Textos Comentados Da Literatura Brasileira - Poesias - Soneto De Fidelidade (Vinicius De Moraes)

Publicado em: 19/09/2009 |Comentário: 6 | Acessos: 10,109 |

 

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que ao mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quanto mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama.

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

 Antologia poética.
 Rio de Janeiro. A Noite, 1949.

     O soneto (composição poética de forma fixa, de origem italiana, que significa – pequeno som - composta de quatorze versos, divididos em dois quartetos – estrofes de quatro versos – e dois tercetos – estrofes de três versos e com o seguinte esquema rítmico: abba – abba – cde – dec) de fidelidade de autoria de Vinicius de Moraes (Marcus Vinicius da Cruz e Melo Moraes – natural do Rio de Janeira, nascido em 19/10/1913 e falecido em 09/07/1980 – Modernismo Brasileiro) poeta que, nos anos sessenta, emigrou para a Música Popular Brasileira, pode ser classificado como um dos mais belos da poesia brasileira.
     No primeiro conjunto de versos, percebemos uma declaração explícita ao Amor, isto é, atenção total ao sentimento amoroso e o cuidado que devemos prestar a esse sentimento, haja vista o nome do soneto (de fidelidade), no sentido de valorização, adoração, e que mesmo em vista de outros “encantos”, o Amor não deve esmorecer e sim, fortificar-se em seu pensamento.
     Na segunda estrofe (conjunto de versos, entendendo-se que, graficamente, cada linha do poema significa um verso) temos um grande louvor ao Amor, ou seja, “vivê-lo em cada vão momento”, e em sua homenagem espalhar um riso solto, agradável, leve, revigorador, e também nas horas tristes, derramar o pranto, a tristeza, e até mesmo a felicidade.
     No primeiro terceto do poema (estrofe de três versos) percebemos que o ”pequeno poeta” (apelido de Vinicius de Moraes) almeja uma morte tardia (que, infelizmente, ocorreu aos sessenta e seis anos de idade), que é a angústia de quem vive (a dúvida de não saber a data), ou seja, a contradição eterna entre vida e morte, e finaliza com outra questão crucial: a solidão (a triste solidão) fim de quem ama.
     No segundo e último terceto, o autor procura concluir o seu raciocínio poético, contando de suas relações com o Amor, pedindo que não sejam imortais, uma vez que, são chamas, ou seja, quentes, ardentes, mas que podem apagar-se com o sopro do destino, mas que sejam infinitas, isto é, eternas, enquanto durarem.

 

 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 5 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/poesia-artigos/textos-comentados-da-literatura-brasileira-poesias-soneto-de-fidelidade-vinicius-de-moraes-1248850.html

    Palavras-chave do artigo:

    fidelidade

    ,

    amor

    ,

    encanto

    Comentar sobre o artigo

    Hellen Mariza Teixeira

    RESUMO O lirismo Latino foi criado pelos gregos, e durante algum tempo limitou-se a temas voltados para a religiosidade. Já a Literatura Latina é o nome que se dá ao corpo de obras literárias escritas em latim, que permanecem até hoje. A literatura é dividida por períodos, dos quais aqui trabalharemos com mais ênfase o momento clássico do latim. Dentro dessas duas modalidades exaltaremos o amor nas obras de grandes autores latinos. Que Segundo Salvatore D'onofrio "a literatura latina apre-senta

    Por: Hellen Mariza Teixeiral Literatural 30/04/2010 lAcessos: 5,719

    frio no coração. Aquela dorzinha gostosa, de ter muito medo de perder tudo. Daqueles momentos que só quem já amou um dia, conhece bem. Daquela vontade de repartir, de conquistar todas as coisas... Mas não para retê-las no egoísmo material da posse, mas doá-las, no sentimento nobre de amar. Se não estivesse fora de moda... Eu iria falar de Sinceridade. Sabe, aquele negócio an

    Por: jocimarl Internet> Comércio Eletrônicol 03/10/2009 lAcessos: 3,661

    Um homem sonha em encontrar-se com a sua prometida, uma princesa dos contos de fadas.

    Por: Ronyvaldo Barros dos Santosl Literatura> Poesial 17/03/2009 lAcessos: 468
    Mathias Gonzalez

    Se incluirmos a infidelidade conjugal como um crime, então a regra aqui também é valida: não existe um crime perfeito. Pode até ser que os investigadores, sejam eles detetives particulares contratados ou as próprias esposas traídas para apanhar o marido infiel, não consigam a prova cabal do crime, mas posso assegurar que ele pode ser descoberto, se forem conduzidas as observações e pesquisas apropriadas. Este artigo vai lhe mostrar comos descobrir se o seu marido já foi, é ou será infiel.

    Por: Mathias Gonzalezl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 15/10/2010 lAcessos: 16,918 lComentário: 19

    Pequenos estudos sobre os mais belos sonetos das Literaturas Portuguesa e Brasileira.

    Por: Augusto de Sêniorl Literatural 10/12/2009 lAcessos: 2,597 lComentário: 2
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Homenagem a mais exuberante mulher do Brasil Iara Iavelberg. Homenagem a Iara Iavelberg. Uma mulher alta. Bonita. Cheia de sensibilidade. Acadêmica. Dominadora das teorias psicanalíticas. Conhecia a Filosofia em geral. Sendo estudiosa do marxismo. Exuberante professora universitária.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 03/04/2014 lAcessos: 25

    Será que existem ligações intrínsecas entre as duas palavras? Vejamos: "Religião é o serviço ou culto a Deus, ou a uma divindade qualquer, expresso por meio de ritos, preces e observância do que se considera mandamento divino, sentimento consciente de dependência ou submissão, que liga a criatura humana ao Criador". Define-se também como a crença ou doutrina religiosa; sistema dogmático e moral, bem como, a veneração às coisas sagradas, crença, devoção, piedade e fé.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Educação> Ciêncial 30/09/2013 lAcessos: 38

    Flores, uma simples palavra mas com um significado inexplicável. Existem para todos os gostos e bolsos, desde a mais cara até a mais barata. De diversas fontes e origens, algumas compradas em floriculturas e outras até mesmo "roubadas" em algum jardim. Saiba mais sobre as diversas cores e seus significados.

    Por: Rufino Silvériol Casa & Jardim> Decoraçãol 01/02/2013 lAcessos: 63
    Escritorcampos

    Não basta ser executivo à troglodita de terceiro milênio. Pois, ainda existem os empresários renitentes, que teimam em anotar suas operações fundamentais em suas antigas e amarfanhadas cadernetas pessoais. Gerir uma empresa está muito além dessa simplicidade, até os mais atualizados em­presários se desatualizam a cada minuto que passa.

    Por: Escritorcamposl Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 04/03/2010 lAcessos: 217

    Nas horas boas da vida, nos bons momentos de felicidades, devemos aproveitar o máximo que possamos, seja no agrado do teu carinho, ou nas lições que aprendemos ao conversar e dialogar. A minha mente está sempre alerta e em profusão, com gastos excessivos de energias que refletem as ideias, que saem do meu coração. Dos meus anos de venturas assimilei ideias geniais, pois da comunhão com a poesia vivem os seres imortais. Já entrei no rol das orgias, imantei melancolias, agora vivo ao compasso dos

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 19/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O mundo poderia. Não ter significado. Já que o entendimento. É apenas a representação. De uma razão alienada. Então o mundo poderia. Ser o antimundo. O que seria o universo. A negação do antimundo. O eterno vazio. Tendo como definição o vácuo. A única realidade a ausência. Necessariamente descabida. Escura e infinita.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 13/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Certa vez disse Nietzsche. Os homens fracos. De caráter deformado. Estabelece entre si. A lógica de uma ética. Plebeia. Legitimando o domínio. Sobre si. Como explorados.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 06/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Poema sem proposição. Escrevi esse poema. Sem ritmo. Sem proposição. Sem significados. Um poema sem nada. Igual ao vento voando no universo. Azul da cor do espaço da nossa galáxia. Um poema fácil de entender. Não tive nem mesmo que inventar as palavras.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 06/12/2014
    Jeferson Lopes Ribeiro

    É um texto dissertativo-argumentativo, sobre o amor. Onde os fatos são bem coesentes e tem coerência.

    Por: Jeferson Lopes Ribeirol Literatura> Poesial 03/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Não existe Caminho. Muito menos pedras. Não existindo, portanto. O meio do caminho. O que existe de fato. Sempre. São Montanhas. Enormes e intransponíveis.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 02/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Recordo-me daquela tarde. Que andava. Tentava entender os sinais. Indeléveis. A magnitude da inquietude. Cada trilho. Tinha uma significação própria. O sol era brando e amarelava. Antes do escurecer.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 01/12/2014
    T. S. Frank

    Poema sobre Chernobyl e suas consequências na vida de todos que tiveram que vivenciar o inferno daquele dia em que a usina colapsou. Em 26 de abril de 1986 ocorreu o acidente nuclear. Um reator da central teve problemas técnicos e liberou uma nuvem radioativa contaminando pessoas, animais e o meio ambiente de uma vasta extensão de terras.

    Por: T. S. Frankl Literatura> Poesial 30/11/2014

    História (inventada) de um triângulo amoroso moderno: o homem tolo, a mulher travessa (Flor) e o pedreiro chinês.

    Por: Augusto de Sêniorl Literatura> Ficçãol 15/10/2010 lAcessos: 340 lComentário: 3

    Romance de José Martiniano de Alencar (1829 a 1877 - Romantismo) que narra a bela história de Carolina (A viuvinha que dá nome ao romance) e Jorge da Slilva.

    Por: Augusto de Sêniorl Literatura> Ficçãol 13/09/2010 lAcessos: 607

    Pequenos comentários sobre a obra de Joaquim Manuel de Macedo e o romance A moreninha (1844), considerado o primeiro romance da Literatura Brasileira.

    Por: Augusto de Sêniorl Literatura> Ficçãol 28/04/2010 lAcessos: 1,229

    Pequenos estudos sobre os mais belos sonetos das Literaturas Portuguesa e Brasileira.

    Por: Augusto de Sêniorl Literatural 10/12/2009 lAcessos: 2,597 lComentário: 2

    As observações de Maria José sobre os vários setores (político, moral, religioso, educacional, etc.) que compõem a nossa sociedade e sua "receita" para alcançar a felicidade.

    Por: Augusto de Sêniorl Literatura> Crônicasl 19/09/2009 lAcessos: 287

    O poeta maior da Literatura Brasileira Carlos Drummond de Andrade (1902/1987 - Modernismo - Itabira/MG.) aborda com muita graça e a desenviltura que lhe é peculiar um dos temas mais interessante de nossa vida, ou seja, a infância.

    Por: Augusto de Sêniorl Literatural 05/09/2009 lAcessos: 7,162 lComentário: 3

    Pequenos comentários sobre duas velhas questões literárias: a) O que é poesia? b) O que é o poeta? E a tentativa (Será que é possivel?) de encontrar respostas aceitáveis.

    Por: Augusto de Sêniorl Literatural 22/08/2009 lAcessos: 2,265

    Pequenos comentários sobre a arte de "construir" poesias e a tentativa (Será que é possivel?)de explicar o fenômeno poético, sendo apresentadas várias definições.

    Por: Augusto de Sêniorl Literatura> Poesial 10/08/2009 lAcessos: 941 lComentário: 2

    Comments on this article

    0
    Abelha 09/11/2011
    Como pode, chegou em pouco tempo suave como o vento e me deixou assim. Como pode, mais veloz que o pensamento dominou meu sentimento fez parte de mim. Mas seus pensamentos são maus você só pensa em vingança e a sua segurança é dominar. Eu já não suporto mais sofrer, quero viver arruma outro pra envenenar.
    Como uma abelha pousa numa flor, mansa você chegou me dando amor, como uma abelha ferrou meu coração, deixou saudades e o veneno da paixão. E o veneno da paixão, deixou saudades e o veneno da paixão. Como pode Jorge e Mateus? Como pode João Bosco e Vinícius? Yrruuu.
    0
    layla 11/05/2011
    obrigada! análise muito boa, me ajudou muito!
    0
    jeruza 24/05/2010
    nossa muito boa essa análise..
    me ajudou bastante na minha pesquisa sobre essa obra
    de vinicius de morais...
    parabens
    -1
    larissa 11/11/2009
    e dimaissssss sou estudanti i gosto muito di literatura
    -1
    brigitte 07/10/2009
    preciso fazer uma resenha sobre este artigo e estou em dúvida de como fazer .
    mais ainda ! o tema de minha monografia é : vinicius de moraes e seus poemas de amor ...
    poderiam me ajudar ?
    mandem recados para meu e-mail montfordbrigitte@gmail.com
    obrigada , brigitte
    0
    Luciana 27/09/2009
    Preciso de uma analise mais detalhada sobre esse soneto p realizar um trabalho da facul. Pode me ajudar? Mande resp p o email lvm_letras@hotmail.com
    Obrigada.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast