Páscoa: O Que Significa Esta Palavra?

01/04/2010 • Por • 435 Acessos

PÁSCOA: o que significa esta palavra?- 01/04/2010

Páscoa é uma palavra grega que significa passagem. Quando Deus retira o povo da escravidão, leva-os para uma nova terra, onde eles poderiam plantar e colher em paz e com fartura. Então eles passam de escravos a donos de terra. A senhores de suas vidas e não mais dedicados a um povo que não é seu. Quanto da ordem ao pão sem fermento não era um ritual era apenas a pressa em sair dali, daí não dar tempo do fermento ser preparado para o pão, eles precisavam de pressa para sair, a ordem era sair logo. Não dava tempo de preparo.

Quando Jesus vem morar na terra como homem a páscoa começa de uma nova forma, a vítima pascoal era abatida no templo e poderia ser comida em qualquer casa. Desde que não saísse dos limites da cidade.

Um grupo se reunia nas casas e ali comemorava esta data especial de libertação. Daí Jesus se reunir com seus discípulos para juntos comemorar a páscoa que ali foi substituída pela ceia do Senhor. Hoje então o que comemoramos? Se não somos escravos de nenhuma nação o que devemos festejar?

Comemoramos o cordeiro que morreu de uma vez por todas, não havendo mais necessidade sacrifícios para remissão de pecados. Hoje nenhum animal ou seu sangue é capaz de lavar nossos pecados.

O cordeiro que morreu por nós é festejado não apenas por sua morte, mas por tê-la vencido de forma espetacular. Como nenhum outro homem tenha conseguido fazer. Ao terceiro dia de sua morte ele volta à vida, aparece aos seus e mostra suas marcas de morte. Seu sofrimento ali foi para que nós também tivéssemos uma nova terra, não apenas terra no sentido de local de plantar e colher, mas uma nova terra vencida pelo pecado até então, mas agora alguém lutou por nós e venceu.

Satanás achou tê-lo vencido quando sua morte foi decretada. Ele festejou sua vitória por três dias, ficamos como que sem um salvador durante este tempo, mas era ali naquele terceiro dia que nascia nossa salvação. Jesus ressuscita nos dando o direito de dizer NÃO ao pecado e suas prisões que nos faziam escravos.

Não precisamos mais matar animais e derramar seu sangue porque Cristo o fez por nós. Seu sangue foi derramado não apenas por uma nação ou um povo, mas a todos que hoje e no futuro o aceite como Senhor e Salvador de suas vidas.

No momento da comemoração da páscoa de Jesus com seus discípulos ele toma nas mãos o pão e "deu graças, partiu-o, e o deu aos seus discípulos, dizendo: "Tomem e comam; isto é o meu corpo". Na antiga aliança esta festa era simbólica, era o livramento de Israel. Aqui Jesus muda, dá outro tom, a libertação do homem do pecado, da escravidão de satanás e institui uma lembrança viva de sua morte. Este é o meu corpo, ou seja, eu me entregarei a todos. Não mais será um símbolo de liberdade pessoal de escravidão humana, mas liberdade espiritual do pecado, a liberdade total chega ali com sua morte. Ele se entrega para libertação do mundo, de todos. Não somente de Israel.

"Em seguida tomou o cálice, deu graças e o ofereceu aos discípulos, dizendo: "Bebam dele todos vocês. Isto é o meu sangue da aliança que é derramado em favor de muitos, para perdão de pecados." O sangue seria derramado, seu corpo entregue ao sofrimento para não precisarmos mais sacrificar. O sangue de Cristo foi o suficiente para nos redimir para sempre. Somos livres desde então da escravidão do pecado que tanto nos afligia.

O pão e o vinho quando tomados em memória de Cristo é muito mais que apenas lembrar sua morte, mas a certeza de que alguém se entregou por nossa liberdade. Através do Espírito Santo eles nos comunicam o Evangelho da verdade. "Não é verdade que o cálice da bênção que abençoamos é uma participação no sangue de Cristo, e que o pão que partimos é uma participação no corpo de Cristo? Como há somente um pão, nós, que somos muitos, somos um só corpo, pois todos participamos de um único pão. Portanto, que estou querendo dizer? Será que o sacrifício oferecido a um ídolo é alguma coisa? Ou o ídolo é alguma coisa? Não! Quero dizer que o que os pagãos sacrificam é oferecido aos demônios e não a Deus, e não quero que vocês tenham comunhão com os demônios. Vocês não podem beber do cálice do Senhor e do cálice dos demônios; não podem participar da mesa do Senhor e da mesa dos demônios." (I Coríntios 10: 16-21)

Não é dia de comilança ou dia de sairmos para rua e fazermos festa, a páscoa não é dia de compras desenfreadas, corrida atrás de ovos que nada tem a ver com este dia. Claro que podemos desfrutas dos ovos que são deliciosos, mas não é este o propósito do dia. Este é um dia de reflexão. De pararmos para pensar o que temos feito desta liberdade conquistada com sangue.

Senhor Jesus como estamos mudando os dias de festas como apenas dia de farra, mas a festa deste dia é a festa da alma, a celebração da nossa liberdade da escravidão de satanás que tanto ignoramos existir e faz de nós seus servos. Pai em Nome de Jesus nos perdoe por tantas vezes corrermos para os mercados ao invés de corrermos para nossos quartos e te adorar, e te render graças. Ô pai nos ensine a mortificarmos para te servir, faça morrer em nós o desejo daquilo que não te agrada. Estamos morrendo de fome e não sabemos de que, mas é de fome de ti, nossa alma está tão faminta que estamos nos entregando a todo tipo de porcaria oferecida pelo mundo na intenção de aliviarmos esta fome. Mas de nada resolve só colhemos miséria e mais pecado. Ajude-nos ô pai a enxergar sua remissão através de Jesus.

Até a próxima...

Silvia Leticia Carrijo de Azevedo Sá

 

 

Perfil do Autor

Leticia Carrijo

Bacharel em Teologia   PROFISSIONAL NA AREA DE LOGISTICA HOSPITALAR Pastora auxiliar da Igreja Batista Getsêmani /BH/MG Siga-me no twitter:...