Incoterms

Publicado em: 30/09/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 475 |

fonte: http://sites.google.com/site/engenhariaprojetoseconstrucao/

There are actually two FCA terms: FCA Seller's Premises where the seller is responsible only for loading the goods and not responsible for inland freight; and FCA Named Place (International Carrier) where the seller is responsible for inland freight.

The 13 INCOTERMS

Origin Terms

EXW - Ex-Works, named place where shipment is available to the buyer, not loaded.
The seller will not contract for any transportation.


International Carriage NOT Paid by Seller

FCA - Free Carrier, unloaded at the seller's dock OR a named place where shipment is available to the international carrier or agent, not loaded.

This term can be used for any mode of transport.

FAS - Free Alongside Ship, named ocean port of shipment.
Ocean shipments that are NOT containerized.

FOB - Free On Board vessel, named ocean port of shipment.
This term is used for ocean shipments only where it is important that the goods pass the ship's rail.


International Carriage Paid by the Seller

CFR - Cost and Freight, Named ocean port of destination.
This term is used for ocean shipments that are not containerized.

CIF - Cost, Insurance and Freight, named ocean port of destination.
This term is used for ocean shipments that are not containerized.

CPT - Carriage Paid To, named place or port of destination.
This term is used for air or ocean containerized and roll-on roll-off shipments.

CIP - Carriage and Insurance Paid To, named place or port of destination.
This term is used for air or ocean containerized and roll-on roll-off shipments.


Arrival At Stated Destination

DAF - Delivered At Frontier, named place of destination, by land, not unloaded.
This term is used for any mode of transportation but must be delivered by land.

DES - Delivered Ex-Ship, named port of destination, not unloaded.
This term is used for ocean shipments only.

DEQ - Delivered Ex-Quay, named port of destination, unloaded, not cleared.
This term is used for ocean shipments only.

DDU - Delivered Duty Unpaid, named place of destination, not unloaded, not cleared.
This term is used for any mode of transportation.

DDP - Delivered Duty Paid, named place of destination, not unloaded, cleared.
This term is used for any mode of transportation.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/negocios-artigos/incoterms-1288133.html

    Palavras-chave do artigo:

    incoterms

    Comentar sobre o artigo

    Nos últimos anos o seguro avançou bastante no Brasil. Mas não o suficiente para ter um peso mais adequado na economia.

    Por: revistacobertural Press Releasel 27/12/2012 lAcessos: 17
    Hebert Mendes de Araújo Schütz

    O objetivo deste trabalho evidencia, em primeiro plano, a legislação brasileira e sua relação com a Convenção Internacional das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias, estabelecida em Viena em 11 de abril de 1980, no âmbito da Comissão das Nações Unidas para o Direito Mercantil Internacional, e em vigor desde 1988.

    Por: Hebert Mendes de Araújo Schützl Direito> Doutrinal 14/06/2011 lAcessos: 273
    Marcelo dos Santos Rodrigues

    Em 1993, quando ingressei no comércio exterior, para executar determinadas tarefas era necessário um número considerável de pessoas e alguns datilógrafos (aliás ainda existe essa função?). Tínhamos vários Office-boys, vários zangões – aqueles que não tinham credencial para entrar nos portos ou repartições federais, mais mesmo assim executavam o trabalho.

    Por: Marcelo dos Santos Rodriguesl Negócios> Gestãol 28/07/2011 lAcessos: 152

    Há poucos dias, neste mesmo espaço, escrevemos que - em termos de câmbio e pagamentos internacionais - o Brasil vive dias de liberdade. A cada dia, cada mês, cada ano, mais desregulamentação. Mas a nossa regulamentação cambial básica, consolidada no Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI), do Banco Central do Brasil, ainda é muito extensa, com as suas 250 páginas. Mas, para o que já teve mais de mil, está de bom tamanho!

    Por: Daniellel Finançasl 16/12/2010 lAcessos: 654
    Valdec Romero Castelo Branco

    A empresa deverá vender valor, não preço – tenha em mente sempre que o fator mais importante para o cliente é o benefício que ele busca obter com a compra do seu produto e não o dinheiro que gastará para adquiri-lo. O consumidor de hoje já não se comporta mais como os de antigamente, o de hoje é mais bem informado, raciocina com justeza, busca preços mais razoáveis e produtos com qualidade. Valores abaixo de mercado, porém, podem provocar desconfiança em relação à qualidade da mercadoria.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Negócios> Vendasl 20/07/2010 lAcessos: 123

    Apólice – consiste no instrumento básico do contrato de seguro. Nos seguros de transporte, pode ser de três tipos:

    Por: João Carlosl Negócios> Negócios Onlinel 27/06/2010 lAcessos: 771

    As atividades físicas realizadas ao ar livre, como as corridas, são uma excelente estratégia para sair do sedentarismo. No entanto, não podemos deixar de nos preocupar com a temperatura corporal, principalmente em lugares quentes e úmidos. Assim, faz-se necessário uma hidratação regular durantes a prática de atividades, mais precisamente na corrida. No teste realizado, a amostra foi composta por 10 indivíduos do sexo masculino com média de idade de 25,4 ± 4,6 anos, todos estudantes de Educação

    Por: Marcelo Charallol Esportel 31/12/2008 lAcessos: 4,399 lComentário: 2
    Gustavo Rocha

    Técnica criada por Taiichi Ono, que foi o desenvolvedor do sistema de produção da Toyota, evidencia uma metodologia de uso dos 5 porquês para chegar a causa raiz de um problema. Não há nada além de 5 porquês, um respondido após o outro. Como assim? Vejamos um exemplo: No 1º porquê, temos um sintoma No 2º porquê, temos uma desculpa No 3º porquê, temos um culpado No 4º porquê, temos uma causa No 5º porquê, temos a causa raíz (…)

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 17/12/2014
    Gustavo Rocha

    Recentemente com o falecimento do Roberto Bolaños, o ator que interpretava o impagável personagem Chaves, Chapolin e tantos outros na TV, a história de sua vida veio a tona. Foi um ator que sonhava em ser dramaturgo, sonhava interpretar Shakespeare. A sua vida lhe levou, entretanto, a criar um personagem singelo, meigo que encantou e encanta gerações. E, para pensarmos um pouco, se Roberto fosse um dramaturgo Shakespeareno de sucesso?

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 16/12/2014
    Gustavo Rocha

    Parece bobagem para muitas pessoas, mas é um assunto sério que deve ser enfrentado por acompanhamento médico e especializado. Nas empresas, tal situação pode ser vista como desídia, como algo que o colaborador não quer, mas podemos estar diante de uma doença. Obviamente, existe a doença, existe a desídia e existe quem não quer trabalhar, mas entender um pouco mais a doença pode ser útil para distinguir o joio do trigo. Vejamos 8 sinais que esta doença pode estar acontecendo.

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 15/12/2014
    Gustavo Rocha

    Quantas vezes vejo gestores dizendo que não tem tempo, vivem em reuniões, vivem em relatórios, vivem em compromissos fora da empresa, enquanto suas vidas se esvaem em conversas, problemas e relatórios, o departamento jurídico subsiste e de trancos e barrancos a vida segue seu rumo… E o tempo para ver o que os colaboradores estão desenvolvendo? O tempo necessário para pensar nas melhorias do departamento jurídico?

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 10/12/2014
    Gustavo Rocha

    8 de Dezembro, dia da justiça. Uma data que o judiciário fecha, mas a justiça continua sendo desejada e aguardada. Uma data que devemos pensar no que é justiça para nós. Um processo que dura mais de 30 anos para ser julgado? Um processo eletrônico que tem sentença em 30 dias, mas uma sentença padronizada, como se a vida de cada um que busca a justiça pudesse ser igual.

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 07/12/2014
    Gustavo Rocha

    Muito se afirma que além de profissionais, devemos ser estratégicos, e complemento afirmando que ser estratégico é muito mais do que a própria estratégia em si, trata-se de inteligência emocional, comportamento, visão de vida, experiência, entre outros. Divido o artigo publicado na Exame.com com comentários em azul. 1. Transição da ética social

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 04/12/2014
    Gustavo Rocha

    Todos querem ser líderes, a grande maioria se acha líder mas não passa de um mero chefe e ser líder cada vez é mais complexo num ambiente onde as pessoas tem mais conhecimento, mais ambição e muito mais possibilidades de mercado. Neste cenário, Ram Charam nos brinda com 7 características que o líder deve ter e teço alguns comentários a respeito. 1. Tenha clareza da meta. Imagine e visualize onde você quer chegar com sua empresa ou um produto

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 03/12/2014

    A contabilidade é uma das mais antigas profissões, com o passar do tempo se tornou cada vez mais complexa e rigorosa, o presente trabalho visa expor como uma profissão extremamente necessária para a sociedade é tão pouco valorizada. A interligação existente entre a formação de um profissional e de como ele é visto pela sociedade posteriormente faz parte do artigo em questão. Por ser uma carreira com crescente demanda de mercado, faz com que muitos passem a olhar com mais interesse para o curso.

    Por: Daiana Rafaela Pedersinil Negóciosl 03/12/2014 lAcessos: 12

    Ser um líder não é simplesmente dar ordens de qualquer maneira. É aquele que sabe orientar a equipe para seguir a direção correta, aquele que sabe motivar as pessoas para alcançar o objetivo com planejamento, organização, disciplina e criatividade. Para ser um líder precisamos transformar conhecimento em ação. O verdadeiro líder não é alguém que nasce para ser líder, mas aquele que trabalha para que todos sejam líderes. Um líder deve ter capacidades especiais

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Gerêncial 01/12/2009 lAcessos: 3,020

    Como um dos componentes mais antigos associados a computadores, o sistema de gerenciamento de banco de dados, ou SGBD, é um software que foi concebido como objetivo de gerenciar todos os bancos de dados. Existem diferentes tipos de sistemas de gerenciamento de banco de dados, sendo que alguns deles concebidos para a supervisão e controle adequado das bases de dados configurados para fins específicos.

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Tecnologia> TIl 26/11/2009 lAcessos: 1,131

    A importância do planejamento estratégico objetivando adquir estabilidade no mercado. No Brasil não existe o habito de fazer planejamento estratégico desde a fundação da empresa. Nos paises de primeiro mundo tal pratica é um habito.

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Gestãol 25/11/2009 lAcessos: 1,993 lComentário: 9

    As respectivas responsabilidades de cada setor para o bom andamento do projeto

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Ger. de Projetosl 25/11/2009 lAcessos: 1,919

    os principais portos marítimos do Brasil e seus respectivos links.

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negóciosl 23/11/2009 lAcessos: 3,591

    Os principais portos marítimos do mundo descritos por região geografica

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negóciosl 23/11/2009 lAcessos: 11,220 lComentário: 1

    * Local de entrega * Definição de preços * Termo de pagamento * Garantia * Suporte ao produto * Seguros * Incentivos * Penalidades * Papéis e responsabilidade * Declaração de trabalho da entregas * Linha base do cronograma * Limitação de responsabilidade * Relatórios de desempenho * Remunerações e retenções * Período de desempenho * Local de desempenho do Fornecedor * Aprovação de subcontratadas * Solicitações de mudanças

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Ger. de Projetosl 16/11/2009 lAcessos: 1,764

    Publico uma lista com regras básicas e essenciais, independentemente da carga transportada, e que devem ser recordadas ou observadas durante uma operação de transporte. Se uma carga não for acondicionada de forma adequada, configura-se perigo para as pessoas envolvidas nas operações de transporte e para terceiros. A carga mal acondicionada pode tombar do veículo, provocar congestionamento de tráfego e a morte ou lesões a terceiros, logo devemos ter em mente a grande responsabilidade.

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Administraçãol 28/10/2009 lAcessos: 1,772 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast