O Amor Não É Só Sentimento É Também Ação

22/07/2008 • Por • 88,590 Acessos

 

MEDITE: As muitas águas não podem apagar este amor, nem os rios afogá-lo; ainda que alguém desse todos os bens de sua casa pelo amor, certamente o desprezariam. Cantares 8:7

 

Hoje acordei com o despertar do amor em meu coração. Isto tudo, por causa da mensagem que preguei ontem a noite. O amor de Deus me constrangeu. Além da gratidão sinto uma tremenda vontade de ficar mais perto de Deus, ouvir a Sua doce e suave voz, receber Seus conselhos e fazer a Sua vontade.

Quem se lembra daquelas figurinhas do “Amar é...” “Um casal peladinho definia o amor com uma frase romântica: "Amar é ... dividir tudo, mesmo um saquinho de pipoca ou percorrer a nave da igreja em direção ao altar". Os cenários, cabelos e roupas dos personagens mudavam de acordo com a frase.” Quando jovem usava muitas dessas figurinhas nas poesias e cartas escritas para minha amada Suely.

Ouvimos diariamente a palavra “amor”. Ao ouvir uma música, ler um livro, assistir um filme, o que mais evidência é o amor. E assim estamos caminhando, vulgarizando e esquecendo o sentido dessa palavra até chegarmos ao que Vinicius de Moraes afirmou: “o amor é eterno enquanto dura”. Contudo lendo o livro o Monge e o Executivo deparei-me com a premissa de que o amor também é intenção, não só sentimento. Amor não é só sentimento, assim como o perdão não é só sentimento. Isto porque todo sentimento depende do outro: “amar e ser amado”, “amar e ser correspondido”. Se o amor é só sentimento então ele é circunstancial ou seja dependem das circunstâncias externas e não é algo do meu ser, da minha vida. “Sentimentos são circunstanciais. Amar é uma decisão, é uma ação. Aquilo que decidimos fazer não exclui os sentimentos e emoções. A diferença é que no verdadeiro amor não agimos por sentimentos e emoções, mas, agimos de acordo com o que acreditamos ser nobre e passamos a experimentar sentimentos e emoções também nobres.” Martin Lloyd Jones disse “que antes do cristão fazer alguma coisa, ele é alguma coisa.”

A Bíblia afirma que “o amor é mais do que a fé, maior que a esperança é o eterno dom de Deus”. Podemos aprender isso com o próprio Jesus Cristo. Ele era Deus, mas também era humano. Teve sentimentos como todos nós. Chorou diante da morte do seu amigo Lázaro, apesar de saber que o ressuscitaria logo a seguir. Deus é amor. O amor de Deus por nós não se deve a nossa conquista, muito pelo contrário. Em Romanos 5. 8 o Apóstolo Paulo diz que “Deus demonstra o seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores”. Se o amor fosse um mero sentimento, como Cristo poderia dizer “ame o seu próximo” (Mateus 22.39). Então, decida amar. Decida também perdoar. Você verá que é possível com a ajuda do Espírito de Deus. E suas emoções e sentimentos serão outros.

Nossas ações, em vez de ser movida apenas pelos nossos sentimentos, deve ser movida por um amor profundo e verdadeiro pelos outros, incondicional e não circunstancial.

Pense nisto!

 

PENSE: "Amor é quando alguém te magoa, e você, mesmo muito magoado, não grita, porque sabe que isso fere seus sentimentos" - Mathew, 6 anos

 

ORE: Obrigado, meu Deus! Por este sentimento que me envolve em ações profundas de amor a Ti, a mim mesmo e ao meu próximo, meu semelhante. Obrigado por entender que deve amar não pelas circunstâncias mas incondicionalmente, assim como Tu nos amastes. Em nome de Jesus. Amém!

Com Carinho

Rev. Ashbell Simonton Rédua

Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil

Perfil do Autor

ASHBELL SIMONTON REDUA

Teólogo Presbiteriano, Graduado em Teologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, especializado em Capelania pela Seminário Teológico do Nordeste, revalidado Teologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Pos-graduando em Direito Ambiental pela Gama Filho e graduando em Direito pela Faculdade Morais Junior - Mackenzie Rio.