"ANSIEDADE EXACERBADA" Um inimigo dentro de Você

Publicado em: 21/11/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 699 |

     Trabalhando com hipnose dentro do contexto psicoterapia, tenho observado um aumento significativo dos transtornos de ansiedade acometendo indistintamente todas as camadas sociais.

     São casos e mais casos que se entrelaçam entre medos, fobias, manias, obsessões, etc.

     Os consultórios médicos psiquiátricos, psicoterapêuticos, etc. a cada dia, ficam abarrotados de pessoas acometidas de processos ansiosos, que tolhem de maneira significativa suas vidas, seus relacionamentos, suas alegrias, suas movimentações.

Mas o que vem a ser a Ansiedade? Quando ela se torna prejudicial?

Fazendo uso da definição de Ana Beatriz Barbosa Silva – Médica Psiquiatra em seu livro Mentes Ansiosas, ansiedade é uma "sensação de receio e de apreensão, sem causa evidente"; sinônimo de ânsia, aflição: "perturbação de espírito causada pela incerteza ou pelo receio". E, seria de certa forma considerada uma "irmã" do medo, pois seria impossível separar essa relação íntima entre idéias, sentimentos e conceituações, ou seja: se um existe o outro estará presente.

Assim, após estudos e comparações, leituras de casos, análise, etc. Observei que a maioria dos transtornos psíquicos tem como elemento principal de suas manifestações a ansiedade de forma exacerbada.

A ansiedade trabalha de maneira sorrateira, subliminar, atuando diretamente sobre o aspecto enfrentamento x fuga que se faz presente em nossa capacidade autônoma de autopreservação. Ela existe, assim como o stress para nos movimentar, para nos levar adiante em nosso conviver diário com os desafios sociais, para nos colocar em alerta, mas, quando se torna exagerada, torna-se um elemento causador de dores, sofrimentos, impedimentos e angústia.

Buscamos desesperadamente melhorar nossas vidas, profissional, financeira, pessoal e para isso fazemos cursos, especializações, etc. na esperança de alcançar um status social que nos conceda a capacidade de consumir mais e mais.

Entretanto, diante de uma exigência cada vez mais cruel do sistema, diante da busca da perfeição, do bater cotas, da violência, do modismo, das imposições políticas, da injustiça, do desemprego, da fome, das enfermidades, o mêdo se estabelece e com ele vem insegurança, incerteza, sensação de impotência, descrédito, baixa-estima, etc.

À partir daí, a ansiedade toma conta dos projetos, objetivos, sonhos e desejos, levando a pessoa ao desequilíbrio emocional extremo.

Sabemos que uma das regras da mente e que: "todo pensamento produzirá uma resposta fisiológica, ou, todo pensamento terá uma resposta no corpo, uma resposta psicossomática". Assim a ansiedade com seu alto grau de aflição, insegurança, incerteza e receio, irá desencadear uma série de sintomas que farão com que a pessoa passe a evitar determinadas situações nas quais, ela possa vir se manifestar.

Na observação da Psiquiatra Ana Beatriz, "a ansiedade se manifesta através de um leque onde o medo patológico pode se apresentar de diversas formas e em graus de intensidade variadas, tais como:

•          Súbitos ataques de pânico, que podem evoluir para o transtorno do pânico;

•          Fobia social ou timidez patológica, na qual as pessoas percebem ameaças potenciais em situações sociais e em exposição em público;

•          Medos diversos ou fobias simples, cuja ameaça provém de estímulos bem específicos (animais, lugares fechados, trovões, sangue, avião, etc.).

•          Transtorno de estresse pós-traumático (TEP), quando vivemos experiências traumáticas significativas (sequestro, assalto, perda de entes queridos, acidentes, etc.).

•          Transtorno de ansiedade generalizada (TAG), que se caracteriza por um estado permanente de ansiedade, sem qualquer associação direta com situações ou objetos específicos.

•          Transtorno obsessivo compulsivo (TOC), no qual a mente é invadida por pensamentos intrusivos e sempre de conteúdo ruim (obsessões), que desencadeiam rituais repetitivos e exaustivos (compulsões), na tentativa de eliminar tais idéias".

Todos eles têm em comum o desencadeamento de processos fisiológicos, ou seja, resposta sintomática no corpo tais como: taquicardia falta de ar, dor no peito, sudorese, náusea etc. como também sintomas psíquicos de inquietação, irritabilidade, estado de sobressalto, insegurança, insônia, etc.

Infelizmente a maioria das pessoas só procura ajuda quando o estado ansioso se torna insuportável e desencadeia uma perturbação geral em suas responsabilidades, comprometendo comportamentos, relações, atitudes, saúde e a qualidade de vida.

Precisamos ter em mente que saúde é estar bem psíquica, emocional, física e socialmente, assim que, em se manifestando alguns dos sintomas referidos, devemos buscar com maior rapidez o tratamento adequado e principalmente um diagnóstico sobre qual transtorno pode estar se instalando, evitando dessa maneira o agravamento da sintomatologia, o que virá de certa forma, acelerar o processo de melhora e o estabelecimento da cura.

Autor:  Elias P. Lins


Bibliografia

SILVA, Ana B. Barbosa. Mentes Ansiosas, Editora Objetiva Ltda., Rio de Janeiro, 2011. 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/psicoterapia-artigos/ansiedade-exacerbada-um-inimigo-dentro-de-voce-5415020.html

    Palavras-chave do artigo:

    ansiedade

    ,

    hipnose

    ,

    tag

    Comentar sobre o artigo

    O presente artigo baseia-se na experiência pessoal de Psicoterapia realizada por uma Psicóloga na qual descreve seus diálogos internos e as transformações que vão ocorrendo em sua vida ao longo da terapia. Com uma narrativa autobiográfica, o texto visa explicitar caminhos possíveis de crescimento e amadurecimento pessoal através da processo psicoterápico de um modo lúdico e único.

    Por: Monika Mastrantoniol Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 21/02/2015
    CARLEIAL. Bernardino Mendonça

    Trabalho de Psicobiologia em que o Autor analisa e expõe os graves conflitos psicossomáticos derivados do comportamento Sado-Masoquista presente na maioria das famílias atuais.

    Por: CARLEIAL. Bernardino Mendonçal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 15/01/2015 lAcessos: 14
    Psicologa Maris V. Botari

    O artigo trata sobre algumas variáveis que dificultam a expresão de sentimentos, emoções e atitudes, levando os indivíduos a apresentarem dificuldades de relacionamento social, afetivo e familiar

    Por: Psicologa Maris V. Botaril Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 11/01/2015 lAcessos: 13
    Psicologa Maris V. Botari

    Este artigo trata sobre a diferenciação entre sentimentos e emoções, levando-nos a refletir sobre a singularidade dos mesmos.

    Por: Psicologa Maris V. Botaril Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 11/01/2015 lAcessos: 15
    Psicologa Maris V. Botari

    O artigo reflete sobre os motivos que levam os indivíduos ao adoecimento no ambiente de trabalho, objetivando ampliar a compreensão acerca do assunto.

    Por: Psicologa Maris V. Botaril Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 09/01/2015 lAcessos: 28
    Psicologa Maris V. Botari

    Este artigo trata das tentativas de modificação do comportamento alheio, e discute se vale a pena insistir nesta atitude, em detrimentos das nossas próprias mudanças

    Por: Psicologa Maris V. Botaril Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 09/01/2015 lAcessos: 13

    Psicóloga e mestre em PNL ensina em workshop como planejar e concretizar as metas para o novo ano. Ela ensinará técnicas para se apoderar dos recursos internos a fim de se libertar dos medos, armadilhas invisíveis e autossabotadoras

    Por: Terezinha Tarcitanol Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 05/01/2015 lAcessos: 16
    Patrícia Carvalho

    O principal objetivo do trabalho foi investigar as construções representacionais e simbólicas sobre o câncer, que permeiam as práticas de Psicólogos que atuam em contextos de tratamento oncológico. Foram utilizados os conceitos de representações sociais, propostos por Moscovici (1978), por Jovchelovitch (1999) e Jodelet (2001)

    Por: Patrícia Carvalhol Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 22/12/2014 lAcessos: 16

    Por mais que se queira encontrar uma justificativa formal ou psicológica, é difícil compreender conscientemente como um ser humano se perde nesse caminho de autodestruição. As drogas são tão antigas como a própria humanidade, sempre esteve presente entre nós e há quem se arrisque a dizer que ela apareceu através de Cain antes de assassinar Abel.

    Por: Elias Linsl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 26/07/2011 lAcessos: 104
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast