Hoje Eu Decidi Sorrir

02/11/2009 • Por • 733 Acessos

Memórias de Poetas Desconhecidos

Hoje resolvi sorrir!

Falei bom dia para meu filho

Beijei a face de minha esposa

Acariciei meu cão amigo

Disse tchau para minhas plantas

Acenei para o vizinho

Mudei a estação do rádio

Encontrei uma música gostosa

E a ouvi, palavra por palavra

Viajei na sua história...

Não buzinei quando me fecharam

Não reclamei dos semáforos vermelhos

Comprei balas do menino da esquina

Pedi a Deus por aquele pedinte

Liguei para meus amigos

Matei a saudade de meus pais

E continuei meu caminho

Que dia lindo!

Parei no orfanato

Brinquei com as crianças

Contei histórias quase esquecidas

Joguei bola

Fui visitar um asilo

Li poesias

Sorri e provoquei risos

Voltei morrendo de saudades para minha casa

Encontrei meus anjos à minha espera

Ainda tinha fôlego para o vídeo game com meu filho

Ajudei a preparar o jantar

Caminhei com o meu cão em seu roteiro preferido

Tomei meu banho e abracei minha família

Disse-lhes o quanto eu os amava e a mesma coisa ouvi.

Deitei-me e agradeci a Deus

Hoje eu fiz tudo diferente

E sinto que renasci

HOJE EU POSSO TUDO!

Hoje posso tudo!

Soltei as amarras, corri para a chuva.

Rolei-me na lama, gritei, ri alto.

Não me importei!

Corri, parei, andei, voltei, continuei, passei de novo e de novo passei.

Estou livre!

Desista, não insista, apenas reflita.

Nada mais pode fazer!

Sou livre!

Não vai mais me prender.

Como o mundo é lindo!

Quanto tempo perdido!

Corra você também, solte-se, liberte-se.

Venha pra chuva.

Você também pode.

E não se importe se não mais te reconhecerem.

Mude, renasça, cresça, viva e reviva.

Dê um viva para a vida.

Aprenda a viver.

Não, não chore!

Não estou louco, observe um pouco como o meu sorriso mudou.

Veja o meu semblante, não é mais como antes, estou feliz.

Veja quantos lugares eu ainda tenho que ir conhecer.

Quantas pessoas, quantos amores, quantos sonhos, quanta vida!

Ah minha vida!

Como pude deixar de vivê-la?

Insisto, corra você também.

Não volte para o casulo, você já tem asas e só não sabe voar.

Eu te ensino, acabei de aprender.

Mude o seu destino, não corra com medo da chuva.

Venha!

Não terá outra chance, é agora ou nunca.

Entenda!

Não volto mais, estou livre para a vida.

Memórias de Poetas Desconhecidos

AGORA É O NOSSO TEMPO

Entrego-me em teus braços.

Fecho os olhos, jogo fora o medo, vou contigo...

Para onde este amor nos levar.

Sei das conseqüências, conheço as circunstâncias.

Conheço as perdas, mas também os ganhos.

Vamos, na primeira nuvem que passar...

Deixe que o vento nos leve...

Não tenho pressa e nem me interessa onde parar.

Quero estar contigo, viver contigo sem os conflitos...

Sem os gritos aflitos daqueles que querem nos aprisionar.

Vamos!

Não devemos nada, já pagamos o preço.

Deixamos parte de nossas vidas, jogamos fora o tempo.

Agora é o nosso tempo!

Vamos pra outro lugar.

Não ouça mais ninguém, nada lhes convém, deixa tudo o que tem.

Traga só o amor!

Vamos recomeçar!

Não importa a hora, não é tarde nem é cedo, é o momento.

Não podemos deixá-lo passar!

Não temo o futuro, acabou o passado e é nosso o presente,

Você é o meu presente!

Nunca parta sem mim, nunca me diga adeus,

Jamais queira Deus separar você de mim.

Vamos, abriu a porta da felicidade e nela só se entra de mãos dadas.

Dê-me sua mão, siga comigo,

E vamos viver juntos por todo o tempo que ainda nos restar

Perfil do Autor

Anderson Balderrama dos Reis

Anderson Balerrama dos Reis, paulista, pós graduado, palestrante e autor do livro " Clareira, quando a amizade é essencial"