Desigualdade de gênero e violência contra a mulher

23/09/2011 • Por • 228 Acessos

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

                                                                                               Mara Jucá

A violência contra a mulher tem origens profundas que estão localizadas no decorrer da história, e podemos dizer que estas são de difícil desconstrução. A desconstrução das redes que tecem a violência contra a mulher ainda levará muito tempo, porém, não seria ilusório acreditar em sua finitude, na medida em que o que se construiu histórica e socialmente pode ter seu caminho recomposto em outra perspectiva. Em curto prazo, faz-se necessário e urgente um ordenamento jurídico adequado e coerente onde as leis possam alcançar as expectativas e demandas sociais, pois não basta que haja um ordenamento que tenha vigência jurídica, mas não tenha vigência social, isto é, que não seja aceito e aplicado pelos membros da sociedade.

A conscientização da natureza histórica da desigualdade de gênero precisa ser trabalhada desde o início do ensino escolar, já que a desigualdade de gênero somada a ordem patriarcal vigente são alguns dos ingredientes que, unidos ao sentimento de culpa depositado historicamente na psique das mulheres, contribuem para a perpetuação das relações desiguais de poder que acabam por ocasionar em violência.

A violência contra a mulher traz em seu seio, estreita relação com as categorias de gênero, classe e raça/etnia e suas relações de poder. Tais relações estão mediadas por uma ordem patriarcal proeminente na sociedade brasileira, a qual atribui aos homens o direito a dominar e controlar suas mulheres, podendo em certos casos, atingir os limites da violência.

O que há de ficar claro para todos é que o combate ao fenômeno da Violência contra Mulher não é função exclusiva do Estado; a sociedade também precisa se conscientizar sobre sua responsabilidade, no sentido de não aceitar conviver com este tipo de violência, pois, ao se calar, ela contribui para a perpetuação da impunidade. Faz-se urgente a compreensão, por parte da sociedade como um todo, de que os Direitos das Mulheres são Direitos Humanos, e que a modificação da cultura de subordinação calcada em questões de gênero requer uma ação conjugada, já que a violência contra a mulher desencadeia desequilíbrios nas ordens econômica, familiar e emocional.

Perfil do Autor

Mara Sílvia Jucá Acácio

*(Mara Sílvia Jucá Acácio é licenciada plena em Letras (UFPA), Especialista em Língua Portuguesa e Literatura (UFPA), mestre em Lingüística...