Os tipos de Depressão e seus tratamentos

Publicado em: 27/10/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 320 |

TIPOS DE DEPRESSÃO:

Episódio ou fase depressiva e transtorno depressivo recorrente

Os sintomas depressivos (tristeza, choro fácil e/ou frequente, apatia, sentimento de falta de sentimento, sentimento de tédio, irritabilidade aumentada, desespero, desesperança, culpabilidade, transtorno de sono e apetite) devem estar presentes em pelo menos duas semanas, e não mais do que dois anos, sem interrupção. Os episódios, geralmente, têm duração média de seis meses e variam no minimo de três e máximo de 12 meses.

Pode ser classificado de acordo com a intensidade [leve, moderado, grave] e com a importância clínica dos sintomas. Quando o paciente apresenta vários episódios depressivos, com ausência de episódios maníacos, disgnostica-se, portanto, transtorno depressivo recorrente.

Distimia

Considerada uma depressão crônica, de intensidade leve na maioria das vezes mas, com longos períodos de duração [vários anos], sem interrupção e por, no mínimo, dois anos. Os sintomas mais comuns são diminuição da auto-estima, dificuldade em tomar decisões ou de concentração, mau humor crônico, irritabilidade.

Depressão Atípica

Além dos sintomas depressivos comuns, são somados aumento de apetite (doces), hipersonia (aumento em média de duas horas a mais do que o normal), sensação de corpo pesado, humor alterado (vai de um extremo ao outro com muita facilidade).

Depressão Tipo Melancólica

É um tipo de depressão que está mais associada a fatores neurológicos, cujos principais sintomas envolve uma tristeza sentida no corpo, falta de interesse, lentidão psicomotora, ideação de culpa e a intensidade da depressão diminui conforme o passar do dia.

Depressão Psicótica

É um tipo de depressão grave em que um ou mais sintomas psicóticos estão associados como delírios de culpa e alucinações com conteúdos depressivos.

Depressão Pós-Parto

A Depressão Pós-Parto, geralmente, tem início 4 semanas após o parto, com sintomas  gerais de depressão, sem grandes variações, podendo incluir variações intensas de humor e de preocupações com o bebê que pode ser exagerada ou até mesmo delirante.

Esse tipo de depressão pode estar associada à características psicóticas, cujo maior fator associado é o infanticído, no qual a mãe tem alucinações e recebe comandos para matar o bebê ou delírios de que este tenha algo de ruim que justifique sua morte.

Geralmente, mulheres com depressão pós-parto desenvolvem ansiedade grave e ataques de pânico. Suas atitudes em relação ao bebê podem variar desde excesso de cuidado, a ponto de não deixar o bebê um segundo sequer, ao desinteresse completo, deixando de amamentar e/ou cuidar da higiene da criança.

É importante ressaltar que a deprssão pós-parto não está associada àquela tristeza inicial, em que a mãe se deprime nos primeiros 10 dias após o parto, pois é uma tristeza passageira e não afeta os comportamentos da mãe em relação ao cuidado do bebê, nem sua noção de realidade.

O pós-parto é um período extremamente importante, tanto na vida da mãe, quanto do bebê, em que alterações biológicas [tanto na estrutura do corpo da mulher, como nos hormônios e neutrotransmissões associados], psicológicas e sociais são delicadas  e devem ser acompanhadas e apoiadas por familiares, amigos, pelos médicos responsáveis pela saúde da mãe e do bebê. 

Esturpor Depressivo

Nesse tipo grave de depressão, o paciente pode permanecer dias acamado, sem querer se movimentar, não quer falar com pessoas ou fazer qualquer atividade cotidiana, não tem vontade de se alimentar, e em casos mais complexos não consegue nem controlar a evacuação de urina ou fezes, o que pode gerar agravos clínicos e evoluir à óbito.

Depressão Agitada ou Ansiosa

Possui grande agitação psicomotora com queixas de angústia intensa que se soma aos sintomas depressivos, aumentando a possibilidade de suicídio.

Depressão Secundária

É um tipo de depressão que está associada a outro quadro clínico como fator agravante, como hipo/hipertireoidismo, doença de Parkinson, acidentes vasculares cerebrais (AVC).

 SINTOMAS:Após um período de tristeza, a pessoa esmorece e fica "isolada do mundo". Não sente vontade de reagir, não acha graça em nada, se sente angustiada, sem energia, chora à toa, tem dificuldade para começar uma tarefa, dificuldade em terminar o que começou, persistência de pensamentos negativos e um mal-estar generalizado: indisposição, dores pelo corpo, insônia ou sonolência, alterações no apetite, falta de memória, concentração, vulnerabilidade, fraqueza, taquicardia, dores de cabeça, suores ou outros sintomas físicos que joga a pessoa pra baixo.    

TRATAMENTOAlém da medicação é importante a psicoterapia, a força de vontade do paciente de correr atrás dos seus sonhos (objetivo), o auxílio da família, dos amigos e de um grupo de ajuda. Quanto mais amparado o paciente estiver, melhor será o processo de cura.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/psicoterapia-artigos/os-tipos-de-depressao-e-seus-tratamentos-5342749.html

    Palavras-chave do artigo:

    psicoterapia depressao tratamento

    Comentar sobre o artigo

    Daniela Quinhões

    Este artigo traz a relação da mulher contemporânea com as simbologias religiosas antigas, a persona da bruxa e os efeitos dessa relação sobre a mulher. Na sociedade atual, a mulher, na busca de seus valores é regida por diversos papeis sociais tais como mãe, filha, esposa e profissional. Observam-se na natureza feminina, aspectos profundos da alma que são colocados à sombra. Para Jung, o uso das máscaras, através de experiências transpessoais, contribui com o processo de individuação.

    Por: Daniela Quinhõesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 18/07/2014
    Bárbara Pereira Alves

    O objeto desse trabalho é analisar com base no estudo teorias de Carl Gustav Jung (1985), ou seja, por meio da teoria Junguiana, o filme: Alice no País das Maravilhas. Sendo a Psicologia Analítica que se insere os Tipos Psicológicos (Atitudes – Introversão e Extroversão); (Funções: pensamento, sentimento, intuição e sensação); a Concepção de Personalidade; a visão do Inconsciente; o Inconsciente Pessoal; os Complexos; o Inconsciente Coletivo; Arquétipos e por fim o Processo de Individuação.

    Por: Bárbara Pereira Alvesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 30/05/2014 lAcessos: 13
    Bárbara Pereira Alves

    O presente trabalho visa relacionar o longa metragem "Procurando Nemo", lançado no ano de 2003, nos Estados Unidos, dirigido por Andrew Stanton, com as teorias desenvolvidas por Sigmund Freud, no que concerne ao desenvolvimento da psique humana e suas operações. O principal interesse nesse filme deve-se pelo fato da semelhança entre as animações vividas pelos personagens ao se associarem com a realidade em que podemos vivenciar.

    Por: Bárbara Pereira Alvesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 30/05/2014 lAcessos: 34
    Bárbara Pereira Alves

    Nas diversas vertentes da Psicanálise o conceito transferência e contratransferência são conceitos centrais na relação terapeuta e paciente, que com o passar do tempo vão sofrendo diversas mudanças em seus conceitos principalmente nas obras Freudianas. Este trabalho tem como objetivo abordar esses conceitos que são fundamentais para o processo psicanalítico. Os temas Transferência e Contratransferência serão vistos a luz de várias perspectivas psicanalíticas.

    Por: Bárbara Pereira Alvesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 30/05/2014 lAcessos: 41
    JORGE FLOQUET

    Por definição científica a Vulva, também chamada de pudendo (diria poderosa) é a parte externa do órgão genital feminino. Externamente pode ser revestida por pelos púbicos. É constituída pelos grandes lábios (labia majora), revestidos internamente por tecido muscular. Em seguida há um par de pregas mais finas, os pequenos lábios (labia minora), que podem ou não estar inclusos nos grandes lábios. No interior dos lábios encontram-se o clítoris, o orifício urinário (abertura da uretra) e o orifício

    Por: JORGE FLOQUETl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 28/05/2014 lAcessos: 16

    A história do autismo começa no início do século XX com a psiquiatria. Até por volta da década de 70, o autismo era visto como uma doença psicológica. Contudo, com os avanços da tecnologia, provou-se que ela possuía aspectos genéticos e orgânicos. O autismo na visão da psicologia com ênfase na psicanálise traz a tona que segundo Winnicott o transtorno autista possui suas causas nas relações objetais na infância mal estabelecida entre mãe bebê.

    Por: Andressa Salesl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 21/05/2014
    Maria Santina

    Muitas vezes temos duvidas sobre os transtornos alimentares, é interessante saber que os principais tipos de Transtornos Alimentares são a Anorexia Nervosa e a Bulimia Nervosa e tem como característica alterações graves na conduta alimentar. Vamos saber um pouco mais sobre cada um deles?

    Por: Maria Santinal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 02/05/2014 lAcessos: 16
    Jonathas Rafael dos Santos

    Sabe-se que apreender acerca das Parafilias é uma tarefa árdua, porque o campo de estudo é demasiado multíplice. Portanto, este artigo tem como enfoque parafrasear – mesmo que a título introdutório – a respeito do tema, abordando as Parafilias mais sabidas pelo social como, por exemplo, o Fetichismo, o Footerismo, a Hipersexualidade, o Masoquismo, a Pedofilia, o Sadismo, o Sadomasoquismo, o Voyeurismo e a Zoofilia.

    Por: Jonathas Rafael dos Santosl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 05/02/2014 lAcessos: 20
    Michele Cruz Vieira

    A visão, embora seja o mais aguçado dos sentidos, a vista não trabalha sozinha: o cérebro interpreta as informações, para podermos ver claramente. Os sentidos fundamentais do corpo humano - visão, audição, tato, gustação ou paladar e olfato - constituem as funções que propiciam o nosso relacionamento com o ambiente. Este trabalho foi baseado numa revisão teórica sobre o tema abordado trazendo esclarecimentos acerca da definição, funcionamento, patologias, como as mesmas afetam o psicológico.

    Por: Michele Cruz Vieiral Saúde> Medicinal 09/10/2011 lAcessos: 661
    Michele Cruz Vieira

    A meu ver a atitude de Freud em discutir regressão, é entender que a nossa vida é composta por momentos e fases onde cada etapa tem uma importância significativa. Tais fases são marcadas por descobertas, desafios, conflitos, emoções, sentimentos e aprendizados entre inúmeras outras experiências que a vida pode nos proporcionar.

    Por: Michele Cruz Vieiral Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 09/10/2011 lAcessos: 462
    Michele Cruz Vieira

    Antes se pensava em anorexia como um sintoma histérico, inclusive Freud pensava desta forma. Hoje podemos observar que a anorexia se utiliza de forma mais prevalente do corpo, sob forma do ato. Os estudos sobre os transtornos alimentares na adolescência e suas implicações são complexos, por resultarem de diversos fatores dos quais o principal é o processo de individuação entre mãe e filha.

    Por: Michele Cruz Vieiral Saúde> Medicinal 06/10/2011 lAcessos: 258
    Michele Cruz Vieira

    No Cenário das Urgências e Emergências médicas também circulam sentimentos e emoções que modificam e mesmo interferem nos cuidados de quem, neste setor, encontra-se. O paciente atravessa uma rotina de vida, que subitamente é entrecortada pelo inusitado mal estar inesperado ou por um acidente de diversas ordens, onde as conseqüências são inundadas por medos, fantasias, inseguranças, tristezas, sensação de impotência, ansiedade e tantos outros sentimentos.

    Por: Michele Cruz Vieiral Saúde> Medicinal 06/10/2011 lAcessos: 122
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast