Projeto Orientação Sexual Nas Escolas

Publicado em: 26/04/2009 |Comentário: 10 | Acessos: 10,726 |

Projeto Orientação Sexual nas Escolas

 

 

            A sexualidade humana compreende aspectos diversificados e complexos, uma vez que norteia nossa relação com o nosso corpo, afetos, relacionamentos, mitos, reprodução e DSTs. A formação da identidade sexual se dá em níveis biológicos, psicológicos (tomada de consciência) e nível social (aprendizagem dos papéis sexuais).

            Falar de sexualidade significa também falar de repressão, poder, preconceito, interdição do corpo, desejo, paixão, prazer, vida, morte, controle, gênero, pecado, opção sexual, construção de papéis sexuais, doenças sexualmente transmissíveis; enfim, de todas as representações sociais que giram em torno dela na sociedade. Estas questões não estão fora do espaço escolar.

            Há várias hipóteses para tentar compreender o porquê dos tabus. Uma delas é que apesar de todo o estímulo e informação disponíveis à criança, muitas famílias ainda sentem constrangidas ao falar sobre sexo e sexualidade com seus filhos e filhas, por associarem esse tema à idéia de pecado. Outros temem que, ao falar de sexo, estarão estimulando precocemente a criança, aguçando sua curiosidade e permitindo que tal conhecimento possa levá-las à prática.

            Na tentativa de preservarem a “inocência” infantil, os adultos recorrem as explicações mágicas, colocando ainda fantasia no pensamento da criança. Segundo Britzman (1998), no entanto, é preciso considerar que ela elabora suas próprias teorias a respeito de sexo e sexualidade sem autorização dos adultos apesar dos empecilhos colocados pela cultura.

            Assim, segundo Foucauld (1997, p.97): “não se deve conceber a sexualidade como uma espécie de dado da natureza que o poder é tentado a pôr em xeque, ou como um domínio obscuro que o saber tentaria, pouco a pouco, desvelar. A sexualidade é o nome que se pode dar a um dispositivo histórico: não a uma realidade subterrânea que se apreende com dificuldade, mas à grande rede da superfície em que a estimulação dos corpos, a intensificação dos prazeres, a incitação ao discurso, à formação do conhecimento, o reforço dos controles e das resistências, encadeiam-se uns aos outros, segundo algumas grandes estratégias de saber e de poder”.

            Realizar um trabalho de orientação sexual em uma escola possibilita aos alunos informações e reflexões a cerca de todos os aspectos que envolvem a sexualidade. A informação pode ser a mesma para todos, mas a reflexão é individual, levando cada pessoa a formar posturas personalizadas. Penso ser o termo “orientação” mais adequado, do que anteriormente se intitulava “educação sexual”, uma vez que este trabalho não se propõe a educar, mas direcionar a análise e compreensão dos alunos a cerca de todos os aspectos referentes a sexualidade. A educação virá da família, seja ela repressora, liberal ou ausente.
            Deste modo, a escola hoje, não tem função apenas de ensinar, mas de formar cidadãos conscientes do seu papel na sociedade, tornando-se capazes de enxergar a realidade e discernir sobre como agir. Na realidade, a construção da sexualidade é um processo extremamente complexo, concomitantemente individual social, psíquico e cultural, que possui historicidade, envolve práticas, atitudes e simbolizações. Faz-se necessário não só trabalhar com crianças e adolescentes os processos cognitivos, mas todos os aspectos relacionados com a afetividade, com a formação da cidadania, com a ética, com a sexualidade. Deste modo, este projeto propôs ser mais um instrumento de discussão e esclarecimentos de dúvidas a cerca da sexualidade humana.
            O projeto foi executado na Fase II e IV do ensino Fundamental da Escola Municipal Erinea Inácia Maria de Carvalho Silva, na cidade de Itutinga – MG, respeitando as faixas etárias e grau de compreensão dos alunos. Para isto utilizaram-se recursos de apresentação em PowerPoint, facilitando a visualização das figuras, elaboração de desenhos que resumissem a compreensão dos temas abordados, caixa de perguntas para os alunos exporem suas dúvidas, cartazes resumindo o conhecimento à cerca do projeto que participaram; fotos com a exposição de todos os desenhos, cartazes, materiais didáticos utilizados junto aos alunos e professoras. Especificamente os objetivos foram: informar o projeto aos alunos; apresentar e adequar o projeto (caso necessário) dividido em cinco tópicos: visão geral da sexualidade, anatomia sexual masculina e feminina, reprodução, parto, métodos anticoncepcionais e DSTs através de apresentação em PowerPoint; solicitar aos alunos, após cada tópico, a realização de desenhos a cerca do que compreendeu;- esclarecer dúvidas feitas oralmente ou escritas (através da caixa de dúvidas); realizar ao final do projeto uma exposição dos desenhos referentes a cada tema discutido e um cartaz confeccionado coletivamente resumindo o entendimento do projeto.
            O projeto teve um total de oito encontros (um por semana), com duração de uma hora cada. Foram utilizados recursos materiais como:  sala de cinema da escola, CD-ROM para apresentação em PowerPoint, folhas de papel sulfite para os desenhos e também para a elaboração das perguntas, lápis (preto, de cor), borracha, cartolinas, revistas usadas, cola e fita crepe, máquina fotográfica, revistas e livros sobre os temas,  painéis,  caixa de perguntas, material didático (métodos contraceptivos) 
            Ao final desse projeto percebeu-se a importância da execução deste trabalho, uma vez que os alunos denotaram pouco ou nenhum conhecimento sobre a sexualidade, constatado não só pelas perguntadas formuladas (oral e escrita), mas pelas expressões de espanto e assombro de diversos temas discutidos e expostos. Como exemplo, cita-se o desconhecimento e/ou conhecimento ínfimo sobre os órgãos sexuais e reprodutores masculino e feminino (anatomia, função, características).

            Outro aspecto muito relevante, averiguado durante este trabalho, foi o pouco conhecimento das docentes a respeito dos temas, relatando a importância deste trabalho com os seus alunos, uma vez que se sentiam inibidas, constrangidas e pouco capacitadas para abordá-lo em sala de aula.
            Entretanto percebe-se que as pessoas, de um modo geral, independente de serem educadores ou não, são ensinados, desde o nascimento, ao completo desconhecimento da sexualidade humana, quer seja ela vista na infância, na adolescência, na fase adulta ou na terceira idade.

            Para Souza (1999, p. 25), é uma questão de bom senso que a escola deva se preparar para tratar de forma adequada às questões relacionadas com a sexualidade dos alunos, pois, apesar da grande onda de liberação sexual nas últimas décadas, com o tratamento público de questões anteriormente escondidas pela sociedade, ainda há muitas polêmicas sobre a necessidade, com a sexualidade de criança e adolescente no ambiente escolar.

            Deste modo, constatei a importância deste projeto e a necessidade de dar continuidade a ele, uma vez que a temática não se encerra, mas é algo a ser constantemente analisado, discutido e exposto. Cabe assim, a escola, estar aberta a profissionais capacitados, a fim de contribuir na construção desse tema.

 

 

 

 

 

 

Referenciais:

 

- BELFORT, Paulo; BRAGA. Antonio. Sexualidade, Desafios, Perspectivas e Limitações. Jornal Brasileiro de Medicina. n.º 2. vol. 80. 2001.

- BRITZMAN, Deborah P. O que é esta coisa chamada amor? Identidade homossexual, orientação e currículo. Orientação & Realidade, Porto Alegre, n. 21(1), p.71-96, jan. /jun.

 

- FOUCAULT, Michel. A história da sexualidade 1: a vontade de saber. 12. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

 

- SOUZA, Hamilton de. Questão de Bom Senso. Revista Educação (SIEE ESP). 1999, p. 25.

 

- VITIELLO, Nelson. Um breve histórico do estudo da sexualidade Humana. Revista Brasileira de Medicina. vol. 55.1998.

 

 

 

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 11 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/psicologiaauto-ajuda-artigos/projeto-orientacao-sexual-nas-escolas-886717.html

    Palavras-chave do artigo:

    orientacao sexual

    ,

    escola

    ,

    psicologia

    Comentar sobre o artigo

    Garcia,Alessandra A. de M.

    Este artigo é resultado de uma pesquisa etnográfica voltada para problematizar a educação sexual na educação básica, especialmente com alunos de 3º e 2º Ciclo . Propusemos como objetivo compreender, analisar e interpretar de que modo o sexo e a sexualidade se constituintes da personalidade é tratado no processo de escolarização, observando a idade entre 10 e 14 anos. A coleta de dados foi realizada no ano de 2010 e em uma escola estadual do município de Sinop, Mato Grosso.

    Por: Garcia,Alessandra A. de M.l Educaçãol 15/11/2011 lAcessos: 436
    Hellen Bessa de Oliveira

    Este trabalho tem como objetivo apresentar uma leitura sobre como está sendo tratada a questão da sexualidade na escola.

    Por: Hellen Bessa de Oliveiral Educação> Educação Infantill 28/05/2013 lAcessos: 127
    FABRÍCIO DE CARVALHO PIMENTA

    Este artigo enfoca a questão da sexualidade tendo como ponto de partida o discurso religioso que visa a estabelecer a repressão corporal a fim de dominar a sociedade, objetivando provocar uma reflexão sobre questões ligadas à sexualidade que sempre foram tratadas pelas religiões com muito preconceito e provocar um diálogo das escolas com o tema visto sob um prisma contemporâneo.

    Por: FABRÍCIO DE CARVALHO PIMENTAl Educaçãol 21/05/2009 lAcessos: 3,359 lComentário: 1
    MARIA DAS GRAÇAS TELES MARTINS

    A violência sexual contra crianças e adolescentes resultam de um fenômeno complexo levando em consideração o contexto histórico, econômico, cultural e político. Alunos do Colégio Liceu Paraibano (PB), entrevistam uma profissional da área da psicologia e educação sobre o assunto. Conclui-se que o trauma do abuso sexual pode afetar o desenvolvimento de crianças e adolescentes, uma vez que desenvolvem severos problemas emocionais, relacionais com prejuízos físicos, psicológicos e psiquiátricos.

    Por: MARIA DAS GRAÇAS TELES MARTINSl Educação> Ciêncial 02/12/2010 lAcessos: 4,011
    Fernando João de Jesus Santana

    RESUMO Este trabalho foi realizado através da pesquisa de campo, aplicando 30 questionários, que tratará da temática qualidade de vida como fatores sócio ambiental, o qual esta relacionada às questões ambientais, sociais, política, econômicas e culturais que interferem na vida de crianças da Escola Municipal Manoel de Paula Menezes Lima localizada na cidade de Lagarto/se, onde estas crianças e jovens possui uma vulnerabilidade social em linha geral, estas também possui suas condições não razoáve

    Por: Fernando João de Jesus Santanal Educação> Ciêncial 24/07/2011 lAcessos: 504

    O objetivo deste artigo é relatar a experiência na mediação do projeto de psicologia escolar, denominado Escola de Colaboradores, em interface com a psicologia do trabalho, que ocorreu em 2013 e 2014. A proposta de intervenção em Psicologia Escolar/Educacional envolveu atividades de análise e mudança institucional, além de apoio em práticas de qualidade de vida, treinamento, desenvolvimento e integração dos funcionários de uma escola filantrópica de Teresina-Pi.

    Por: Daniel Soaresl Psicologia&Auto-Ajuda> Redução de Stressl 26/08/2014

    O presente artigo consiste em uma revisão bibliográfica sobre a violência escolar, trazemos o conceito de bullying, as consequências dessa violência para a comunidade escolar. Para tanto usamos como referencial teórico autores que retratam esta temática como: Constanatini (2004); Fante (2005); Lopes Neto (2005) Fante e Pedra (2008); Guareschi (2008), Pereira (2009) dentre outros. Apresenta-se uma reflexão sobre a contribuição da família e da escola na minimização deste tipo de violência.

    Por: EURICLÉIA FAGUNDES RAMOSl Educação> Ciêncial 24/11/2011 lAcessos: 675

    Embora a violência seja enquadrada como física (e nesse caso incluímos também a violência sexual) e/ou verbal, podemos dizer que ela opera também no espaço do implícito, do não-dito, da negligência e da omissão e que, ficam melhor evidenciados quando tratamos, por exemplo, de pessoas deficientes. Para este segmento da população mecanismos violentos tais como: a segregação e o preconceito, a exclusão social, a estigmatização, a omissão e a negligência podem ser ainda mais prejudiciais.

    Por: Thiago de Almeidal Psicologia&Auto-Ajudal 23/01/2009 lAcessos: 1,481 lComentário: 1

    Este trabalho científico contempla de maneira sucinta a Educação Inclusiva e a importância do psicopedagogo na área social e educacional, em especial a inclusão das crianças e adolescentes no âmbito da educação do Ensino Infantil ao Ensino Superior como também as questões de fazer valer à integração das leis na educação e da concepção da Psicopedagogia na formação das pessoas com necessidades especiais no âmbito escolar e social, utilizando a Prática pedagógica, da afetividade, da dedicação e do

    Por: Maria Ivanilda Campos Pinheirol Educação> Educação Infantill 02/12/2011 lAcessos: 2,260
    Tiago

    O mergulho interior é o caminho para a descoberta a que todos necessitamos e batalhamos em desvendar, a essência e parte desta descoberta surge quando a pessoa se dá conta que as respostas se encontram nela mesma, ou seja dentro de você!

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 18/10/2014
    Tiago

    Aprenda a transformar e manifestar seus poderes únicos sobre qualquer área de sua vida, envie luz e amor para qualquer local do mundo,intensifique a alegria e a felicidade de viver, proporcione a diversão e tranquilidade a si mesmo.

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 15/10/2014

    A ansiedade é um sentimento caracterizado de desconforto ou tensão decorrido da antecipação de perigo, de algo desconhecido. Um estado de humor desconfortável, gerando inquietação e apreensão interna em relação ao futuro. Quando muito exacerbada, causa prejuízo na vida do indivíduo e desenvolve o Transtorno de ansiedade Generalizada, que é uma ansiedade crônica, que geralmente leva o paciente a sofrer com exagero estado de ansiedade durante muito tempo. Objetivo principal foi pesquisar se o Tra

    Por: ELIZETE RIBEIRO SALESl Psicologia&Auto-Ajudal 14/10/2014
    Tiago

    Chega de falsos conceitos, aproveite a vida e realize seus sonhos como sempre almejou ,agora é o momento entregue-se ao seu poder de criação!

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 14/10/2014
    Tiago

    Há reservado o momento em que os caminhos se liberarão e cada um e acordo com suas consciência escolhera qual melhor seguirá.

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 11/10/2014
    Tiago

    Ajude na cocriação de um ambiente onde a ajuda mútua, o carinho, a compreensão e a gentileza façam parte de sua vida seja da melhor forma que preferir...

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 07/10/2014
    Tiago

    Há muito mais em nosso grandioso planeta Terra que ainda é mantido em segredo, assim como alguns portais de transporte dimensional que estão abertos e revelados para quem quiser aventurar-se basta apenas elevar a consciência e descobrir os muitos mundos existentes pelo maravilhoso Universo.

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 06/10/2014 lAcessos: 11
    Tiago

    Cada passo dado uma conquista inesperada,a alma de um guerreiro é cercada de mistério com desafios e ações de seu aprimoramento natural...O guerreio já está desperto!

    Por: Tiagol Psicologia&Auto-Ajudal 06/10/2014
    Regiane Guimarães Silva

    Breves considerações a cerca de um trabalho realizado através do "Projeto Oficina Terapêutica" em várias instituições (filantrópica, particular e pública), objetivando melhorar a qualidade de vida dos idosos residentes,suas relações interpessoais, identidade e conhecimento dos seus direitos, além de outras questões pertinentes ao envelhecimento saudável. Este trabalho buscou respaldos teóricos e práticos que confirmassem este propósito de velhice saudável.

    Por: Regiane Guimarães Silval Psicologia&Auto-Ajudal 23/04/2009 lAcessos: 8,576 lComentário: 9
    Regiane Guimarães Silva

    O presente trabalho propõe-se a analisar e discorrer a cerca da depressão e sua relação com o neoliberalismo, através de um referencial psicanalítico, exposto no texto complementar, “Depressão e o Neoliberalismo: Constituição da Saúde Mental na Atualidade”. Buscou-se também discorrer um pouco a cerca da depressão, através de outras fontes e abordagens e a importância da contextualização do homem e a prática do psicólogo.

    Por: Regiane Guimarães Silval Psicologia&Auto-Ajudal 14/04/2009 lAcessos: 1,138 lComentário: 3

    Comments on this article

    1
    vanessa Maria Freire Guimaraes 20/09/2011
    Querida Regiane Guimarães Silva
    Adore seus trabalhos, a nossa educação precisa de pessoas como você, sou Vanessa Guimarães, de Sergipe, sou professora e psicopedagoga da rede municipal, e estou como diretora a três anos, e queria uma ajuda ou uma opinião, para trabalhar o tema a diversidade sexual dentro da escola. Meu e-mail.com é Obrigada aguardo a sua resposta.
    0
    Roseneide Andrade Figueira 13/09/2010
    Parabéns pelo trabalho. Gostaria de detalhes sobre as oficinais. Muito obrigada.
    1
    helena 02/06/2010
    Eu não li aquele texto porque é muito grande...

    E eu não me vou estar desgastar porcausa disto...
    -2
    neuza 12/12/2009
    Regiane, Gostei muito. Será que voce poderia me mandar como foi feito as oficinas?. obrigada. neuza
    0
    Erickson Augusto 10/08/2009
    Muito bom Regiane; este artigo relata sobre a falta de informações e orientações nas escolas sobre sexo.

    Atenciosamente;
    Operador do Direito - Erickson Augusto.
    -1
    Regiane Guimarães Silva 29/07/2009
    Josy me passa o seu email, dai te envio.
    Obrigada pelo elogio
    0
    josyane tonnely 25/07/2009
    adorei esse projeto, gostaria muito que voce me mandasse como foi feito essa oficinas. ficarei muito agradecida. obrigado
    -2
    patrick 21/07/2009
    eu patrick estou a preocurar a escola de sexo
    -2
    Regiane Guimarães Silva 07/06/2009
    Olá José, que bom que gostou. Quanto as oficinas,trabalhei com a Terceira Idade, cada semana trabalhando um tema ou uma questão percebida de acordo com a dinâmica do grupo, mas sempre buscando a motivação, as melhorias nas relações interpessoais e a busca pelos seus direitos, algumas dinâmicas foram aplicadas, houve trabalhos de desenhos, colagens, passeios, festividades, enfim, tudo bem interativo e atrativo a eles para que se sentissem acolhidos e buscando sempre qualidade de vida. Espero ter respondido. Mais dúvidas entre em contato pelo meu email: regianeguis@ahooo.com.br.
    Abraços!
    2
    jose araujo filho 20/05/2009
    Achei bem interesante o trabalho e gostaria de entender mais o como foi feito essas oficinas. Tem como voce me enviar?
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast