O Namoro Virtual

Publicado em: 15/09/2009 |Comentário: 6 | Acessos: 12,095 |

O NAMORO VIRTUAL

O meu começar a escrever, coincide com este pouco tempo que frequento este recanto e, neste publicar, comecei a interagir com recantistas, o que me trouxe a vivência do que é formar uma amizade virtual e o peso que esta troca pode fazer na vida de uma pessoa.

Desenvolvi, com algumas poetisas, uma relação de carinho, em função das afinidades emocionais expostas nos poemas, ou pelas vivências sentidas, ou por pontos de vistas comuns em diversos assuntos. É uma sensação muito gostosa e parece que pelos escritos ‘daquele dia’, 'daquela poetisa ou poeta', a gente até sente o que esta se passando com estes mais próximos, e posso dizer que teve dias, que senti apertos no peito, pelos sentimentos intuidos e através de metáforas, procurei dar algum alento.

Tem o dito ‘que somos responsáveis por quem cativamos’ e eu diria que, também, por quem somos cativados

Com esta pequena experiência, aqui no recanto, posso intuir o que as pessoas sentem ou desenvolvem, quando estão em algum relacionamento afetivo, via net, os chamados namoros virtuais.

Vejo que os sentimentos que sentimos são muito próximos daqueles que já sentimos em uma época de nossas vidas, os anos da adolescência, onde o amor ou a paquera surgia, primeiramente, pelo lado afetivo, pelo lado da afeição, meio platônico, sem explicação aparente, pois, quando víamos, estavamos sentindo algo que até então nem pensavamos. E como que de repente, estavamos apaixonados. No meu caso sempre pelas meninas erradas, enquanto outras viviam correndo atrás.

Já na idade adulta isto já é quase impossível de voltar a acontecer, da mesma forma, devido às barreiras que quase todos criam, pois todos já passaram por frustrações, sentimentos não correspondidos, sofrimentos outros, decepções, etc, sem falar das eventuais traições, que um ou outro possa ter passado, e que tantos traumas trazem, embora já se procure passar isto como uma coisa normal, hoje em dia, mas não é e nunca vai ser.

Uma traição nunca passará em branco, para quem ainda tem afeto no coração ao seu companheiro ou companheira.

Sinto quando recebo algumas palavras de carinho aqui no recanto, aquele sentimento afetivo, que vejo, de amizade sincera, e que só senti naquela época, e que são tão gostosos e que faziam e fazem tão bem para a alma.

Já o namoro virtual, há de haver reservas, pois pode ser criado uma anormalidade, que pode ser prejudicial, pois desperta um sentimento, que neste caso, pertence e é potencializado, só no mundo imaginário, e que por parecer mais 'perfeito', pode afastar a pessoa de envolvimentos reais, que são mais díficieis, mas fundamentais para o nosso desenvolvimento pessoal.

No relacionamento real há a empatia física, a empatia cultural, o nível social, que no mundo do namoro virtual, não tem tanta influência, assim como na adolescência, nos apaixonávamos simplesmente, sem muitas influências intelectivas ou sociais


Uma mulher pode nos elogiar no recanto, sem problemas, assim como vice versa, dizer palavras que nos emocionam, que tocam fundo no nosso coração, mas que nunca seriam ditas pessoalmente, pois poderia levar à distorções, que a auto preservação natural e cultural não permite, pois a presença física, a força do instinto de um corpo maduro, atuaria de forma estorvadora, e os sentimentos despertados seriam outros.

Diversos fatores impediriam estes elogios, como os que podemos receber, no recanto, naturalmente, de uma mulher, sem deixar para ela sentimentos de culpa, se for casada, pois aqui, são sentimentos de pura amizade  e que, pessoalmente, dificilmente ela se permitiria a dar estes elogios, por auto proteção.

É algo natural, totalmente enquadrado nas leis da natureza, implantadas pelo nosso Criador, desde o 'Faça-se a Luz', o também chamado de Big Luz, opa, Big Bang e que regem também a nossa vida, quer tenhamos conhecimentos delas ou não.

É a lei da física da ação e reação existente no mundo real, mas que não existe no mundo virtual.

Na relação virtual de namoro, esta lei não tem como atuar e  por isto a sensação de tudo ser perfeito, dando a impressão que é um amor mais meigo, mais sincero, mais amigo, pois naturalmente as pessoas mostram um lado afetivo, que possuem realmente, mas que pessoalmente, ou não teriam coragem de demonstrar, ou que simplesmente não viria à tona, mesmo que quisessem, pois somos diferentes nestes ‘mundos’ distintos.

Uma pessoa que é tímida na vida real; na vida virtual pode ser desembaraçada.
Uma pessoa declara naturalmente os seus sentimentos no mundo virtual e no real poderia ficar paralisada.
Uma pode se sentir incomodada com presenças físicas no mundo real, ficaria encabulada, o que já não acontece no virtual.

São as mesmas pessoas, só que estão atuando em mundos distintos, onde os sentimentos que brotam dentro de si são diferentes.

No mundo real vamos ver os seus modos de se vestirem, as suas reações em situações desfavoráveis ou favoráveis, a sua interatividade com as nossas pessoas conhecidas, a sua forma de se portar nos diversos ambientes, num restaurante, no campo, num cinema, num compromisso social, no contato físico.

Quando fazemos uma ligação telefônica para algum escritório e aquela voz maviosa nos atende, logo pensamos, quando solteiros: ‘Uau, que voz! Deve ser uma deusa.’

E acredito que na maior parte das vezes, a impressão sempre será desfavorável, quando lá chegamos.

Muitas vezes, também acontece o contrário, nós homens pensamos que seja um 'sargento do lado de lá’, ou as mulheres que seja ‘um troglodita’ e chegando lá não acreditamos no que vemos ou, elas no que vêem: ‘Que príncipe, pensava que era um sapo’.

Na minha época de juventude havia as interações de contatos, via fone, os tele namoros, se não me engano era este o nome, onde se começava conversando em grupo e depois pela afinidade, passávamos a conversar direto, individualmente, com alguém em especial. Lembro, uma vez, que cheguei a ter um encontro e foi o suficiente para nunca mais me meter neste campo. É muito constrangedor ter que disfarçar a decepção e não ter que sair correndo. Para elas também, é claro.

Quando me separei e fui morar num hotel, estava na maior depressão, ah, e cabe ressaltar, sai do relacionamento, em que estava há dez anos, não porque já tinha alguém, mas simplesmente porque não estava mais feliz e algumas amigas ficaram querendo me arranjar companhias.

No inicio, numa separação assim, você fica meio sem saber aonde ir, já não está mais acostumado, não tem amigos solteiros, não conhece mais os lugares aonde ir, fica meio que perdido.
Minha sorte, no ínicio, é que tinha uma amiga, que tinha mais quatro amigas, que estavam na mesma situação que eu, 'meio sem pai nem mãe', e saiamos, de vez em quando, para jantar e bater papo. E um dia esta minha amiga, ficou me falando de uma amiga dela que era muito legal e tal, e me deu o telefone dela.
Eu tudo bem, liguei. Mas que voz maviosa, realmente ela era muito bacana de se conversar no telefone. Marcamos um jantar e fui buscá-la em sua casa e posso lhes dizer, foi muito constrangedor.

Resolvi achar meus caminhos por mim mesmo e por isto posso dizer que, por pior que seja a realidade, não podemos fugir dela, temos que a encara-la, pois é nela que está a verdadeira vida e onde aprenderemos aquilo que realmente precisamos aprender, quer seja bom ou não, para o nosso desenvolvimento, tanto social, como espiritual.

Como meio de fazermos amizades o mundo virtual é bom, mas para envolvimentos emocionais, há que haver reservas.

‘E não importa o preço que tenhamos que pagar, neste caso, temos que cair na real’.

Se não fizermos isto vamos passar a vida, como dizíamos dos nossos avós, na frente de uma televisão.

Só que no caso atual, na frente de um monitor, é pior, pois não temos ninguém para nos trazer um cafezinho.

‘A felicidade provém do íntimo, daquilo que o Ser humano sente dentro de si mesmo’
Roselis V Sass (graal.org.br)

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/relacoes-amorosas-artigos/o-namoro-virtual-1232228.html

    Palavras-chave do artigo:

    relacionamentos

    ,

    afetividade

    ,

    amizade

    Comentar sobre o artigo

    Nathália Alves de Oliveira

    O texto discute conceitos fundamentais para a aplicação da afetividade na escola entre professor-aluno e toda a equipe escolar. Demonstra a compreensão da dimensão afetiva e sua relevância no desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem. A primeira parte analisa o processo ensino-aprendizagem como unidade, na qual a relação interpessoal professor-aluno é fator determinante. A segunda identifica o papel do professor na relação de troca com seus alunos de forma que valorize a afetividade ...''

    Por: Nathália Alves de Oliveiral Educação> Educação Infantill 08/02/2012 lAcessos: 3,050
    Berenice Neves Grisoste

    Este artigo relata a relação afetiva entre aluno/professor que é de extrema importância para o desenvolvimento da aprendizagem saudável entre os educandos, e adaptação dos mesmos ao meio físico e social. O desenvolvimento do aluno tem um valor imprescindível para o processo de construção de conhecimentos e da realidade em que ele vive. Percebe-se que o afeto é um grande laço que liga o professor e aluno, é um conjunto onde estão relacionados á autoestima, amor, sentimentos e valores, são essas r

    Por: Berenice Neves Grisostel Educação> Educação Infantill 24/11/2013 lAcessos: 140
    Prof. Angela Melo

    Como nós Administradores podemos contribuir para o resgate do bom Relacionamento Interpessoal?

    Por: Prof. Angela Melol Negócios> Gestãol 28/09/2010 lAcessos: 403 lComentário: 1
    Hilton Andrade dos Santos

    A presente obra é uma síntese de tudo que foi aprendido em sala de aula, na disciplina Família e Aprendizagem, onde o trabalho acadêmico foi apenas um meio de desenvolver e aplicar tudo o que foi ensinado pela professora Michele Pereira, UNIABEU, que serviu de mediadora no processo ensino e aluno, por conseguinte ressonou em conceitos imprescindíveis na formação destes discentes em formação técnico e profissional, na área de psicopedagogia. O caso apresentado é real e os nomes foram alterados.

    Por: Hilton Andrade dos Santosl Educação> Ensino Superiorl 02/04/2011 lAcessos: 5,737
    Antonia Matos

    Este trabalho tem finalidade de fazer uma breve reflexão sobre o papel da escola e da família no processo ensino-aprendizagem, a importância do trabalho conjunto dessas duas instituições tendo objetivos, estratégias e planos de ação conjuntos objetivando o sucesso acadêmico de seus filhos/alunos. Também será analisado o papel do psicopedagogo neste processo.

    Por: Antonia Matosl Educação> Ensino Superiorl 15/10/2012 lAcessos: 1,313

    INTRODUÇÃO. 1. Adoção. 1.1. Considerações históricas sobre o instituto da adoção. 1.2. Conceito e características do instituto. 1.3. Tratamento dado ao instituto da adoção pelas leis brasileiras. 1.4. Requisitos, espécies e características da adoção. 1.5. Princípios. 2. Afetividade. 3. Analisando a decisão judicial. Conclusão. Este artigo tem por fim discutir os fundamentos que alicerçam decisão judicial inovadora que, com base no melhor interesse da criança, julgou procedente a adoção unilatera

    Por: SILHIA VASCONCELOSl Direito> Doutrinal 22/02/2014 lAcessos: 145

    Em muitas pesquisas realizadas, a maioria dos seus participantes revela que a intimidade com outros seres humanos é, isoladamente, o aspecto mais gratificante da vida. E qual é o prognóstico do mecanismo de casamento que a despeito dos seus inúmeros modelos, percursos e de, por vezes, estar desacreditado, freqüentemente esteve relacionado ao amor, ao menos para a sociedade ocidental? Será que o amor e os estados a ele relacionados, como a paixão, por exemplo, sempre foram tão valorizados?

    Por: Thiago de Almeidal Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 10/06/2008 lAcessos: 28,971 lComentário: 1

    Este artigo discute e analisa a importância da afetividade para a aquisição da leitura e da escrita e o papel fundamental da paternidade como sendo mais um dos elementos motivadores da procura pelos cursos de EJA.

    Por: Joilson Aleixo da Silval Educaçãol 14/01/2009 lAcessos: 6,643 lComentário: 1

    O presente artigo estuda as relações intrapessoais, interpessoais e o efeito da conexão emocional entre pessoas que criam produtos ou serviços e pessoas que os consomem. Essa relação decorre da interação humana e da conotação emocional que é transmitida em todos os relacionamentos, indiferentemente nos comerciais. O embasamento teórico consultado aponta esse foco emocional como condutor de oportunidades, tanto para quem vende como para quem compra. Isso constitui um importante diferencial.

    Por: Thaís Cordeiro Gomesl Marketing e Publicidadel 06/10/2008 lAcessos: 1,552 lComentário: 4
    Ella

    Quem nunca ouviu ou nunca disse uma frase clichê na vida? Parei para pensar nelas e se realmente fazem sentido, e por que dizemos se nem acreditamos nelas por completo?

    Por: Ellal Relacionamentos> Relações Amorosasl 15/12/2014
    Ella

    Nunca assista filmes, aqueles do tipo super dramáticos, com reviravoltas surpreendentes, amores impossíveis e grandes superações, quando você estiver com o coração partido, questões inacabadas ou problemas para se arriscar. Claro que é importante sempre resolver as questões inacabadas, levar o tempo que for e fazer o necessário para juntar os pedaços de um coração partido e fazer a escolha certa, mas é preciso ter consciência, sobriedade e enxergar a realidade antes de qualquer ação.

    Por: Ellal Relacionamentos> Relações Amorosasl 13/12/2014
    Ella

    Por que as histórias sempre começam assim, o antes não conta, a vida só começa a partir do era uma vez? Pode ser o desejo de mudança, uma cidade, um coração partido ou um novo desafio, mas sempre que buscamos mudar o rumo ou esperar que algo grandioso aconteça começamos com era uma vez? E o que houve antes, nossa bagagem, nossos erros, frustrações, o que quebrou o nosso coração não conta?

    Por: Ellal Relacionamentos> Relações Amorosasl 13/12/2014

    Você sabe diferenciar o amor da paixão? Pois saiba que, apesar das semelhanças, os sinais de que alguém está apaixonado são bem diferentes de quem está amando. O amor, normalmente, está relacionado a um sentimento bonito, estável e sereno, enquanto a paixão é tida como arrebatadora, turbulenta e, muitas vezes, sofrida.

    Por: Flávia Ghiurghil Relacionamentos> Relações Amorosasl 19/11/2014

    Minha Historia de amor que deu em Decepcção, observe até que ponto um amor chega até chegar na Decepcão

    Por: Matheus Oliveiral Relacionamentos> Relações Amorosasl 22/10/2014 lAcessos: 11
    Divórcio Aqui

    Para solteiros divorciados, voltar a relacionar-se nem sempre é a tarefa mais simples. Porém, a maneira com a qual homens e mulheres têm se comportado em relação a um novo casamento após o divórcio vem mudando rapidamente. Aqui vão 10 fatos sobre novos relacionamentos para que os solteiros divorciados possam ter uma segunda chance e seus novos relacionamentos durem mais – e também, algumas dicas para que os casais que ainda estão juntos, possam fortalecer a relação

    Por: Divórcio Aquil Relacionamentos> Relações Amorosasl 22/10/2014 lAcessos: 20
    Edison Candido Gonçalves

    A autoconfiança é o segredo para conquistar lindas mulheres. Se você é tímido e este defeito tem atrapalhado sua vida saiba aqui como se livrar desse mal e se transformar num homem mais seguro e confiante com as mulheres. Você mais que ninguém sabe que as mulheres admiram e gostam de ficar junto de homens confiantes e com atitude por isso, não perca mais tempo.

    Por: Edison Candido Gonçalvesl Relacionamentos> Relações Amorosasl 29/09/2014 lAcessos: 34
    Edison Candido Gonçalves

    Ama melhor quem ama a si mesmo e se respeita. As mulheres merecem serem amadas verdadeiramente. Serem reconhecidas com seres sensíveis e não, simples objetos. Ame para ser amado. Respeite para ser respeitado. Simples assim.

    Por: Edison Candido Gonçalvesl Relacionamentos> Relações Amorosasl 06/09/2014 lAcessos: 27
    HAMILTON SERPA

    Na década de setenta houve uma explosão de seitas de todos os vieses que se espalharam pelo mundo. Muitas dessas alguns anos depois já tinham sumido ou perdido a sua áurea de novidade e caíram no esquecimento. Mas o que aqui queremos falar não é da filosofia destas seitas, mas lembrar que naquela época algumas delas tinham como linha doutrinária estocar provisões em face de um próximo "fim do mundo" ou para o caso de uma guerra nuclear.

    Por: HAMILTON SERPAl Literatura> Crônicasl 24/03/2014 lAcessos: 11
    HAMILTON SERPA

    Andava, andava muito, pois se parasse as pessoas o veriam e poderiam querer conversar com ele e ele já a muito não estava preparado para isso, ou melhor não sabia nem mais como fazer isto, não sabia mais como conversar com alguém de tanto pânico que tinha na alma.

    Por: HAMILTON SERPAl Literatura> Ficçãol 03/12/2012 lAcessos: 25
    HAMILTON SERPA

    Eu estava no colégio em 1974, quando alguém apareceu com o disco "Para não dizer que não falei de flores", por baixo da camisa, mostrando para nós o disco proibido e que daria camburão e porão na hora, por trazer uma mensagem de insurgência e bastante subversiva. Eu tinha dezesseis anos e os meus interesses eram do autoconhecimento, que era outra vertente de via cultural daqueles anos, mais especificamente da contra cultura.

    Por: HAMILTON SERPAl Literatura> Crônicasl 25/11/2012 lAcessos: 15
    HAMILTON SERPA

    Eu sempre morei em apartamento e o contato direto com a natureza faz apenas uns cinco anos que tenho, mas já dá para ver que existe uma grande diferença em estar em seu apartamento defendendo a natureza e fazer isto convivendo com ela.

    Por: HAMILTON SERPAl Literatura> Crônicasl 19/11/2012 lAcessos: 21
    HAMILTON SERPA

    Mas lembro-me do questionamento feito a um professor de astronomia, lá no curso de Filosofia a 40 anos, para ele nos explicar como é que o homem calculava a vida que o nosso Sol, que na época, segundo ele, ainda teria trilhões de anos.

    Por: HAMILTON SERPAl Literatura> Crônicasl 17/11/2012 lAcessos: 30
    HAMILTON SERPA

    "Como podemos ser tão arrogantes? O planeta é, foi e será sempre mais forte que nós. Não podemos destruí-lo; se ultrapassarmos determinada fronteira, ele se encarregará de nos eliminar por completo da sua superfície, e continuará existindo. Por que não começam a falar em "não deixar que o planeta nos destrua?"

    Por: HAMILTON SERPAl Literatura> Crônicasl 15/11/2012 lAcessos: 21
    HAMILTON SERPA

    Pela 240ª semana (um recorde) O ALQUIMISTA de Paulo Coelho se encontra na lista dos livros de ficção mais vendidos do Jornal americano The New York times. São simplesmente cinco anos. A "intelligêntsia" brasileira sempre gostou muito de meter o pau no Paulo Coelho e acredito que nem a metade destes leu alguma coisa dele, eu também não li, mas não preciso ter lido para reconhecer que se tem tantas pessoas o lendo no mundo todo algum valor ele deve ter.

    Por: HAMILTON SERPAl Literatura> Crônicasl 08/11/2012 lAcessos: 36
    HAMILTON SERPA

    Mas quantos de nós não passamos pela vida procurando algo que não existe mais, pensando que perdemos o grande amor da nossa vida, quando na verdade não seria assim. É como quando voltamos a algum lugar onde fomos muito felizes e quando chegamos lá vemos que o lugar já não tem nada a ver.

    Por: HAMILTON SERPAl Literatura> Crônicasl 06/11/2012 lAcessos: 34

    Comments on this article

    1
    Jozé 19/08/2011
    o amor esta onde se encontra ele
    0
    josé paulo lisboa 21/07/2011
    eu te amoooooo isadora eu quero namorar com vc eu estou apaixonado em vc te amooo!!!!
    0
    sandra 21/05/2011
    EU QUERIA SABER PORQUE A PESSOA PEDE PRA GENTE SE NAMORADA VIRTUAL ISSO E CERTO.
    -5
    sandoval 15/06/2010
    sao um bamdo de jumento q nao tem o q fazer a n ser ficar horas e horas nessa bosta de net atras desses macacos e macacas seus idiotas nao sabem q o ser humano so ama aquilo q conhece q nao existe amor sem conhecimento seus cavalos
    2
    ana carla 12/03/2010
    procuro um namorado que seja de roraima
    -2
    joel barcelos 25/12/2009
    quero um h muito especial
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast