Como É Bom, Amar E Ser Amado

Publicado em: 23/12/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 1,807 |



Como é bom, amar e ser amado.

Como é bom amar você, como é bom ser amado por você,
O amor sempre chega sem pedir licença, e nem tem hora certa.
Muitas vezes estamos carentes de um amor do sexo oposto,
Cruzamos por centenas, milhares de rostos,
e pessoas bonitas em que admiramos, mas, sem aquele brilho do amor.

Assim foi comigo, e tenho certeza que contigo também,
Você veio do céu, para entrar no meu coração,
E se estabelecer nele, para ficar e não mais querer sair.

Fez do meu coração sua morada, e ainda não satisfeita,
Floriu de rosas multicoloridas, no jardim que ali você construiu,
no meu coração. Quanta alegria você me trouxe minha querida.

Não me canso de lembrar como foi, meu primeiro contacto contigo.
Era três horas da madrugada, ali estava eu em frente de um computador,
curtindo uma solidão da alma, pois na verdade,
sou cercado de gente que me ama,

E derrepente vejo, entrar uma mensagem na minha caixa,
Pensei comigo, deve ser também, alguma pessoa carente,
Que se sente só, a procura de alguém para conversar.
E curioso foi eu abrir e o que vi, simplesmente um comentário,

Só que era um comentário, sobre um poema meu,

E o que mais me encantou, e onde tudo começou.
Em seguida entrei em contacto, com aquela pessoa, do outro lado,
Que também estava, usando a madrugada igual a mim.

O resto você sabe muito bem,
Conforme as mensagens fomos trocando, foi crescendo minha ansiedade,
De ter toda noite um contacto contigo, com quem lá estava do outro lado,
E que pedi permissão, para promovê-la, como minha nova musa,
Pois a cada comentário seu, mais me admirava você,

E um dia por acaso vi, seu rosto num site, e então vi uma foto,
Que me chamou atenção, calculei a idade da foto, mais ou menos,
Uns trintas e poucos anos, mas até aí tudo bem, pois eu também faço uso,
De exibir e fazer uso, das fotos de quando, era bem mais jovem.

Mas para minha surpresa, curiosamente fui olhar, sua biografia,
E vi que sua idade era apenas 36 anos. Confesso que nesta hora,
Fiquei até com vergonha de mim, pois já tinha pedido permissão a ti,
Para eu amar você, e tê-la como minha musa.

Quis me justificar contigo, mas não fiz, apenas vi que o que eu estava sentindo,
era amor por ti, e não seria então, uma paixão de poeta.

A cada dia que passava, mais e mais, apaixonado por ti eu ficava,
Pois a cada comentário teu a admiração por ti crescia mais.
E me lembro também, que você comentava,
Que estava ficando perigoso, este jogo de amor proibido.

Falava-me de ficar machucado, e que você estava ficando contaminada,
com as minhas poesias, que era endereçado a ti,
Foi num belo dia, que você chegou a dizer, que também estava me amando,
E que queria ser, a minha amada de verdade.

Confesso que com aquela notícia sua, eu quase tive um treco,
Pois meu coração passou, a bater 200 por hora,
Achei que estivesse sonhando, fui no banheiro, e no rosto água joguei,
Para a certeza eu ter, que não estava sonhando, voltei e li outra vez,
E assim li e reli, uma porção de vazes, aquela mensagem,
que só trouxe pra mim, à vontade de viver.

Fique naquela, será que essa mulher, esta só brincando comigo?
Afinal entre nós, é muita diferença de idade, foi quando disse para você,
Que não via possibilidade, de um futuro para mim e nem pra você.
Em dizer que estava enamorada de mim.

E o resto você sabe, veio então aqueles romances, que fizemos aquelas noites,
Foi com certeza, um amor que jamais vou esquecer, e com isso no mês que vem,
Quatorze de fevereiro, vai fazer um aninho, que nosso amor começou,
Com aquele comentário seu, no meu poema SUAVE AMOR.

Autor Rômulo José Ferraz

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/poesia-artigos/como-e-bom-amar-e-ser-amado-1616058.html

    Palavras-chave do artigo:

    romulo jose ferraz

    Comentar sobre o artigo

    Acróstico em homenagem ao inesquecível, talentoso e mui amado amigo, o poeta Rômulo José Ferraz, por sua singular escrita na jornada terrena pessoal, intelectual e humana. Eis o meu louvor!

    Por: Lídia S. Cruz Ribeirol Literatural 25/02/2010 lAcessos: 136 lComentário: 1
    Romulo José Ferraz

    A segunda parte do conto da Família Ferraz no sertão de Mato Grosso é a continuação da primeira parte, Desde que sentiu que não mais poderia ficar com a família nessas terras, por causa das doenças que estava sendo constante e na continuação dos acontecimentos deixaram Porto dos Gaúcho, tão logo foi arrumado o dinheiro para a viagem e recapitulando que essa família veio de Minas Gerais com o propósito de ficar ricos em Mato Grosso, e que por ironia do destino, um sonho que virou pesadelo.

    Por: Romulo José Ferrazl Literatural 10/06/2009 lAcessos: 304 lComentário: 2
    Romulo José Ferraz

    Esta é uma história verídica de uma família que veio de Mina Gerais para uma aventura no Rio Arinos (Porto dos Gauchos)norte de Mato Grosso com finalidade de criar rais. Isso foi num passado distânte ainda na década de 50 em que foram a oitava família a chegar numa abertura na beira do Rio Arinos sendo que o vizinho mais próximo estava a 500 quilômetros ao sul

    Por: Romulo José Ferrazl Literatural 27/05/2009 lAcessos: 2,252 lComentário: 7
    Romulo José Ferraz

    Porque não sou este teu cãozinho para então me fazer carinho; E acalmar esse meu coração que estando olhando para teu retrato; sentindo o teu perfume, Beijando estes teus lábios carnudos, acariciando estes teus cabelos negros;

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 18/11/2009 lAcessos: 406
    Romulo José Ferraz

    Sei que tu existe, só não sei onde estais; e quando te encontrar. E quando nós encontrarmos, nem será preciso uma apresentação

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 06/12/2009 lAcessos: 490
    Romulo José Ferraz

    O amor é um sentimento que invade nossas almas e nos faz ver o quanto o mundo é bonito. Quanto se ama tudo é poesia, tudo é melodia, o dia é mais dia e o sol com seus raios parece trazer a temperatura que queima nossas almas, que incendeia nosso coração com a chama do amor recíploco, e a noite é mais noite pois, a lua e as estrelas parece bailar uma melodia que só o amor constroi

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 07/11/2009 lAcessos: 3,587
    Romulo José Ferraz

    Meu amor não esperou em vão; Este teu clima de expectativa; Chegou; E hoje, estou aqui para te amar; Há entre nós um clima de poesia ativa;

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 12/12/2009 lAcessos: 279
    Romulo José Ferraz

    Oi, querida amiga, desculpe pela intimidade, pois são tantas amigas, que o hábito peguei. Vi sua mensagem e aceito o desafio. Então já é pra valer nada como uma desculpa para iniciar uma relação. E um dueto, sempre exige que se fale de um tema

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 28/11/2009 lAcessos: 906
    Romulo José Ferraz

    Minha companheira de toda uma vida, Agora olhando, seus cabelos a luz do sol, E o vento soprando e em meu rosto batendo Eu sinto que se pudesse, voltaria ao passado

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 28/11/2009 lAcessos: 5,435
    Romulo José Ferraz

    Ansiedade por ti querer II Se esta dor não sai do teu peito, E se esta é a vontade loca de estar em meus braços. E que estou sempre em teu pensamento, Querendo meus beijos e meus abraços.

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 27/11/2009 lAcessos: 1,059 lComentário: 1
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Havia um ditado. Existia um ditado. Um ditado. Água tanto bate. Na pedra. Até a mesma furar. A pedra furada. A água continua batendo. A pedra acostuma com o furo. E o referido torna-se normal.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 17/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Caminhei silenciosamente. Por um trilho. Ataraxiologicamente. Por uma estrada. Em Minas Gerais. Na cidade de Itapagipe. Cheio de pedras e fendas. Vi árvores belas. Pássaros cantando. Como se tivesse celebrando. A ausência do tempo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 15/11/2014

    Certa vez me inspirei e escrevi: No véu da esperança vem à lembrança dos sonhos renhidos, dos dilemas esquecidos que nos fazem sofrer. Da guarda constante, do futuro brilhante que pretendo ter, em constante delírio vi o rastilho de fé e esperanças, das belas lembranças veio a minha mente, um busto exuberante, estonteante, que me apaixonei só em pensar.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 14/11/2014

    Os caibros do meu coração são válvulas que filtram e impulsionam o líquido precioso da minha vida. Os amores perfeitos são como dois corações batendo como um só. As horas felizes que passei contigo estão gravadas no meu cérebro, e alimentadas por um coração forte, portentoso, e repleto de amor.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 14/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A verdadeira cegueira. Encontra-se na memória. Os olhos veem. Mas não conseguem. Diferenciar o brilho da luz. Com o hidrogênio do sol Portanto, os olhos perturbam. Compreendendo a razão. Da escuridão. Acepção óptica. Da natureza do enxergar.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 11/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Tudo que sei. É que não sei entender. A imaginação. O meu mundo é o segredo. Da insignificação do tempo. A dissimulação contemporânea. A idiossincrasia das impossibilidades. A representação ao contrário. De Schopenhauer.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 09/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Você não sabe. Por onde passei. Acepção. O que imaginei. Trilhos diferentes. Pode sentir o brilho das estrelas. E entender. O sol esconder. Vi distante. O colorido das montanhas. Abreviando o cogito.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 06/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Nesse canto. Perdido no silêncio. Imaginando o tempo. O princípio da origem. O fundamento da pateguice. Com axiologia da genialidade. O que seria a ausência da energia. O mundo sem materialidade dialética.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 01/11/2014
    Romulo José Ferraz

    Se eu pudesse tê-la comigo amor dos meus sonhos, amor da minha vida, Se eu pudesse num acalento dos meus braços te acariciar e te beijar, Ah! Como seria maravilhoso sentir-te novamente no aconchego do meu corpo, E tê-la junto ao meu peito sentindo teu calor e teu cheiro, Cheiro de flor perfumando toda a minha vida , E desabrochando sobre o meu olhar ínfimo,

    Por: Romulo José Ferrazl Literatural 18/04/2010 lAcessos: 219
    Romulo José Ferraz

    Este é um poema que fala de um amor de um homem por uma mulher, de tamanha beleza que o encantou como uma princesa que encanta e fascina seu príncipe. Eles viveram momentos especiais, se encantaram, se admiraram, se amaram. Construíram uma vida juntos. Mas um dia o principe teve que partir, foi fazer morada num outro plano e teve que deixar sua princesa, seu tesouro, seu bem mais precioso. Mas na sua nova morada, ele espera a chegada de sua princesa, de seu tesouro, de seu único amor.

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 22/02/2010 lAcessos: 696 lComentário: 2
    Romulo José Ferraz

    Eu estou vindo aqui amor, só para me despedir, Das últimas palavras desse nosso amor, há, você vai ter que ouvir. Eu sei que estou perdido, pois me deixei cair, nas armadilhas do coração, E perdido eu sei que estou, há, quanto te amei, Te entreguei minha vida e meu coração.

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 04/01/2010 lAcessos: 494
    Romulo José Ferraz

    Menina só e sem ninguém...! Por quê? Tão jovem e tão bonita, terás medo do amor? Porque sentires perdida, diante do tão nobre sentimento?

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 03/01/2010 lAcessos: 141
    Romulo José Ferraz

    Minha querida meu amor, tu sempre foste o meu tesouro, Minha pedra preciosa, que um dia conquistei. No garimpo desta vida, correndo e correndo sempre, Querendo encontrar, a minha jóia preciosa, para comigo ficar.

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 23/12/2009 lAcessos: 421
    Romulo José Ferraz

    Não sei se ainda lembra, que você me encantou, Com seus lindos comentários, nas minhas singelas poesias, Apaixonei-me por ti, sem ao menos saber quem era. Foi amor à primeira vista...

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 20/12/2009 lAcessos: 455 lComentário: 1
    Romulo José Ferraz

    Porque não falarmos do amor, se é amando que sentimos o gosto de ser feliz, é amando que esquecemos as tristezas que muitas vezes nos pega de surpresa.

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 16/12/2009 lAcessos: 432
    Romulo José Ferraz

    Minha querida, meu amor, minha Rainha encantada, que tem o teu reinado, dentro do meu coração. Hoje ainda estou, com o sabor dos beijos teus, que ardentemente beijamos, deixando transparecer, quanta felicidade, para nossos corações.

    Por: Romulo José Ferrazl Literatura> Poesial 15/12/2009 lAcessos: 441

    Comments on this article

    1
    Lu Bessa 29/12/2009
    Muito, muito interessante toda a descrição que resume o seu encontro com a musa dos seus olhos! É simplesmente de tirar o fôlego!
    Parabéns, por conseguir transformar em versos tão apimentada história de amor!
    Comentários à parte, imagino o grau de conflitos que essa relação possa ter causado na vida de vocês. Portanto, parabéns, senhor autor! Seu texto inclui não somente um fluir poético, mas uma particularidade não tão frequentemente encontrada entre os homens de nossos tempos.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast