Satisfação Dos Clientes Gera Lucros Para A Empresa

Publicado em: 17/05/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 8,521 |

SATISFAÇÃO DOS CLIENTES GERA LUCROS PARA A EMPRESA

 

CUSTOMER SATISFACTION MAKE PROFIT FOR THE COMPANY

 

Julio Cesar Juais. Engenheiro de Produção - Faculdades Radial de Curitiba juliojuais@yahoo.com.br

Carla Bittencourt Lorusso. MSc Professora. cbittencourtl@yahoo.com.br

 

RESUMO

Este artigo tem por objetivo enfatizar a importância da fidelização de clientes salientando a relação que existe entre a satisfação e a lucratividade das empresas. Na base bibliográfica focou-se a causa de fechamento das micro empresas, a importância do relacionamento com o cliente, o tipo de cliente abordado. Além disso, com o uso de um estudo de caso, procurou-se demonstrar o que diversos autores afirmam a respeito do tema satisfação do cliente e lucratividade dentro das empresas.

Palavras-chave: Fidelização, lucratividade, satisfação, relacionamento.

 

ABSTRACT

This article aims to emphasize the importance of the loyalty of customers and the relationship that exists between customer satisfaction and businesses profitability. The review focused on the cause of closure of micro enterprises, the importance of the relationship with the customer and the type of customer approached, with a case study, we tried to demonstrate what several authors state on the subject of client satisfaction and profitability within the company

Key-words:  loyalty, profitability, satisfaction, relationship.

 

1.      INTRODUÇÃO

Com o passar dos anos e o avanço da tecnologia, o mercado tornou-se extremamente competitivo e desafiador. Os clientes puderam experimentar o poder da escolha em produtos e serviços, tirando das empresas a vantagem de poder oferecer os produtos que elas queriam.

Esta competitividade fez com que os valores caíssem e ficassem alinhados entre as empresas, deixando de ser esse fator um dos motivos decisivos para a escolha do cliente por um produto ou serviço. As empresas se viram obrigadas a encarar o cliente de outra maneira, tiveram que se adaptar as suas vontades e oferecer, além de preço justo, excelência no atendimento. O atendimento excelente passou a ser um diferencial para o cliente se sentir importante. A principal mudança foi o foco no cliente que se tornou a base dos negócios. Sem ele as empresas deixariam de existir (HOFFMAN, BATSON, 2003).

Dentro desse contexto o foco agora é outro. Não está mais baseado apenas na quantidade de produtos ou serviços comercializados, mas sim, na retenção e satisfação do cliente. Não basta atrair clientes se não existir uma preocupação da empresa em retê-los. A simples atração de clientes gera uma rotatividade que envolve gasto de tempo, energia e dinheiro que seriam poupados com a fidelização da clientela.

Em síntese, as empresas tem se esforçado no intuito de implantar sistemas de gestão de qualidade, não somente visando a qualidade de seus produtos e serviços, mas, principalmente, focando a qualidade e satisfação do cliente, pois segundo os estudos de Kotler (2000), conquistar um cliente pode custar até cinco vezes mais do que reter um cliente.

Esse artigo tem, também, o objetivo de apresentar a importância de um cliente fidelizado, e mostrar como esta questão pode se tornar uma ferramenta de competitividade trazendo ao mesmo tempo lucratividade para as empresas, pois se entende que esse assunto será de extrema importância principalmente aos micro e pequenos empresários, que tem na sua carteira de clientes a principal fonte de renda e sobrevivência de sua empresa.

 

2. CAUSAS DE FECHAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

A competitividade do mercado tem feito com que as empresas se desdobrem de várias formas para continuar ativas. Preço baixo e tecnologia de ponta não é mais garantia de faturamento, pois a ênfase antigamente dada aos produtos está superada (MOUTELLA, 2002, p. 4).

Muitas empresas não tem dado a devida importância sobre o assunto de fidelização e retenção de clientes, e acabam ignorando as técnicas existentes para este fim, não sabendo então, como prestar um bom atendimento na pré-venda e na pós-venda. Uma pesquisa feita pelo SEBRAE (2004) aponta que as micro empresas sobrevivem em média de 2 a 3 anos, e dois motivos principais apontados foi a falta de capital de giro e a falta de clientes.

Esta pesquisa apresentou, dentre outras características,os valores encontrados, onde, segundo os proprietários e administradores das empresas, o primeiro fator levantado é a falta de capital de giro, com aproximadamente 48%,  isto que indica um desequilibro nas entradas e saídas de recursos das empresas, e em segundo lugar, a falta de clientes, com 21%, o que causa um grande impacto na sobrevivência das empresas, pois são os clientes que influenciam diretamente no faturamento, são eles que compram e também pagam pelos produtos e serviços.

3. RELACIONAMENTO COM CLIENTES

Cliente é a parte mais importante de um negócio, “pois é ele quem solicita, compra e recebe produtos ou serviços em prol de atender as suas necessidades e anseios, e faz com que isso se traduza em lucros para seus fornecedores” (LOBOS, 1991 apud HENRIQUES, 2001, p. 55).

Para Bogmann (2002, p. 29), “boas relações com os clientes podem ser armas estratégicas vitais para as empresas”. Isto vem ao encontro com o que afirma Moutella (2002, p. 5), que diz: “oferecer ao cliente um relacionamento de confiança, com o objetivo de conquistar a sua lealdade, onde a sua satisfação seja um dos focos principais, fará o cliente pensar duas vezes antes de trocar de marca ou fornecedor”.  Souki (2006, p. 10) diz que “fidelizar é importante porque os clientes fiéis pagam mais pelos produtos, tendem a comprar mais e são inclinados a comprar outros produtos e serviços que a empresa possa oferecer”. Construir uma carteira de clientes fidelizados é muito importante para a sobrevivência das empresas, pois eles são os responsáveis pela geração de serviços, faturamento e aumento nos lucros da empresa.

3.1 TIPOS DE CLIENTES

Quando se trata de fidelização, o foco principal é o “cliente”. Kotler (2000, p. 70) cita o exemplo de uma empresa de venda por catálogo, que olha o cliente como a pessoa mais importante do mundo, do qual a empresa depende inteiramente, mas também que é dele que depende a lucratividade da empresa. Raphel e Raphel (1996, apud BOGMANN 2002, p. 37) citam o exemplo da escada da fidelidade, onde no degrau mais alto encontram-se os clientes defensores, que elogiam a qualidade da empresa a quem quiser, seguido pelos clientes regulares, que adquirem regularmente seu produto. Mais abaixo, encontram-se os clientes eventuais, que em algum momento adquiriram seu produto, seguido dos shoppers, que são aqueles clientes que em algum momento visitaram seu negócio, e finalmente, os prospects, que são pessoas podem estar interessadas em seu negócio.

Segundo Mendonça (2007, p. 117), “só é possível estabelecer uma relação de fidelidade com a empresa, aqueles clientes que se tornaram regulares, ou defensores”, pois os prospects, shoppers e clientes eventuais, são clientes apenas dispostos a ter com a empresa, uma futura relação de consumo. Em síntese, Faria (2004, p. 12), explica que “quanto mais no topo da escada o cliente estiver, maior é sua aproximação com a empresa, e é neste cliente que a empresa deve buscar fidelidade”.

 

3.1 FIDELIZAÇÃO E LUCRATIVIDADE DAS EMPRESAS

Durante muitos anos as empresas focaram seus esforços em vendas e em quantidades, em estipular longos prazos de entregas, em buscar cada vez mais clientes não se preocupando com a prestação de serviços, e neste ponto o cliente tinha que ficar em segundo plano. O atendimento ao cliente tornou-se algo reativo, e ele tinha que se adaptar ao produto que existia no mercado e aos processos que as indústrias ofereciam (BORGES, 2008). Pode-se tomar como exemplo, as micro e pequenas empresas de usinagem, no ramo metal mecânico. Devido à chegada de grandes empresas ao Brasil, como por exemplo, as montadoras, este setor vem se expandido de uma forma muito rápida, e conseqüentemente surgem a cada dia novos empreendedores e novas empresas.

A diversidade de modelos de maquinários para a indústria, como tornos, fresadoras, retíficas e máquinas CNC (comando numérico computadorizado) aliados a facilidade de importação e os subsídios do governo para a abertura das empresas, faz com que a cada dia a concorrência entre empreendedores deste setor aumente significativamente, onde essas empresas poderão oferecer produtos com o mesmo grau de qualidade, com preços aparentemente iguais, conforme as regras ditas no mercado.

Poser (2005, p. 13) afirma em uma de suas regras de ouro: “produtos com a melhor qualidade e preços competitivos são hoje apenas commodities.” Neste contexto, observamos então que hoje em dia apenas preço baixo ou um prazo de entrega curto de um produto não é exatamente o diferencial que vai seduzir o cliente a compra, mas sim, o tratamento que será dado a este cliente, a atenção especial as suas necessidades e anseios, o interesse pela pós-venda, tudo isto com o intuito de fidelizar e reter este cliente para que ele não seja perdido para a concorrência.

A fidelização de clientes está relacionada com a lucratividade da empresa. De acordo com González, Amorim e Ramos (2004, p. 1529), “lucratividade do cliente é a diferença entre a receita e os custos que um cliente proporciona a empresa em um determinado período de tempo”. O processo de fidelização está vinculado aos efeitos econômicos, pois no início do processo de captação há um investimento, que pode ser focado no desenvolvimento de fornecedores, na campanha de marketing, em visitas a clientes, treinamentos, entre outros, ou seja, qualquer que seja o trabalho para captação de clientes, existirá um investimento inicial (FIGUEIREDO, 2004, p. 5).

Figueiredo (2004, p. 5) exemplifica que, ao longo do tempo, a lealdade do cliente adquirida pela empresa, tende fazer a lucratividade aumentar, pois essa lealdade tem influência direta na decisão de compra do cliente, e implica na repetição dos negócios, aumentando o valor percebido pelo cliente e gerando um ponto positivo dos investimentos realizados.

Sendo assim, os períodos subseqüentes a captação de clientes, onde conforme já foi citado, se gera um investimento. O volume básico de vendas é a contribuição líquida dos negócios do cliente, tendo em vista que suas compras serão constantes, seguido depois pelo crescimento das vendas. Com o passar do tempo os clientes também crescem e, conseqüentemente a demanda de compra aumenta.

A partir do momento que os clientes se tornam mais experientes, as margens de compras começam a aumentar, pois o cliente passa a exigir menos esforços da empresa, o que reduz os custos operacionais. Nesse período de relacionamento com o cliente, a tendência parte para as indicações e recomendações da empresa por parte do cliente, principalmente através da propaganda boca a boca, o que resulta em lucro e ganho de produtividade para a empresa.

 

4. RELAÇÃO ENTRE A SATISFAÇÃO, FIDELIDADE E LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

Este estudo de caso tem por finalidade apresentar dados levantados por González, Amorim e Ramos (2004), com o objetivo de encontrar a relação entre satisfação, fidelização e lucratividade das empresas. Esses dados foram obtidos através de pesquisa bibliográfica em periódicos internacionais e congressos, e sintetizam, pelos estudos de seis autores diferentes, a importância da fidelização de clientes objetivando o aumento dos lucros da empresa.

O relacionamento, satisfação e fidelidade dos clientes também podem ser denominados como “cadeia de lucros”, e para esta questão foi utilizada uma metodologia do tipo causa e efeito, para apresentar as perspectivas geradas no processo de fidelização de clientes (KAPLAN e NORTON, 1997 apud GONZÁLES, AMORIM e RAMOS, 2004). Essas perspectivas fazem parte do sistema de gestão de desempenho balanced scorecard.

A perspectiva básica é relativa ao aprendizado e crescimento, que inclui a capacitação dos funcionários. Esta perspectiva dá suporte aos processos internos. A excelência dos processos conduz a satisfação dos clientes e ajuda a mantê-los fiéis. Finalmente, a continuação e a ampliação das vendas aos clientes existentes aumentam o retorno sobre o capital empregado (KAPLAN e NORTON, 1997 apud GONZÁLES, AMORIM e RAMOS, 2004).

De acordo com a pesquisa bibliográfica realizada por Gonzáles, Amorim e Ramos (2004), levantaram-se as principais publicações a respeito do tema sobre fidelização, satisfação e lucratividade, que estão sintetizadas na tabela 1.

Tabela 1: Pesquisa sobre o relacionamento entre a satisfação, a fidelização e a lucratividade da empresa

Autor

Dados

Resultado da pesquisa

Reicheld e Sasser (1990)

Mais de 100 companhias dos estados Unidos.

Identificação de 4 variáveis (aumento das compras, redução de custos, preços especiais, referencial para novos clientes), aumento do lucro da empresa.

Anderson, Fornell e Lehmann (1994)

Dados do Barômetro de Satisfação do Cliente Sueco (SCSB), que inclui 77 setores empresariais, que representam 70% da economia do país.

Encontrada uma relação significativa entre a satisfação do cliente e o ROA (retorno sobre o ativo). A satisfação tem um relacionamento estatisticamente positivo com o ROA atual. A elasticidade entre o ROA e a satisfação do cliente foi calculada em 0,40.

Anderson, Fornell e Rust (1997)

Dados do SCSB nos anos de 1989 a  1992 que incluíram os mesmos 77 setores empresariais de bens e serviços da pesquisa anterior.

Encontrada uma relação significativa entre a satisfação do cliente, a produtividade do trabalho e a lucratividade medida pelo ROI (retorno sobre o investimento).

Edvarsson, Johnson, Gusfsson e Strandvik (2000)

Dados do SCSB obtidos nos anos 1995 a 1997, que incluíram 71 empresas para services e 61 empresas para produtos. Em cada empresa foram aplicadas entre 200 e 250 pesquisas.

O objetivo dos pesquisadores foi encontrar a relação entre satisfação do cliente, a fidelidade e a lucratividade da empresa, diferenciando indústrias de produtos de prestadoras de serviços. O resultado mostra que a relação entre a satisfação e a lucratividade é positiva.

Anderson e Mittal (2000)

Dados foram obtidos de 125 empresas suecas participantes do SCSB.

Foi encontrada uma relação positiva entre o desempenho da empresa, a satisfação do cliente, a retenção do cliente e a lucratividade da empresa.

Gustafsson e Johnson (2002)

Dados da Volvo Car Corporation, da Suécia, com uma amostra de 40% do mercado da empresa.

Foi pesquisada sobre o relacionamento entre a qualidade, a satisfação, a fidelidade e a lucratividade nas empresas. Foram encontradas relações positivas, e a mais significativa é justamente a relação entre a satisfação do cliente com a lucratividade.

 

Fonte: González, Amorim e Ramos, (2004, p. 1532).

5. RESULTADOS E DISCUSSÕES

            De acordo com a base bibliográfica apresentada, demonstrou-se a importância da fidelização e satisfação de clientes, e como ela influencia diretamente na lucratividade da empresa. Os dados apresentados na base bibliográfica sugerem que a fidelização pode ser aplicada tanto em empresas de grande porte, como em micro e pequenas empresas.

O estudo de caso realizado por González, Amorim e Ramos (2004) teve o objetivo de mostrar que é possível relacionar a satisfação dos clientes com a lucratividade da empresa, e que a aplicação deste método, pode ser uma ferramenta de competitividade para que as pequenas empresas possam fazer crescer sua participação no mercado, e consequentemente a continuação de suas atividades.

 

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Não basta apenas atrair, atrair e cada vez mais atrair clientes, se não existir uma preocupação da empresa em retê-los. Existem muitas empresas que se preocupam em cada vez mais atrair clientes, o que acaba gerando uma alta rotatividade, conquistando muitos clientes e ao mesmo tempo perdendo boa parte deles. Os clientes verdadeiramente leais, é que vão garantir a sobrevivência das empresas dentro de um mercado extremamente competitivo. Construir uma carteira de clientes fidelizados é muito importante para a sobrevivência das empresas, pois eles são os responsáveis pela geração de serviços, faturamento e aumento nos lucros da empresa.

Espera-se, com essa pesquisa, levantar questões para que se possam compreender quais são os elementos chave para obter um estreito relacionamento com o cliente, que, ao mesmo tempo, seja satisfatório e lucrativo tanto para o cliente como para a empresa.

 

REFERENCIAS

 BOGMANN, Itzhak Meir, Marketing de relacionamento: estratégia de fidelização e suas implicações financeiras, São Paulo: Nobel, 2002.

 BORGES, Viviane, Estratégia de fidelização da marca Harley Davidson na perspectiva do cliente, Belo Horizonte, 2008. Disponível em:

http://www.webartigos.com/articles/10669/1/estrategia-de-fidelizacao-da-marca-harley-davidson-na-perspectiva-do-cliente/pagina1.html. Acesso em 04/11/2008

 FARIA, João Alberto Cardozo, Marketing de relacionamento: a conquista do consumidor através dos programas de fidelização, São Paulo, 2004.Disponível em: http://gestcorp.incubadora.fapesp.br/portal/monografias/pdf/64.pdf/.Acesso em 25/02/2009

 FIGUEIREDO, Kleber, A Logística e a fidelização de clientes, 2004. Disponível em: http://www.ilos.com.br/site/index.php?option=com_search&Itemid=99999999&searchword=FIDELIZA

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/pequenas-empresas-artigos/satisfacao-dos-clientes-gera-lucros-para-a-empresa-921023.html

    Palavras-chave do artigo:

    fidelizacao

    ,

    lucratividade

    ,

    satisfacao

    Comentar sobre o artigo

    Pretende-se com este trabalho realizar uma reflexão sobre estratégias de marketing aplicadas no varejo para consumidores de baixa renda, buscando a criação e efetivação do relacionamento entre empresa e cliente. Com considerável e importante crescimento, o mercado de baixa renda vem ganhando destaque e provocando grandes mudanças após o seu potencial de consumo presente e futuro serem percebidos por todo o mercado. O trabalho se inicia com a apresentação de conceitos e temas que fazem parte e sã

    Por: Renata Marquesl Marketing e Publicidadel 25/06/2009 lAcessos: 5,615

    Este artigo pretende demonstrar como os Recursos Humanos podem ser fonte de lucratividade para as empresas, com ênfase no varejo de pequeno porte. Apresenta-se uma exposição sobre a importância do Endomarketing no mundo corporativo. O Endomarketing visa à valorização do colaborador, através do entendimento do novo consumidor e de estratégias de diferenciação e inovação diante da concorrência. Além disso, o Endomarketing abre portas para a inserção do marketing nas empresas de pequeno porte em pr

    Por: JUCILENE CRISTINE DE OLIVEIRAl Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 28/10/2008 lAcessos: 8,828
    Jacob Souza

    Sua empresa se preocupa com seu cliente interno tanto quanto se preocupa em conhecer o externo?

    Por: Jacob Souzal Negócios> Atendimento ao Clientel 01/10/2011 lAcessos: 177 lComentário: 1
    Julio Leite

    A reflexão básica deste estudo consiste na qualidade do atendimento ao cliente e na prestação de serviços, estabelecendo mecanismos para que a fidelização e a retenção dos clientes aconteçam. Sendo assim, o que objetiva este artigo é a analise da importância de um atendimento e serviço prestado ao cliente com qualidade de modo que a empresa construa a rede de fidelização e retenção de seus clientes.

    Por: Julio Leitel Negócios> Atendimento ao Clientel 09/05/2012 lAcessos: 1,003

    A escolha do tema abordado no presente artigo se procedeu a partir da observação da crescente da necessidade que as empresas possuem, atualmente, em captar novos clientes e da dificuldade em mantê-los como parceiros de seus negócios, sejam produtos ou serviços oferecidos. Nesse sentido, este estudo tem como objetivo principal apresentar a verdadeira eficácia do marketing de relacionamento, como ferramenta estratégica empresarial, na obtenção melhores níveis de competitividade, demonstrando a sua importância também como forma de reter os clientes e/ou consumidores para as organizações. Este artigo pretende demonstrar a importância que o marketing de relacionamento possui para a melhoria dos resultados das organizações e da otimização de suas atividades.

    Por: Juliana Aguiar Portol Marketing e Publicidadel 01/12/2008 lAcessos: 2,238

    A fidelização é a conseguencia, o resultado da satisfação oferecida.

    Por: Cícero A. Rochal Negócios> Administraçãol 05/05/2009 lAcessos: 1,012

    O que se pode perceber nos novos dias é que o marketing interno é um forte instrumento de mudança e motivação e uma estratégia eficaz para o alcance de objetivos corporativos, com reflexos diretos no aprimoramento da qualidade de relacionamentos da organização. É interessante observar que quando a empresa desenvolve adequadamente o conceito de marketing interno, um dos primeiros reflexos observados como melhoria efetiva não se situa no interior da organização, mas sim em seu exterior, nas relaçõ

    Por: Nayara Barbosa Soares Soutol Negócios> Gestãol 27/10/2008 lAcessos: 40,783 lComentário: 4

    RESUMO Vivendo em um mercado altamente competitivo, de busca constante por inovações, diferenciações e maiores ofertas, é comum que as empresas facilitem o poder de escolha de seus clientes, sendo assim, utilizam de suas ferramentas. O mercado se volta a estratégias de competição que visam o crescimento, posicionamento e lucratividade. Quando há a referência às estratégias não se deve esquecer as tão conhecidas e requisitadas marcas próprias, pois estas comprovam o sucesso em suas linhas de fabricação e venda (por seus preços, ou por sua qualidade), o que propicia benefícios e visão externa diferenciada em relação ao ponto de venda a que aquela determinada marca se destina. Quando a observação se volta à prática, os produtos com marca própria funcionam como ferramenta para conquistar a fidelização do consumidor, se garantindo como peças fundamentais e competitivas.

    Por: Janise Zarattinil Marketing e Publicidadel 09/11/2008 lAcessos: 7,289 lComentário: 4
    Túlio César de Souza

    Desenvolver um bom planejamento estratégico é um fator de suma importância para as organizações nos dias atuais. Para realizar o acompanhamento os gestores possuem diversos modelos de gestão para auxiliá-los. Neste presente trabalho analisa o Balanced Scorecard e o modelo de gestão economica – GECON, procurando compreender e descrever sua estrutura suas v

    Por: Túlio César de Souzal Finanças> Finanças Pessoaisl 24/08/2010 lAcessos: 1,494
    michelly bonifacio

    Uma pesquisa recente da GI Insights descobriu que quase 100% dos consumidores inscrevem-se em pelo menos um programa de fidelização e metade destes não participam de nenhum dos programas em que está inscrito. Saiba porque, então, pesquisa aponta que este é o momento para fazer balanço de como aplicar um programa de fidelidade e definir metas para engajar clientes.

    Por: michelly bonifaciol Negócios> Pequenas Empresasl 13/10/2014

    Apesar de não ser tão conhecido, o protetor de corda é um dos equipamentos opcionais mais úteis quando se trata de segurança do trabalho. Pelo menos para aumentar a vida útil da corda e diminuir o custo na substituição da mesma.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Pequenas Empresasl 08/10/2014

    Muitas empresas procuram por fabricantes de capachos personalizados para desenvolver um tapete com seu logo ou determinada mensagem que será assimilada por seus consumidores. É muito comum ver estabelecimentos com seus capachos posicionados em frente à entrada.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Pequenas Empresasl 07/10/2014

    Sistemas modulares MB é a solução para todos os trabalhos de construção em engenharia e engenharia mecânica. Suas aplicações vão desde uma simples moldura para a linha de produção totalmente automatizada.

    Por: podestavalerial Negócios> Pequenas Empresasl 07/10/2014

    Algumas pessoas podem acabar por acreditar que uma cozinha acabaria por ser considerado como algo ideal apenas para restaurantes, no entanto claro que não é bem assim que funciona.

    Por: anamarial Negócios> Pequenas Empresasl 30/09/2014
    Marcos Eleveen

    Entenda o que são transformadores e, como eles tem influência no processo de transformação de energia

    Por: Marcos Eleveenl Negócios> Pequenas Empresasl 25/09/2014
    Elisângela da Silva Pereira

    Em um cenário de economia estagnada, em que o grau de endividamento nos últimos meses vem só aumentando, fatores que podem afetar o desenvolvimento das microempresas, pois influenciam negativamente no volume das vendas e consequentemente diminui a rentabilidade e lucratividade dos negócios. Fazer sua empresa crescer em meio a todo este cenário é um desafio muito grande.

    Por: Elisângela da Silva Pereiral Negócios> Pequenas Empresasl 22/09/2014

    Dentro da indústria de Equipamentos de Proteção Individual, alguns empregadores e trabalhadores têm sido displicentes em relação ao uso do Trava Quedas. É importante ressaltar que este protetor é fundamental para garantir a segurança do indivíduo, sendo que suas instruções devem ser seguidas a risca para que todo o cenário esteja controlado.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Pequenas Empresasl 18/09/2014 lAcessos: 22

    Comments on this article

    1
    luiz carlos 29/12/2009
    excelente preposição
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast