A Lei De Moisés

19/06/2009 • Por • 14,088 Acessos

A LEI DE MOISÉS

A Lei de Moisés é mais conhecida por Pentateuco Mosaico, ou Lei de talião “dente por dente, olho por olho”. O Deus de Moisés, bem como de Abraão, Isaac e Jacó ficou na história como Jeová, Iaveh ou Javé, mas na realidade dos fatos foi assim chamado pelo Clã de Abrão como o Deus de Israel. Até nas palavras do Mestre Jesus vocês denotam a dureza deste Deus, que ficou conhecido como o Deus Guerreiro. Na filtração e na assimilação dos fatos as ocorrências inseridas na Lei Judaica ou Velho Testamento comprovam o que estamos reportando.  Os antigos Gregos se inspiraram num provérbio, que ficou conhecido assim: “Três tipos de pessoas pagarão caro, perante o Tribunal do Altíssimo: os que não sabem e não perguntam; os que sabem e não ensinam; e os que ensinam e não praticam”. Achamos o termo grego muito duro e desconfortável para o ser humano atual, visto que toda regra tem exceção. Incluo neste rol os deficientes e os impossibilitados das mais variadas espécies que se encontram sem condições de exercerem este termo, ou este provérbio.

O homem imantado pelo egoísmo, pela ganância, pelo desamor, não poderão exercer tal mister, pois suas consciências vão se encontrar no ócio e adormecidas no coração de um ser hominal imperfeito. Uma pergunta que não quer calar vem sempre a nossa mente quando tocamos em assuntos religiosos. Será que existe pecado? “Alguns estudiosos, e teólogos principalmente, afirmam que o Pecado é inerente ao ser humano. Muito lógica esta afirmação, visto que somente ele neste mundo material é dotado de inteligência, ou será que querem imputar pecados aos animais irracionais? Porém, persistir em determinados pecados é multiplicá-los em gravidade. Para alguns o pecado e o uso da expressão, persistir em ‘determinados pecados’ seria a multiplicação deles. Queremos dar uma conotação de que a verdade vence tudo ou tudo vence, têm as suas exceções, pois a única verdade que vence tudo é a Divina. Gênesis, Êxodos, Levítico, Números e Deuteronômio foram os livros atribuídos a Moisés.

“Pentateuco é mais uma palavra de derivação grega cujo significado é “cinco rolos” ou ‘livros” e são os cincos que compõem a Bíblia judaica. Não sendo um Código Moderno será que seus ensinamentos servem para os dias atuais, visto que o Pentateuco é uma história de Israel que vai desde a criação do mundo até a morte de Moisés. Podemos afirmar que a autoria destes livros pode ser ou não de Moisés, pois ele narra a sua própria morte nos livros. Os livros do Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio, constituem a maioria do Pentateuco. Por esta razão os judeus o chamam “Lei” Ou “Tora”, pois ‘a vontade de Deus’ exprime a exprime. Mas, temos que mostrar que o Pentateuco não é um Código moderno de leis, nem um manual de histórias do povo de Israel. A Lei não é uma simples expressão da vontade de um povo organizado, e sim o fruto da aliança, a expressão da vontade de Deus a respeito do povo que ele elegeu. Lembrem-se de que o povo elegido por Ele foi o de Israel. Teria Moisés recebido estas Leis no Monte Sinai (Êxodos, Levítico e Números de 1 a 10) e nas estepes de Moab (Números 26 a 36 e Deuteronômio). Por isso a autoria do Pentateuco foi atribuída pela tradição judaica a Moisés.

Na própria Bíblia vemos a contradição quando um exame mais crítico mostra que no Pentateuco estão recolhidas tradições narrativas e legislativas que vão desde a época dos patriarcas (século XVIII a.C.,) até o tempo de Esdras (Século V a.C.,). Daí vem uma sigla com as letras J, E, D e P – que são tradições que “surgiram provavelmente” em torno de santuários denominados Javistas, Eloístas, Deuteronistas e Sacerdotal nos séculos X, IX, VII e VI a.C., e depois entraram na redação final do Pentateuco. A fonte Javista se caracteriza pelo nome de Javé e ocupa-se da formação e das origens do mundo, da humanidade e Israel. Além da história dos patriarcas, do êxodo do Egito, da peregrinação pelo deserto e termina com a morte de Moisés. Sua linguagem é concreta, imaginativa e o conceito de Deus é antropomórfico, isto é, Deus é alguém que age como homem, está próximo e convive com o homem (Cf. Gen 2-3).

O Eloísta designa Deus pelo nome de Eloim, reservando o nome Javé só para depois da revelação de Moisés (Ex 3). Fala dos patriarcas, do êxodo do Egito, na peregrinação pelo deserto, da teofania (palavra de derivação grega. theopháneia ou theophanía, relacionadas à manifestação de Deus em algum lugar, acontecimento ou pessoa) do Sinai e termina com a morte de Moisés. Tem gosto pelos sonhos e tendências à moralização. Sua concepção de Deus é mais espiritual, desde a necessidade de as figuras de intermediários, como anjos e profetas, ao falar da comunicação de Deus com o homem. A fonte Deuteronômica se restringe quase unicamente ao Deuteronômio e seu estilo é oratório, caracterizado por fórmulas estereotipadas (Que é sempre o mesmo, que não varia; invariável, fixo, inalterável), como “ouve Israel”, o “Senhor teu Deus” “o país onde corre leite e mel”. Insiste na centralização do culto em Jerusalém, na eleição gratuita de Israel e no amor de Deus. A fonte sacerdotal gosta de genealogias, cronologias, números e sua linguagem são repetitivos e monótonos. Sublinha claramente a transcendência e a soberania divina sobre a criação. Embora esteja presente em todo o Pentateuco, se identifica sobre tudo com o Levítico, onde se expressa de modo especial o seu marcado interesso pelo culto.

A redação final do Pentateuco aconteceu no século (V a.C.,) conservou estilo, o espírito e a teologia (palavra de derivação grega. theología, 'ciência dos deuses'. Corresponde ao estudo das questões referentes ao conhecimento da divindade, de seus atributos e relações com o mundo e com os homens, e à verdade religiosa, bem como do estudo racional dos textos sagrados, dos dogmas e das tradições do cristianismo e o tratado ou compêndio de teologia. O conjunto de conhecimentos relativos à teologia, ou que têm implicações com ela, ministrados em cursos ou nas respectivas faculdades) das tradições. Sem eliminar incongruências, alinhou narrativas duplas (como a criação: Gen 1,1-2,4ª e 2,4b-25) ou tríplices (como o episódio da mulher do patriarca: (Gen 12, 10-20; 20,1-18; 26, 7-11). Outras vezes, porém, o trabalho redacional foi maior, tornando-se difícil distinguir as fontes. O redator final conseguiu dar uma profunda unidade ao Pentateuco, marcadas pelos grandes temas da promessa da eleição, do amor , da fidelidade e da esperança, que ainda em nossas opiniões ainda não foram assimiladas pelo povo de Israel onde a beligerância predomina aliada a dominação e o desamor contra os palestinos.

O Pentateuco de Israel olha para o seu passado e descobre Deus como alguém que o elege e conduz; vive com ele e age em seu favor mesmo quando desobedece. Sente-se assim convidado a imitar a fidelidade ao Deus das promessas a exemplo de Abraão, Isaac e Moisés. Por isso as exigências do culto e da lei devem ser vistas como uma expressão do amor de Israel a Deus, sobre todas as coisas. Queríamos ainda apimentar tais situações colocando as interferências de Esdras e São Jerônimo na compilação da Bíblia. Do desrespeito de Moises com as Tábuas das Leis Divinas, pois decorridos 40 dias e quarenta noites de sua ausência e por estar bastante debilitado, seu próprio irmão deduzira que Moisés teria morrido. Resolveram então fazer uma reverência que não agradou Moisés e o Bezerro de ouro que foi construído e pelo exagero de vinho tomado por seus seguidores, Moisés em estado de raiva, dominado pelo ódio jogou as Tábuas para destruir o bezerro. Faltou com o devido respeito ao seu próprio Deus e depois ainda mandou executar como castigo 3.000 seres humanos que o acompanhavam, desobedecendo mais um mandamento que estava escrito: “Não Matarás” e ele sem dó e piedade dizimou 3.000 seguidores.

Pelo que vimos pelos relatos bíblicos à figura de Jeová não pode ser considerado como Deus Onisciente, Onipotente e Onipresente, pois além de ter sido antropomorfisado (Tendência para atribuir, ou a forma de pensamento que atribui formas ou características humanas a Deus, deuses, ou quaisquer outros entes naturais ou sobrenaturais. Na filosofia a aplicação a algum domínio da realidade (social, biológico, físico, etc.) de linguagem ou de conceitos próprios do homem ou do seu comportamento). Além do mais o Deus de Israel era dominador, não tinha complacência, não admitia derrotas e os derrotados eram punidos com a pena de morte e ainda hoje lá no território de Israel o amor não se instalou. A morte ronda a cidade todas as horas, o dia todo. Jesus embora tenha dito que não mudaria as Leis de Moisés, mudou-as, pois no seu íntimo estava implantado o amor e o perdão.

Pegou os dez mandamentos e reduziu a dois: “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”. Jesus chama Deus de meu Pai diferente de seus antecessores e o Deus Pai Todo Poderoso era mais bondoso, carinhoso, contemplativo e se compadecia do sofrimento dos outros. Ele pode tudo, mas pelo livre-arbítrio, a inteligência e mais o instinto deixou que o homem escolhesse sua personalidade e maneira de viver. Ele não interfere na vida dos homens, tanto é que poderia ter evitado o sofrimento e morte de seu filho amado, mas a destinação de Jesus era aquela e o Pai jamais iria derrogar suas próprias leis. Em Matheus 5,17-19; Jesus diz: “não pensem que eu vim para acabar com a Lei de Moisés ou com os ensinamentos dos profetas. Não vim para acabar com eles, mas para dar o seu sentido completo. Eu afirmo a vocês que isto é verdade: enquanto o Céu e a terra durarem, nada será tirado da Lei. – Nem a menor letra, nem qualquer acento. E assim será até os fins de todas as coisas. Portanto, qualquer um que desobedecer ao menor mandamento e ensinar os outros a fazerem o mesmo será considerado o menor no Reino do Céu. Por outro lado, quem obedecer à Lei e ensinar os outros a fazerem o mesmo será considerado grande no Reino do Céu. Pois eu afirmo a vocês que só entrarão no Reino do Céu se forem mais fiéis em fazer a vontade de Deus do que os mestres da Lei e os Fariseus.

Que somos nós para julgarmos estas lindas palavras de Jesus, mas ele mesmo afirmou que todos nós seremos salvos, mas cedo ou mais tarde, pelo arrependimento, pelo perdão. Perdão para Jesus tem muito a ver com as atitudes erradas do homem, pois aqueles que amavam o Mestre não se envergonhavam diante do perdão. Jesus quando perdoava as pessoas que se inseriam no erro sempre tinha uma expressão bem condizente com sua atribuída pelo Pai Maior.  Esta frase de Jesus ficou conhecida para sempre: “Aquele que não tiver pecado que atire a primeira pedra”, referindo-se a multidão que queria linchar uma mulher adúltera.

ANTONIO PAIVA RODRIGUES-MEMBRO DA ACI-DA ALOMERCE E DA AOUVIR/CE.

Perfil do Autor

Antonio Paiva Rodrigues

Jornalista, Radialista,Gestor de Empresas(Administração), Bacharel em Segurança Pública, Acadêmico de...