O Que Faz Um Projeto Social/ambiental Ser Sustentável?

Publicado em: 31/08/2009 |Comentário: 5 | Acessos: 1,702 |

Hoje é muito comum entrarmos em sites corporativos e encontrarmos link para projetos sociais e ambientais que as organizações realizam. É quase que uma obrigação ter esse tipo de informação acessível ao público. Nos relatórios (balanços) sociais a sensação que temos é de estarmos diante de empresas perfeitas que não medem esforços nem recursos financeiros quando o assunto é compromisso sócio-ambiental. Nada mais que marketing. Infelizmente. Mas o assunto aqui não é esse.

Independente da motivação que leva uma empresa a adotar a responsabilidade social e ambiental, existe um grande caminho a ser percorrido para dizer que ela executa projetos sustentáveis. Mesmo estando alinhados ao planejamento estratégico, ao ISE e aos processos de negócio, os projetos, ainda assim, podem não ser sustentáveis. E aí vem a pergunta-título: o que faz um projeto social/ambiental ser sustentável?

Não saberia dar uma definição exata, mas darei um exemplo que talvez ajude a esclarecer. Suponhamos que uma indústria vai se instalar em uma cidade e começa a fazer as obras para a construção da planta. Isso gera bastante impacto e a empresa realiza diversos projetos tanto para mitigação dos impactos ambientais, quanto sociais, já que a fábrica está sendo construída próxima a uma comunidade.

Pois bem, geralmente a mitigação ambiental não tem muito que se discutir até porque é lei. Além da questão do meio ambiente é preciso lidar com a possibilidade da comunidade do entorno sofrer de um inchaço populacional, com pessoas vindas de diferentes cidades e estados, atraídas pelas oportunidades geradas com a instalação da fábrica na localidade. E se a questão não for cuidada com atenção, pode virar um grande problema para a empresa.

Assim, pelo lado social, é comum que a empresa firme parceria com a comunidade, seja contratando na localidade mão-de-obra para serviços menos especializados, seja transformando pequenos empreendimentos locais em fornecedores. Também é muito comum a realização de projetos voltados para crianças e adolescentes, seja de cunho esportivo, cultural ou educacional.

Agora pensemos: executar todos esses projetos custa dinheiro. Muito dinheiro. E é um dinheiro que terá de ser gasto enquanto a empresa estiver ali instalada. Mas e se um dia a empresa resolver tirar a fábrica daquele local? O que vai ser daquela comunidade? Além de colocar um sistema econômico local em colapso, a saída da fábrica também pode colocar um sistema social em colapso. Trágico? Não, apenas a realidade.

Lembremos a definição de desenvolvimento sustentável presente no Relatório de Brundtland: “a satisfação das necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades”. Ou seja, comprometimento com o longo prazo. É isso que caracteriza um projeto social/ambiental sustentável.

E no caso da empresa que criou toda uma cadeia produtiva e de valor no entorno da sua fábrica? Como poderia garantir a continuidade dessa cadeia produtiva e de valor se a responsabilidade da empresa acaba com a saída da fábrica do local? Como deveria ser a condução dos projetos ao longo dos anos de forma que eles fossem sustentáveis e a descontinuidade da fábrica gerasse o mínimo de impacto para a comunidade?

Será que se ao invés de formar uma rede de fornecedores, não seria mais interessante (e sustentável) estimular o empreendedorismo, capacitando e auxiliando a comunidade na gestão de um negócio onde a fábrica fosse apenas mais um cliente? Será que ao invés de absorver a mão-de-obra não qualificada necessária, não seria mais sustentável qualificá-la para que pudesse ser utilizada não apenas na própria fábrica, mas também em outras empresas? Será que não é melhor adotar uma postura de coadjuvante no processo econômico do local do que a de protagonista, como sempre acaba sendo feito?

A construção e a operação de uma fábrica foi apenas um exemplo de como um projeto pode (e deve) ser sustentável. Na verdade, a grande pergunta que deve ser feita é qual o intuito de se gastar muito dinheiro nesses projetos se a empresa não oferece às comunidades do entorno a possibilidade de no futuro “caminhar com as próprias pernas”. Não seria mais inteligente, mais digno e até menos oneroso (porque a tendência seria a comunidade depender cada vez menos dos recursos da fábrica) se fosse feita uma abordagem mais sustentável?

Creio não ter respondido a pergunta-título deste texto. Pelo contrário, acho que lancei mais questionamentos ao invés de propor uma definição concreta. Mas esse era o intuito. As empresas têm suas próprias necessidades e cabe aos gestores das áreas sociais e ambientais procurarem um equilíbrio dentro do tripé da sustentabilidade de forma que a execução dos projetos seja satisfatória para a corporação e para as comunidades impactadas no longo prazo.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/negocios-artigos/o-que-faz-um-projeto-socialambiental-ser-sustentavel-1180793.html

    Palavras-chave do artigo:

    mitigacao de impacto

    ,

    projeto sustentavel

    ,

    relatorio de brundtland

    Comentar sobre o artigo

    Gustavo Rocha

    Não tenho a pretensão de esgotar o assunto, mas dar um panorama, já que noutras oportunidades discorremos sobre depressão e outras questões que envolvem o trabalho, esta síndrome também é importante de ser analisada e não esquecida. Inicio com uma definição: "Burnout (esgotamento profissional) é definido como uma síndrome psicológica decorrente da tensão emocional crônica no trabalho. Trata-se de uma experiência subjetiva interna que gera sentimentos e atitudes negativas no relacionamento do i

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 26/03/2015
    Gustavo Rocha

    Muito interessante esta lista da Época Negócios sobre 10 crenças do RH na idade média. Até hoje ainda encontramos estes ranços dentro do dia a dia das empresas e parece que mudar isto não vai ser tão fácil quanto se imagina. Vejamos a lista: 1. Todos aqui são facilmente substituíveis. Se você não gosta daqui, acharemos alguém que goste 2. Seu gerente tem poder, você não. Seu trabalho é fazer o que mandam 3. Criamos essas políticas por um motivo. Não é da sua conta saber qual é esse motivo

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 24/03/2015
    Gustavo Rocha

    Divido um artigo da psicóloga Maria Cristina Ramos Britto e teço alguns comentários após. De novo, e novamente… Por que algumas pessoas repetem os mesmos erros, obtêm sempre o pior resultado e culpam os outros ou o destino, mas nunca a si mesmas, parando para refletir sobre um acontecimento que nada tem de coincidência ou falta de sorte? E, principalmente, por que esquecem que eventos dependem de escolhas e que, apesar de não existir controle absoluto, abrem mão do que está em seu âmbito de aç

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 22/03/2015
    Gustavo Rocha

    Recente pesquisa do FDJUR/GEJUR apresentou um resumo dos 3 pilares do compliance, respondidos por 120 departamentos jurídicos do Brasil. Abaixo o resultado da pesquisa e alguns comentários: Realizamos uma pesquisa sobre os três pilares do Compliance: Prevenção, Detecção e Tolerância. 1º Pilar: Prevenção (Comunicação e Convencimento). A comunicação é um fator crítico de sucesso para qualquer programa de prevenção de riscos, mas segundo os especialistas em Compliance, não basta apenas ter o códi

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 18/03/2015
    Rosane

    Algumas dicas básicas para motiva-lo e incentiva-lo a estudar a forma correta para qualquer tipo de concurso aberto ou concurso público que desejar. Veja como é simples, basta dedicação!

    Por: Rosanel Negóciosl 18/03/2015 lAcessos: 12
    Gustavo Rocha

    Vamos ver como Carl Jung entendia mais do que apenas da alma humana (conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas quando tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana – Carl Jung), ele entendia como funciona o âmbito empresarial. Quando questionamos sobre pessoas dentro de uma empresa, todos afirmam categoricamente que querem pessoas com convicções, com certezas, sem dúvidas, com muito conhecimento e experiência para dar e vender. Só esquecem que somente com dúvidas é que exi

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 16/03/2015
    Gustavo Rocha

    Quando você fez a primeira petição na sua vida, você prestou atenção como nunca, não é mesmo? Poderia ter sido uma petição de juntada, mas se desse mole tinha até jurisprudência para se tornar "a" petição de juntada. Somos assim, quando fizemos pelas primeiras vezes, nossa atenção é redobrada. Depois, vamos criando hábito, rotinas e começamos a não cuidar tanto como das primeiras vezes. Algo que é normal, diga-se de passagem, tanto que o brocardo popular dita: Vassoura nova é que varre bem. L

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 12/03/2015
    Gustavo Rocha

    Em termos de empresas, departamentos jurídicos e inclusive em escritórios de advocacia, um dos temas relevantes é o do reconhecimento. Um tema árido, posto que envolve os egos das pessoas. Um artigo de Tatiana Nicz nos brinda com uma visão profunda e interessante destes temas, com comentários pessoais meus ao final: Esses dias assisti o filme Birdman (ou a Inesperada Virtude da Ignorância), entre algumas boas pinceladas (e outras nem tanto) essa frase do título ganha destaque. Ela aparece alg

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 11/03/2015
    Julianna Antunes

    A norma inglesa que trata da sustentabilidade nos eventos

    Por: Julianna Antunesl Negóciosl 14/07/2010 lAcessos: 152
    Julianna Antunes

    O limiar entre comunicação de produtos sustentáveis e greenwashing. O olhar crítico necessário para identificar as empersas que praticam isso.

    Por: Julianna Antunesl Marketing e Publicidadel 13/07/2010 lAcessos: 140
    Julianna Antunes

    A importância do comércio justo para as empresas e a sociedade. Como funciona esse mecanismo no mundo.

    Por: Julianna Antunesl Notícias & Sociedadel 12/07/2010 lAcessos: 264
    Julianna Antunes

    O que de fato o continente africano vai ganhar com a Copa de 2010 e o que esperar para a Copa de 2014 no Brasil.

    Por: Julianna Antunesl Negóciosl 07/07/2010 lAcessos: 175
    Julianna Antunes

    A importância de se começar a ensinar assuntos relacionados à sustentabilidade nos bancos escolares

    Por: Julianna Antunesl Negócios> Gestãol 01/07/2010 lAcessos: 90
    Julianna Antunes

    O que vem a ser, efetivamente, marketing sustentável e o que as empresas entendem por isso?

    Por: Julianna Antunesl Negóciosl 30/06/2010 lAcessos: 182
    Julianna Antunes

    A falta de conhecimento na área, mesmo em empresas que dizem praticar a sustentabilidade, provocando erros de entendimento.

    Por: Julianna Antunesl Negóciosl 29/06/2010 lAcessos: 238
    Julianna Antunes

    Qual a importância e a responsabilidade do varejo na disseminação para o grande público dos conceitos de sustentabilidade

    Por: Julianna Antunesl Negócios> Gestãol 23/06/2010 lAcessos: 218

    Comments on this article

    0
    Kelly cristina Ribeiro da silva 04/08/2010
    ola

    adorei o site, gostaria de realizar esse curso de gestao em projeto, o que devo fazer.

    Atuo na area ambiental e estou cursando faculdade de serviço social.
    me interesso muito pelo curso
    desde ja agradeço
    0
    Sunshine Day 26/04/2010
    Muito apreciável seu conteúdo! Bastante útil para mihas elaborações! Grata por ter compartilhado conosco =D
    0
    caroline c.pereira 16/11/2009
    ESSE SAITE E MUITO BOM EU GOSTEI MUINTO EU ESPERO QUE EU VENHO APRENDER MUITO MAS COISSAS NESE SIT
    E-MAIL PARA CONTATO:[email protected]
    0
    Julianna Antunes 15/09/2009
    José, que boa notícia! Fico feliz de ter, de certa forma, ajudado, assim como também fico muito feliz em saber que o seu projeto é realmente sustentável. Se precisar de alguma ajuda, é só entrar em contato!
    0
    José Sérgio 15/09/2009
    Foi muito útil essa matéria, faço curso de Gestor de Projetos Sociais no Senac e precisavacompreender melhor o queé sustentabilidade. Fui escolhido para falar sore a sustentabilidade do projeto que estmos elaborando, efiquei surpreo ao perceber que nosso projeto tem uma boa sustentabilidade.Consegui perceber isso través das perguntas feitas. Agora vi que nosso projeto tem a possibilidade de "andar com as próprias pernas". Valeu mesmo! ... amei a matéria!
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast