O Encantamento

Publicado em: 13/06/2013 |Comentário: 0 | Acessos: 25 |

Um grande segredo.

Um grande segredo.

Um segredo.

Existe uma razão.

Para descrevê-lo.

Metaforicamente.

A vossa heteronomia.

Aponfântica.

A luz do vosso encanto.

Heuristicamente.

A sua sabedoria psicogenética.

Não tem como ser indiferente.

 Mas entre os sonhos.

O único desejo.

A sabedoria heterológica.

O grandevo sapiêntico.

Ninguém igual.

Tudo perfeito.

Como se fosse resenhada.

 Pela historiografia.

 Transcrita.

 Por mentalidades.

Geniais.

Mas entendida perfeitamente.

Como determina a vossa racionalidade.

A grandiloquência da sua linguagem.

Epagógica.

Gostaria de conseguir a realização.

Das representações.

Indescritíveis.

Nunca antes entendida.

 Indubitavelmente.

O seu silêncio.

Sendo a vossa razão.

O efeito da causa.

É muito difícil.

Porque as palavras não são.

Pronunciadas.

O inconcusso procedimento.

Mas o que quero dizer.

Você não pode entender.

Se entendesse tremeria.

De emoção.

Incontida ao vosso desejo.

Latíbulo a sensibilidade.

Não sei como fazer entender.

Gostaria que percebesse.

 Lauto a grandiosidade.

Um olhar primário.

Imperscrutável a sua sabedoria.

Iminente.

Poderia ser.

Tudo que seria possível.

Implexo ao sonho.

Entretanto ínclito a possibilidade.

Gostaria que recebesse  um aviso.

Do infinito proposto.

A serenidade da vossa fonte.

A inalienabilidade do vosso espírito.

Sem a vossa serapicidade.

Sinto o exício da perda.

Ainda não adquirida.

Se pudesse compraria.

Como seiva da sabedoria.

Sinais dados indelevelmente.

 A sobejidão escalonada.

A taxologia terapêutica.

Do vosso encantamento.

As palavras não são suficientes.

Nem mesmo as significações.

Certo tautocronismo exuberante.

Espero que perceba.

É o que necessita as fantasias.

Dos sonhos.

Edjar Dias de Vasconcelos

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/poesia-artigos/o-encantamento-6637853.html

    Palavras-chave do artigo:

    poesia critica

    Comentar sobre o artigo

    Edjar Dias de Vasconcelos

    Pergunto-te com singeleza. A intuição de um contra poeta. Nunca guardou rebanho? Quando sua poesia é palaciana. Admiro-te pela existencialidade. Até mesmo pela a coragem. Mas nunca contestou o mundo. Das fabulosas antas.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 05/09/2013 lAcessos: 31
    Pedro Melo

    O Modernismo sepultou a poesia de forma fixa? Não somente autores de renome continuaram a escrever poemas de forma fixa, como as formas fixas sobreviveram e ainda agradam a muitos leitores. Este artigo analisa brevemente o cultivo de um poema de forma fixa em particular, a trova, e sua presença nas letras brasileiras.

    Por: Pedro Melol Literatura> Poesial 30/01/2011 lAcessos: 154

    A poesia parnasiana mostrou-se como uma vertente dos ideais realistas, opondo-se ao romantismo, pela sua subjetividade e egocentrismo. Ainda assim, alguns aspectos desta poesia objetiva e descritiva mostraram-se tão subjetivos quanto os da escola literária anterior, a qual buscavam romper. Neste trabalho observaremos algumas destas subjetividades na poesia parnasiana para que, talvez, em um futuro trabalho de maior extensão e profundidade, os conceitos sobre estas obras sejam repensados.

    Por: Vinícius Araújo de Oliveiral Literatural 04/04/2010 lAcessos: 1,302

    Este artigo trata-se da pluralidade e do hibridismo presentes na poesia de Paulo Lemisnki. Tamanha foi a pluralidade deste escritor, que conseguiu adensar em sua obra inspirações, temáticas, formas e fôrmas das mais diferentes culturas, períodos literários, etc. Neste artigo, debruço-me sobre a relação estreita mantida entre a poesia leminskiana e o concretismo.

    Por: Poliana Rodrigues de Carvalhol Literatura> Poesial 10/06/2011 lAcessos: 213
    charles de jesus da silva netto

    Eu disse... Poesia é Assim Mesmo Poesia é Assim Mesmo, para quem gosta de apreciar boa poesia...

    Por: charles de jesus da silva nettol Literatura> Poesial 11/07/2009 lAcessos: 388 lComentário: 1
    marcia jovelina de jesus

    Uma das vozes mais destacadas na poesia brasileira e o poeta que expressou a poesia negra com mais ousadia, fervor e arte foi o poeta baiano Antonio Frederico de Castro Alves que nasceu no em quatorze de março de 1847, na cidade que leva o seu nome, e faleceu no dia seis de julho de 1871, vitimado de tuberculose. Hoje 164 anos após sua morte, Castro Alves continua a despertar profunda admiração dos que apreciam a poesia, assim como críticos e estudiosos.

    Por: marcia jovelina de jesusl Literatura> Poesial 22/11/2011 lAcessos: 102
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Da natureza do tempo. Que te achas absurdo. Ridículo a noção dele. Enrola se publicamente. A lexicologia portuguesa. Em grotescos palácios. Ferindo vossos pés em tapetes. O vosso cérebro em etiquetas. Sem a humildade para reconhecer. O mesquinho silêncio do tempo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 08/09/2013 lAcessos: 11

    Em que relevo poderemos colocar, nas linhas que se seguem, a Poesia Épica – em especial Homero e sua Odisséia? Que valores nos são legados pelo legendário poeta e por que ainda se nos mostram tão fecundas suas fantásticas narrações? É possível, por assim dizer, em nossa modernidade, um diálogo com este poema – já que dele nos dista esta barreira indelével de mais de duas dezenas de séculos? É o que tentamos examinar neste artigo.

    Por: José Luiz Araujo Dorea Juniorl Literatura> Ficçãol 05/03/2010 lAcessos: 240

    A partir da obra de Platão é estabelecida certa perspectiva no pensamento grego, a qual Nietzsche denomina "socratismo estético". Nietzsche também argumenta que mesmo Eurípides fora bastante influenciado por Sócrates, de maneira que o deus Dionino presente em As bacantes seria de fato uma caricatura socrática. A partir deste ponto, discutimos o papel do feminino em Platão e em Eurípides.

    Por: José Luiz Araujo Dorea Juniorl Literatura> Poesial 08/03/2010 lAcessos: 320

    No presente artigo quero discutir o assunto. O homem a modernidade e a melancolia através de alguns poemas de Drummond. A experiência da modernidade envolve a mobilidade social que oferece um crescimento de oportunidades. Em função disso, o homem torna-se cidadão do mundo, porém, o homem passa a viver na solidão e melancolia.

    Por: Sandra Paiano da Silval Literatura> Poesial 24/02/2010 lAcessos: 846 lComentário: 3
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O mundo poderia. Não ter significado. Já que o entendimento. É apenas a representação. De uma razão alienada. Então o mundo poderia. Ser o antimundo. O que seria o universo. A negação do antimundo. O eterno vazio. Tendo como definição o vácuo. A única realidade a ausência. Necessariamente descabida. Escura e infinita.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 13/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Certa vez disse Nietzsche. Os homens fracos. De caráter deformado. Estabelece entre si. A lógica de uma ética. Plebeia. Legitimando o domínio. Sobre si. Como explorados.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 06/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Poema sem proposição. Escrevi esse poema. Sem ritmo. Sem proposição. Sem significados. Um poema sem nada. Igual ao vento voando no universo. Azul da cor do espaço da nossa galáxia. Um poema fácil de entender. Não tive nem mesmo que inventar as palavras.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 06/12/2014
    Jeferson Lopes Ribeiro

    É um texto dissertativo-argumentativo, sobre o amor. Onde os fatos são bem coesentes e tem coerência.

    Por: Jeferson Lopes Ribeirol Literatura> Poesial 03/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Não existe Caminho. Muito menos pedras. Não existindo, portanto. O meio do caminho. O que existe de fato. Sempre. São Montanhas. Enormes e intransponíveis.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 02/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Recordo-me daquela tarde. Que andava. Tentava entender os sinais. Indeléveis. A magnitude da inquietude. Cada trilho. Tinha uma significação própria. O sol era brando e amarelava. Antes do escurecer.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 01/12/2014
    T. S. Frank

    Poema sobre Chernobyl e suas consequências na vida de todos que tiveram que vivenciar o inferno daquele dia em que a usina colapsou. Em 26 de abril de 1986 ocorreu o acidente nuclear. Um reator da central teve problemas técnicos e liberou uma nuvem radioativa contaminando pessoas, animais e o meio ambiente de uma vasta extensão de terras.

    Por: T. S. Frankl Literatura> Poesial 30/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A vida passando. O tempo. O silencio e o encantamento. A vida teve. O que tinha que existir. Algumas coisas boas. Uma delas a contemplação da inexistência. O saber do insignificado das coisas. A falta de finalidade. A verdade uma convencionalidade cultural.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 28/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Uma gotícula da sopa primitiva. Bilhões e bilhões de anos. Resultaram em diversidades. Das formas de vida. Do mesmo núcleo. Resultou a nossa existência. Tudo remonta ao único princípio. O fundamento da célula reprodutora. Muita sorte de sermos o que somos. Duas categorias de primatas. Prossimios e antropoides.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 19/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A concentração é natural, não da forma que está sendo efetivada nesse momento histórico do capitalismo. Com maior evidência no século XXI. O que poderá de algum modo ameaçar a democracia.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 17/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A respeito do saber. Em referência a possibilidade do conhecimento. Um gênio da Filosofia Iluminista alemã. Kant. Relata em sua principal obra. Crítica da Razão da Pura. A maior revolução acadêmica. Sua acepção morfológica da teoria do conhecimento. A natureza do sujeito e do objeto. Mecanismo de cognição. Determinando a metodologia do conhecimento. Em suas divisões epistemológicas. Aos diversos campos aplicativos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 15/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A identidade representativa artística funciona a coerência lógica por intermédio da ação fundamental do entendimento, o princípio contraditório. Com efeito, não poderá ser compreendida pelo caminho fenomenológico da redução indutiva.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 14/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O mundo poderia. Não ter significado. Já que o entendimento. É apenas a representação. De uma razão alienada. Então o mundo poderia. Ser o antimundo. O que seria o universo. A negação do antimundo. O eterno vazio. Tendo como definição o vácuo. A única realidade a ausência. Necessariamente descabida. Escura e infinita.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 13/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Venho das Famílias. Vasconcelos, Machado, Batista, Bonito, Dias e Silva da Costa. Meu terceiro avô. Por parte do meu pai. Nicomedes Costa de Vasconcelos. Filho de Cristino Costa e Silva. Primo Machado de Vasconcelos. Casado com Belica Batista de Vasconcelos. Irmã do meu outro bisavô. Manoel Batista.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 12/12/2014 lAcessos: 12
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O filósofo da Escola de Frankfurt Jurgen Habermas formulou uma teoria interessante a respeito da lógica da razão de instrumento. Em primeiro lugar desenvolve o conceito de uma sociedade produtiva alienada do ponto de vista do consumo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 12/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Hoje sabemos que a história da origem da vida e particularmente do DNA, remontam-se a origem dos primeiros átomos que deram nascimento a complexidade dos múltiplos universos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educaçãol 11/12/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast