomendados, mas seus resultados são controversos.

O tratamento cirúrgico é indicado na falha do tratamento conservador por 6 a 12 semanas. Particularmente, eu prefiro a trasposição para anterior do nervo ulnar, pois acredito ser a técnica mais confiável e com menor chance de recidivas.

Transposição do nervo ulnar de posterior para anterior

O pós-operatório dessa cirurgia é relativamente simples para o paciente com retorno as atividades da vida diária em 6 semanas, isso sem restrições. Os piores resultados ocorrem naqueles pacientes  que apresentam tal compressão por mais de 6 meses, portanto não deve demorar para procurar um ortopedista caso apresente uma compressão do nervo ulnar.

Perfil do Autor

joel murachovsky

Dr. Joel Murachovsky é Ortopedista, especialista em cirurgia de Ombro e Cotovelo, com formação realizada no departamento de ortopedia e traumatologia da Santa Casa de São Paulo. Realizou observer fellow no exterior com Dr Gilles Walch em Lyon e Dr Jon JP Warner em Boston (Harvard). Sua graduação em medicina foi feita pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1995). Possui mestrado em Ortopedia e Traumatologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (2002) e doutorado em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa de SP (2006). Atualmente é medico assistente do grupo de ombro e cotovelo da Faculdade de medicina do ABC e faz parte da equipe da Clínica Ortopédica Murachovsky, atendendo no Hospital Israelita Albert Einstein e na rua Mato Grosso nº 128. (11-37391334  ou 11- 32570763) tudosobreombro.com