Estátua e o Simbolismo de Camilo Pessanha

Publicado em: 11/04/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 923 |

Estátua de Camilo Pessanha  representa muito bem o Simbolismo, pois  coloca a introspecção do "eu" lírico através de uma linguagem sugestiva e subjetiva  ao longo de seus versos. Começamos pelo título " Estátua" que o poeta ao  invés de expor a palavra exata(mulher ou ser amado) ,prefere usar uma imagem para sugerir, incitar o leitor a vislumbrar essas imagens e decifrar quem é essa estátua. O escritor consegue  tornar o poema  emocional , ardente , ao mesmo tempo que transforma seus versos em uma poesia triste e desiludida .Como seu próprio coração fosse esmiuçado ou diluído a cada estrofe.

 

E o meu ósculo ardente, alucinado,

Esfriou sobre o mármore correcto

Desse entreaberto lábio gelado...

Outra característica simbolista encontrada em "Estátua" é  a desilusão : "Cansei-me de tentar o teu segredo", O meu olhar quebrei, a debatê-lo. O poeta enfoca um sentimento não correspondido, um amor platônico, por isso há uma angústia  e uma certa exaustão por tantas tentativas inócuas.

Temos ainda, um apelo aos estímulos sensoriais feito ao leitor através da sinestesia: "No teu olhar sem cor, --- frio escalpelo" . Esse recurso é usado para invocar o sentido da visão e assim despertar, sugerir o tratamento hostil dado ao "eu" lírico. Podemos encontrar nos versos seguintes uma extrema perturbação que demonstra o estado de transe o qual se encontra o poeta. Há também uma escolha por palavras que transmitem certa  nebulosidade  e transcendentalismo.Se não vejamos:

Segredo dessa alma e meu degredo

E minha obsessão! Para bebê-lo

Fui teu lábio oscular, num pesadelo,

Por noites de pavor, cheio de medo.

Outro aspecto simbolista que podemos identificar em " Estátua" é a preocupação formal que se revela na busca de palavras de grande valor conotativo e vocabular.Dessa forma, temos oscular no lugar de beijar, pélago, onda na crista, degredo. Quanto a forma, podemos notar ainda que o poema apresenta em seus versos a assonância e aliteração, pois ocorre uma semelhança nos sons : segredo,escalpelo,debatê-lo,rochedo/Severo , Sereno.

Em resumo, Camilo Pessanha consegue expressar no poema aqui analisado traços do Simbolismo português, pois expõe a dimensão transcendental do homem , evocando sentimentos e emoções numa linguagem sugestiva, desprezando assim , a palavra exata e objetiva.

 

Referências:

http://users.isr.ist.utl.pt/~cfb/VdS/v144.txt. Acesso em 03/04/10

Sarmento, Leila Lauar.Português: literatura, gramática, produção de texto: volume único.São Paulo:Moderna,2004.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/poesia-artigos/estatua-e-o-simbolismo-de-camilo-pessanha-4581815.html

    Palavras-chave do artigo:

    simbolismo literatura portuguesa poesia

    Comentar sobre o artigo

    Challis

    A Literatura é o espelho social de uma época, pois nos mostra a face do artista e também o cenário no qual produziu sua obra, ou seja, a sociedade em que viveu. O estudo da Literatura auxilia-nos a compreender melhor a natureza de nossas ações e sentimentos. As obras de escritores e poetas nos ajudam a entender como nós, seres humanos, temos nos comportado ao longo dos séculos e, a partir do exemplo e da experiência alheios, refletir sobre nosso próprio comportamento.

    Por: Challisl Educaçãol 14/03/2013 lAcessos: 238

    A poesia parnasiana mostrou-se como uma vertente dos ideais realistas, opondo-se ao romantismo, pela sua subjetividade e egocentrismo. Ainda assim, alguns aspectos desta poesia objetiva e descritiva mostraram-se tão subjetivos quanto os da escola literária anterior, a qual buscavam romper. Neste trabalho observaremos algumas destas subjetividades na poesia parnasiana para que, talvez, em um futuro trabalho de maior extensão e profundidade, os conceitos sobre estas obras sejam repensados.

    Por: Vinícius Araújo de Oliveiral Literatural 04/04/2010 lAcessos: 1,297
    Ana Maricélia de Oliveira

    O presente trabalho se constitui no estudo do tema O poder da Literatura Infantil na formação de leitores mirins. Teve como fundamentação teórica vários autores como: Alves, Villardi, Zilberman e outros. O mesmo tem como objetivo fundamental apresentar a importância que as obras literárias infantis tem na vida dos futuros leitores. Assim como, mostrar a função que a escola e o educador desempenham, enquanto peças fundamentais na formação de crianças leitoras.

    Por: Ana Maricélia de Oliveiral Educaçãol 02/04/2013 lAcessos: 285
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo faz uma abordagem sobre as obras e os poetas da escola simbolista, que se originou na França com a publicação de “As flores do Mal”, de Baudelaire, em 1857. Nome inicial era “Decadentismo”. Em Portugal, o Simbolismo tem início em 1890, com o livro de poemas de Eugênio de Castro, “Oaristos”, e com revistas acadêmicas, “Os Insubmissos” e “Boêmia Nova”, cujos colaboradores eram Eugênio de Castro e Antônio Nobre. Assunto que, será o ponto de partida para uma análise sobre as obras simbolistas e seus autores.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatural 22/05/2009 lAcessos: 4,351
    Profª Bia Senday

    Fernando Antônio Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa em 13/06/1888 e, ao lado de Camões, é considerado um dos poetas mais importantes da Literatura Portuguesa. O poeta destacou-se não só por assimilar de modo magistral o seu passado lírico, integrando na sua obra traços grandiosos de Camões, como também, refletiu nela as enormes turbulências humanas vividas pela Europa, em particular, Portugal, no início do século passado.

    Por: Profª Bia Sendayl Literatural 20/08/2010 lAcessos: 915
    Gislaine Becker

    Várias são as críticas apontadas para nossas obras literárias. Partindo do pressuposto de que nada é absoluto e que uma crítica realizada de forma errônea pode afastar para sempre nosso leitor, buscamos entender alguns métodos utilizados por nossos críticos para avaliação das mesmas.

    Por: Gislaine Beckerl Educação> Ensino Superiorl 25/08/2009 lAcessos: 2,254
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Havia um ditado. Existia um ditado. Um ditado. Água tanto bate. Na pedra. Até a mesma furar. A pedra furada. A água continua batendo. A pedra acostuma com o furo. E o referido torna-se normal.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 17/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Caminhei silenciosamente. Por um trilho. Ataraxiologicamente. Por uma estrada. Em Minas Gerais. Na cidade de Itapagipe. Cheio de pedras e fendas. Vi árvores belas. Pássaros cantando. Como se tivesse celebrando. A ausência do tempo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 15/11/2014

    Certa vez me inspirei e escrevi: No véu da esperança vem à lembrança dos sonhos renhidos, dos dilemas esquecidos que nos fazem sofrer. Da guarda constante, do futuro brilhante que pretendo ter, em constante delírio vi o rastilho de fé e esperanças, das belas lembranças veio a minha mente, um busto exuberante, estonteante, que me apaixonei só em pensar.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 14/11/2014

    Os caibros do meu coração são válvulas que filtram e impulsionam o líquido precioso da minha vida. Os amores perfeitos são como dois corações batendo como um só. As horas felizes que passei contigo estão gravadas no meu cérebro, e alimentadas por um coração forte, portentoso, e repleto de amor.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 14/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A verdadeira cegueira. Encontra-se na memória. Os olhos veem. Mas não conseguem. Diferenciar o brilho da luz. Com o hidrogênio do sol Portanto, os olhos perturbam. Compreendendo a razão. Da escuridão. Acepção óptica. Da natureza do enxergar.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 11/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Tudo que sei. É que não sei entender. A imaginação. O meu mundo é o segredo. Da insignificação do tempo. A dissimulação contemporânea. A idiossincrasia das impossibilidades. A representação ao contrário. De Schopenhauer.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 09/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Você não sabe. Por onde passei. Acepção. O que imaginei. Trilhos diferentes. Pode sentir o brilho das estrelas. E entender. O sol esconder. Vi distante. O colorido das montanhas. Abreviando o cogito.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 06/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Nesse canto. Perdido no silêncio. Imaginando o tempo. O princípio da origem. O fundamento da pateguice. Com axiologia da genialidade. O que seria a ausência da energia. O mundo sem materialidade dialética.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 01/11/2014

    Este texto propõe a discussão de um dos poemas de Drummond, e tenta expor qual é a concepção de poesia expressa pelo texto "Procura da Poesia". Tentou- se refletir sobre o fazer literário desse grande poeta , bem como o uso da linguagem metalinguística expressa no referido poema.

    Por: ERINEUDA DO AMARAL SOARESl Literatura> Poesial 13/04/2011 lAcessos: 2,076

    O presente relato trata de minhas experiências no primeiro ano que frequentei a escola. Trata-se de uma reflexão sobre em que a escola pode contribuir para o futuro de seus educandos.

    Por: ERINEUDA DO AMARAL SOARESl Educação> Educação Infantill 11/04/2011 lAcessos: 590
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast