A Bíblia Não Diz Que O Cristão É Obrigado A "Pagar" O Dízimo

Publicado em: 22/03/2009 |Comentário: 11 | Acessos: 10,056 |

A BÍBLIA NÃO DIZ QUE O CRISTÃO É OBRIGADO A "PAGAR" O DÍZIMO

Será que o dízimo é neotestamentário? O dízimo obrigatório condiz com os cristãos que estão hoje na GRAÇA de Deus, livres do jugo da Lei?

A resposta inicial é a seguinte: Nenhum texto do Novo Testamento contém algum mandamento que nos ordena a pagar dízimos nas igrejas. As falsas interpretações de textos destinados aos que viviam ou vivem sob a Lei é altamente interessante para aqueles que têm interesse nos dízimos: os líderes eclesiásticos que enfatizam este aspecto para enriquecerem às custas desta falsa doutrina.

Temos que nos conscientizar que estamos vivendo hoje debaixo da Graça. Aqueles que intimidam os crentes para darem o dizimo obrigatório usam a sobejo Malaquias 3:8-11: "Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas alçadas. Vós sois amaldiçoados com a maldição; porque a mim me roubais, sim, vós, esta nação toda. Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós tal bênção, que dela vos advenha a maior abastança. Também por amor de vós reprovarei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; nem a vossa vide no campo lançará o seu fruto antes do tempo, diz o Senhor dos exércitos".

Este texto é terrível. Mete medo realmente. Chama os não dizimistas de ladrões, promete maldições, fala do devorador e manda o povo fazer prova de Deus. Esta linguagem é flagrantemente do Velho Testamento e da Lei. É a mesma linguagem do apedrejamento dos adúlteros e dos rebeldes.

No Novo Testamento a linguagem muda completamente e os adúlteros e rebeldes arrependidos em lugar de serem apedrejados são perdoados e passam a viver em novidade de vida.

Os que utilizam o argumento do dízimo obrigatório de Malaquias 3 parece que jamais leram o Novo Testamento que nos mostra claramente que o devorador foi vencido em nossa vida, independente de dízimos. Veja o que nos mostra o Novo Testamento:

1) Já estamos abençoados - Efésios 1:3 - "Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestes em Cristo".

2) O devorador já foi derrotado - Hebreus 2:14 - "Portanto, visto como os filhos são participantes comuns de carne e sangue, também ele semelhantemente participou das mesmas coisas, para que pela morte derrotasse aquele que tinha o poder da morte, isto é, o diabo".

3) O devorador (o maligno) não pode nos tocar, em nosso bens, nem em nossa casa - Isto é doutrina falsa neopentecostal. Os pentecostais verdadeiros não ensinam esta doutrina. Vemos a evidência desta verdade em I João 5:18: "Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive pecando; antes o guarda aquele que nasceu de Deus, e o Maligno não lhe toca".

4) Já não há condenação - Romanos 8:1 - "Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus".

5) Já não há acusação - Romanos 8:33 - "Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus"?

6) Já não há mais maldição - Gálatas 3:13 - "Cristo nos resgatou da maldição da Lei".

7) Já não há mais dívida - Colossenses 2:14 - "...e havendo riscado o escrito de dívida".

8) Já não há juízo - João 5:24 - "Quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e não entra em juízo".

9) Já não há sacrifício, porque o verdadeiro sacrifício já foi realizado - Hebreus 10:14 - "Porque com um único sacrifício nos aperfeiçoou para sempre".

10) Temos um fiador para com qualquer dívida ainda existente - Hebreus 7:22 - "De tanto melhor pacto Jesus foi feito fiador".

11) Temos um mediador - Hebreus 9:15 - "E por isso é mediador de um novo pacto".

12) E se qualquer dúvida ainda existir, temos um advogado - I João 2:1 - "Temos um advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo".

13) Não precisamos mais fazer prova de Deus - I Coríntios 10:9 - E não ponhamos o Senhor à prova como alguns deles o fizeram e pereceram pelas mordeduras das serpentes.

Um dos textos mais usados pelos interessados em dízimos é Mateus 23:23: "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e tendes omitido o que há de mais importante na lei, a saber, a justiça, a misericórdia e a fé; estas coisas, porém, devíeis fazer, sem omitir aquelas".

Ao utilizarem este texto os cultores dos dízimos estão colocando em pé de igualdade os eleitos de Deus, nascidos de novo, lavados e remidos pelo sangue de Cristo, com os escribas e fariseus hipócritas! Não é uma aberração?

Quando Jesus disse que eles deveriam fazer estas coisas, estava simplesmente enfatizando o seguinte: vocês, escribas e fariseus hipócritas, que vos gloriais na Lei, cumpram a Lei de vocês, mas não se esqueçam que para Deus o mais importante não é isto, mas é a justiça, a misericórdia e a fé.

Este texto de modo algum pressupõe que os crentes tem que cumprir os mesmos ditames da Lei que os escribas e fariseus ainda estavam cumprindo e ainda cumprem até os dias de hoje. Outro texto muito usado é Hebreus 7:1-8 - "Porque este Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que saiu ao encontro de Abraão quando este regressava da matança dos reis, e o abençoou, a quem também Abraão separou o dízimo de tudo (sendo primeiramente, por interpretação do seu nome, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz; sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas feito semelhante ao Filho de Deus), permanece sacerdote para sempre. Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu o dízimo dentre os melhores despojos. E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar os dízimos do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que estes também tenham saído dos lombos de Abraão; mas aquele cuja genealogia não é contada entre eles, tomou dízimos de Abraão, e abençoou ao que tinha as promessas. Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior. E aqui certamente recebem dízimos homens que morrem; ali, porém, os recebe aquele de quem se testifica que vive".

Este texto mostra claramente que Abraão, antes da Lei deu dízimos para Jesus. O argumento é que nós, sendo filhos de Abraão, que é o pai da fé e que deu dízimos antes da Lei ser instituída, também devemos dar dízimos a Jesus, como Abraão o fez.

Abraão também teve mais de uma mulher ao mesmo tempo e mentiu. O cristão jamais pensaria em fazer tais coisas. Naquele tempo os dízimos eram dados pela população aos soberanos. Ele deu dízimos mostrando sua condição de vassalo diante do Soberano Supremo.

Se o dízimo fosse uma instituição cristã, haveria referências a ele em todo o Novo Testamento.

Mas, como é a verdadeira maneira de um cristão contribuir?

Antes de qualquer coisa, segundo o que o Novo Testamento classifica como a verdadeira religião, eis o principal destino das contribuições de um cristão: Tiago 1:27 - "A religião pura e imaculada diante de nosso Deus e Pai é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas aflições e guardar-se isento da corrupção do mundo".

Depois, ajudando não a presidentes de igrejas para suas viagens nacionais e internacionais e suas hospedagens luxuosas, mas ajudando aqueles que vivem ensinando a Palavra, conforme I Timóteo 5:17: "Os anciãos que governam bem sejam tidos por dignos de duplicada honra (ou remuneração), especialmente os que labutam na pregação e no ensino" e Gálatas 6:6: "E o que está sendo instruído na palavra, faça participante em todas as boas coisas aquele que o instrui". Outra tradução diz: "reparta de todos os seus bens com aquele que o instrui".

Resumindo, quais as principais finalidades das contribuições dos cristãos? Ajudar aos órfãos e viúvas e aos que ensinam a Bíblia com propriedade.

Como foi que o apóstolo Paulo mandou contribuir: "Ora, quanto à coleta para os santos fazei vós também o mesmo que ordenei às igrejas da Galiléia. No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte o que puder (não 10%), conforme tiver prosperado, guardando-o, para que se não façam coletas quando eu chegar. E, quando tiver chegado, mandarei os que por carta aprovardes para levar a vossa dádiva a Jerusalém". - I Coríntios 16:1-3.

Veja que não ficaria na igreja local para pagamento de algum chefe, mas seria para os cristãos necessitados. O problema hoje é que se necessita de muito dinheiro para fazer templos luxuosos, o que não é bíblico. Mostraremos isto em outro artigo que fala sobre os templos.

"Porque pareceu bem à Macedônia e à Acaia levantar uma oferta fraternal para os pobres dentre os santos que estão em Jerusalém. Isto pois lhes pareceu bem, como devedores que são para com eles. Porque, se os gentios foram participantes das bênçãos espirituais dos judeus, devem também servir a estes com as materiais". - Romanos 15:26,27.

Mostrarei, a seguir, vários textos que falam sobre a verdadeira índole de um diácono ou de um presbítero, ou bispo (pastor) do Novo Testamento.

I Timóteo 6:10,11:"Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão".

I Timóteo 3: 8: "Da mesma forma os diáconos sejam sérios, não de língua dobre, não dados a muito vinho, não cobiçosos de torpe ganância".

Tito 1:7-11: "Pois é necessário que o bispo seja irrepreensível, como despenseiro de Deus, não soberbo, nem irascível, nem dado ao vinho, nem espancador, nem cobiçoso de torpe ganância; mas hospitaleiro, amigo do bem, sóbrio, justo, piedoso, temperante; retendo firme a palavra fiel, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para exortar na sã doutrina como para convencer os contradizentes. Porque há muitos insubordinados, faladores vãos, e enganadores, especialmente os da circuncisão, aos quais é preciso tapar a boca; porque transtornam casas inteiras ensinando o que não convém, por torpe ganância".

Veja que os principais insubordinados que viviam a ensinar coisas erradas por torpe ganância (ou para ganhar dinheiro), era os da circuncisão, ou seja os judeus que tinham se "convertido", mas ainda estavam com toda aquela idéia de dízimo para os levitas.

Sejamos muito claros. Vou escrever com letras bem grandes para que você entenda que não somos judaizantes: NÃO EXISTEM LEVITAS NO NOVO TESTAMENTO! Esta dispensação já passou. Estamos na Graça.

Veja o que diz Hebreus 13:5: "Seja a vossa vida isenta de ganância, contentando-vos com o que tendes; porque ele mesmo disse: Não te deixarei, nem te desampararei".

Veja o que diz I Pedro 5:1-3: "Aos anciãos (ou presbíteros, ou pastores), pois, que há entre vós, rogo eu, que sou ancião com eles e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e participante da glória que se há de revelar: Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, não por força, mas espontaneamente segundo a vontade de Deus; nem por torpe ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores sobre os que vos foram confiados, mas servindo de exemplo ao rebanho".

Quando um pastor presidente de uma grande igreja viaja para a Europa e Israel, com o pretexto de visitar os lugares onde Jesus pregou, junto com 18 pessoas de sua família, com tudo pago com dízimos e ofertas de viúvas e lavadeiras, além, é claro, dos dízimos dos magnatas da sua igreja que gostam de contribuir para serem vistos, iguais aqueles fariseus que Jesus mostrou no templo, por acaso ele não está enquadrado no que diz Isaías 10:2: "para privarem da justiça os necessitados, e arrebatarem o direito aos aflitos do meu povo; para despojarem as viúvas e roubarem os órfãos"! e no que diz Mateus 32:14: "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque devorais as casas das viúvas e sob pretexto fazeis longas orações; por isso recebereis maior condenação".

Quer ver um texto em que os dízimos são mais castigos do que bênçãos? Leia I Samuel 8:11-17: "E disse: Este será o modo de agir do rei que houver de reinar sobre vós: tomará os vossos filhos, e os porá sobre os seus carros, e para serem seus cavaleiros, e para correrem adiante dos seus carros; e os porá por chefes de mil e chefes de cinqüenta, para lavrarem os seus campos, fazerem as suas colheitas e fabricarem as suas armas de guerra e os petrechos de seus carros. Tomará as vossas filhas para perfumistas, cozinheiras e padeiras. Tomará o melhor das vossas terras, das vossas vinhas e dos vossos olivais, e o dará aos seus servos. Tomará e dízimo das vossas sementes e das vossas vinhas, para dar aos seus oficiais e aos seus servos. Também os vossos servos e as vossas servas, e os vossos melhores mancebos, e os vossos jumentos tomará, e os empregará no seu trabalho. Tomará o dízimo do vosso rebanho; e vós lhe servireis de escravos".

Assim agiam os reis daquele tempo e assim agem os dominadores dos rebanhos hoje.

Não escrevi tudo isto porque não gosto de contribuir, nem porque tenho algo contra algum guardião de templos. Escrevi, porque creio que é a verdade. Escrevi porque vejo muita distorção nos sistemas de contribuições que existem hoje. Escrevi porque vejo pessoas ganhando salário mínimo e dando 10% desse minguado salário porque estão "fazendo prova de Deus".

Não precisamos mais fazer prova de Deus. Ele já nos abençoou com toda sorte de bênçãos, já destruiu o devorador, já pagou nossa dívida, já nos libertou da opressão da Lei. Somos livres para contribuir com aquilo que o Senhor colocar em nossa coração e conforme a nossa prosperidade, principalmente para ajudar aos necessitados e para ajudar aqueles que vivem ensinando a Palavra, não para aqueles que vivem utilizando o dinheiro dos fiéis para seu luxo.

O dízimo só surgiu entre os cristãos no século VI d.C. No Ocidente, a partir da Idade Média, o direito eclesiástico ocupou-se fartamente dos dízimos, tema de vários concílios regionais ou ecumênicos da Igreja Católica Romana. Entre os cristãos ortodoxos, no entanto, a prática não prosperou.

Entre os judeus, o costume de pagar dízimos se manteve, apesar das invasões estrangeiras. Depois de esmagada a última revolta contra o domínio romano, a Palestina foi esvaziada de sua população e o judaísmo se espalhou pelo mundo. Posteriormente, o dízimo passou a ser cobrado em dinheiro e perdeu o caráter de contribuição decimal. Foi substituído por um conjunto de doações, em princípio voluntárias, com fins de culto, previdência social e beneficência.

Nos primórdios do cristianismo não havia dízimo, mas doações voluntárias com fins caritativos denominadas oblações. No século VI, com o desmoronamento do sistema de cobrança de impostos do Império Romano do Ocidente, a igreja católica transformou as oblações em dízimos. Eles, entretanto, passaram a ser utilizados também pelos senhores feudais e nobres, que atuavam muitas vezes como intermediários na cobrança.

A redução de arrecadação foi compensada pela igreja católica com os chamados direitos de pé-de-altar, taxas cobradas por batismos, casamentos, serviços fúnebres e comunhão pascal. Tais práticas promoveram a secularização dos dízimos, que foram desviados de sua finalidade original. A igreja concedeu a alguns soberanos o direito de cobrança de parte dos dízimos, a partir do século XII. No século XVIII, com a revolução francesa, esse imposto foi progressivamente abolido.

Nos países europeus onde ocorrera a Reforma protestante, o dízimo continuou a ser cobrado pelas novas igrejas oficiais. Em certos países, católicos ou protestantes, era cobrado também dos dissidentes. Com a abolição do dízimo na França e a partir daí, progressivamente, nos demais países europeus, o Estado achou outras formas de compensação às igrejas.

No Brasil colonial, os dízimos pertenciam à Ordem de Cristo, a quem a Santa Sé os concedera implicitamente, ao conferir-lhe jurisdição sobre as terras conquistadas e a conquistar nas regiões ultramarinas, de acordo com bulas papais do século XV. Inicialmente, o dinheiro arrecadado mal cobria os gastos do clero, mas, com o impulso do açúcar no século XVI, o dízimo tornou-se uma das maiores fontes de arrecadação da colônia. Também aqui o dízimo era secularizado e a coroa portuguesa repassava para a igreja apenas uma parte dos bens recolhidos. O dízimo eclesiástico não se confunde com a dízima, imposto civil também de um em dez, cobrado no Brasil imperial.

Os dízimos continuaram a ser cobrados durante o primeiro reinado, mas, no decorrer do século XIX, foram sendo progressivamente substituídos por impostos civis. Em 1890, com a separação da igreja e do estado, extinguiram-se em definitivo no Brasil. Os direitos de pé-de-altar permaneceram e as oblações tornaram-se generalizadas. Posteriormente, a Igreja Católica procurou substituir as coletas por doações mensais voluntárias, sem caráter decimal.

Entre os evangélicos, contudo, essa prática continua até os dias de hoje.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/religiao-artigos/a-biblia-nao-diz-que-o-cristao-e-obrigado-a-pagar-o-dizimo-828720.html

    Palavras-chave do artigo:

    dizimo

    ,

    ofertas

    ,

    doutrina

    Comentar sobre o artigo

    Claudinei

    O dízimo NUNCA FOI dado em dinheiro, embora havia dinheiro na época...

    Por: Claudineil Religião & Esoterismo> Evangelhol 14/12/2010 lAcessos: 1,255 lComentário: 1
    JUNIOR OMNI

    ...Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes... MALAQUIAS 3:8-12 www.eternas-poesias.blogspot.com

    Por: JUNIOR OMNIl Finanças> Finanças Pessoaisl 25/05/2010 lAcessos: 900 lComentário: 1

    Outro dia fizeram-me a pergunta sobre o que eu pensava sobre o dízimo, justamente aquele montante de dez por cento dos salários e das rendas dos fiéis que são entregues sistematicamente às igrejas.

    Por: Jorge André Irion Jobiml Religião & Esoterismol 05/11/2009 lAcessos: 1,379 lComentário: 3
    JUNIOR OMNI

    - 90% dos ricos SONEGAM IMPOSTOS e roubam o governo. Por isso conseguem ajuntar riquezas ilícitas - 90% dos ricos ESCRAVIZAM OS SEUS EMPREGADOS. Pagando a eles um salário de miséria. Sendo assim, os empregados jamais terão riquezas como os seus patrões. ENTÃO, OS EMPREGADOS SÓ SERÃO RICOS, SE ROUBAREM COMO ELES - 90% dos ricos SÃO AVARENTOS, GANANCIOSOS E AMA MAIS O DINHEIRO DO QUE A DEUS - 90% dos ricos JÁ PENSARAM OU PENSAM EM SUICÍDIO

    Por: JUNIOR OMNIl Finanças> Finanças Pessoaisl 23/03/2013 lAcessos: 33

    JESUS DISSE QUE A CASA DE DEUS E PARA O ENCONTRO DAS PESSOAS COM DEUS , ATRAVES DA ORACAO , MAS ALGUNS A TEM TRANSFORMADO EM PALCO DE CIRCO , PALCO DE SHOWS, TRAMPOLIM PARA A RIQUEZA , E MUITO MAIS .

    Por: Julio Nerisl Religião & Esoterismo> Evangelhol 19/01/2013 lAcessos: 33
    JUNIOR OMNI

    Muitas pessoas desejam ser felizes nesta vida. E assim, tentam de tudo para alcançarem à felicidade. Neste mundo materialista em que vivemos, muita gente busca a "auto-satisfação financeira". Pensando que, após encherem os seus bolsos de dinheiro, estarão vivendo num paraíso.

    Por: JUNIOR OMNIl Educação> Educação Onlinel 24/04/2011 lAcessos: 338
    Prof. JV de Miranda Leão Neto

    Nos capítulos 5 e 7 da Carta aos Hebreus, o autor sagrado destila uma sabedoria gloriosa, pontuando coisas que não deveriam jamais ser negligenciadas, sobretudo pela comunidade cristã.

    Por: Prof. JV de Miranda Leão Netol Religião & Esoterismo> Evangelhol 18/01/2012 lAcessos: 130

    Considerações gerais acerca da viagem de férias do papa no castelo de férias do Vaticano

    Por: Julio César Cardosol Religião & Esoterismol 17/07/2012 lAcessos: 32
    Augusto César Campos Mendes

    Pergunta difícil de ser respondida, se partirmos do principio da acomodação ou da omissão conivente. Ao analisar o momento por que passa a igreja, vemos com tristeza as inúmeras faces de um evangelho deturpado e totalmente desfigurado, sem contemplar o objetivo a que se propunha, quando o Senhor Jesus comissionou seus discípulos e estes aos seguidores do cristianismo.

    Por: Augusto César Campos Mendesl Religião & Esoterismo> Religiãol 24/10/2010 lAcessos: 177 lComentário: 1

    O entendimento que a Letra Viva permite é algo inifável. Não pode ser descrito em palavras, entretanto é preciso aprender a retirar o véu dos textos. É preciso se libertar do culto às fábulas, da adoração às fantasias e sonhos. O artigo, apesar de curto, nos permite reflexão sobre a questão.

    Por: Alf Arianl Religião & Esoterismo> Religiãol 15/10/2014

    O texto convida a uma reflexão livre de influências doutrinárias a respeito do tema. Estudos mais aprofundados sobre os textos conduzirão o pesquisador a entender que sexo é uma condição apenas animal, ou em outras palavras apenas da condição da matéria animal que precisa dela para procriar, o que não acontece no plano divino.

    Por: Alf Arianl Religião & Esoterismo> Religiãol 08/10/2014

    Podemos afirmar que, muitas vezes, a verdade é mais interessante que a ficção. O Ciclo Cósmico pela qual a humanidade vem passando, ou pelo desenvolvimento intelectual do hominal, leva a um interesse maior pela vida do Grande Mestre, ou Grande Redentor, Jesus do que em qualquer outro período desde o início de cristianismo. Nunca na história humana, Cristo foi tão estudado, pesquisado por estudantes de psicologia, misticismo, metafísicas e ocultismo com sentido minucioso e analítico. Nesse estudo

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Religião & Esoterismo> Religiãol 07/10/2014

    Um entendimento sobre características mundanas que determinam a personalidade de um deus Nefando, oposto ao Inefável Numinoso que é impossível de ser caracterizado por mentes ausentes da luz inumana.

    Por: Alf Arianl Religião & Esoterismo> Religiãol 25/09/2014

    Receba conselhos para uma vida de sabedoria e vitória, cresça espiritualmente na presença de Deus e seja uma bençao para muitas pessoas!

    Por: Paulo Cicero Marculinol Religião & Esoterismo> Religiãol 19/09/2014
    radimel alonso favacho

    A observação e prática dos mandamentos bíblicos na torah, mais especificamente os seiscentos e treze dados por Deus a Moisés. Pôr de forma fulgente o entendimento que o contexto deixa, infelizmente, não de forma nítida a todos os leitores, a saber, dos mais simplórios aos mais doutos o que não o próprio Deus, mas Jesus Cristo quis transmitir ao jovem rico, encontrado no evangelho de Mateus 19:16 a 20¹

    Por: radimel alonso favachol Religião & Esoterismo> Religiãol 19/09/2014

    A vontade é algo que antecipa os pensamentos humanos. A vontade se origina na alma que é a mente externa e superior. Esta vontade superior nos textos, designada também como a vontade de deus, comprovam esta proposição.

    Por: Alf Arianl Religião & Esoterismo> Religiãol 16/09/2014 lAcessos: 16
    Edison Candido Gonçalves

    As interpretações bíblicas servem tanto para o bem como para o mal. Seus textos contém mensagens maravilhosas como também relatos sangrentos, traições, adultérios, incestos e outras barbaridades. Será realmente a bíblia a palavra de Deus?

    Por: Edison Candido Gonçalvesl Religião & Esoterismo> Religiãol 12/09/2014 lAcessos: 16
    paulo de aragão lins

    O cristão tem que vigiar em tudo mas, principalmente em suas leituras para não entender ou concluir alguma coisa erradamente. A leitura da Bíblia é a mais esplendorosa que existe e o pressuposto é aprendermos dela tudo o que Deus nos ensina com exatidão.

    Por: paulo de aragão linsl Religião & Esoterismo> Evangelhol 16/08/2010 lAcessos: 499
    paulo de aragão lins

    Qual terá sido o verdadeiro pecado de Moisés, o qual impediu-o de entrar na terra prometida? O que terá levado Deus a proibir seu profeta e libertador de gozar daquela conquista tão maravilhosa? Deve ter sido um ato bem maior do que o que normalmente se comenta a respeito. Vamos analisá-lo.

    Por: paulo de aragão linsl Religião & Esoterismo> Evangelhol 16/08/2010 lAcessos: 741 lComentário: 2
    paulo de aragão lins

    A Bíblia tem sido para mim um verdadeiro bálsamo. Cada vez que a abro e leio, descubro coisas realmente primorosas, relatos interessantíssimos, revelações gloriosas. Os maiores homens que este mundo conheceu tiveram a Bíblia como seu livro de cabeceira, procurando seguir em suas variedades profissões e atividades os princípios nela contidos.

    Por: paulo de aragão linsl Religião & Esoterismo> Evangelhol 16/08/2010 lAcessos: 243
    paulo de aragão lins

    Existem coisas maravilhosas a serem observadas e descobertas na Bíblia. Para isto temos que ler meticulosamente, minerando na Palavra seus tesouros incomensuráveis.

    Por: paulo de aragão linsl Religião & Esoterismo> Evangelhol 16/08/2010 lAcessos: 184
    paulo de aragão lins

    Existem detalhes importantes que devem ser observado em suas leituras. Alguns tradutores cometem erros grosseiros quando vão colocar títulos nos assuntos escritos na Bíblia. Chegam a negar no título o que está dito no texto ou acrescentar no título o que não está no texto.

    Por: paulo de aragão linsl Religião & Esoterismo> Evangelhol 16/08/2010 lAcessos: 509
    paulo de aragão lins

    É sempre bom ler e reler os texto sagrados, para não incorrermos em dubiedade em relação o que eles realmente estão dizendo. A Bíblia não é uma leitura comum e humana, é o recado de Deus para nós, por isto temos que ser criteriosos em sua leitura.

    Por: paulo de aragão linsl Religião & Esoterismo> Evangelhol 16/08/2010 lAcessos: 170
    paulo de aragão lins

    Quando lermos a Bíblia precisamos analisar o que estamos lendo, para não chegarmos a conclusõs precipitadas ou a interpretações distorcida.

    Por: paulo de aragão linsl Religião & Esoterismo> Evangelhol 16/08/2010 lAcessos: 525
    paulo de aragão lins

    Muitos pregadores tem uma série de chavões ou bordões que são bem interessantes, muito bonitos, que agradam os ouvintes, mas são expressões oriunas do folclore, do pragmatismo popular. Apesar de conterem verdades, mas é melhor que nos conformemos e nos limitemos o que diz a Bíblia, a nossa única regra de fé e de prática.

    Por: paulo de aragão linsl Religião & Esoterismo> Evangelhol 16/08/2010 lAcessos: 3,015

    Comments on this article

    -1
    Paulo 20/01/2011
    artigo rediculo.....vocês precisão ler mais a biblia....se não tem o que escrever vai ler...para ter o verdadeiro conhecimento.
    0
    paulo santana 17/10/2010
    GOSTEI MUITO, DAS DICAS QUE O SENHOR ESTA DANDO ACIMA CITADO O SER HUMANO QUANDO SE DIRIGE ATE A CASA DE DEUS, DEVE IR COM A MENTE VOLTADA, SOMENTE ESPIRITUALMENTE. E NÃO JA SAINDO COM A MAÕ NO BOLSO.TODO O HOMEM E TODA MULHER INDEPENDENTE DE CREDOS E RELIGIAÕ TEM OBRIGAÇÃO DE SER HONESTOS. UM ABRAÇO.E QUE DEUS TE ABENÇOE.
    -2
    ARIOLINO MARQUES TORIBIO 05/07/2010
    Sr. Paulo de Aragão eu li o comentário do Sr. e achei muito importante, o Sr. mostrar as referencias bíblica que combate algumas irregularidades de certo pregadores que só fala em dizimo. Eu sou evangélico mas não tenho um conhecimento profundo sobre esse assunto, mas depois que lí a matéria do nobre Sr. Eu tirei algumas conclusões referente o assunto DIZIMO.
    -1
    jonas jean de oliveira 13/11/2009
    graça e paz boa noite eu como evângélico a 29 anos estou de acordo que dízimo é lei enão estamos mais debaixo da lei porque senão diz a lei que o lugar que a mulher asentar seria maldito sou a favor de oferta com o SR JESUS agradou da oferta da viúva meu telefone é 87636196 rua pintor tintoreto n 80 bairro tupi belo horizonte. graça e paz.
    -2
    warlem 16/09/2009
    Dizimistas infiéis não passam de idiotas que querem COMPRAR o perdão de Deus. Deus não precisa de nosso dinheiro. Pessoas sem teto e sem comida sim. Pastores precisam de dinheiro pra se manterem na alta sociedade com luxos. Mal sabe que as "ovelhas" que seguem o mesmo caminho são podres como os "pastores".
    -3
    Renato 25/08/2009
    Você está certo ao dizer que o dízimo não é uma obrigação. Você não vai deixar de ser salvo por não dar o dízimo, mas certamente será muito abençoado caso o faça. Gostei também da sua interpretação sobre o dar o quanto puder (e não os 10%) em I Coríntios 16:1-3, acredito que você deve dar muito mais do que os 10%, pois estou certo que você pode, e como você mesmo disse, é o quanto puder e não o quanto quiser. Que Deus lhe abençoe e lhe dê cada vez mais sabedoria e entendimento para que possas instruir aqueles que pouco conhecem da palavra.
    0
    rafael 21/08/2009
    na minha opnião vc's devem ler mais a biblia principalmente em joão 14
    ou somos ladrões q roubamos a Deus???
    0
    Noemia Tavares 11/08/2009
    Como tudo no Antigo Testamento, o dizimo era umalei com maldiçãocaso não entregasse, e benção caso entregassem, Apesar de todos os ensinamentos que recebi desde minha infância na igreja evangelica baseado em Malaquias 3.10, eu nunca aceitei que nós como novas criaturas povo escolhido por Deus de acor com I Pedro 2.9 ainda fossemos obrigados a dizimar por medo do castigo ou pela benção das janelas abertas. Mas entendo que contribuir financeiramente, de forma sistematica, de acordo com nossas posses e com o coração feliz é uma necessidade nossa como salvos por Jesus e uma necessidade da igreja e da obra missionaria. Caso contrário, como vamos sustentar o pastor, os missionarios? como vamos fazer a obra social, como vamos pagar todas as contas, comprar material educacional etc etc etc etc etc? Nada recebemos do gover. As igrejas Batistas da CBB nada recebem do governo. Ao contario pagamos impostos e muito alto. "Dai a César(governo) o que de Cesar(Estado-impostos) e a DEUS o que é de DEUS. as contribuições financeiras que me nego a chamar de dízimo.
    0
    RICARDO ANDRE 15/04/2009
    Vejo que meu amado irmão conhece pouco sobre a biblia, quando diz que malaquias trata da lei e quen hoje vivemos debaixo da graça, mas quero lembrar-lhe que antes da Lei abel e caim pagavam suas primicias (dízimo), a Lei foi estabelecida com os 10 mandamentos, antes disso não existia a Lei, e depois que jesus veio ao mundo e entramos na Graça, em atos Ananias e safira, vendem propriedades e na hora de entregarem aos sacerdotes mentem o valor, os dois são fulminados com fogo do céu, na época da Graça heim? o que me diz disso?
    0
    Ricardo Andre 13/04/2009
    Meu irmão me desculpe, mas as suas argumentações são ridiculas, vc esta usando versiculos isolados para fundamentar uma maldição, a época da Lei é tida depois que Moises recebeu os dez mandamentos, e muito antes disso o povo já dizimava e ofertava a Deus, ver genesis, Abel e Caim, seus argumentos seriam uma bela desculpa para Caim!
    -1
    Jhonatas Andre 28/03/2009
    Certamente amigo e irmão em Cristo, a Bíblia desobriga-nos de qualquer ofício sejam religiosos quanto a cerimônias ou espirituais quanto a doutrinas. Dizer que a "devolução" do dízimo se trata de um mal entendido das Sagradas Escrituras não é uma menção saudável de interpretação. A passagem dízimo condiz apenas com a situação de quem, pelo Espírito Santo, recebe capacidade para ofertar ao SENHOR parte daquilo que recebeu promovendo, assim, um bem maior pra sua vida futura. Não há o que se falar sobre dar ou não dar, apenas em aceitar e acreditar ou duvidar e largar. Fraternalmente, DEUS te abençoe. sucessos na PAZ do SENHOR JESUS.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast