Os Grupos De Encontro De Carl R. Rogers

Publicado em: 09/08/2009 | Acessos: 3,009 |

Andersen Viana*

*Doutor em Música-composição pela Escola de Música da UFBA, maestro-compositor, produtor cultural e professor na Fundação Clóvis Salgado-Palácio das Artes e Escola Livre de Cinema em Belo Horizonte. Autor de 282 obras musicais. Detentor de vinte premiações nacionais e internacionais. Membro da Academia Internacional de Trilha Sonora. Site: www.andersen.mus.br

Histórico e objetivos

Nos Estados Unidos em época anterior a 1947, Kurt Lewin, psicólogo do Instituto de Tecnologia de Massachussetts (MIT), desenvolveu a idéia de que o treino das capacidades em relações humanas era um importante, mas, esquecido tipo de educação na sociedade moderna. O primeiro grupo, intitulado de T-Group foi realizado em Bethel- Maine no ano de 1947 após a morte de Kurt Lewin. Seus colaboradores continuaram a desenvolver estes grupos no MIT, e, mais tarde, na Universidade de Michigan. Os grupos que eram reunidos em Bethel durante o verão ficaram muito conhecidos, tendo gerado a organização dos National Training Laboratories com sede em Washington. Direcionado a administradores e diretores do campo industrial, surgiu a primeira tentativa dos grupos National Training Laboratories, pois a indústria podia arcar com os custos advindos do experimento inicial. A designação de T-group foi inicialmente adotada para grupos das relações humanas, onde se procurava ensinar a observação da natureza, das suas interações recíprocas e do processo de grupo. Partindo desta observação, presumia-se que o grupo seria mais capaz de entender a sua própria maneira de funcionar num grupo e no trabalho, bem como o impacto que poderiam ter sobre os outros, tornando-se mais competentes para lidar com situações interpessoais difíceis.

Nos grupos organizados pelos National Training Laboratories, constatou-se que as mudanças nas experiências pessoais eram profundas. O pensamento lewiniano e a psicologia gestaltista de um lado e a terapia centrada no cliente por outro, foram as bases pelas quais o movimento foi inicialmente desenvolvido. Dentre os variados tipos de grupos existentes destacam-se osT-groups, que são grupos que foram criados para desenvolver as capacidades das relações humanas, porém tornou-se em significados e perspectivas muito mais vastas. Estes grupos dividem-se em diversos tipos, reunidos por uma direção determinada; o grupo de encontro básico que objetiva o crescimento pessoal, o desenvolvimento e aperfeiçoamento da comunicação e as relações interpessoais através de um processo de amadurecimento e experiência vivencial; o grupo de treino de sensibilidade que pode assemelhar-se a qualquer dos grupos acima referidos; o grupo centrado na tarefa, o qualé largamente utilizado na indústria e foca na tarefa de grupo e no seu contexto interpessoal; os grupos de percepção sensorial, grupos de percepção corporal, grupos de movimento corporal estes relacionados com a expressão do corpo; o grupo de desenvolvimento da organização que tem porobjetivo principal desenvolver a capacidade de liderança nos participantes, o grupo de formação de equipe que é amplamente usado na indústria para desenvolver maiores laços de união entre equipes de trabalho eficientes;ogrupo gestáltico que se baseia na terapêutica gestaltista, onde um terapeuta experiente se concentra com um indivíduo de cada vez sob um ponto de vista diagnóstico e terapêutico.

Há grupos de dirigentes de organizações, pessoas associadas na vida diária na indústria, na educação e em todas as possibilidades encontradas nos locais de trabalho. Existem inúmeras possibilidades para a criação dos grupos, desde grupos de encontro de pais com crianças na UTI neonatal até grupos musicais que apenas se encontram no palco para a repetição do espetáculo - este seria um tipo especial de grupo, centrado apenas no interesse econômico da atividade e não se constitui de fato um exemplo eficaz de grupo de encontro. Podem existir também grupos maiores que se reúnem através de workshops ou laboratórios, onde todos os grupos se juntam através de uma conferência, os grupos de casais, onde estes se reúnem na possibilidade de ajuda recíproca, o grupo de família, onde várias famílias se agrupam - onde os pais aprendem com os próprios filhos e com os filhos dos outros e vice-versa. Para todos estes grupos existem as diferenças oriundas do tempo reunido - fins de semana, semana ou várias semanas-, além de grupos "maratona'', que se reúnem continuamente durante vinte e quatro horas ou mais.

O processo

A ansiedade, a surpresa e a irritação é a marca registrada de qualquer grupo na fase inicial, devendo-se isto geralmente à falta de infra-estrutura, sendo que o maior problema que se apresenta aos participantes é a maneira como vão passar o tempo juntos. Aos poucos se vai tornando visível que a meta principal do participante é encontrar meios para se relacionar com os outros e consigo próprio. As primeiras mostras são fachadas e máscaras, pois somente gradativamente, começa-se a explorar os sentimentos e atitudes para consigo mesmos e de uns para com os outros. Apenas depois de algum tempo e com o devido cuidado, emergem os verdadeiros sentimentos revelando verdadeiras pessoas. Desta forma, os participantes acabam por conhecer mais a si próprios e a cada participante, o que não seria possível na relação cotidiana. A partir deste ponto, inicia-se uma relação melhor com os participantes do grupo e também, futuramente, nas variadas situações do dia a dia. Durante as vinte, sessenta ou mais horas de sessões, nota-se a complexidade das interações que surgem, descobrindo certas linhas que podem se interceder. Isto pode acontecer cedo ou mais tarde, não existindo uma seqüência definida. Rogers reafirma ser uma metáfora de "uma rica e variada tapeçaria", diferindo de grupo para grupo, embora certas espécies de tendências fiquem evidentes na maior parte destes encontros intensivos. A criação de um grupo de encontro é algo invulgar. Inicialmente, o facilitador ao dizer que se trata de um grupo que tem total liberdade, acaba por trazer ao grupo uma tendência natural a um período de confusão, silêncio desconcertante, de comunicação superficial, conversas sem profundidade, frustração e descontinuidade, pois pessoas que não se conhecem deverão permanecer um bom tempo juntas. A confusão e a frustração são naturais neste processo inicial. A tendência de provocar uma reação ambígua no grupo, acontece no período de hesitação onde atitudes pessoais podem ser vistas. Esta experiência pode ser descrita como "experiência da existência de dois eus", um eu que se mostra ao mundo e o outro que existe apenas intimamente.

Frequentemente, o líder é atacado por não conseguir imprimir uma orientação conveniente, sendo que a primeira expressão do eu verdadeiro tem tendência para surgir em atitudes negativas em relação aos outros membros do grupo ou ao líder. Uma das melhores maneiras de avaliar a liberdade e a confiança do grupo são as expressões negativas como os primeiros sentimentos. Conclui-se que os sentimentos profundos e positivos são mais difíceis de exprimir do que os negativos.  A espontaneidade e o sentimento benéfico podem ser rejeitados, expondo a vulnerabilidade da pessoa, ao contrário do ataque do qual se pode defender com as mesmas armas (chumbo trocado não dói). Quando o indivíduo se encaixa naquilo que pode ser encarado como "seu grupo", inicia-se a sensação de confiança através de um processo que pode ser chamado por ‘'viagem ao centro do eu'', frequentemente muito doloroso. Nos grupos de encontro, os participantes são expostos a confrontações diretas. Tanto a aceitação como a repulsa fazem parte do processo de grupo. O início de qualquer mudança no nível pessoal é a auto-aceitação, e, a partir do processo de auto-conhecimento é que são lançadas as bases para as mudanças. A dinâmica do grupo de encontro reside no fato do não consentimento ao indivíduo para que ele se esconda atrás de uma máscara, exigindo que cada participante seja ele próprio e não o outro "eu". Neste processo de integração no grupo, o indivíduo obtém informações sobre a maneira como está sendo visto pelos outros, o que lhe proporcionará subsídios para mudanças. O termo feedback é a forma que os integrantes do grupo desenvolvem para interagirem entre si, e o mesmo pode vir a se desenvolver sob a forma de confronto, o qual  poderá ser positivo ou negativo.

Nos grupos de encontro, o chamado ''encontro básico'', é o contato mais diretamente ligado a uma maior intimidade social - usual na vida cotidiana - sendo que um dos fatores de maior estímulo nos grupos de encontro é quando o indivíduo se esforça ou sofre com um problema e o grupo o ajuda. Está entre os aspectos mais importantes no âmbito da experiência de grupo, pois pode se expandir fora da ação do próprio grupo, fato que é muito estimulante e benéfico. Rogers diz que quando existe a livre expressão dos sentimentos e os mesmos são irrestritamente aceitos, eles acabam por trazer a positividade e irmanação entre os participantes, e isto acontece cada vez que as sessões prosseguem em mútua confiança com o desenvolvimento de um maior compromisso afetivo do grupo, que tenderá para desenvolver o sentimento de positividade - e de forma especial - a verdade, seja ela positiva ou negativa. O   desenvolvimento da confiança acaba por gerar uma maravilhosa e real solidariedade entre os indivíduos, mudando a postura e o gestual, concluindo por se tratar das variadas e significativas mudanças vivenciadas.

Após a experiência

A experiência de grupo não é um fim em si, mas o seu significado é mais importante quando reside na influência que tem sobre o comportamento mais tarde, fora do grupo. É onde se constatam as verdadeiras mudanças e influências na vida de cada indivíduo, resumindo-se em diversos cambiamentos, sejam eles em nível pessoal, vocacional, profissional, intelectual, filosófico, dentre outros, o que pode significar mudanças na qualidade da comunicação entre pais e filhos, na escola, nos negócios, enfim, na vida. À mudança e crescimento pessoal, seguem a agitação na vida dos indivíduos e inequivocamente, nas instituições. Contudo, existem casos em que as pessoas se desenvolveram, mas, as instituições não. No âmbito acadêmico podem ocorrer mudanças nas posições dos professores e na comunicação entre professores, administradores e alunos. A libertação de maus hábitos adquiridos, o encontro da felicidade na liberdade, o enfrentamento da ausência e dor na vida pessoal, a autoconfiança e coragem entre tantos outros fatores, são os resultados da vivência dos grupos de encontro, que, se seriamente conduzido, pode vir a ser uma das mais importantes experiências na vida de um indivíduo.

A solidão

Nunca antes na história da humanidade a solidão pertenceu a tantos. Uma era onde as máquinas progressivamente substituem o ser humano em todos os campos da atuação, a solidão vem se colocar como algo quase que irremediável na vida das pessoas. A arte contemporânea criada pelos escritores, pintores, escultores, músicos, cineastas, poetas dentre tantos outros, vem também a exprimir o verdadeiro eu e sua solidão, na esperança de que se possa ser compreendido obtendo a resposta e a aceitação que se procura para atenuar a própria angústia. O superpopulacionamento do mundo e a pasteurização da cultura, apenas influem no processo do crescimento da solidão,acrescido pelo medo que as pessoas possam ter das relações íntimas. Neste aspecto, a internet veio preencher certeira um determinado espaço na vida contemporânea, mas, criou uma outra questão: uma nova forma de solidão e relacionamento no domínio digital - impessoal e ultra-frio - moldando desta forma, um novo modus operandi de comportamento social no qual sequer Rogers poderia imaginar-se inserido. Na experiência de um grupo de encontro é que pode residir também a solução para a solidão e para a ausência de relacionamento com os outros. Ao indivíduo, resta a solução de arriscar-se a tentar um contato humano direto, despindo-se da armadura que vestiu para se proteger das armadilhas da vida, aliviando-se de sua inexorável solidão e compartilhando-a com outros indivíduos, mostrando de forma digna, aspectos de sua personalidade que antes lhe envergonhavam. Constatar-se-á que os participantes do grupo mostrarão muito mais interesse pelo eu verdadeiro - com todas as imperfeições que se possa ter - do que pela armadura construída ao longo dos anos.

Aplicação

Variadas aplicações dos grupos de encontro situam-se também no âmbito da indústria, onde o grupo centrado na tarefa tem sido usado nas organizações industriais. Uma das mais inventivas utilizações foi o tratamento de problemas psicológicos que aparecem quando duas companhias se fundem; nas igrejas as quais adotaram rapidamente o grupo de encontro como parte dos seus programas, em seminários, com grupos de líderes religiosos, com membros de ordens e com paroquianos. O objetivo específico numa instituição religiosa é construir o sentido de comunidade, fomentando a comunicação entre as gerações mais velhas e as mais novas.

Relações Raciais

Rogers aborda a questão de se criar grupos de encontro nos quais possa ser colocada a questão racial, mas, cita a dificuldade de financiamento e o medo que os indivíduos possam ter de um contato mais próximo com outras pessoas que podem ter atitudes, pensamentos e sentimentos muito diferentes entre si. Até 1970 pouco se avançou na questão inter-racial entre negros e brancos e entre mestiços e brancos, o que poderia ser de grande valia para tratar as tensões interpessoais e intergrupais, sendo os grupos de encontro um excelente ponto de partida.

Instituições de Educação

Em algumas instituições de educação tem-se encontrado possibilidades de se aumentar a participação nos programas de grupos de encontro por parte dos educandos e da melhoria da comunicação entre professores e alunos, administradores e professores, administradores e alunos. Tem havido experiências suficientes nesta linha e é perfeitamente possível aumentar a comunicação em todas estas relações, e é lamentável que a educação tenha demorado tanto para utilizar esta nova ferramenta social. É possível se conseguir um número muito grande de mudanças nas estruturas administrativa, social e política das organizações além de todos os tipos de inovação nas aulas que podem incluir também as famílias.

Futuro

Segundo Rogers o conceito dos grupos de encontro pode ser uma presa fácil para oportunistas e exploradores, que, em síntese, objetivam benefícios próprios, financeiros ou psicológicos. Neste âmbito se inserem os manipuladores, os desejosos de poder e fama, os quais podem vir a dominar o universo dos grupos de encontro. Neste caso, todas as proposições levarão ao charlatanismo e ao benefício dos líderes, e não para o crescimento pessoal dos participantes. Em uma era cada vez mais tecnológica, industrializada, impessoal e superpopulacionada, parece óbvio que os grupos de encontro propõem vir a ser uma grande alternativa à desumanizacão da sociedade moderna. A partir do desenvolvimento ainda maior dos grupos de encontro, pessoas poderão vir a ter as devidas ferramentas para uma maior humanização do meio em que vivem para contrabalançar forças iguais e opostas. De modo sistemático, os grupos de encontro podem ser um valioso instrumento contra a solidão e alienação do ser humano na sociedade contemporânea. De meados do século passado até o presente momento, saudáveis e amplos tem sido os avanços e constantes desenvolvimentos dos grupos de encontro, suscitando pesquisas no Brasil que resumem bem o espírito deixado por Rogers tais como os trabalhos de Regina Lúcia Leal Barros da Silveira. Os grupos de encontro têm refletido em sua síntese a necessidade de uma maior comunicação social e psicológica para que a sociedade como um todo possa superar os grandes desafios estruturais da modernidade em uma era de contradições e grandes mudanças.

Proposta

Uma boa proposta que poderemos sugerir é a criação de um grupo que se beneficie mutuamente em três direções distintas: fisicamente, socialmente e comercialmente. Este grupo seria formado exclusivamente por atores da cadeia produtiva da cultura – artistas de todas as áreas, produtores executivos da área das artes, promoters, entre outros – e que sintam a real necessidade de se beneficiar da criação do mesmo. Este grupo se reuniria para "caminhadas culturais", por exemplo, em algum parque da cidade, onde os participantes poderiam se exercitar fisicamente em caminhadas de duas horas de duração. Além do benefício obtido com o exercício físico, reconhecido cientificamente, durante o trajeto os participantes teriam a oportunidade de se socializar com os outros participantes, e também de trocar informações que podem ser úteis para a concretização de novas parcerias entre artistas e empresários, possibilitando com isto a concretização de novos negócios e geração de renda.

Outros links do mesmo autor: www.andersen.mus.br

www.youtube.com/user/TheAmadeusProd

http://acigarraeaorquestra.blogspot.com

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/psicologiaauto-ajuda-artigos/os-grupos-de-encontro-de-carl-r-rogers-1112246.html

    Palavras-chave do artigo:

    grupos de encontro

    ,

    carl r rogers

    ,

    psicologia

    Comentar sobre o artigo

    A educação como arte suprema no processo cognitivo consolida a prática da convivência através de metodologias flexíveis e participativas na construção civil, elevando em alto nível as atividades comportamentais entre os funcionários, integrando-os na cultura e filosofia da empresa. Estas organizações empresariais, fruto dos anseios de uma ética profissional de caráter humanístico, facilitam a eficácia dos serviços, mão-de-obra e satisfação pessoal de todos os seus partícipes. Ao privilegiar a ab

    Por: Aparecido Fujimotol Educação> Ensino Superiorl 09/07/2008 lAcessos: 44,701 lComentário: 9

    A ausência de motivação do indivíduo nas organizações de trabalho já foi identificada como a principal causa do absenteísmo, especialmente por motivo de doenças físicas e por transtornos mentais e comportamentais. As profundas mudanças sociais, econômicas e climáticas vivenciadas pela humanidade na última década favorecem a discussão sobre os novos rumos da administração, com a adoção de conceitos sintonizados com a abordagem transpessoal e a gestão holística de pessoas.

    Por: Rodrigo Pival Psicologia&Auto-Ajudal 20/09/2010 lAcessos: 1,563
    Darci Kops

    O presente estudo apresenta um somatório de paradoxos organizacionais que conferem contradições internas e externas no jeito de fazer gestão. Aponta, também, incongruências entre o potencial organizacional e seu efetivo desempenho. Reconhece a necessidade de buscar e detectar os paradoxos organizacionais, bem como, a importância de exorcizá-los e/ou minimizar seus efeitos na realidade organizacional. Sinaliza metodologias alternativas capazes de contrapor a presença dos mesmos na estrutura e fun

    Por: Darci Kopsl Negócios> Gestãol 24/06/2011 lAcessos: 445
    Tiago

    O mergulho interior é o caminho para a descoberta a que todos necessitamos e batalhamos em desvendar, a essência e parte desta descoberta surge quando a pessoa se dá conta que as respostas se encontram nela mesma, ou seja dentro de você!

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 18/10/2014
    Tiago

    Aprenda a transformar e manifestar seus poderes únicos sobre qualquer área de sua vida, envie luz e amor para qualquer local do mundo,intensifique a alegria e a felicidade de viver, proporcione a diversão e tranquilidade a si mesmo.

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 15/10/2014

    A ansiedade é um sentimento caracterizado de desconforto ou tensão decorrido da antecipação de perigo, de algo desconhecido. Um estado de humor desconfortável, gerando inquietação e apreensão interna em relação ao futuro. Quando muito exacerbada, causa prejuízo na vida do indivíduo e desenvolve o Transtorno de ansiedade Generalizada, que é uma ansiedade crônica, que geralmente leva o paciente a sofrer com exagero estado de ansiedade durante muito tempo. Objetivo principal foi pesquisar se o Tra

    Por: ELIZETE RIBEIRO SALESl Psicologia&Auto-Ajudal 14/10/2014
    Tiago

    Chega de falsos conceitos, aproveite a vida e realize seus sonhos como sempre almejou ,agora é o momento entregue-se ao seu poder de criação!

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 14/10/2014
    Tiago

    Há reservado o momento em que os caminhos se liberarão e cada um e acordo com suas consciência escolhera qual melhor seguirá.

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 11/10/2014
    Tiago

    Ajude na cocriação de um ambiente onde a ajuda mútua, o carinho, a compreensão e a gentileza façam parte de sua vida seja da melhor forma que preferir...

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 07/10/2014
    Tiago

    Há muito mais em nosso grandioso planeta Terra que ainda é mantido em segredo, assim como alguns portais de transporte dimensional que estão abertos e revelados para quem quiser aventurar-se basta apenas elevar a consciência e descobrir os muitos mundos existentes pelo maravilhoso Universo.

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 06/10/2014 lAcessos: 13
    Tiago

    Cada passo dado uma conquista inesperada,a alma de um guerreiro é cercada de mistério com desafios e ações de seu aprimoramento natural...O guerreio já está desperto!

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 06/10/2014
    Andersen Viana

    Este trabalho reúne alguns tópicos para discussão, reflexão e crítica sobre cultura e arte - e mais especificamente sobre música -, propiciando um pequeno insight sobre determinados aspectos artístico-culturais e sua inserção no mercado, com seus conflitos, contradições e possibilidades.

    Por: Andersen Vianal Arte& Entretenimento> Músical 19/11/2011 lAcessos: 109
    Andersen Viana

    Descreve aspectos ligados ao cinema e sua relacao com a musica, alem de correlacionar determinados fatos a acontecimentos atuais e do passado ocorridos no Reconcavo baiano.

    Por: Andersen Vianal Arte& Entretenimento> Músical 06/04/2010 lAcessos: 117
    Andersen Viana

    Refere-se a uma obra litero-musical brasileira de cunho pedagógico, onde os instrumentos são apresentados para o público leigo de maneira lúdica, através da narração de uma fábula musical.

    Por: Andersen Vianal Arte& Entretenimento> Músical 21/10/2009 lAcessos: 739
    Andersen Viana

    Pretende-se descrever recursos sonoros não convencionais que foram utilizados especificamente na obra Rumos do compositor suíço-brasileiro Ernst Widmer, dentro de uma perspectiva criativa-educacional com ênfase em suas particularidades de inclusão social e citações análogas.

    Por: Andersen Vianal Arte& Entretenimento> Músical 21/10/2009 lAcessos: 642
    Andersen Viana

    Este artigo reúne informações e tópicos para reflexão sobre um dos aspectos mais fascinantes da orquestração: o timbre na Suíte Ma Mère l'Oye de Maurice Ravel. Procurou-se atingir o cerne de questões que se colocam como fundamentais no processo composicional: Qual a importância do timbre? Qual a razão de se utilizar um ou outro instrumento? Será a resultante de combinações orquestrais suficientes para expressar algo que vai além do sonoro?

    Por: Andersen Vianal Arte& Entretenimento> Músical 21/10/2009 lAcessos: 204
    Andersen Viana

    Pretende-se descrever recursos sonoros utilizados especificamente na Terceira Sinfonia do compositor alemão Johannes Brahms, dentro de uma perspectiva criativa-meta-analística, também em relação ao trabalho dos musicólogos Kofi Agawu e Susan McClary, com ênfase em suas particularidades motívicas e suas relações entre os respectivos movimentos.

    Por: Andersen Vianal Arte& Entretenimento> Músical 09/08/2009 lAcessos: 203
    Andersen Viana

    Pretende-se, neste fragmento, perscrutar pontos polêmicos presentes na obra crítica de dois pensadores representativos da música culta da atualidade: Susan McClary e Kofi Agawu, dentro de uma perspectiva criativa, musical e educacional, com ênfase em algumas particularidades objetivas e subjetivas.

    Por: Andersen Vianal Arte& Entretenimento> Músical 09/08/2009 lAcessos: 519
    Andersen Viana

    Neste artigo pretende-se descrever aspectos históricos, técnicos e musicais da escrita para violão realizada por compositores e arranjadores não violonistas bem como exemplificar alguns processos pelos quais se pode desenvolver uma escrita idiomática para este instrumento.

    Por: Andersen Vianal Arte& Entretenimento> Músical 09/08/2009 lAcessos: 503
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast