Ligar os pontos

Publicado em: 09/10/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 21 |

Steve Jobs fez um discurso arrebatador em Standford, que já colacionamos neste portal. Uma parte deste discurso em particular chama muito a atenção por ser mais do que uma história de vida, é um exemplo de conectar as coisas que parecem desassociadas, mas são ligadas, como se fossem pontos…

Vejamos o texto de Jobs:

Ligar os pontos

Eu abandonei o Reed College depois de seis meses, mas fiquei enrolando por mais dezoito meses antes de realmente abandonar a escola. E por que eu a abandonei?
Tudo começou antes de eu nascer. Minha mãe biológica era uma jovem universitária solteira que decidiu me dar para a adoção. Ela queria muito que eu fosse adotado por pessoas com curso superior. Tudo estava armado para que eu fosse adotado no nascimento por um advogado e sua esposa. Mas, quando eu apareci, eles decidiram que queriam mesmo uma menina. Então meus pais, que estavam em uma lista de espera, receberam uma ligação no meio da noite com uma pergunta: "Apareceu um garoto. Vocês o querem?" Eles disseram: "É claro." Minha mãe biológica descobriu mais tarde que a minha mãe nunca tinha se formado na faculdade e que o meu pai nunca tinha completado o ensino médio. Ela se recusou a assinar os papéis da adoção. Ela só aceitou meses mais tarde quando os meus pais prometeram que algum dia eu iria para a faculdade.

E, 17 anos mais tarde, eu fui para a faculdade. Mas, inocentemente escolhi uma faculdade que era quase tão cara quanto Stanford. E todas as economias dos meus pais, que eram da classe trabalhadora, estavam sendo usados para pagar as mensalidades. Depois de 6 meses, eu não podia ver valor naquilo. Eu não tinha idéia do que queria fazer na minha vida e menos idéia ainda de como a universidade poderia me ajudar naquela escolha. E lá estava eu gastando todo o dinheiro que meus pais tinham juntado durante toda a vida. E então decidi largar e acreditar que tudo ficaria OK. Foi muito assustador naquela época, mas olhando para trás foi uma das melhores decisões que já fiz. No minuto em que larguei, eu pude parar de assistir às matérias obrigatórias que não me interessavam e comecei a frequentar aquelas que pareciam interessantes.

Não foi tudo assim romântico. Eu não tinha um quarto no dormitório e por isso eu dormia no chão do quarto de amigos. Eu recolhia garrafas de Coca-Cola para ganhar 5 centavos, com os quais eu comprava comida. Eu andava 11 quilômetros pela cidade todo domingo à noite para ter uma boa refeição no templo hare-krishna. Eu amava aquilo. Muito do que descobri naquele época, guiado pela minha curiosidade e intuição, mostrou-se mais tarde ser de uma importância sem preço.

Vou dar um exemplo: o Reed College oferecia naquela época a melhor formação de caligrafia do país. Em todo o campus, cada poster e cada etiqueta de gaveta eram escritas com uma bela letra de mão. Como eu tinha largado o curso e não precisava frequentar as aulas normais, decidi assistir as aulas de caligrafia. Aprendi sobre fontes com serifa e sem serifa, sobre variar a quantidade de espaço entre diferentes combinações de letras, sobre o que torna uma tipografia boa. Aquilo era bonito, histórico e artisticamente sutil de uma maneira que a ciência não pode entender. E eu achei aquilo tudo fascinante.

Nada daquilo tinha qualquer aplicação prática para a minha vida. Mas 10 anos mais tarde, quando estávamos criando o primeiro computador Macintosh, tudo voltou. E nós colocamos tudo aquilo no Mac. Foi o primeiro computador com tipografia bonita. Se eu nunca tivesse deixado aquele curso na faculdade, o Mac nunca teria tido as fontes múltiplas ou proporcionalmente espaçadas. E considerando que o Windows simplesmente copiou o Mac, é bem provável que nenhum computador as tivesse. Se eu nunca tivesse largado o curso, nunca teria frequentado essas aulas de caligrafia e os computadores poderiam não ter a maravilhosa caligrafia que eles têm. É claro que era impossível conectar esses fatos olhando para a frente quando eu estava na faculdade. Mas aquilo ficou muito, muito claro olhando para trás 10 anos depois.

De novo, você não consegue conectar os fatos olhando para frente. Você só os conecta quando olha para trás. Então tem que acreditar que, de alguma forma, eles vão se conectar no futuro. Você tem que acreditar em alguma coisa – sua garra, destino, vida, karma ou o que quer que seja. Essa maneira de encarar a vida nunca me decepcionou e tem feito toda a diferença para mim.

Quer dizer, muitas coisas que acontecem em nossas vidas podem não ser úteis num primeiro momento, mas podem estar conectadas a algo que vai ser útil no futuro.

O que é lógico sabermos, como por exemplo, ser durante um tempo estagiário, depois advogado junior, pleno e senior faz parte do crescimento da nossa vida.

Contudo, em alguns momentos passamos por situações que nem sempre parecem ter lógica naquele momento.

Uma demissão inesperada. Ou seria um momento de reflexão?

Uma bronca sem motivo. Ou um momento para verificar o que aconteceu, em quem confiamos?

Um salário menor do que o trabalho executado. Ou um momento de analisar o trabalho e a empresa que atuo?

Nada é por acaso.

Use a abuse desta realidade.

______________________________________________

Artigo escrito por Gustavo Rocha – Sócio da Consultoria GestaoAdvBr

www.gestao.adv.br  |  gustavo@gestao.adv.br

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/negocios-artigos/ligar-os-pontos-6235651.html

    Palavras-chave do artigo:

    estrategia

    Comentar sobre o artigo

    Este paper propõe uma discussão sobre necessidade e importância do composto estratégico e o marketing nas instituições de ensino particulares (IEP) em um mercado altamente competitivo, onde a oferta se multiplica e a demanda apresenta nítidos sinais de retração, forçando as instituições a buscarem alternativas e estratégias de sobrevivência. Assim, pretende-se refletir sobre a necessidade do estabelecimento de competências técnicas dos gestores das escolas em relação à construção estratégica.

    Por: admir borgesl Negócios> Gestãol 05/07/2011 lAcessos: 175

    O objetivo deste estudo foi descrever sobre as estratégias de marketing para os chamados ciclos de vida do produto que compreendem no lançamento ou introdução, o crescimento, a maturidade e o declínio. Para cada ciclo de vida é importante a empresa traçar estratégias especificas para que o produto ou serviço esteja sempre em evidencia perante á concorrência. O desenvolvimento do artigo foi feito com base em uma pesquisa bibliográfica e as fontes partiram da análise de textos já publicados, retir

    Por: marcio valentel Marketing e Publicidadel 29/11/2011 lAcessos: 1,283
    Francimar Germano

    A importância da execução de difrentes tipos de estratégia para se alcançar o sucesso na ORAGANIZAÇÃO.

    Por: Francimar Germanol Negócios> Administraçãol 03/06/2011 lAcessos: 801 lComentário: 1

    Este é um dos grandes do mundo da publicidade na Internet. Usando tal estratégia sabiamente pode criar baixo risco, alto potencial de lucro para ambos os comerciantes on-line e proprietários de sites da web. Embora nenhuma estratégia de marketing é à prova de idiota, é uma opção de publicidade popular para aqueles com orçamentos mais apertados e uma maior tolerância para a competição de marketing online. Então, como é que este trabalho de estratégia?

    Por: Joel da Silval Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 24/02/2013 lAcessos: 32
    Silvane dos Santos Matias

    INTRODUÇÃO: O presente artigo aborda sobre a Visita Domiciliar como um dos instrumentos que se constitui numa atividade básica a ser realizada em atenção primária à saúde.OBJETIVOS: Refletir acerca da Visita Domiciliar buscando compreender a sua prática desde seu surgimento e como esta se efetiva hoje diante dos princípios do SUS e da ESF. METODOLOGIA: Pesquisa bibliográfica, tendo como aporte teórico os autores: Kawamoto, Fallante&barreira;, Camarano, Lacerda, Mattos, Takahashi. RESULTADOS: Obs

    Por: Silvane dos Santos Matiasl Saúde e Bem Estarl 13/07/2010 lAcessos: 10,991 lComentário: 1
    Jose M Passini

    Uma base teórica sobre o Planejamento Estratégico, como funciona e sua importância nas empresas e em todos os negócios.Nesta primeira parte é enfatizado o seu conhecimento em si e a necessidade de aplicar esse conhecimento que se tornou uma ferramenta fundamental para obter sucesso, em qualquer negócio online. Em todos os setores da vida a estratégia precede qualquer tomada de decisão que vise atingir um objetivo, tanto pessoal quanto empresarial ou político.

    Por: Jose M Passinil Negócios> Negócios Onlinel 25/10/2009 lAcessos: 70

    Mintzberg faz o seu primeiro artigo sobre o tema da estratégia em 1967, durante a preparação da sua tese de doutoramento, e que contrastou com a teoria evolucionista (Darwinista) da empresa – “The Science of Strategy Making” Em 1971 iniciou um projecto de investigação que pretendia acompanhar a estratégia das empresas ao longo do tempo de forma a concluir sobre a implicação dessa estratégia no seu desempenho e opções. Este projecto durou doze anos e em 1987 foi publicada na HBR.

    Por: Miguel Cristovaol Negóciosl 11/07/2009 lAcessos: 293
    Reginaldo Mendes Sousa

    Se você estiver começando um negócio on-line, geração de tráfego deve ser uma de suas prioridades. Sem tráfego, você tem literalmente nada. Se você sabe como gerar tráfego em demanda, você pode fazer quantidades infinitas de dinheiro. Dizendo que - o tráfego é apenas uma parte da equação - a monetização é o outro. Eu diria que cerca de 70% da "equação" é o tráfego. Então, se você pode gerar tráfego, especialmente de graça - você pode fazer um monte de dinheiro. Então, aqui estão apenas 7 estraté

    Por: Reginaldo Mendes Sousal Marketing e Publicidade> Multimídial 02/05/2013 lAcessos: 30
    Wallace Oliveira

    Guilherme Barbassa, diretor executivo da Stratec – empresa de tecnologia especializada em soluções e metodologias de gestão estratégica, fala sobre a importância do alinhamento entre estratégia e processos dentro das organizações

    Por: Wallace Oliveiral Negócios> Gestãol 03/06/2013 lAcessos: 35

    Todas as pessoas têm "programas mentais" ou estratégias para os mais diversos comportamentos. Temos estratégias que nos motivam a realizar tarefas como estudar, trabalhar, divertir e até dormir. A questão é saber distinguir estas estratégias e utilizá-las de maneira útil, para nos ajudar a realizar ações que são importantes em nossa vida pessoal e profissional.

    Por: Ari Limal Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 27/09/2010 lAcessos: 2,363

    Começar um negócio próprio não é nada fácil. Quem já teve essa experiência sabe que as dificuldades parecem não ter fim, e a vontade de desistir ou voltar a vida de empregado, batem na porta com a saudade da rotina comum da maioria dos trabalhadores. Construir sua empresa requer uma paciência especial, porque problemas acontecem a todo instante e coisas que você nem imagina ou pensava em se importar, se tornam primordiais para o funcionamento dela.

    Por: 3xcelerl Negóciosl 22/10/2014 lAcessos: 12
    Gustavo Rocha

    Uma interessante pesquisa do GEJUR aponta em inúmeros escritórios participantes, os meios e métodos de uso das metas de eficiência. Tema deveras polêmico, pois na maioria das visões que conheço e vivencio, ambas as partes (sociedade e advogados) reclamam dos métodos aplicados. De um lado, escritório, querem medir o desempenho para opor melhor crescimento do negócio e de outro lado os profissionais, que querem mostrar este desempenho para alcançarem maiores vôos… Divido a pesquisa:

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 17/10/2014

    Com o crescimento das empresas, os empresários sentiram a necessidade de fiscalizar seus procedimentos internos, como não poderiam fazê-lo pessoalmente, precisavam de uma pessoa que emitisse seu parecer com sugestões de melhoria para os problemas apresentados foi a partir dessa fase que surgiu o auditor interno e externo. Com a competitividade, as empresas que passaram a utilizar dessa ferramenta, tornaram-se mais competitivas, utilizando-se de estratégias que lhe transmitisse mais segurança.

    Por: Daiana Franciele Righil Negóciosl 16/10/2014

    A contabilidade gerencial contempla informações definidas pelos usuários (internos ou externos) como necessárias para as suas tomadas de decisões, e se for bem aproveitado, pode gerar valor à empresa e seus gestores. Dentro deste contexto identifica-se a contabilidade gerencial e financeira que se diferenciam por atenderem a públicos diferenciados e por tomarem como base dados tangíveis e intangíveis.

    Por: Daiana Franciele Righil Negóciosl 16/10/2014
    Victor Hugo Oliveira dos Anjos

    Como trabalho de conclusão do Técnico em Gestão de Políticas Públicas é pertinente estudar a mobilização da sociedade civil para reivindicação de seus direitos e participação na criação de políticas públicas por meio das associações de bairro, a fim de entender a contribuição popular neste processo. Assim, investigar o papel das associações de bairro como mediador entre a população e o Estado é relevante para a compreensão da democratização dos agentes públicos e da efetivação dos direitos.

    Por: Victor Hugo Oliveira dos Anjosl Negóciosl 13/10/2014 lAcessos: 11
    Gustavo Rocha

    12 de Outubro, feriado, data da padroeira do Brasil Nossa Senhora, também data em que comemoramos o dia das crianças. Dia das crianças, uma data comercial, sem sombra de dúvidas. Mas, a reflexão que faço é sobre a nossa criança interior. Aquela criança que nunca deixará de ser nós mesmos em constante evolução. Qual a característica comum a todas as crianças: Curiosidade e não ter medo. Criança não tem medo do ridículo, ela se suja e está feliz.

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 12/10/2014
    Gustavo Rocha

    Divido com vocês um trecho do artigo do filósofo Mário Sérgio Cortella, sobre as novas gerações e seus dilemas. Vale a pena a leitura: Na conversa a seguir, ele chama a atenção para um "desvio de formação" dos jovens, que não foram ensinados a batalhar pelo que desejam. Ao mesmo tempo, afirma que essa geração tem várias características que precisam ser valorizadas. Cortella também dá um alerta sobre a nossa falta de tempo para pensar sobre nós mesmos:

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 10/10/2014
    Gustavo Rocha

    Ao ler o título, muitos dirão que não é verdade: Chefia não tem sentimentos, eles tem sarcasmo e principalmente mau humor. Outro dirão que ao contrário, são muito emocionais. E há aqueles que são durões ou fingem ser durões. Ou ainda aqueles que dizem que são parceiros dos colaboradores e na verdade apenas querem o seu sucesso e nada além disto… Tantos modelos de chefes, não é mesmo? A Exame.com trouxe alguns pontos que devem ser questionados nestas reflexões. Vejamos:

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 08/10/2014
    Gustavo Rocha

    Uma interessante pesquisa do GEJUR aponta em inúmeros escritórios participantes, os meios e métodos de uso das metas de eficiência. Tema deveras polêmico, pois na maioria das visões que conheço e vivencio, ambas as partes (sociedade e advogados) reclamam dos métodos aplicados. De um lado, escritório, querem medir o desempenho para opor melhor crescimento do negócio e de outro lado os profissionais, que querem mostrar este desempenho para alcançarem maiores vôos… Divido a pesquisa:

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 17/10/2014
    Gustavo Rocha

    Todos sabemos que ser professor no Brasil é mais que uma escolha ou vocação, é um verdadeiro exercício de paciência, vontade e idealismo. Além desta realidade difícil de ser mudada, ensinar tornou-se um verbo de compra de notas, onde o sucesso é um 10 e que dá pra passar um 6 ou 7. Simples assim, alunos medidos como se fossem quilos de mercadoria com valores anotados em cima de provas objetivas – mais fáceis de corrigir – ou subjetivas com palavras prontas.

    Por: Gustavo Rochal Notícias & Sociedadel 15/10/2014
    Gustavo Rocha

    12 de Outubro, feriado, data da padroeira do Brasil Nossa Senhora, também data em que comemoramos o dia das crianças. Dia das crianças, uma data comercial, sem sombra de dúvidas. Mas, a reflexão que faço é sobre a nossa criança interior. Aquela criança que nunca deixará de ser nós mesmos em constante evolução. Qual a característica comum a todas as crianças: Curiosidade e não ter medo. Criança não tem medo do ridículo, ela se suja e está feliz.

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 12/10/2014
    Gustavo Rocha

    Divido com vocês um trecho do artigo do filósofo Mário Sérgio Cortella, sobre as novas gerações e seus dilemas. Vale a pena a leitura: Na conversa a seguir, ele chama a atenção para um "desvio de formação" dos jovens, que não foram ensinados a batalhar pelo que desejam. Ao mesmo tempo, afirma que essa geração tem várias características que precisam ser valorizadas. Cortella também dá um alerta sobre a nossa falta de tempo para pensar sobre nós mesmos:

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 10/10/2014
    Gustavo Rocha

    Ao ler o título, muitos dirão que não é verdade: Chefia não tem sentimentos, eles tem sarcasmo e principalmente mau humor. Outro dirão que ao contrário, são muito emocionais. E há aqueles que são durões ou fingem ser durões. Ou ainda aqueles que dizem que são parceiros dos colaboradores e na verdade apenas querem o seu sucesso e nada além disto… Tantos modelos de chefes, não é mesmo? A Exame.com trouxe alguns pontos que devem ser questionados nestas reflexões. Vejamos:

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 08/10/2014
    Gustavo Rocha

    ROI. Uma sigla, por isto tudo em maiúsculo. Não se trata de um nome próprio, nem de alguma bobagem, mas sim de uma sigla que cada vez mais importa a qualquer profissional: Retorno sobre o investimento. Antigamente, assunto restrito de quem atuava no financeiro. Hoje, um assunto normal quando o tema é gestão e cuidado com o seu negócio. O tema não é novo, data de antes de 1920… Contudo, até hoje muitos sequer sabem o que significa. Segundo a wikipedia:

    Por: Gustavo Rochal Finançasl 08/10/2014
    Gustavo Rocha

    Segundo o professor Charles-Henri da escola de negócios de Paris, a geração Y não é egoísta, mas sim realista. Em uma entrevista a revista Época Negócios ele afirmou isto e mais algumas posições. Será que é uma realidade aplicável no Brasil? E mais, será que estamos preparados para esta realidade empresarial? Vejamos: Num mundo de alta instabilidade, a falta de paciência da geração Y é justificada, na opinião de Charles-Henri Besseyre des Horts, professor de gestão e recursos humanos da e

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 06/10/2014
    Gustavo Rocha

    Abra suas asas! Parece um clichê, mas é uma verdade: Abre as suas asas e voe! Você pode, e mais do que isto, você deve. As pessoas vivem em seus mundos, seus castelos de areia, alguns com castelos tão sólidos que sequer podem ser destruídos, outros com castelos nas nuvens, sempre em cima de um floco de algodão da sua imaginação onde tudo pode acontecer… E o mundo real? Somos responsáveis por nossas escolhas, por nossas decisões, por nossa rotina.

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 05/10/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast