CHICO BUARQUE E A HISTÓRIA DE SUAS MÚSICAS

Publicado em: 30/06/2010 |Comentário: 1 | Acessos: 463 |

 

HISTÓRIAS+DE+CANÇÕES_CHICO+BUARQUE.jp 

Tão fascinante quanto conhecer novos lugares, novas cidades, novos países é a viagem através da vida, da obra e da história das canções de Chico Buarque de Hollanda. Para quem deseja conhecer o que está por trás de muitas de suas canções, foi lançado pela Editora Leya o livro "Histórias de Canções – Chico Buarque", escrito por Wagner Homem, que, desde 1998, é responsável pelo site do artista. No início do site, conta Wagner, deu muito trabalho convencer Chico a ter um e-mail. "Para quê? Me comunico pelos correios ou telefone. Para mandar documento uso o fax". Até que acabou cedendo. O livro não é uma homenagem, mas a divulgação de fatos e curiosidades dos bastidores da vida de Chico.

"Músicas têm histórias, e é bom saber delas, principalmente das de Chico", assim disse Toquinho, seu grande amigo há mais de quarenta anos.

Cecília, Rita, Carolina, Cristina, Luisa, Teresinha, Januária, Beatriz, Bárbara, quem são essas mulheres? Que significado tiveram na vida de Chico?

E o oprimido operário que arrisca a vida nas alturas e inspirou a beleza de Construção, quando o artista chegou próximo da tão falada unanimidade, recebendo elogios de críticos de todas as tendências? Particularmente, considero Construção a obra-prima de Chico Buarque. A riqueza da melodia, o primor da letra em dodecassílabos, alternando rimas em proparoxítonas, associados aos arranjos do maestro Rogério Duprat, são, em grande parte, os responsáveis pelo sucesso, não só da música em si, mas de todo o disco LP, lançado na época obscura da ditadura militar, no ano de 1971. Ele conta que pagou muito jabá (exposição na mídia em troca de dinheiro) para que Construção fosse tocada nas rádios, principalmente por ser muito longa para os padrões da época.

E a fossa que chega a dilacerar ao ouvir-se Tatuagem e Atrás da Porta, esta em parceria com Francis Hime, principalmente na voz de Elis Regina, que chegava a chorar quando a interpretava. E também a triste poesia de Gente Humilde e Minha História (versão de Gèsu bambino, no original em italiano, autoria de Lucio Dalla e Paola Pallottino).

Chico inventou o compositor Julinho da Adelaide para tentar driblar a censura. Com esse pseudônimo e também Leonel Paiva (outro pseudônimo) ele lançou em 1974, Acorda Amor, que fez grande sucesso. Apesar da letra politicamente pesada e acusatória, a canção foi aprovada sem restrições, uma vez que nada constava anteriormente contra os dois novos "compositores".  Conseguiu fazer isso por um tempo até ser descoberto, quando a censura então passou a exigir o RG do compositor. A censura apalermada, composta por ignorantes, proibia a tudo e a todos sem nem saber o real motivo. Foi o caso de Trocando em Miúdos, de 1978, parceria com Francis Hime. No verso "devolva o Neruda que você me tomou e nunca leu", a censura queria tirar o nome do poeta de esquerda. Chico argumentou através dos advogados que o representavam, uma vez que ele nunca foi diretamente a nenhum censor: "Pode deixar, afinal ela nunca leu". Se o argumento colou, não se sabe, mas o fato é que a canção foi liberada. Então...

Wagner conta que teve total liberdade para escrever o livro, e liberdade é um dos preceitos que Chico mais adota e preserva. "Ele jamais negou uma história. No máximo, dizia que não se lembrava".

As canções de Chico são recheadas de variados e delicados sentimentos, que vão da indignação e resistência à ditadura militar às trilhas sonoras para o cinema e o teatro, passando por sua bela e lúdica (mas também politizada) produção infantil. E o livro, mais do que um registro documental é uma leitura deliciosa. Existem novas histórias e alguns complementos que provocam interrogações nas muitas que foram inventadas e fazem parte do imaginário coletivo.

Há um fato interessante na canção Januária, e Wagner conta que "Quando eu organizava as canções para o livro, Chico me perguntou de onde eu havia tirado o verso ‘logo aponta os lábios dela', já que o correto era ‘logo aponta os lados dela'. Respondi que era assim mesmo que ele cantava no LP de 1968. Preocupado com o erro, pus-me a escutar o velho vinil, até que, finalmente, o ouvido viciado conseguiu entender que, de fato, era ‘lados'. Inconformado com a minha falta de sensibilidade, compartilhei a dúvida com pessoas amigas, e 90% delas entendiam ‘lábios'. Não foi um consolo nem uma justificativa, mas me senti aliviado quando descobri que tanto Isaurinha Garcia (no álbum Chico Buarque e Noel Rosa) como Caetano Veloso (no CD Contemporâneos, de Dori Caymmi), cantam ‘lábios'. Imediatamente enviei um e-mail ao compositor narrando o fato e concluí: ‘Só privilegiados têm ouvido igual ao seu. Eu e Caetano só o que Deus nos deu'. Chico nunca respondeu". Em 2005, na exposição comemorativa aos seus 60 anos e que tive o prazer de visitar, um manuscrito mostrava que num primeiro rascunho, o verso era "sempre aponta a casa dela". Por curiosidade fui conferir a contracapa do LP de 1968 (que, assim como vários outros, conservo como relíquia), onde constam as letras das músicas do disco. E lá está com todas as letras "logo aponta os lábios dela". Assim comoo autor do livro, pus-me a ouvir a música, tanto no LP como no computador. E, realmente, Chico tem razão. Ele fala mesmo "logo aponta os lados dela". Então, ficamos assim. 

A canção Ode aos Ratos (parceria com Edu Lobo, feita em 2000 para o musical Cambaio) também tem uma história curiosa e que, evidentemente, não agrada às mulheres. Em certa parte cita "Rato de rua / aborígine do lodo / fuça gelada..." A ótima cantora Mônica Salmaso contou, durante um show, que soube por fontes fidedignas a seguinte história: escrevendo a letra, Chico percebeu que lhe faltavam informações sobre as características dos ratos, e ligou para o amigo, compositor e zoólogo Paulo Vanzolini (de quem gravou Praça Clóvis e Samba Erudito):

— Vanzolini, aqui é o Chico. Eu estou escrevendo uma letra sobre ratos e queria que você me ajudasse a saber como eles são. O nariz, como é que é? É frio? Quente? Macio? Duro? E a pelagem?

— Ô Chico! Você mente tanto sobre mulher... Por que não inventa qualquer coisa também sobre os ratos?

— Pô, Vanzolini... Pelos ratos eu tenho o maior respeito.

Estas são apenas algumas das histórias de um total de 133 canções mostradas no livro. Difícil, quando não impossível, é dizer qual a melhor delas. Cada um tem sua opinião e, certamente, muitas dessas canções, de uma forma ou de outra, marcaram nossas vidas.

Chico Buarque é isso e muito mais. Está além das barreiras da idade, ideologias, bagagem cultural, nível econômico e social. É, sem sombra de dúvida, adorado pela maioria (dizem que até pela filha do ex-presidente Geisel, o que ele nega). E, mais do que tudo, Chico é brasileiro, o que nos causa um enorme alento, especialmente nestes tempos de tanta descrença. O oposto ao verso final da canção Desalento, onde ele diz "corre e diz a ela que eu entrego os pontos".

******

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/musica-artigos/chico-buarque-e-a-historia-de-suas-musicas-2755375.html

    Palavras-chave do artigo:

    chico buarque

    ,

    historias

    ,

    cancoes

    Comentar sobre o artigo

    Conheça toda a biografia e saiba por que a procura por cifras do Caetano Veloso é tão grande na internet.

    Por: Felipe Ferreiral Arte& Entretenimento> Músical 09/02/2010 lAcessos: 765
    Prof. JV de Miranda Leão Neto

    Contando a história comum dos mortais que ainda sobrevivem à miséria humana, Chico Buarque deu à História da MPB uma das músicas mais belas e completas de toda a História da Humanidade.

    Por: Prof. JV de Miranda Leão Netol Arte& Entretenimento> Músical 18/04/2012 lAcessos: 71
    Bete Bissoli

    Este artigo tem por tema musical a marcha-rancho, certamente o gênero mais lírico do nosso carnaval. "Ó Abre Alas, de Chiquinha Gonzaga, é uma marcha-rancho que se perpetuou, pois é mais que centenária (foi feita há 110 anos) e deu origem, alguns anos depois, à marchinha carnavalesca.

    Por: Bete Bissolil Arte& Entretenimento> Músical 17/02/2013 lAcessos: 27
    Prof. JV de Miranda Leão Neto

    A estória subliminar que uma música contou – Duas canções de Alice Cooper, executadas uma mixada à outra no disco original, permitem uma "tradução" da letra de ambas para uma estória muito mais condizente com as suas melodias.

    Por: Prof. JV de Miranda Leão Netol Arte& Entretenimento> Músical 06/10/2014

    Vivemos num mundo dinâmico e como tal, estudar de forma tradicional (apenas na sala de aula) não é mais a única possibilidade. Com isso, o Aprendizado Musical Online vem conquistando mercado e apresentando novas perspectivas. Esta modalidade de ensino baseia-se na utilização de tecnologias da informação e comunicação.

    Por: Leonardo Nunesl Arte& Entretenimento> Músical 03/10/2014
    Jayme de Oliveira

    No início eu achava muito bacana o fato de alguém decidir tomar uma atitude de realizar um sonho, pois esse desejo não passa de um sonho. E para muitas pessoas, vai ficar apenas no sonho, na conversa, quem sabe até a vida pague essa promessa, como diz a letra da música "Verdade Chinesa" gravada por "Emílio Santiago". Então, pensava eu, se a pessoa deu o primeiro passo, que é se matricular num curso, ela já deixou de apenas sonhar e começou um processo de conseguir o seu sonho.

    Por: Jayme de Oliveiral Arte& Entretenimento> Músical 30/09/2014

    Conheça mais sobre aulas de canto e como você pode ser beneficiado por elas sem perder o seu dinheiro pagando aulas que não vão te ajudar.

    Por: Melo Sitesl Arte& Entretenimento> Músical 29/09/2014

    Aborda a música contemporânea, realizando uma crítica desta e comparando-a com a música de outras décadas. Possui discurso informal, com tom satírico, questionando a qualidade da arte musical contemporânea. Aborda a submissão da indústria da música à mercadologia da mesma, questionando o fato de que os princípios mínimos desta arte, não são seguidos.

    Por: Incognitul Arte& Entretenimento> Músical 24/09/2014

    Aprenda o que é teoria musical e os processos relacionados à música como um todo. Veja o que é preciso saber para dominar completamente os ramos da improvisação musical.

    Por: elianal Arte& Entretenimento> Músical 12/09/2014

    Você sofre por não ter tempo pra treinar? Você não tem certeza do que praticar com o pouco tempo que possui? Já que é quase impossível aumentar o tempo que você tem pra praticar, é possível porém aumentar a eficiência do treino com o pouco tempo que você tem. A seguir estão as dicas sobre o que você precisa para obter máximo resultado.

    Por: ekipel Arte& Entretenimento> Músical 10/09/2014 lAcessos: 11

    Daí você me pergunta: qual o problema do artista querer fazer uma grana extra com cerveja, já que vender música não tem sido um bom negócio? Respondo com outra pergunta: o que essas bandas fizeram de musicalmente relevante nos últimos tempos para justificar boas vendas?

    Por: Diogo Azzevedol Arte& Entretenimento> Músical 22/08/2014 lAcessos: 29

    O artigo faz um breve resumo da revolução de 31 de março de 1964, tecendo também alguns comentários sobre a situação atual do Brasil.

    Por: Arnaldo Agria Hussl Notícias & Sociedade> Polítical 31/03/2014

    Perez Prado foi o inventor do mambo em 1943. Cubano de nascimento, foi no México que se consagrou com sua sensacional orquestra que, ao tocar, não deixava ninguém ficar quieto. Foi considerado o "band-leader" número 1 da América Latina. Foi reverenciado até por Gabriel Garcia Marquez. Morreu na Cidade do México em 14 de setembro de 1989.

    Por: Arnaldo Agria Hussl Arte& Entretenimentol 26/08/2013 lAcessos: 21

    O artigo abrange a forte expansão desta facção criminosa, que já está presente em vários estados brasileiros e também no Distrito Federal, além de três países da América do Sul.

    Por: Arnaldo Agria Hussl Notícias & Sociedade> Cotidianol 30/06/2013 lAcessos: 46

    Uma descrição das condições desta rodovia paulista que liga os municípios de Jacareí a Campinas, possibilitando acesso a várias outras cidades ao longo dos seus 132 quilômetros.

    Por: Arnaldo Agria Hussl Turismo e Viagem> Dicas de Viageml 28/05/2013 lAcessos: 81

    O texto relata as atrações de Conservatória, no estado do Rio de Janeiro, ponto de encontro de seresteiros e turistas, onde se vivem momentos mágicos. Cita também os caminhos para se chegar até lá, para quem vem de São Paulo, Rio e Minas Gerais.

    Por: Arnaldo Agria Hussl Turismo e Viagem> Dicas de Viageml 05/05/2013 lAcessos: 64

    Em 16 tópicos o texto disserta sobre situações que estão fazendo as pessoas não aguentarem mais o que se passa no Brasil e em alguns lugares do mundo. Os tópicos descritos mostram a total indignação do autor com esse estado de coisas.

    Por: Arnaldo Agria Hussl Notícias & Sociedade> Cotidianol 26/04/2013 lAcessos: 21

    A história destas três canções que fazem parte do 12o. álbum dos Beatles, Abbey Road, lançado em 26 de setembro de 1969.

    Por: Arnaldo Agria Hussl Arte& Entretenimento> Músical 19/04/2013 lAcessos: 16

    O TEXTO FAZ UMA BREVE ANÁLISE DA LEI 4870/12 QUE PERMITE A ESTUDANTES MAIORES DE 16 ANOS DE IDADE INGRESSAREM NA UNIVERSIDADE MESMO SEM A CONCLUSÃO DO ENSINO MÉDIO.

    Por: Arnaldo Agria Hussl Educação> Ensino Superiorl 30/03/2013 lAcessos: 14

    Comments on this article

    0
    Denise Mello 07/07/2010
    O mestre Huss sempre nos traz surpresas agradáveis quando escreve sobre música, já que é um expert. O texto é perfeito, elucidativo. Ótima a antítese que fecha o artigo:"E, mais do que tudo, Chico é brasileiro, o que nos causa um enorme alento, especialmente nestes tempos de tanta descrença. O oposto ao verso final da canção Desalento, onde ele diz "corre e diz a ela que eu entrego os pontos".
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast