Sentimento de Culpa

Publicado em: 19/08/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 811 |

A culpa é tão antiga quanto à história da humanidade, a tradição religiosa, as ciências humanas e sociais, mas também, a literatura, a música, os roteiros de filmes e programas televisivos, a culpa aparece como algo negativo, punitivo e de menos valia.

A sensação de sentirmos culpados é como um filme reprisando justamente a cena mais apavorante, uma dor dilacerando a alma trazendo lembranças de repressões, dúvidas, impotência e o pensamento idealizador de que tudo poderia ser diferente "se" tivesse outra chance.

Normalmente ela surge quando acreditamos estar em pecado, violamos regras, cometemos uma falta grave, somos omissos, quando frustramos nossas ou as expectativas alheias. Por isso, tem sido um assunto frequente na terapia ou nas conversas informais capaz de evocar muita angústia e conflitos. Geralmente estamos propícios a perguntar-nos, de quem é a culpa? Pais, filhos, educadores, empregados e empregadores, políticos, autoridades e religiosos passam tempo persuadidos a encontrar o "culpado", muito mais do que enfrentar e encontrar a solução, responsabilidades e questionar as verdades absolutas que nortearam a sociedade por anos a fio, mas que hoje passam por profundas mudanças.

Foram anos de culpa pela perda do paraíso, pela opção e necessidade da mulher de trabalhar fora do lar deixando os filhos em creches, com babás ou familiares. Pela busca do prazer sexual antes relegado a procriação e negado pela falta de conhecimento do próprio corpo. Pelo rompimento dos paradigmas de uma educação conservadora e punitiva. Pela mudança gradativa das relações de trabalho exigindo um ambiente mais humano, digno e de melhores condições de salário. Pela degradação do meio ambiente. Pela direito a orientação sexual homoafetiva. Estes poucos exemplos fazem parte de uma infinidade de transformações que nos levarão a novos caminhos e revisão dos atuais.

A única resposta plausível é que continuaremos inseguros e conseqüentemente mais ansiosos ao tentarmos acertar num mundo incerto. Colocar a culpa no centro da questão será um obstáculo ao crescimento e a auto-realização. Quem mais sofre com os sentimentos de culpa são pessoas em estado de desequilíbrio físico e emocional. Na depressão, adicção a qualquer substância psicoativa, nos transtornos de personalidade, alimentar, ansiedade, borderline, obsessiva compulsiva, e psicopatias gerais, são pessoas mais sensíveis e vulneráveis a crítica, nutrem um alto grau de exigência, são demasiadamente idealizadoras, irritadiças, impulsivas, inseguras e necessitam de aceitação a todo custo, para provar o seu valor enquanto pessoa. E quando são contrariadas ou algo não sai como esperado, dizem e fazem coisas intempestivas, deixando um rastro de dor e arrependimento, mas ao recobrar a lucidez, sente-se remoídas de dor e culpa.

Outro dia uma paciente me disse: "quando eu era uma pessoa doente era cega emocionalmente e não tinha noção do mal que fazia a mim e aos outros, mas com o conhecimento das minhas emoções passei a exigir menos, ter mais cautela, menos amargura e praticando o autoperdão. Aos poucos fui reparando o mal que fiz as pessoas, especialmente a mim mesma, pois ninguém escolhe ficar doente".  

Mas até chegar neste ponto, normalmente, o modo de aliviar a dor é por meio do autoflagelo emocional, alguns até na forma física e corporal, impingindo cortes, queimaduras, machucados ou tentativa de suicídio, buscam a expiação da própria consciência que as condena. São sabotagens diárias que varia desde abandonar momentaneamente algo que dê prazer, recusar propostas interessantes, voltar a fumar, comer compulsivamente, ingerir drogas após dias abstinente, se botar em enrascadas no trabalho, nos relacionamentos amorosos destrutivos, se traindo com padrões dolorosos repetitivos. Fazendo de tudo para se encaixar no papel de "pobre coitada" que não merece amor, alegria, paz, lazer e plenitude.

Primeiro, será preciso retirar a lente de aumento, nem sempre o que cometemos é tão grave que mereça tamanho sofrimento. Segundo, enquanto vivemos no passado ou no futuro perdemos a chance de gozar e vivenciar as requisições do presente. Pois, será somente no dia de hoje que terei acesso e poderei oferecer o que tenho de melhor, quem sabe reparando um mal entendido, exercitando a paciência quando não há chances de retratação ou quando não há condições de fazer nem uma coisa nem outra.

Boss, um grande escritor existencialista, diz que a culpa não deveria ser vista como uma carga de opressão, pois ao sermos lançados no mundo temos um "chamado e uma advertência para cumprir a missão humana de guardião e pastor". Isso quer dizer que somos seres que o mundo precisa, o sentimento de culpa advém deste "ficar-a-dever". No meu entendimento, a culpa sempre aparecerá quando abrimos mão da nossa liberdade de escolha.

E, podemos escolher se fechar no esconderijo que leve a renúncia da consciência – a culpa é do "outro", mantendo-se nas lamurias e perseguições. Ou aprender a lidar com este sentimento capaz de interferir nas relações e na maneira como nos enxergamos assumindo o nosso lugar no mundo, vivenciando com qualidade, nossas emoções, possibilidades e potencial interior.

A seguir sugiro filmes que retratam o Sentimento de Culpa:  

 - Caché. Ano: 2005, França, Alemanha, Austrália e Itália, direção de Michael Haneke e protagonizado por Daniel Auteil e Juliette Binoche. 

 - O caçador de Pipas ou o livro do autor Khaled Hosseini. Ano: 2007, Estados Unidos, direção de Marc Forster, protagonizado por Khalid Abdalla e Atossa Leoni.

 - Dúvida. Ano 2008. Estados Unidos, direção de John Patrick Shanley, protagonizado por Meryl Streep, Philip Seymour Hoffman e Amy Adams. Também sugiro a leitura do mito de Édipo e Jocasta - tragédia grega "Édipo Rei de Sófocles, do século V a.C", disponível em muitos sites da internet.

Referência Bibliográfica:

BOSS, Medard. "Angústia, Culpa e Libertação. 2ª Ed. São Paulo, Duas Cidades, 1977. P. 38-40.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/psicoterapia-artigos/sentimento-de-culpa-3081741.html

    Palavras-chave do artigo:

    culpa

    ,

    dor

    ,

    arrependimento

    Comentar sobre o artigo

    Leticia Carrijo

    "Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus."(Romanos 8:1)

    Por: Leticia Carrijol Relacionamentos> Relações Amorosasl 04/05/2010 lAcessos: 163
    Andréia Santos

    A vida de alguém que fez algo errado nem sempre será simples para seguir depois desta ação, ela pode se arrepender e viver um trauma para sempre na sua vida, onde vai se sentir excluída e menosprezada. Sentimentos assim rondam todos os tipos de classes, e personalidades. Ás vezes não entendemos o porquê de alguém ter "tal comportamento", talvez por ele mesmo não se aceitar, e não entender que seu erro pode ter vindo como um aprendizado.

    Por: Andréia Santosl Psicologia&Auto-Ajudal 06/05/2013 lAcessos: 46
    Therapion Consulting

    A obesidade está cada vez mais comum no mundo tanto entre adutos, adolescentes e crianças. Nossa intenção será a de levantar reflexões sobre as motivações psicológicas e existencias para ajudar a resolver este problema.

    Por: Therapion Consultingl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 10/11/2011 lAcessos: 217

    No mundo terreno existem muitos fatos que levam as pessoas principalmente jovens da mais tenra idade a pessoas fisicamente mais adultas a abortar.

    Por: Alexandre da Silva Schornl Religião & Esoterismo> Meditaçãol 28/06/2011 lAcessos: 166
    Mulheres de vsão

    A nossa vida emocional esta totalmente vinculada com a nossa vida espiritual,aprender a deixar pra trás as coisas que te constrange e te prendem ao passado,já é um grande passo para a cura. Deus esta esperando o seu momento,porque o momento Dele já chegou! A medida com que você se aproximar Dele, com seu arrependimento e sinceridade ele se aproximara de você com o seu perdão e amor.

    Por: Mulheres de vsãol Religião & Esoterismo> Evangelhol 03/10/2011 lAcessos: 163

    Ex Satanista Daniel Mastral fala á MTV Sabe-se que a música, mais especificamente o rock, tem forte relação com práticas mágicas, esotéricas e magia negra. Muito disso é lenda, mas pode também não ser – e pelo visto, nunca saberemos. Em sua vida na escuridão, nos tempos de Irmandade, soube de algum destes "causos" famosos do rock? Teve confirmada algumas destas "lendas" como, por exemplo, a de que os Rolling Stones fizeram um pacto com o diabo? Ou que ele, o demônio e suas forças, atuaram na criação deste tipo de música e na disseminação dela pelo mundo influenciando Os Beatles e todo uma cultura que nascia naquela época, como acreditam certas correntes evangélicas?

    Por: Oxigenio Recordsl Arte& Entretenimento> Artel 21/07/2009 lAcessos: 17,974 lComentário: 8
    Toni Rogerio Silvano

    Todo enfoque é dado para o controverso hábito de eterno julgamento social ao ex-detento. Linguagem muito simples e clara, a clássica obra de Francesco Carnelutti é comentada modernamente, aplicando-se filosoficamente ao Processo Penal Brasileiro. Moderno e marcante, o trabalho é voltado para acadêmicos e profissionais do Direito. Baixe o material completo em www.tonirogerio.com.br ou recorte e cole no navegador: http://www.tonirogerio.com.br/index.php?id=507&idioma=1

    Por: Toni Rogerio Silvanol Direito> Doutrinal 08/08/2011 lAcessos: 1,223
    Lucivania da Silva

    Partindo do principio que a depressão infantil pode ser explicada, levando-se em consideração a história de vida, contingências ambientais, fatores orgânicos e elementos comportamentais, o presente trabalho objetivou descrever alguns aspectos da dinâmica familiar e escolar do indivíduo que causam depressão infantil, sobre a ótica da Psicopedagogia. Por se tratar de uma pesquisa de caráter integrativo, enfatizamos a importância de os profissionais da área educacional estarem atentos aos sintomas.

    Por: Lucivania da Silval Educação> Educação Infantill 25/09/2012 lAcessos: 407
    Reginaldo Silva Ribeiro

    Este trabalho retrata a história de um menino, que nasceu em um lugarejo, onde seria impossível, reencontrar sua felicidade, porém, mostrou que é possível alcançar o que se busca quando se busca.

    Por: Reginaldo Silva Ribeirol Literatura> Crônicasl 21/04/2014 lAcessos: 42

    A violência de abuso sexual intrafamiliar aponta como autores pessoas que são de extrema confiança da criança e do adolescente, sendo estes padrastos, pais, irmãos, tios, e até mesmo mães. Assim existe na criança uma situação conflituosa de amor e ódio, e é extremamente relevante o acompanhamento psicológico que em muitas vezes, é necessário acontecer por toda vida. A referida pesquisa é de caráter bibliográfico com referências que contribuem para a construção deste estudo e de abordagem quantit

    Por: ELIZETE RIBEIRO SALESl Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 24/03/2015
    Emanuela Silva de Sant'ana

    As doenças mentais sempre provocaram no homem o desejo de estudos e pesquisas que o levassem a um possível entendimento sobre os fenômenos psíquicos. Pode-se dizer que compreender o adoecimento mental sugere uma forma de tentar evitá-lo, de tornar-se vítima dele. A partir desta ótica encontram-se na contemporaneidade.

    Por: Emanuela Silva de Sant'anal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 05/03/2015 lAcessos: 13
    Emanuela Silva de Sant'ana

    Este artigo discute a temática do sintoma na criança e sua relação com a dinâmica familiar e quais as implicações na formação da subjetividade do sujeito. E tratando-se de uma discussão em psicanálise, trará um enfoque diferenciado em torno do sintoma e sua construção na criança. Chamando a atenção da escuta analítica para o lugar da família na clínica com crianças.

    Por: Emanuela Silva de Sant'anal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 05/03/2015
    Emanuela Silva de Sant'ana

    Este trabalho visa apresentar uma revisão bibliografica sobre a problemática das afetações e dos fenômenos de ansiedade e depressão na adolescência no cenário social exposto na contemporaneidade. Serão abordados o pensamento de teóricos que muito têm se preocupado com com as discussões a cerca do tema nos dias de hoje.

    Por: Emanuela Silva de Sant'anal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 05/03/2015

    O presente artigo baseia-se na experiência pessoal de Psicoterapia realizada por uma Psicóloga na qual descreve seus diálogos internos e as transformações que vão ocorrendo em sua vida ao longo da terapia. Com uma narrativa autobiográfica, o texto visa explicitar caminhos possíveis de crescimento e amadurecimento pessoal através da processo psicoterápico de um modo lúdico e único.

    Por: Monika Mastrantoniol Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 21/02/2015 lAcessos: 18
    CARLEIAL. Bernardino Mendonça

    Trabalho de Psicobiologia em que o Autor analisa e expõe os graves conflitos psicossomáticos derivados do comportamento Sado-Masoquista presente na maioria das famílias atuais.

    Por: CARLEIAL. Bernardino Mendonçal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 15/01/2015 lAcessos: 14
    Psicologa Maris V. Botari

    O artigo trata sobre algumas variáveis que dificultam a expresão de sentimentos, emoções e atitudes, levando os indivíduos a apresentarem dificuldades de relacionamento social, afetivo e familiar

    Por: Psicologa Maris V. Botaril Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 11/01/2015 lAcessos: 14
    Psicologa Maris V. Botari

    Este artigo trata sobre a diferenciação entre sentimentos e emoções, levando-nos a refletir sobre a singularidade dos mesmos.

    Por: Psicologa Maris V. Botaril Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 11/01/2015 lAcessos: 18
    Valéria Fátima da Rocha

    Autoestima significa valorização de si mesmo/amor próprio, ou seja, sentir, perceber, expressar e experimentar o mundo com satisfação e plenitude. O texto tem o objetivo de ajudar nesta compreensão descrevendo a diferença entre auto e baixa estima, como a baixa autoestima abala as relações intra e interpessoais favorecendo doenças como a depressão ao acumular lixo emocional tóxico. Optar pela mudança é investir neste ser tão único e especial presente em cada um de nós, para uma vida plena!

    Por: Valéria Fátima da Rochal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 24/12/2010 lAcessos: 312
    Valéria Fátima da Rocha

    Como exercer uma gestão pautada numa liderança democrática, proativa, produtiva e que garanta espaço no mercado de traalho.

    Por: Valéria Fátima da Rochal Negócios> Gestãol 10/12/2010 lAcessos: 291
    Valéria Fátima da Rocha

    A solidão como forma de crescimento, evolução e autotransformação. Esta trajetória é um convite a ser protagonista e autor da própria biografia. Por isso é um chamado solitário, intransferível e inalienável onde a compreensão deste processo contribuirá para a reflexão, autoconhecimento e processos decisórios.

    Por: Valéria Fátima da Rochal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 10/12/2010 lAcessos: 224
    Valéria Fátima da Rocha

    Atitudes para uma boa comunicação interpessoal com habilidade, destreza para formar vínculos construtivos. A meta do ser humano é viver cada momento com liberdade, sinceridade e responsabilidade e ao defrontar-se com as dificuldades, a verdadeira comunicação poderá ser um instrumento que acrescente motivação de onde estou para aquilo que pretendo alcançar.

    Por: Valéria Fátima da Rochal Relacionamentos> Relações Amorosasl 15/10/2010 lAcessos: 936
    Valéria Fátima da Rocha

    Importância do diálogo consciente e honesto, para o estabelecimento de vínculos víscerais com assertividade, abertura para o outro e maneiras de desenvolver este diálogo por meio do autoconhecimento.

    Por: Valéria Fátima da Rochal Relacionamentosl 15/10/2010 lAcessos: 116
    Valéria Fátima da Rocha

    Este mito até hoje desperta uma bela mensagem de determinação e otimismo em meio à contradição da insensatez de um cotidiano, muitas vezes, monótono, fútil e inútil. Entretanto, no campo emocional há pessoas tão endurecidas como pedra e vivem alheias e desconectadas que não conseguem diferenciar a montanha, o rochedo de si mesmas. A psicoterapia poderá alterar esta percepção e ajudar a romper com o "rochedo" para ir além da montanha e visualizar novos horizontes.

    Por: Valéria Fátima da Rochal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 04/10/2010 lAcessos: 1,170
    Valéria Fátima da Rocha

    O psicoterapeuta afirmativo precisa se despir de todos os preconceitos, desconstruir mitos e conhecer a realidade da população LGBTs. A psicoterapia tem como finalidade ajudar na aceitação, autoestima, medo de ser descoberto ou assumir sua orientação por medo, rejeição ou negação. Com respeito e acolhimento, propiciando o resgate da trajetória para transceder para um futuro de crescimento mais incentivador e amoroso do qual não tenha usufruido quando criança até os dias atuais.

    Por: Valéria Fátima da Rochal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 22/09/2010 lAcessos: 176
    Valéria Fátima da Rocha

    Descrevo o conceito de resiliência e habilidades que podem ser estimuladas a partir da flexibilidade, vontade de fazer melhor, tolerância a tensão, clareza de finalidades, afastamento da autocompaixão, reflexão crítica, mas positiva de si mesmo, sublimação por meio de atividades que reforçem a autoestima, capacidade de reiniciar do zero, capacidade de dar e receber e tolerância com os próprios e limites alheios.

    Por: Valéria Fátima da Rochal Psicologia&Auto-Ajuda> Redução de Stressl 12/09/2010 lAcessos: 290
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast