Hoje Eu Decidi Sorrir

Publicado em: 02/11/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 703 |

Memórias de Poetas Desconhecidos

Hoje resolvi sorrir!

Falei bom dia para meu filho

Beijei a face de minha esposa

Acariciei meu cão amigo

Disse tchau para minhas plantas

Acenei para o vizinho

Mudei a estação do rádio

Encontrei uma música gostosa

E a ouvi, palavra por palavra

Viajei na sua história...

Não buzinei quando me fecharam

Não reclamei dos semáforos vermelhos

Comprei balas do menino da esquina

Pedi a Deus por aquele pedinte

Liguei para meus amigos

Matei a saudade de meus pais

E continuei meu caminho

Que dia lindo!

Parei no orfanato

Brinquei com as crianças

Contei histórias quase esquecidas

Joguei bola

Fui visitar um asilo

Li poesias

Sorri e provoquei risos

Voltei morrendo de saudades para minha casa

Encontrei meus anjos à minha espera

Ainda tinha fôlego para o vídeo game com meu filho

Ajudei a preparar o jantar

Caminhei com o meu cão em seu roteiro preferido

Tomei meu banho e abracei minha família

Disse-lhes o quanto eu os amava e a mesma coisa ouvi.

Deitei-me e agradeci a Deus

Hoje eu fiz tudo diferente

E sinto que renasci

HOJE EU POSSO TUDO!

Hoje posso tudo!

Soltei as amarras, corri para a chuva.

Rolei-me na lama, gritei, ri alto.

Não me importei!

Corri, parei, andei, voltei, continuei, passei de novo e de novo passei.

Estou livre!

Desista, não insista, apenas reflita.

Nada mais pode fazer!

Sou livre!

Não vai mais me prender.

Como o mundo é lindo!

Quanto tempo perdido!

Corra você também, solte-se, liberte-se.

Venha pra chuva.

Você também pode.

E não se importe se não mais te reconhecerem.

Mude, renasça, cresça, viva e reviva.

Dê um viva para a vida.

Aprenda a viver.

Não, não chore!

Não estou louco, observe um pouco como o meu sorriso mudou.

Veja o meu semblante, não é mais como antes, estou feliz.

Veja quantos lugares eu ainda tenho que ir conhecer.

Quantas pessoas, quantos amores, quantos sonhos, quanta vida!

Ah minha vida!

Como pude deixar de vivê-la?

Insisto, corra você também.

Não volte para o casulo, você já tem asas e só não sabe voar.

Eu te ensino, acabei de aprender.

Mude o seu destino, não corra com medo da chuva.

Venha!

Não terá outra chance, é agora ou nunca.

Entenda!

Não volto mais, estou livre para a vida.

Memórias de Poetas Desconhecidos

AGORA É O NOSSO TEMPO

Entrego-me em teus braços.

Fecho os olhos, jogo fora o medo, vou contigo...

Para onde este amor nos levar.

Sei das conseqüências, conheço as circunstâncias.

Conheço as perdas, mas também os ganhos.

Vamos, na primeira nuvem que passar...

Deixe que o vento nos leve...

Não tenho pressa e nem me interessa onde parar.

Quero estar contigo, viver contigo sem os conflitos...

Sem os gritos aflitos daqueles que querem nos aprisionar.

Vamos!

Não devemos nada, já pagamos o preço.

Deixamos parte de nossas vidas, jogamos fora o tempo.

Agora é o nosso tempo!

Vamos pra outro lugar.

Não ouça mais ninguém, nada lhes convém, deixa tudo o que tem.

Traga só o amor!

Vamos recomeçar!

Não importa a hora, não é tarde nem é cedo, é o momento.

Não podemos deixá-lo passar!

Não temo o futuro, acabou o passado e é nosso o presente,

Você é o meu presente!

Nunca parta sem mim, nunca me diga adeus,

Jamais queira Deus separar você de mim.

Vamos, abriu a porta da felicidade e nela só se entra de mãos dadas.

Dê-me sua mão, siga comigo,

E vamos viver juntos por todo o tempo que ainda nos restar

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/poesia-artigos/hoje-eu-decidi-sorrir-1411989.html

    Palavras-chave do artigo:

    hoje eu decidi sorrir

    Comentar sobre o artigo

    Fabio Haubert

    Numa visita a seus pais Denise comenta sobre um dos segredos mais bem guardados da Dimensão Turismo. A Jornalista Rita sua irmã gêmea usará sua semelhança com ela para entrar no local e fazer uma reportagem sobre o que tem lá.

    Por: Fabio Haubertl Literatura> Ficçãol 14/09/2014
    Soélis Sanches

    Decidi que a partir de hoje vou apenas “pensar” na minha vida.

    Por: Soélis Sanchesl Literatural 26/09/2009 lAcessos: 141
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Havia um ditado. Existia um ditado. Um ditado. Água tanto bate. Na pedra. Até a mesma furar. A pedra furada. A água continua batendo. A pedra acostuma com o furo. E o referido torna-se normal.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 17/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Caminhei silenciosamente. Por um trilho. Ataraxiologicamente. Por uma estrada. Em Minas Gerais. Na cidade de Itapagipe. Cheio de pedras e fendas. Vi árvores belas. Pássaros cantando. Como se tivesse celebrando. A ausência do tempo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 15/11/2014

    Certa vez me inspirei e escrevi: No véu da esperança vem à lembrança dos sonhos renhidos, dos dilemas esquecidos que nos fazem sofrer. Da guarda constante, do futuro brilhante que pretendo ter, em constante delírio vi o rastilho de fé e esperanças, das belas lembranças veio a minha mente, um busto exuberante, estonteante, que me apaixonei só em pensar.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 14/11/2014

    Os caibros do meu coração são válvulas que filtram e impulsionam o líquido precioso da minha vida. Os amores perfeitos são como dois corações batendo como um só. As horas felizes que passei contigo estão gravadas no meu cérebro, e alimentadas por um coração forte, portentoso, e repleto de amor.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 14/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A verdadeira cegueira. Encontra-se na memória. Os olhos veem. Mas não conseguem. Diferenciar o brilho da luz. Com o hidrogênio do sol Portanto, os olhos perturbam. Compreendendo a razão. Da escuridão. Acepção óptica. Da natureza do enxergar.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 11/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Tudo que sei. É que não sei entender. A imaginação. O meu mundo é o segredo. Da insignificação do tempo. A dissimulação contemporânea. A idiossincrasia das impossibilidades. A representação ao contrário. De Schopenhauer.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 09/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Você não sabe. Por onde passei. Acepção. O que imaginei. Trilhos diferentes. Pode sentir o brilho das estrelas. E entender. O sol esconder. Vi distante. O colorido das montanhas. Abreviando o cogito.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 06/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Nesse canto. Perdido no silêncio. Imaginando o tempo. O princípio da origem. O fundamento da pateguice. Com axiologia da genialidade. O que seria a ausência da energia. O mundo sem materialidade dialética.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 01/11/2014

    Quado nao estiver mais histórias para contar aos seus filhos antes de irem dormir, conte essa. Esse ato fará com que jamais esqueçam desses momentos magicos e unicos na vida deles.

    Por: Anderson Balderrama dos Reisl Literatura> Ficçãol 02/11/2009 lAcessos: 1,209

    O mundo vem sofrendo uma revoluçao e alterando rapidamente o nosso modo de modo de viver. Novas tecnologias surgindo a cada dia e quando nos lembramos do ontem, percebemos o quando progredimos, mas ao mesmo tempo, bate uma saudade das coisas simples que não existem mais.

    Por: Anderson Balderrama dos Reisl Literatura> Crônicasl 02/11/2009 lAcessos: 444

    Uma de muitas histõrias que eu ouvi morando no Amazonas

    Por: Anderson Balderrama dos Reisl Literatural 02/11/2009 lAcessos: 280

    Muito do que somos hoje aprendemos em nossa infância. Algumas experiencias vividas na fase da inocência nos traz ensinamentos para a vida inteira. Essa é uma das muitas liçôes que eu tive em minha vida.

    Por: Anderson Balderrama dos Reisl Literatura> Crônicasl 02/11/2009 lAcessos: 206

    Existem cenas muito engraçadas em nosso dia a dia e estou retratando duas ocorridas a algum tempo, porém utilizando nomes e locais fictícios para não ferir ninguem.

    Por: Anderson Balderrama dos Reisl Literatural 23/10/2009 lAcessos: 92 lComentário: 1

    Muitas vezes cometemos erros durante quase toda a vida sem nos dar conta de como isso pode interferir na vida de outras pessoas. Quando esse erro atinge nossos filhos, aí então ao vemos o quanto fomos egoístas e faríamos de tudo para voltar atrás.

    Por: Anderson Balderrama dos Reisl Literatural 23/10/2009 lAcessos: 191 lComentário: 1

    O ser humano tem enraizado em si o erro de pré-conceituar as pessoas pelo que elas vestem, possuem, crêm, se manifestam etc. Muitas vezes perdemos lições valiosas por nos distanciar de pessoas cuja primeira imagem nos cause arrepio.

    Por: Anderson Balderrama dos Reisl Literatural 23/10/2009 lAcessos: 85

    Quando amamos, antes de tomar qualquer decisão por alguma coisa que a outra pessoa nso tenha feito e que, para o nosso intimo possa parecer o fim, precisamos dar uma outra chance para o amor continuar vivo.

    Por: Anderson Balderrama dos Reisl Literatura> Poesial 23/10/2009 lAcessos: 258

    Comments on this article

    0
    Nonato Andrade 05/11/2009
    Este é o grande Anderson de sempre! Parabéns pelos belos textos. Um forte abraço de seu amigo.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast