Desenvolvimento de Sistemas em Java Web - SISCJUD

Publicado em: 02/12/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 862 |

1  Introdução

O desenvolvimento de sistemas web vem crescendo muito nos últimos anos, e com o grande crescimento da Internet, vem aumentando a necessidade de desenvolvimento de sistemas Web utilizando a linguagem de desenvolvimento Java por ser uma linguagem robusta. Esses sistemas podem ser denominados de aplicações ou sistemas web e funcionam com base na comunicação entre um cliente e um servidor web.

Para o presente trabalho o cliente pode ser definido como uma pessoa que interage com um navegador web (browser), por exemplo, clicando em um link de uma página.  Dessa forma, a pessoa espera que, após clicar neste link, alguma ação seja executada, por exemplo, visualizar outra página.

Hoje a Associação X utiliza como meio para o cadastramento dos processos de seus associados, planilhas em Excel. Caso percam essas planilhas poderão perder todas as informações e assim gerar grandes problemas ao Departamento responsável pelo setor de acompanhamento dos referidos processos, bem como, a perca de prazos processuais, com base nesse problema, e com o estudo das tecnologias de mercado: TomCat, Mysql e Servlet, voltadas para Web, foi desenvolvido um sistema web capaz de cadastrar os processo de seus associados,  e assim o advogado pode acompanhar e ter acesso as informações de seus associados de qualquer lugar que esteja, gerando assim um grande ganho de tempo, bem como um melhor atendimento a seus associados.

A Associação X é uma empresa que atua em causas trabalhistas para defender os interesses específicos de seus associados, fundada em 2001, com o intuito de representar os servidores da justiça do trabalho perante todos os órgãos do Poder Judiciário.

Ao analisar a situação do Departamento de Ações da empresa identificamos como problema o não acompanhamento eficaz dos processos de seus associados.

O objetivo deste trabalho é desenvolver um Sistema de Cadastramento de Processos, capaz de tornar mais eficiente o atendimento aos seus associados, bem como, acompanhar todos os processos vinculados a eles, e assim poder ter acesso aos dados do processo de qualquer localidade. Diante do exposto pretendemos: 1) Desenvolver um sistema web capaz de automatizar o fluxo de cadastramento de processos; 2) Desenvolver módulos capazes de armazenar e consultar as informações em banco de dados dos associados e 3) Desenvolver um módulo capaz de cadastrar usuários para acessar o sistema.

Como metodologia para este projeto, primeiramente foi realizada uma entrevista com os Sr. Rafael Gomes funcionário lotado no Departamento de Ações da Associação. A partir das informações levantadas na entrevista foi possível dar inicio a elaboração da documentação, utilizando-se UML como modelo de desenvolvimento do processo RUP.

Seguindo a metodologia utilizada, criou-se o documento de visão e o documento de especificação de requisitos, onde foram determinados os requisitos do sistema, a partir daí, foi feito o levantamento bibliográfico da linguagem que foi utilizada no desenvolvimento do sistema, bem como foi definido a arquitetura para o desenvolvimento do sistema utilizando as tecnologias mais recentes de mercado para desenvolvimento Web.

Com base nas informações levantadas, foi desenvolvido o artigo científico como pré-requisito para o Trabalho de Conclusão de Curso, e assim foi feito a codificação do software proposto.

 

1.1         ENTREVISTA 

     Segundo Kendall (1992), "Entrevista é uma conversa entre duas ou mais pessoas com uma finalidade específica". A entrevista é uma das etapas mais importantes no processo de levantamento de requisitos, através dela o responsável pela captação dos requisitos, adquire o conhecimento referente às opiniões expressadas, as expectativas e os problemas a serem tratados e é através dela que deve também ser traçada a estratégia para o levantamento.

Kendall (1992), expõe que as entrevistas devem seguir as seguintes etapas: Planejamento, condução e registro, podendo ser gravada ou não. Antes de realizar a entrevista, o entrevistador deverá estabelecer os objetivos, delimitando assim o que perguntar, sem deixar de lado a formulação das perguntas e o tipo delas (objetivas, subjetivas, aprofundamento), outro ponto importante é averiguar se o entrevistado é a pessoa mais indicada a responder as perguntas.

A formulação das perguntas deve ser feita conforme o objetivo esperado: podem ser subjetivas caso o entrevistador queira criar um ambiente de maior espontaneidade, obter riqueza de detalhes ou obter questionamentos mais abrangentes. Caso queira limitar as respostas possíveis ou ganhar tempo, podem-se fazer perguntas objetivas (Quem? Quanto tempo? Quantos?). Já no caso de necessidade de obtenção de um detalhamento melhor a respeito de algum tópico, a utilização de perguntas de aprofundamento (Por quê? Poderia me dar um exemplo? Como é iniciado o processo?), é o mais indicado. Contudo, é importante evitar perguntas que levem o entrevistado a responder de forma específica ou perguntas que possuem duas respostas.

2         As Ferramentas que foram utilizadas no Desenvolvimento do Sistema

Como as ferramentas para desenvolvimento do sistema SISCJUD, estaremos utilizando as seguintes ferramentas para desenvolvimento do sistema web.

2.1    UML (Unified Modeling Language)

Segundo Booch, Rumbaugh e Jacobson (2005), a UML (Unified Modeling Language) é uma linguagem de diagramas para especificar, visualizar e documentar os artefatos que façam uso de software orientado por objetos. Ela ajuda na visualização no desenho do software que será desenvolvido, com isso, torna-se melhor a compreensão e comunicação entre os participantes do projeto. O OMG (Object Management Group) é uma instituição internacional de criações de padrões para indústria de software que controla a UML para que não saia dos padrões.

2.2    RUP

    Segundo PACHECO (2008), RUP Rational Unified Process (ou Processo Unificado Racional) é uma plataforma de processo de desenvolvimento de software configurável que oferece as melhores práticas comprovadas e uma arquitetura configurável.

    O processo de desenvolvimento RUP e divido em ciclos, sendo que o ciclo de desenvolvimento é subdivido em 4 fases: Iniciação; Elaboração; Construção; Transição.

Figura1: Fases do RUP Fonte: 

2.3 Linguagem de Programação JAVA

A Linguagem Java começou na verdade como um projeto da Sun que objetivava o estudo e a análise de interações entre dispositivos eletrônicos e computadores, e não  para o desenvolvimento de uma linguagem para aplicativos embarcados. Nesse tempo a linguagem tinha o nome-código Green e foi idealizada por James Gosling.

Entretanto, com o surgimento da Internet e com o advento em 1993 do web browser Mosaic e das páginas estáticas HTML a vida das pessoas sofreria uma mudança profunda, bem como a do projeto Green. Com o objetivo de tirar proveito desse mercado, o projeto Green sofreu algumas mudanças e adaptações, se chamando Oak e em 1995 foi lançado com o nome Java. Tal nome veio do evento que os idealizadores da linguagem descobriram que já havia uma linguagem chamada Oak. Então,  ao tomar seus cafés na pequena Ilha da Indonésia, chamada Java, tiveram a idéia de batizar  a nova linguagem com este nome.

 

2.4 HTTP

HTTP (protocolo de transferência de hipertexto) é o protocolo que permite aos servidores web e browsers trocar dados pela web. Ele é um protocolo de solicitação e resposta. O cliente solicita um arquivo e o servidor responde à solicitação. HTTP usa conexões TCP confiáveis – por padrão, na porta TCP 80, HTTP foi definido inicialmente em RFC 2068 (Request for Comments – solicitação de comentários). Depois, ele foi refinado em RFC 2616.

2.5 SERVLET

Segundo SANTOS (2010), servlets são classes Java que são instanciadas e executadas em associação com servidores Web, atendendo requisições realizadas por meio do protocolo HTTP. Ao serem acionados, os objetos Servlets podem enviar a resposta na forma de uma página HTML.

Na verdade os Servlets podem trabalhar com vários tipos de servidores e não só servidores Web, uma vez que a API dos Servlets não assume nada a respeito do ambiente do servidor, sendo independentes de protocolos e plataformas. Em outras palavras Servlets é uma API para construção de componentes do lado servidor com o objetivo de fornecer um padrão para comunicação entre clientes e servidores.

Os Servlets são tipicamente usados no desenvolvimento de sites dinâmicos. Sites dinâmicos são sites onde algumas de suas páginas são construídas no momento do atendimento de uma requisição HTTP. Assim é possível criar páginas com conteúdo variável, de acordo com o usuário, tempo, ou informações armazenadas em um banco de dados.

 

2.6 Servidor de Aplicação TOMCAT

O Tomcat é um Conteiner Web, parte da plataforma corporativa Java Enterprise Edition (Java EE, anteriormente denominada J2EE) que abrange as tecnologias Servlet e JSP, incluindo tecnologias de apoio relacionadas como Realms e segurança, JNDI Resources e JDBC DataSources. O Tomcat tem a capacidade de atuar também como servidor web/HTTP autônomo, ou pode funcionar integrado a um servidor web dedicado, como Apache httpd ou Microsoft IIS, ou ainda como parte integrante de um servidor de aplicações mais amplo, como JBoss AS, provendo os recursos de Java Servlet e JSP.

 

2.7 JSP

Segundo LARRY (2005), JSP (Java Server Pages) é uma tecnologia para desenvolvimento de aplicações WEB semelhante ao Microsoft Active Server Pages (ASP), porém tem a vantagem da portabilidade de plataforma Java podendo ser executado em outros Sistemas Operacionais além dos da Microsoft. Ela permite ao desenvolvedor de sites produzir aplicações que permitam o acesso a banco de dados, o acesso a arquivos-texto, a captação de informações a partir de formulários, a captação de informações sobre o visitante e sobre o servidor, o uso de variáveis e loops entre outras coisas.

Além disso, essa tecnologia permite separar a programação lógica (parte dinâmica) da programação visual (parte estática), facilitando o desenvolvimento de aplicações mais robustas, onde programador e designer podem trabalhar no mesmo projeto, mas de forma independente. Outra característica do JSP é produzir conteúdos dinâmicos que possam ser reutilizados.

 

2.8 Banco de Dados MYSQL

O Mysql é um sistema de gerenciamento de banco de dados (SGBD), que utiliza o SQL como comandos para manipulação de dados, é atualmente um dos bancos de dados mais utilizados no mundo, por seu um banco de dados com código fonte aberto e livre.

3         Documentação do Sistema

Seguindo com a elaboração da documentação do sistema foram feitas as descrições dos principais casos de uso: Cadastrar Cliente, Cadastrar Processo, Cadastrar Usuário, Logar no Sistema, Consultar Processo.

Como exemplo de documentação de casos de uso – UC01, descreve-se abaixo o caso de uso Logar no Sistema.

Caso de Uso: Logar no Sistema

 

Ator:

Usuários do Sistema

Descrição:

Este caso de Uso e responsável pelo "Login" do Usuário no Sistema.

Pré - Condição:

Não se aplica.

Pós - Condição:

Não se aplica.

 

Fluxo Principal:

 

O Ator

O Sistema

 

1. O Ator efetua login no sistema informando o seu usuário e sua senha e clica em "Enviar".

 

       

 

2. O sistema valida o usuário e a senha. [FE1].

       

3. O Ator tem acesso as informações do sistema.

 

       

4. O Caso de Uso é finalizado.

   

 

 

Fluxo Alternativo: Não se Aplica

 

 

 

Fluxo de Exceção:

 

[FE1].

 

1 - O sistema não conhece o nome de identificação ou senha do usuário.

 

2 - O sistema retorna mensagem para o usuário.

 

3 - Retorna para o passo 1 do fluxo principal

 

 

 

Mensagem enviadas pelo Sistema:

 

Usuário ou senha incorretos

 

UC01 Fonte: SISCJUD

O resultado da codificação deste caso de uso na linguagem de programação escolhida deu origem à tela de login do sistema e a parte de autenticação do usuário no sistema, demonstrada na Figura 2:

Figura 2: Tela de acesso ao sistema (login). Fonte: SISCJUD

                Na pagina de "Login", apresentada na Figura 2, o usuário deverá fornecer o seu nome de usuário e sua senha. Após fornecer as informações o usuário deverá clicar no botão Enviar, para obter acesso ao SISCJUD. Após a autenticação do usuário e senha, o sistema irá inicializar, apresentando a tela inicial conforme Figura 3:

Figura 3: Tela inicial do Sistema Fonte: SISCJUD

            Como mostra a Figura 3, a página inicial do SISCJUD disponibiliza opções para o usuário Cadastrar Cliente, Cadastrar Processo, Cadastrar Usuário, Consultar Cliente, Consultar Processo e Sair do Sistema. Essas opções permitem ao usuário registrar dados para cada uma dessas categorias, possibilitando assim um maior controle organizacional das informações.       

Em cada caso de uso que foi implementado neste sistema, foi descrito uma funcionalidade a fim de atender as necessidades da associação, com base nessas informações foram criadas as telas para cada caso de uso, conforme Figuras 4 e 5:

Figura 4: Tela de Cadastro de Cliente Fonte: SISCJUD

                Na Figura 4, como demonstrado possibilita ao usuário efetuar o cadastro de clientes, após o preenchimento de todos os campos o usuário deverá clicar no campo "Salvar", para confirmar o cadastro do cliente, caso ocorra erro durante a digitação dos dados no formulário o usuário poderá clicar no campo "Limpar" para que todas as informações da tela sejam apagadas. A opção "Voltar" possibilita ao usuário retornar a página inicial do sistema.           

Após o preenchimento das informações do cliente o usuário poderá voltar para a página inicial do sistema ou poderá utilizar os links de navegação que constam na parte superior do formulário onde o usuário poderá cadastrar um processo, conforme demonstrado na Figura 5:

Figura 5: Tela de Cadastro de Processo Fonte: SISCJUD

            A página do menu "Cadastro de Processo", pode ser acessada a partir da tela apresentada na Figura 3 ou pelos links de navegação que constam na parte superior do formulário. Possibilita o cadastro de processo, conforme demonstrado na Figura 5, onde possibilita o usuário a efetuar o cadastro de processos, após o preenchimento de todos os campos o usuário deverá clicar no campo "Salvar", para confirmar o cadastro do processo. Caso ocorra erro durante a digitação dos dados no formulário o usuário poderá clicar no campo "Limpar" para que todas as informações da tela sejam apagadas. A opção "Voltar" possibilitará que o usuário retorne a pagina inicial do sistema.

Após o preenchimento das informações do processo o usuário poderá voltar para a página inicial do sistema e poderá cadastrar um usuário, conforme demonstrado na Figura 6:

Figura 6: Tela de Cadastro de Usuário Fonte: SISCJUD

A página do menu "Cadastro de Usuário", que pode ser acessada a partir da tela apresentada na Figura 3 ou pelos links de navegação que constam na parte superior do formulário de cada pagina. Possibilita o cadastro de usuários do sistema, conforme demonstrado na Figura 6 acima, onde possibilita ao usuário a efetuar o cadastro de novos usuários do sistema. Após o preenchimento de todos os campos o usuário deverá clicar no campo "Salvar", para confirmar o cadastro de usuário, caso ocorra erro durante a digitação dos dados no formulário o usuário poderá clicar no campo "Limpar" para que todas as informações da tela sejam apagadas.

            Após o preenchimento das informações o usuário poderá clicar no "Link" Menu Principal e voltar para a página inicial do sistema e também poderá sair do sistema clicando no item "Sair do Sistema", quando o usuário clicar neste link, o sistema irá efetuar o logoff e retornará para a tela de login do sistema, conforme demonstrado na Figura 2.

4         Conclusão

O sistema SISCJUD, foi desenvolvido com base nos requisitos definidos pelo cliente, e implementado conforme as suas necessidades onde foram desenvolvidos os principais casos de uso.

Com o desenvolvimento do sistema aqui proposto será possível apresentar a empresa um sistemaque atenda as suas necessidade e que os objetivos aqui propostos foram concluídos, pois assim o sistema é capaz de Cadastrar os Clientes, Cadastrar os Processos vinculados aos Clientes, e também poder consultar os clientes ou processos de qualquer localidade que esteja o usuário. Conclui-se ainda que os problemas da associação encontrado no Departamento de Ações serão resolvidos com o sistema SISCJUD.

Como projeto futuro sugere-se o desenvolvimento de um modulo que seja capaz de enviar informações processuais dos associados através de e-mail, permitir que o usuário possa atualizar os andamentos dos processos cadastrados no sistema. Como projeto futuro pretende-se ainda, implementar perfis de usuários do sistema, para garantir maior segurança dos dados armazenados.

5   Referências

BOOCH, Grady; RUMBAUGH, James; JACOBSON, Ivar.  UML Guia do Usuário.  2ª ed. RJ: Elsevier, 2005.

 

KENDALL, K.E. Kendall, J.E. Kendall; Systems Analysis and Design, Prentice Hall, 1992. [KENDALL92]

 

KURNIAWAN, Budi. Java para a Web com Servlet, JSP e EJB. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda., 2002.

 

LARRY BROWN- Marty Hall, Core Servlets e Java Server Pages Vol. 1 - Tecnologias Core, Editora Ciência Moderna Ltda., 2005.

 

WORKBANCH, Mysql. MySQL Workbench Downloads. Disponível em: <http://dev.mysql.com/workbench/>. Acesso em: 18 de Agosto de 2010.

 

PACHECO, Diego. Software de Verdade, 2008. Disponível em: <http://diego-pacheco.blogspot.com/2008/07/rup-verdades-e-mitos.html>. Acesso em: 24 de Ago. de 2010.

 

SANTOS, Ciro Meneses. Desenvolvimento de Aplicações Comerciais com Java e NetBeans. 1ª Edição Editora: Ciência Moderna Ltda., 2010.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/programacao-artigos/desenvolvimento-de-sistemas-em-java-web-siscjud-3774219.html

    Palavras-chave do artigo:

    jsp

    ,

    java

    ,

    http

    Comentar sobre o artigo

    A segunda fase do treinamento Java de community4you foi concluída com êxito.

    Por: Stephan Corwinl Press Releasel 11/10/2010 lAcessos: 24
    Adriano Baptistella

    Resumo: Ao depararmos com um projeto podemos usufruir de abordagens sistemáticas e disciplinadas, e á encontramos na engenharia de software usando design patterns. Em busca de software de qualidade e segurança e em prazos cada vez menores, cada vez mais percebemos a suma importância de utilizar design patterns, neste artigo abordamos a arquitetura MVC (Model, View, Controller) explicando-a com a ajuda de um conjunto de padrões de projetos trabalhando juntos numa mesma estrutura.

    Por: Adriano Baptistellal Tecnologia> Tecnologiasl 06/07/2009 lAcessos: 3,001 lComentário: 5

    Site, saite, sítio, website, sítio eletrônico ou sítio eletrónico é um conjunto de páginas web, isto é, de hipertextos acessíveis geralmente pelo protocolo HTTP na Internet. O conjunto de todos os sites públicos existentes compõe a World Wide Web. As páginas num site são organizadas a partir de um URL básico, ou sítio, onde fica a página principal, e geralmente residem no mesmo diretório de um servidor. As páginas são organizadas dentro do site...

    Por: Bruno E. Rosal Internet> Comércio Eletrônicol 02/12/2010 lAcessos: 1,700
    Leandro Guerra

    Este artigo explica, visualmente e via exemplos de códigos, como realizar as principais operações de junções de tabelas (conhecidos como joins).

    Por: Leandro Guerral Tecnologia> Programaçãol 03/12/2014

    RESUMO Este artigo tem por objetivo mostrar o que foi ensinado em um período inteiro na matéria de programação OO1 (Orientada a Objeto 1), ministrada por Rafael Monteiro Ribeiro, especialista em Java. No decorrer do semestre foi apresentada de forma clara e sucinta a turma do 4° período do curso de Sistemas de Informação da faculdade de educação tecnológica do estado do Rio de Janeiro, fundamentos da linguagem de programação Java, aspectos teóricos e práticos da programação orientada a objetos

    Por: Edilsonl Tecnologia> Programaçãol 23/11/2014
    Rubi Passos

    Orientação a objeto é um modelo de programação pensado a mais tempo do que se imagina. Teve real implementação na linguagem Simula 67 e se popularizou com a com a linguagem Smalltak, criado por Alan Kay. Somente a poucos anos esse modelo foi aceito pelas grandes corporações e linguagem como Java, C++, C# e Python adotaram essa ideia. Existem conceitos básicos para formação de uma linguagem OO, sendo esses abstração, encapsulamento, herança e polimorfismo.

    Por: Rubi Passosl Tecnologia> Programaçãol 23/11/2014
    Luan Benavenuto

    O Framework CodeIgniter, um dos mais usados na web para desenvolvimento de aplicações PHP está com um nova instituição à frente de seu projeto, a BCIT.

    Por: Luan Benavenutol Tecnologia> Programaçãol 31/10/2014 lAcessos: 98
    Rodrigo Franz

    Site profissional x site amador? E agora? Hoje vamos apresentar as principais características de se ter um site profissional em relação ao site amador. Aquela GIGANTE diferença que torna alguns sites e lojas na web um SUCESSO DE VENDAS.

    Por: Rodrigo Franzl Tecnologia> Programaçãol 30/08/2014
    Erick Guerreiro

    Se você trabalha com produtos digitais - também conhecidos como infoprodutos - talvez esteja procurando maneiras de criar um site de membros e permitir o acesso exclusivo a compradores. Um site de membros é uma plataforma indispensável para trabalhar com acesso protegido a video aulas, screencasts, tutoriais, palestras, podcast, downloads e demais informações que queira exibir apenas a membros pagantes.

    Por: Erick Guerreirol Tecnologia> Programaçãol 26/08/2014 lAcessos: 14

    Este artigo visa explicitar a importância da elicitação de requisitos e suas análises, bem como os atores envolvidos no processo. Serão descritos os tipos de requisitos necessários para o desenvolvimento de software e quais técnicas de coleta podem ser utilizadas. Por fim, serão descritas as vantagens e dificuldades sobre realizar este processo.

    Por: Paulo Weverton de M Gonçalvesl Tecnologia> Programaçãol 07/06/2014 lAcessos: 81
    Julio Arruda

    Passamos a maior parte de nosso dia programando, digitando linhas e mais linhas de código, desenvolvendo para um projeto individual, ou em grupo, tempos prazos muito curtos e muitas vezes, para economizar tempo deixamos de lado as boas praticas de desenvolvimento que muito ajudam tanto no desenvolvimento como na manutenção do código, tanto por nós mesmos, ou até mesmo por outros membros da equipe

    Por: Julio Arrudal Tecnologia> Programaçãol 31/01/2014 lAcessos: 41
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast