Mae

16/07/2009 • Por • 538 Acessos

"Mãe", eu gritava ao vento, "Mãe, aonde está você ? Você está meu ouvindo, mãe ? Eu tenho tanta saudade de você, do teu abraço gostoso e caloroso, do seu beijo carinhoso e do seu sorriso feliz..." Quantas vezes eu te chamei nestes últimos anos e quantas vezes eu desejei te abraçar com toda a força do mundo, te dar um beijo bem estalado e segurar nas mãos apenas para sentir o calor do seu amor. Meus olhos ainda se enchem de lágrimas ao recordar-me do nosso último encontro...Foi há tanto tempo, embora para mim, pareça que foi apenas ontem...Quantas coisas aconteceram e quantas ainda irão acontecer antes de nos encontrarmos novamente...Tenho tanta coisa para te falar minha mãezinha querida, sinto tantas saudades... "Aonde você está, será que você está bem, feliz, sente a nossa falta como nós sentimos a sua ?". Eu te amo tanto minha mãe...e te amarei sempre pela eternidade...

Acordei naquele dia pensando em minha mãe que morrera há quase dez anos, mas aquele sonho fora tão real. Eu estava num enorme campo gramado, talvez fosse uma plantação de trigo, não sei precisar ao certo. Mas eu corria por aquele lugar imenso procurando por minha amada mãe e ela simplesmente não me respondia mais. Senti-me tão pequena, tão perdida, tão sem chão sem ela por perto. Como ela não atendia aos meus chamados ? Eu me perguntava. Eu precisava tão desesperadamente dela e ela não estava mais ali para me acalentar, me beijar, me abraçar, para assistirmos filmes, comermos pipocas e quase morrermos de tanto chorar ao final de cada drama, mas ainda sim, insistíamos em assisti-los, todas as vezes. Até ríamos de nós mesmas, pois eram sempre os mesmos filmes e nós, mesmo sabendo do final, chorávamos todas as vezes, como se fosse a primeira vez que havíamos assistido a aqueles lindos filmes do passado...Tantas recordações daquele época feliz vieram à minha mente meio atordoada pelo sono. Eu estava novamente sonhando com algo que vivi, com momentos de muita felicidade e êxtase extremo...Foram tempos que passaram e que estavam nitidamente gravados em minha alma e no meu coração. Eu sabia que jamais veria minha mãe novamente e aquilo me consumia a alma. As saudades seriam sempre imensas e eternas. Como eu almejava ver aquela criatura maravilhosa que um dia chamei de mãe. Mas ela há muito partira e não havia nada e nem ninguém que pudesse aplacar a dor que corroia meu coração...Meu grande amor tinha desaparecido para sempre da minha vida e eu estava completamente só e sem saber que rumo tomar...Demorei muito para conseguir levantar da cama naquele dia. Aquele dia começara exatamente igual como tantos outros haviam começado, eu sonhando e buscando incessantemente pela minha mãe...

Dez anos haviam se passado desde a morte trágica da pessoa que mais amei e ainda mais amo na minha vida e jamais consegui superar essa grande tragédia. Digo tragédia, pois a perda da minha mãe fora o evento foi grave e mais doido de toda a minha existência neste mundo. Ainda vejo o dia do seu funeral e um frio gelado ainda sobe pela minha espinha como subiu naquele dia absurdo. Chorei convulsivamente no dia em que minha mãe morreu, pois também eu morri junto dela. Uma grande parte da minha vida ficou enterrada naquele lugar enorme e recoberto de grama.  E ainda hoje me vejo perdida como fiquei naquela ocasião. Meus sonhos são sempre recorrentes, pois estou sempre correndo num campo verde e gritando ao vento por minha mãe, da mesma forma como fiz no dia do seu enterro. E ela continua sem me responder... "Mãe, onde está você, minha mãezinha, querida ?"

Sabia que aquele dia não seria fácil, pois sempre que esses sonhos aconteciam, mal conseguia me levantar, pois me sentia muito fraca para conseguir trabalhar e dar conta de todas as tarefas que me esperavam no dia. Mas, era preciso sair daquele quarto, retomar minha vida e seguir adiante, pois mamãe há muito se fora. Então decidi me arrumar e ir ao cemitério para vê-la. Assim, vestindo a minha melhor roupa, usando meu sapato mais bonito, fazendo a maquiagem mais linda, decidi homenagear minha mãe e fui para o cemitério. O carro demorou uma eternidade para chegar até aquele lugar estranho, repleto de muito verde e muitas árvores. Uma estranha paz invadiu meu coração pela primeira vez em muitos anos. Um intenso cheiro de flores veio até mim através de uma brisa suave. Ouvi alguém chamando o meu nome. Aquela voz murmurante me parecia familiar, embora eu não conseguisse distinguir de quem fosse...E a cada murmúrio, o som daquelas palavras parecia mais intenso...Seguindo aquela doce e terna voz feminina, cheguei até o túmulo de minha mãe. Fiquei estática diante dele e comecei a mirá-lo com uma grande serenidade em meu ser...A voz tornou-se mais intensa e pude ouvir... "Filha, estou aqui...não precisa mais me chamar...Estou aqui para te ouvir...Diga-me o que vai dentro do seu coração. Só preciso saber se você está bem. Se você está feliz, eu também estou feliz. Se você está triste, eu também estou triste, minha filha, querida e amada. Saiba que estou com você aonde quer que você vá. Não se desespere, pois a cada vez que você me chamou estive sempre ao seu lado. Não deixe sua vida passar, pois essa enorme tristeza está corroendo tudo à sua volta. Seja feliz e tudo será perfeito. Saiba que jamais te abandonei, minha querida. E meu amor por você é o mesmo desde o dia em que te tive pela primeira vez em meus braços. Você era tão pequenina, mas nosso amor já era tão grande. Sempre soube que teria que partir cedo e que isso te assustava imensamente. Mas, não chore mais. Sua mãe está no seu coração e junto da sua alma para sempre. O nosso amor ecoará por toda a eternidade. E sempre que você disser: mãe, ouça a voz do seu coração, que você saberá onde me encontrar." E assim aquela voz desapareceu...

Eu sentia-me meio atordoada e confusa, pois não sabia ao certo o que acontecera comigo e uma força estranha me levou de volta até meu carro. E assim fui para casa. Ao final daquele dia, estava cansada, mas com uma enorme sensação de alívio e paz que há muito não tinha em meu coração partido. Naquela noite, não tive mais aquele pesadelo. O sonho que veio era maravilhoso, de paz, alegria e muita luz. Estava novamente num enorme campo verde e chamava por minha mãe. Mas, diferentemente das outras vezes, dessa vez, ela veio correndo e me abraçou calorosa e demoradamente. Em seguida, ela me beijou, com um daqueles beijos bem estalados que lhe eram bem característicos, pegou em minhas mãos e  me disse: "Filha, vamos correr de mãos dadas até o horizonte, pois agora você não está mais só. Não sinta saudades, sinta-se feliz, pois sua mãe está com você..." Despertei daquele sonho lindo e senti-me inteiramente renovada, pois, agora sabia onde encontrar minha mãe e a paz que eu tanto almejava para minha alma e para meu coração...Daquele dia em diante minha mãe jamais me abandonou...E até hoje ela caminha lado a lado comigo.

Um dia, sei que estaremos juntas para nunca nos separarmos. E meus chamados jamais deixarão de ser respondidos..."Eu te amo minha mãezinha, querida, eu te amo..."... "Eu também te amo minha filha amada e querida, por toda a eternidade, eu te amo..."