O brincar e a realidade

Publicado em: 14/12/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 271 |

As origens do brincar estão na necessidade do ser humano trabalhar seus conflitos, especialmente com seus pais. Conforme vai tomando consciência de seus pais (um bebe não tem a menor noção que possui uma mãe separada dele) surgem sentimentos como medo da dependência de um outro ser (um filho depende de seus pais e isso não é um sentimento que o ser humano goste muito), ódio quando os pais não fazem o que a criança deseja, não ser o centro do universo, etc …

A brincadeira é nesse sentido um instrumento terapêutico para a criança, permitindo que ela elabore seus conflitos. Criança que não brinca não tem essa oportunidade de se preparar para a vida, e pode ir para a idade adulta despreparada. Aquele que não resolveu conflitos básicos na brincadeira tende a resolve-los na idade adulta. Mas uma coisa é brincar no playground, outra é brincar (elaborar seus conflitos) no trabalho ou no casamento.

A qualidade da brincadeira nesse sentido é muito importante. Brincadeiras que estimulem o sentido, permitam a fantasia e possibilitem interação social com outras crianças são essenciais para o bom desenvolvimento do sujeito. Crianças que passam o dia trancadas em casa ou em apartamentos, com televisão (que em si não permite qualquer interação da criança) e vídeo games (geralmente em quantidade de horas desmesurado), ou mesmo brincando com babás (e não com outra criança) não têm um meio ambiente propício para a brincadeira sadia (essa que elabora os conflitos internos).

Outro ponto importante é que brincar não tem nada a ver com orçamento familiar. Uma criança é capaz de brincar com paus e pedras. Uma vassoura pode virar um cavalo, o arranhador do gato pode virar um castelo. A brincadeira serve justamente para isso – estimular a criatividade e a imaginação. Uma criança que diz somente poder brincar se tiver o brinquedo X, Y ou Z está nos dizendo que somente será feliz se tiver o carro X, a casa Y e o emprego Z. Em outras palavras tende a ser tornar um adulto com pouca criatividade, imaginação, e jogo de cintura – infeliz!

Vale lembrar que o brinquedo em si não tem nada a ver com o amor dos pais. O tamanho da bicicleta não reflete o tamanho do amor dos pais pelo filho. Amor não se mede por coisas materiais. Não adianta querer suprir a ausência com brinquedos caros – amor acima de tudo é presença. Substituir amor por brinquedo ensina a criança que nossas carências emocionais podem ser supridas por uma boa sessão de compras no shopping.

Finalmente quem não brinca leva a vida muito a sério. O adulto não deve perder a sua capacidade de reinventar o cotidiano como uma criança cria uma brincadeira nova a cada dia. Reinventar um trabalho novo com os mesmos instrumentos ou um casamento novo a cada ano com o mesmo parceiro esta diretamente ligada a nossa capacidade criativa. Só não vale o adulto confundir brincadeira com leviandade.

por Ale Esclapes

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/psicoterapia-artigos/o-brincar-e-a-realidade-3846386.html

    Palavras-chave do artigo:

    fenomeno transicional

    ,

    objeto transicional

    ,

    winnicott

    Comentar sobre o artigo

    A história do autismo começa no início do século XX com a psiquiatria. Até por volta da década de 70, o autismo era visto como uma doença psicológica. Contudo, com os avanços da tecnologia, provou-se que ela possuía aspectos genéticos e orgânicos. O autismo na visão da psicologia com ênfase na psicanálise traz a tona que segundo Winnicott o transtorno autista possui suas causas nas relações objetais na infância mal estabelecida entre mãe bebê.

    Por: Andressa Salesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 21/05/2014
    Betinha Cordeiro Fernandes (Elizabeth)

    Trata-se de texto científico direcionado a profissionais que trabalham com crianças e adolescentes em várias áreas da saúde, com finalidade de facilitar a abordagem integral à saúde desses pacientes.

    Por: Betinha Cordeiro Fernandes (Elizabeth)l Educação> Ensino Superiorl 05/07/2009 lAcessos: 6,264 lComentário: 1
    Bruno Moraes

    O TAG é uma das manifestações dos transtornos de ansiedade que atinge uma parcela significativa da população, os critérios para o diagnóstico deve apresentar: Por um período de pelo menos 6 meses, na maioria dos dias, a pessoa apresenta ansiedade e/ou preocupação excessiva na maioria das suas atividades diárias, com prejuízos significativos...

    Por: Bruno Moraesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 01/10/2014
    Bruno Moraes

    O amor obsessivo ou patológico se da quando o desequilíbrio interno da pessoa a leva a dependência de seu parceiro. No amor patológico, a pessoa ama loucamente, freneticamente, sem se importar se o objeto de seu amor tem a menor intenção de corresponder esse sentimento...

    Por: Bruno Moraesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 01/10/2014
    Bruno Moraes

    Compulsão alimentar é o aumento da ingestão alimentar, é o comer em excesso, mesmo sem apetite, é um desequilíbrio químico que acontece nos mecanismos da fome e saciedade....

    Por: Bruno Moraesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 01/10/2014

    O presente artigo se refere a uma pesquisa bibliográfica e de campo realizada com dependentes químicos que residem em uma casa de recuperação nomeada ASCORE (Associação Comunitária Recompensa), cuja modalidade é acolhedora. O objetivo da pesquisa foi observar como as ações da mesma, como arteterapia, laborterapia, atividades lúdicas e dinâmicas, contribuem para a autoestima do dependente químico.

    Por: Flávia Oliveira Reisl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 26/09/2014
    Bruno Moraes

    A ansiedade é um comportamento caracterizado por um estado mental de apreensão ou medo devido à antecipação de uma situação desagradável ou ameaçadora. O foco dessa ameaça antecipada pode ser interna ou externa. Este comportamento é uma reação à crença na falta de habilidade em se lidar com determinado evento.

    Por: Bruno Moraesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 18/09/2014 lAcessos: 15
    Bruno Moraes

    Existem momentos na vida em que nos deparamos com situações as quais não temos, ou perdemos a habilidade de lidar de forma adequada com eventos do cotidiano. Seja na infância, adolescência, fase adulta ou mesmo na melhor idade, sempre temos questões a solucionar, e muitas vezes nos encontramos perdidos quanto a qual o melhor caminho a se tomar.

    Por: Bruno Moraesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 18/09/2014

    A proposição aqui é tratar a passagem do ser humano da natureza para a cultura e suas influências na formação do ser e da sociedade. Essa formação social e do sujeito se dão em um fluxo de mão dupla, ou seja, o homem transforma a cultura que por sua vez transforma o homem. Conforme o pensamento de Levi-Strauss a lei do incesto é o ponto, o elemento chave que tira o homem da natureza, essa consanguínea e a o introduz na cultura, aliança.

    Por: Samuel Gouveperl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 17/09/2014
    José Eduardo Geremias

    Existem várias semelhanças entre as história e as lendas, porém, alguns elementos caracterizam as lendas com algo misterioso. Algumas pessoas também assemelham-se a esta construção vivencial, compartilhando esta experiência com outras pessoas.

    Por: José Eduardo Geremiasl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 13/09/2014
    Ale Esclapes

    Uma pergunta muito comum é a diferença entre esses três saberes. Afinal, qual a diferença entre psicologia, psicanálise e psiquiatria? Primeiramente, é importante colocar que essas três profissões podem realizar psicoterapias. Em segundo lugar apenas o psiquiatra pode receitar remédio. Em terceiro lugar, a formação desses três indivíduos será diferente.

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 02/01/2011 lAcessos: 595
    Ale Esclapes

    Invariavelmente nessa época do ano acaba aparecendo uma série de reportagens sobre a vida de Jesus. Sobre o que ele fez entre o nascimento e o início de sua pregação, sobre sua relação com Maria Madalena, sobre os escritos do Mar Morto e por aí vai.

    Por: Ale Esclapesl Literatura> Crônicasl 25/12/2010 lAcessos: 46
    Ale Esclapes

    Série de artigos sobre a análise de autores pós-modernos sobre a influência do sistema capitalista na subjetividade do sujeito.- A virturalidade do sistema

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajudal 17/12/2010 lAcessos: 359
    Ale Esclapes

    Série de artigos sobre a análise de autores pós-modernos sobre a influência do sistema capitalista na subjetividade do sujeito.- A virturalidade do outro no sistema

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajudal 17/12/2010 lAcessos: 122
    Ale Esclapes

    Série de artigos sobre a análise de autores pós-modernos sobre a influência do sistema capitalista na subjetividade do sujeito. - A hiperrealização da ordem técnica, o sistema capitalista e a cultura

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajudal 17/12/2010 lAcessos: 299
    Ale Esclapes

    Série de artigos sobre a análise de autores pós-modernos sobre a influência do sistema capitalista na subjetividade do sujeito. - A subjetividade diferencial

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajudal 17/12/2010 lAcessos: 290
    Ale Esclapes

    Série de artigos sobre a análise de autores pós-modernos sobre a influência do sistema capitalista na subjetividade do sujeito.- O corpo burguês

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajudal 17/12/2010 lAcessos: 187
    Ale Esclapes

    A partir de três trabalhos de Freud (Projeto para uma psicologia cientifica, A interpretação dos sonhos, e Dois princípios do funcionamento mental), Bion explora os conceitos de notação e atenção. A notação seria uma palavra mais ligada a armazenamento de informações. Não gostaria nesse artigo de discutir as particularidades desse processo, mas gostaria de deixar claro o aspecto de armazenamento de uma informação que é possível a partir da percepção.

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 14/12/2010 lAcessos: 95
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast