Poesia

Clique aqui
Para contribuir escrevendo artigos sobre Poesia!
Edjar Dias de Vasconcelos

Havia um ditado. Existia um ditado. Um ditado. Água tanto bate. Na pedra. Até a mesma furar. A pedra furada. A água continua batendo. A pedra acostuma com o furo. E o referido torna-se normal.

Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesia l 17/11/2014
Edjar Dias de Vasconcelos

Caminhei silenciosamente. Por um trilho. Ataraxiologicamente. Por uma estrada. Em Minas Gerais. Na cidade de Itapagipe. Cheio de pedras e fendas. Vi árvores belas. Pássaros cantando. Como se tivesse celebrando. A ausência do tempo.

Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesia l 15/11/2014

Certa vez me inspirei e escrevi: No véu da esperança vem à lembrança dos sonhos renhidos, dos dilemas esquecidos que nos fazem sofrer. Da guarda constante, do futuro brilhante que pretendo ter, em constante delírio vi o rastilho de fé e esperanças, das belas lembranças veio a minha mente, um busto exuberante, estonteante, que me apaixonei só em pensar.

Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesia l 14/11/2014

Os caibros do meu coração são válvulas que filtram e impulsionam o líquido precioso da minha vida. Os amores perfeitos são como dois corações batendo como um só. As horas felizes que passei contigo estão gravadas no meu cérebro, e alimentadas por um coração forte, portentoso, e repleto de amor.

Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesia l 14/11/2014
Edjar Dias de Vasconcelos

A verdadeira cegueira. Encontra-se na memória. Os olhos veem. Mas não conseguem. Diferenciar o brilho da luz. Com o hidrogênio do sol Portanto, os olhos perturbam. Compreendendo a razão. Da escuridão. Acepção óptica. Da natureza do enxergar.

Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesia l 11/11/2014
Edjar Dias de Vasconcelos

Tudo que sei. É que não sei entender. A imaginação. O meu mundo é o segredo. Da insignificação do tempo. A dissimulação contemporânea. A idiossincrasia das impossibilidades. A representação ao contrário. De Schopenhauer.

Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesia l 09/11/2014
Edjar Dias de Vasconcelos

Você não sabe. Por onde passei. Acepção. O que imaginei. Trilhos diferentes. Pode sentir o brilho das estrelas. E entender. O sol esconder. Vi distante. O colorido das montanhas. Abreviando o cogito.

Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesia l 06/11/2014
Edjar Dias de Vasconcelos

Nesse canto. Perdido no silêncio. Imaginando o tempo. O princípio da origem. O fundamento da pateguice. Com axiologia da genialidade. O que seria a ausência da energia. O mundo sem materialidade dialética.

Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesia l 01/11/2014
Edjar Dias de Vasconcelos

O universo era dividido em sublunar, isso significa abaixo da lua e supralunar acima da lua, sendo que a terra definia por um composto de quatro elementos- terra, água, fogo e ar, caracterizado pela imperfeição, o fundamento do desenvolvimento da corrupção resultado da corrupção.

Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesia l 21/10/2014

Assenta tua cabeça no meu ombro, descansa e relembra os momentos felizes que passamos. Esta assertiva faz parte da nossa vida, de nossos sentimentos e do rol de realizações, que planejamos para o futuro. Muitas vezes rememoramos com pensamentos diluidores, com ações um pouco cavilosas, sem descortinar a harmonia do concerto, que traçamos para o teatro da nossa existência. Deter, impedir de avançar nossos momentos de amor, não são medidas contributivas para a felicidade que reina em nossos coraçõ

Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesia l 20/10/2014
Miriam de Sales

ICONOCLASTA,MALDITO,OBSCENO,REVOLUCIONARIO,ANTI-CLERICAL,O POETA GREGORIO DE MATOS,CUJA ALCUNHA ERA "O BOCA MALDITA",DESAFIAVA A SOCIEDADE COLONIALISTA E CATÓLICA,DA ÉPOCA EM QUE VIVEU,COM SEUS VERSOS VIRULENTOS,FESCENINOS E OFENSIVOS AOS BAMBAMBANS DA ÉPOCA.

Por: Miriam de Salesl Literatura> Poesia l 07/10/2008 lAcessos: 32,860 lComentário: 1

Eu olho o céu tão escuro, Começo então a pensar. Se não pararmos com isso, Onde vamos morar.

Por: João do Rozario Limal Literatura> Poesia l 28/09/2008 lAcessos: 26,172 lComentário: 6

Desesperança,reconhecer a não capacidade de conquistar a pessoa amada. Se render às evidências

Por: Vera Helenal Literatura> Poesia l 03/03/2008 lAcessos: 23,822 lComentário: 2

Este poema retrata a realidade que se encontra nosso planeta.

Por: João do Rozario Limal Literatura> Poesia l 21/06/2008 lAcessos: 19,336 lComentário: 26

O poema faz a eternidade do poeta. em suas palavras ele se perpetua.

Por: Vera Helenal Literatura> Poesia l 01/03/2008 lAcessos: 15,547

História de um chefe de recursos humanos, extremamente ladrão

Por: horacio de almeida limal Literatura> Poesia l 05/02/2009 lAcessos: 12,088

A alegria de uma vila com a chegada do circo. O circo chegou na cidade Chamando atenção de quem passava E o palhaço que é... É ladrão de mulher... E as crianças da pequena vila Corriam na maior alegria Queriam ver a novidade Do circo que vinha da cidade Alegrar suas infâncias

Por: Vera Helenal Literatura> Poesia l 22/02/2008 lAcessos: 11,325 lComentário: 4

Vida sem destino e esperanças, sem alegrias e bonanças, acoplando anseios sacrossantos. Sem sapatos de pés calejados, rosto suado, maltrapilho, deifica a personalidade que roga. No calor das metrópoles, na desilusão da vida sem rumante afetivo e carinhoso, só espanto.

Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesia l 21/10/2008 lAcessos: 11,309 lComentário: 15

Análise de um das mais bonitos e famosos sonetos da Literatura Brasileira, obra de Vinicius de Moraes (1913/ 1980 - Modernismo Brasileiro). O poeta discute a luta eterna entre o Amor e a fidelidade.

Por: Augusto de Sêniorl Literatura> Poesia l 19/09/2009 lAcessos: 10,093 lComentário: 6

Fim de um amor, despedida sem adeus Já dizia o escritor É preciso saber a hora do adeus Pra evitar a dor Pra ficar alguma coisa a se lembrar Sinto amor, que chegou a nossa hora Mesmo ainda te amando

Por: Vera Helenal Literatura> Poesia l 24/02/2008 lAcessos: 9,756
Edjar Dias de Vasconcelos

Estrela do céu. Essa estrela é a minha luz. O brilho dos meus olhos. O encantamento da minha sabedoria. É o silencio do meu coração. O meu desejo de ser superior. Alegria da minha vida. Tudo me leva a felicidade. Tem as mesmas energias dos raios do sol. Essa estrela ilumina o dia todo. E durante a noite não fica escuro.

Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesia l 06/11/2012 lAcessos: 647

Somos intrinsecamente conflitantes. O lógico não fascina-nos, assim como não desperta paixões e sentimentos. Nesse texto escrito há dois dias, mostro o antagonismo ligado à complexidade da vida e normas sociais de conduta. Espero que gostem. Recebi dezenas de e-mails por postagens anteriores no “Artigonal” como "Amor Verdadeiro"; "História De Jornal?"; "Na Pureza Do Pecado" e "Em Nome Do Pai, do filho...." Para vocês fãs desse site, saindo do forno: “O Amanhã Libidinoso”Rômulo Soares Albuquerque

Por: Rômulo Soares Albuquerquel Literatura> Poesia l 24/01/2010 lAcessos: 384 lComentário: 3

Quando Deus é o referencial é preciso está de olhos e ouvidos bem abertos para questionar as interpretações que terceiros dão as suas palavras. A Fé é irracional em sua essência; mas quando maquiavelicamente manipulada, pode ser fatal.

Por: Rômulo Soares Albuquerquel Literatura> Poesia l 15/12/2009 lAcessos: 573 lComentário: 11

"No Silencio o Querer", retrata-se o amor sublime, completo em si mesmo, capaz de fazer-nos sonhar acordados.

Por: Rômulo Soares Albuquerquel Literatura> Poesia l 29/12/2009 lAcessos: 222 lComentário: 4

O amor narrado através de emoções não racionais...

Por: Rômulo Soares Albuquerquel Literatura> Poesia l 13/12/2009 lAcessos: 1,129 lComentário: 6

A realidade e o sonho, a magia por vezes misturam-se.. O disor é tênue... "O PORTAL" o levará a lugares únicos... Onde talvez quiséssemos realmente está...

Por: Rômulo Soares Albuquerquel Literatura> Poesia l 06/04/2010 lAcessos: 212 lComentário: 2

Essa poesia marcou bastante pelo impacto causado e a diversidade de interpretações subjetivas diferentes. Apesar de não esconder preferir escrever sobre amor, paixão e sentimento, “História De Jornal?” é um marco referencial quanto aos meus escritos; por essa razão a escolhi como primeira postagem aqui; mas não se preocupem; há muita coisa inédita por vir....

Por: Rômulo Soares Albuquerquel Literatura> Poesia l 12/12/2009 lAcessos: 271 lComentário: 9

Sinto-me um grão de areia, Diante da bondade de Deus. O meu Espírito engrandece, Com Jesus, discriminado pelos fariseus. Diante de um Espírito Puro, Sou um imperfeito, em evolução, As preces elevam-nas ao Senhor. Enobrecem, fortalecem meu coração. Mil vezes já bateu, e outras baterão, Existe no ego, superego o desejo de vitória. Vencer com vontade e faustas energias, Reciclar o passado e industrializar o futuro.

Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesia l 25/06/2008 lAcessos: 139

Era véspera de seu aniversário. Por mais que buscasse presentes nada parecia que iria agradar-lhe. Meu pai nunca fora muito apegado a bens materiais. Então lembrei de entregar-lhe meu coração, julgando fazê-lo mais feliz. O texto pequenino mostra traços de um Pai sem igual, responsável por muito do bom existente em mim. Sem dúvida, foi o texto mais difícil de escrever. Estava compulsivamente emocionado e, à medida que o tempo passava, a dor e as lágrimas impediam-me de continuar. Amo esse HOMEM!

Por: Rômulo Soares Albuquerquel Literatura> Poesia l 17/04/2010 lAcessos: 244 lComentário: 4
Edjar Dias de Vasconcelos

Essa noite sonhei o tempo todo. Cada sonho esquisito. Sonhei a dramaticidade da natureza. A essência da política. Sonhei o sol brilhando e a tarde sendo linda. Sonhei com as árvores se colorindo. Com flores com outras cores. Sonhei também que a noite não terminaria. E que o tempo seria absolutamente escuro.

Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesia l 06/07/2012 lAcessos: 327
Categorias de Artigos
Recursos
Quantcast