O brincar e a realidade

Publicado em: 14/12/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 268 |

As origens do brincar estão na necessidade do ser humano trabalhar seus conflitos, especialmente com seus pais. Conforme vai tomando consciência de seus pais (um bebe não tem a menor noção que possui uma mãe separada dele) surgem sentimentos como medo da dependência de um outro ser (um filho depende de seus pais e isso não é um sentimento que o ser humano goste muito), ódio quando os pais não fazem o que a criança deseja, não ser o centro do universo, etc …

A brincadeira é nesse sentido um instrumento terapêutico para a criança, permitindo que ela elabore seus conflitos. Criança que não brinca não tem essa oportunidade de se preparar para a vida, e pode ir para a idade adulta despreparada. Aquele que não resolveu conflitos básicos na brincadeira tende a resolve-los na idade adulta. Mas uma coisa é brincar no playground, outra é brincar (elaborar seus conflitos) no trabalho ou no casamento.

A qualidade da brincadeira nesse sentido é muito importante. Brincadeiras que estimulem o sentido, permitam a fantasia e possibilitem interação social com outras crianças são essenciais para o bom desenvolvimento do sujeito. Crianças que passam o dia trancadas em casa ou em apartamentos, com televisão (que em si não permite qualquer interação da criança) e vídeo games (geralmente em quantidade de horas desmesurado), ou mesmo brincando com babás (e não com outra criança) não têm um meio ambiente propício para a brincadeira sadia (essa que elabora os conflitos internos).

Outro ponto importante é que brincar não tem nada a ver com orçamento familiar. Uma criança é capaz de brincar com paus e pedras. Uma vassoura pode virar um cavalo, o arranhador do gato pode virar um castelo. A brincadeira serve justamente para isso – estimular a criatividade e a imaginação. Uma criança que diz somente poder brincar se tiver o brinquedo X, Y ou Z está nos dizendo que somente será feliz se tiver o carro X, a casa Y e o emprego Z. Em outras palavras tende a ser tornar um adulto com pouca criatividade, imaginação, e jogo de cintura – infeliz!

Vale lembrar que o brinquedo em si não tem nada a ver com o amor dos pais. O tamanho da bicicleta não reflete o tamanho do amor dos pais pelo filho. Amor não se mede por coisas materiais. Não adianta querer suprir a ausência com brinquedos caros – amor acima de tudo é presença. Substituir amor por brinquedo ensina a criança que nossas carências emocionais podem ser supridas por uma boa sessão de compras no shopping.

Finalmente quem não brinca leva a vida muito a sério. O adulto não deve perder a sua capacidade de reinventar o cotidiano como uma criança cria uma brincadeira nova a cada dia. Reinventar um trabalho novo com os mesmos instrumentos ou um casamento novo a cada ano com o mesmo parceiro esta diretamente ligada a nossa capacidade criativa. Só não vale o adulto confundir brincadeira com leviandade.

por Ale Esclapes

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/psicoterapia-artigos/o-brincar-e-a-realidade-3846386.html

    Palavras-chave do artigo:

    fenomeno transicional

    ,

    objeto transicional

    ,

    winnicott

    Comentar sobre o artigo

    A história do autismo começa no início do século XX com a psiquiatria. Até por volta da década de 70, o autismo era visto como uma doença psicológica. Contudo, com os avanços da tecnologia, provou-se que ela possuía aspectos genéticos e orgânicos. O autismo na visão da psicologia com ênfase na psicanálise traz a tona que segundo Winnicott o transtorno autista possui suas causas nas relações objetais na infância mal estabelecida entre mãe bebê.

    Por: Andressa Salesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 21/05/2014
    Betinha Cordeiro Fernandes (Elizabeth)

    Trata-se de texto científico direcionado a profissionais que trabalham com crianças e adolescentes em várias áreas da saúde, com finalidade de facilitar a abordagem integral à saúde desses pacientes.

    Por: Betinha Cordeiro Fernandes (Elizabeth)l Educação> Ensino Superiorl 05/07/2009 lAcessos: 6,253 lComentário: 1
    Daniela Quinhões

    Este artigo traz a relação da mulher contemporânea com as simbologias religiosas antigas, a persona da bruxa e os efeitos dessa relação sobre a mulher. Na sociedade atual, a mulher, na busca de seus valores é regida por diversos papeis sociais tais como mãe, filha, esposa e profissional. Observam-se na natureza feminina, aspectos profundos da alma que são colocados à sombra. Para Jung, o uso das máscaras, através de experiências transpessoais, contribui com o processo de individuação.

    Por: Daniela Quinhõesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 18/07/2014 lAcessos: 21
    Bárbara Pereira Alves

    O objeto desse trabalho é analisar com base no estudo teorias de Carl Gustav Jung (1985), ou seja, por meio da teoria Junguiana, o filme: Alice no País das Maravilhas. Sendo a Psicologia Analítica que se insere os Tipos Psicológicos (Atitudes – Introversão e Extroversão); (Funções: pensamento, sentimento, intuição e sensação); a Concepção de Personalidade; a visão do Inconsciente; o Inconsciente Pessoal; os Complexos; o Inconsciente Coletivo; Arquétipos e por fim o Processo de Individuação.

    Por: Bárbara Pereira Alvesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 30/05/2014 lAcessos: 16
    Bárbara Pereira Alves

    Nas diversas vertentes da Psicanálise o conceito transferência e contratransferência são conceitos centrais na relação terapeuta e paciente, que com o passar do tempo vão sofrendo diversas mudanças em seus conceitos principalmente nas obras Freudianas. Este trabalho tem como objetivo abordar esses conceitos que são fundamentais para o processo psicanalítico. Os temas Transferência e Contratransferência serão vistos a luz de várias perspectivas psicanalíticas.

    Por: Bárbara Pereira Alvesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 30/05/2014 lAcessos: 188
    JORGE FLOQUET

    Por definição científica a Vulva, também chamada de pudendo (diria poderosa) é a parte externa do órgão genital feminino. Externamente pode ser revestida por pelos púbicos. É constituída pelos grandes lábios (labia majora), revestidos internamente por tecido muscular. Em seguida há um par de pregas mais finas, os pequenos lábios (labia minora), que podem ou não estar inclusos nos grandes lábios. No interior dos lábios encontram-se o clítoris, o orifício urinário (abertura da uretra) e o orifício

    Por: JORGE FLOQUETl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 28/05/2014 lAcessos: 20

    A história do autismo começa no início do século XX com a psiquiatria. Até por volta da década de 70, o autismo era visto como uma doença psicológica. Contudo, com os avanços da tecnologia, provou-se que ela possuía aspectos genéticos e orgânicos. O autismo na visão da psicologia com ênfase na psicanálise traz a tona que segundo Winnicott o transtorno autista possui suas causas nas relações objetais na infância mal estabelecida entre mãe bebê.

    Por: Andressa Salesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 21/05/2014
    Maria Santina

    Muitas vezes temos duvidas sobre os transtornos alimentares, é interessante saber que os principais tipos de Transtornos Alimentares são a Anorexia Nervosa e a Bulimia Nervosa e tem como característica alterações graves na conduta alimentar. Vamos saber um pouco mais sobre cada um deles?

    Por: Maria Santinal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 02/05/2014 lAcessos: 23
    Jonathas Rafael dos Santos

    Sabe-se que apreender acerca das Parafilias é uma tarefa árdua, porque o campo de estudo é demasiado multíplice. Portanto, este artigo tem como enfoque parafrasear – mesmo que a título introdutório – a respeito do tema, abordando as Parafilias mais sabidas pelo social como, por exemplo, o Fetichismo, o Footerismo, a Hipersexualidade, o Masoquismo, a Pedofilia, o Sadismo, o Sadomasoquismo, o Voyeurismo e a Zoofilia.

    Por: Jonathas Rafael dos Santosl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 05/02/2014 lAcessos: 23
    Rita Guimarães

    Nesse artigo, conto um pouco sobre as fobias e como desenvolvi a minha fobia de sangue. É importante saber que fobias são doenças de ansiedade que podem ser facilmente tratadas com a ajuda da psicologia (particularmente a psicologia de abordagem cognitivo-comportamental), permitindo que a pessoa siga sua vida sem medos desnecessários.

    Por: Rita Guimarãesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 26/01/2014 lAcessos: 56
    Ale Esclapes

    Uma pergunta muito comum é a diferença entre esses três saberes. Afinal, qual a diferença entre psicologia, psicanálise e psiquiatria? Primeiramente, é importante colocar que essas três profissões podem realizar psicoterapias. Em segundo lugar apenas o psiquiatra pode receitar remédio. Em terceiro lugar, a formação desses três indivíduos será diferente.

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 02/01/2011 lAcessos: 591
    Ale Esclapes

    Invariavelmente nessa época do ano acaba aparecendo uma série de reportagens sobre a vida de Jesus. Sobre o que ele fez entre o nascimento e o início de sua pregação, sobre sua relação com Maria Madalena, sobre os escritos do Mar Morto e por aí vai.

    Por: Ale Esclapesl Literatura> Crônicasl 25/12/2010 lAcessos: 46
    Ale Esclapes

    Série de artigos sobre a análise de autores pós-modernos sobre a influência do sistema capitalista na subjetividade do sujeito.- A virturalidade do sistema

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajudal 17/12/2010 lAcessos: 356
    Ale Esclapes

    Série de artigos sobre a análise de autores pós-modernos sobre a influência do sistema capitalista na subjetividade do sujeito.- A virturalidade do outro no sistema

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajudal 17/12/2010 lAcessos: 122
    Ale Esclapes

    Série de artigos sobre a análise de autores pós-modernos sobre a influência do sistema capitalista na subjetividade do sujeito. - A hiperrealização da ordem técnica, o sistema capitalista e a cultura

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajudal 17/12/2010 lAcessos: 292
    Ale Esclapes

    Série de artigos sobre a análise de autores pós-modernos sobre a influência do sistema capitalista na subjetividade do sujeito. - A subjetividade diferencial

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajudal 17/12/2010 lAcessos: 288
    Ale Esclapes

    Série de artigos sobre a análise de autores pós-modernos sobre a influência do sistema capitalista na subjetividade do sujeito.- O corpo burguês

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajudal 17/12/2010 lAcessos: 183
    Ale Esclapes

    A partir de três trabalhos de Freud (Projeto para uma psicologia cientifica, A interpretação dos sonhos, e Dois princípios do funcionamento mental), Bion explora os conceitos de notação e atenção. A notação seria uma palavra mais ligada a armazenamento de informações. Não gostaria nesse artigo de discutir as particularidades desse processo, mas gostaria de deixar claro o aspecto de armazenamento de uma informação que é possível a partir da percepção.

    Por: Ale Esclapesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 14/12/2010 lAcessos: 91
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast