Como Ser Um Bom Cristão, Diante A Tantas Violências

08/08/2009 • Por • 2,345 Acessos

Como ser um bom Cristão

Um dos Grandes Desafios do homem moderno é Ser um bom Cristão. Como ser um bom Cristão perante a tantas violências?

(Um pequeno texto do meu livro que em breve estará nas livrarias, com o titulo. VIOLÊNCIA: Um Grande Desafio para o Cristão).

     Como ser um Cristão em um mundo tão violento, não fraterno, extremamente capitalista e globalizado, onde a disputa tecnológica o alto conhecimento cientifico, aliados aos poderes econômicos, políticos, culturais e bélicos das nações falam sempre mais alto, e com isso se esquecem propositadamente de aplicar as regras da ética, da moralidade, da cidadania, dos direitos da pessoa humana, levando-a sempre para a desigualdade social e em consequência a pobreza e a marginalização, como foi muito bem retratada na Campanha da Fraternidade em 1983, indo de encontro com todas as dificuldades do povo humilde, pobres e desamparados, que não querem ser excluídos do meio em que vivem. É extremamente difícil viver neste mundo tão desumano e conturbado, mas a solução é colocar em pratica os ensinamentos de Cristo para as nossas vidas.

"Não queremos a violência, sabemos que a violência é tudo que fere ou esmaga a dignidade de qualquer pessoa humana. Violência são todas as formas de violação do corpo, da consciência e da vida: todas as formas de violação dos direitos humanos". (CF. CNBB. Campanha da fraternidade. Fraternidade sim - Violência Não. p.14)

      Neste mundo pouco hospitaleiro em que vivemos nos dias de hoje, aonde as informações chegam a todos os lugares do globo terrestre em questões de segundos, através das varias tecnologias existentes nos meios de comunicações, faladas, digitalizadas, televisionadas, escrita etc. Onde as verdades são pronunciadas, assim como as mentiras também são ditas a todos os instantes, deixando a grande massa da população confusa, obrigando esta parcela de pessoas, de seres humanos a se digladiarem entre si, em busca de seus ideais de seus sonhos e de sua sobrevivência na face da terra, em uma luta constante desleal e sem trégua onde vale tudo.

     Milhões de pessoas saem de seus lares todos os dias para os seus trabalhos, para ganharem os seus sustentos, em uma verdadeira maratona, enfrentam enormes barreiras como, por exemplo: Começando com as muitas dificuldades nos transportes públicos que são precários e não satisfazem as reais necessidades de seus usuários, os enormes congestionamentos no trânsito, o alto risco de sofrerem algum tipo de acidente nos trajetos diários, os baixos salários que recebem mensalmente, as condições desumanas a que são submetidas os trabalhadores, as altas cargas de horas de trabalho, os direitos trabalhistas que em muitos casos não são respeitadas ou cumpridas em sua totalidade, o tratamento desumano e muitas vezes humilhante que muitos patrões, chefes dão a seus funcionários, que são obrigados a suportarem a arrogância e a prepotências de seus superiores que ficaram ou estão cegos com o poder que teen em suas mãos e não conseguem enxergar o outro como pessoa humana, como um semelhante ou um irmão que tem as mesmas necessidades diárias que as suas. O alarmante crescimento do desemprego global que preocupa o mundo todo, a falta de gêneros alimentícios nos lares de milhões de pessoas, a queda nas safras de grãos no mundo todo devido às condições climáticas, a incessante corrida pelo petróleo a crescente desigualdade social que assola e humilha milhares de pessoas, a fome implacável que mata milhares de homens mulheres e crianças no mundo todos os dias, a má distribuição da rendas onde a minoria fica sempre com a maior parte e a maioria com a menor fração desta riqueza, gerando o descontentamento de todos.

    A crescente violência em todos os setores da sociedade, que é produto das injustiças e outros males que durante longos anos vêm sendo semeado em nossas comunidades e nos grandes e centros urbanos, a violência domestica que ocorre dentro de nossos lares, a violência desenfreada nos pequenos e grandes complexos penitenciários espalhados pelo Brasil todo, com suas precárias instalações onde os sentenciados vivem em condições lamentáveis, aumentando ainda mais a luta pela sobrevivência, alimentando com isso o "livre" comércio de armas de fogo e drogas, as torturas físicas e psicológicas que são submetidos todos os dias, a ausência de programas de reabilitação nestes estabelecimentos penitenciários que no momento atual, lamentavelmente são como verdadeiras escolas para aprender a delinqüir. O crime organizado que esta cada vez mais violento, quando ele se manifesta sempre fazem suas vitimas, levando o medo e pânico para milhares de pessoas, que já não saem mais nas ruas de medo de serem vitimas de "balas perdidas" ou de agressões nos confrontos armados com as Policias, que tentam de todas as maneiras possíveis de preservar a vida e a dignidade da pessoa humana e de trazerem sempre o conforto, a paz e a segurança que tanto necessita a nossa sociedade.

    A injustificável violência contra as mulheres, que em muitos casos se submetem aos seus maridos ou companheiros, por não terem para quem pedir um socorro um apoio financeiro, sendo elas vitimas também de uma legislação discriminatória, dentro e fora do local de trabalho, as constantes explorações da qual são vitimas, sobretudo quando se vê forçada a prostituir-se como o único meio de sobrevivência, a gritante omissão das nossas autoridades em todos os seguimentos da sociedade, à crescente violência contra os menores carentes que vivem pelas ruas das grandes cidades, à vergonhosa violência contra os idosos em nosso país que vem gradualmente aumentando em todos os estados, a injustificável exploração contra os povos indígenas, que estão sendo tirados de seu habitat natural, sendo em muitas vezes explorados por madeireiros e outras empresas que atuam neste setor econômico. A inaceitável impunidade que facilita e incentiva a arbitrariedade da ação repressiva que viola direitos inalienáveis e transgride as normas da Justiça Penal.

    As cidades estão cheias de vitimas inocentes da violência sexual, da incontinência irresponsável e da violência social. Entre essas vitimas se destacam os menores carentes, marginalizados e abandonados por um sistema cada vez menos justo. A falta de um tratamento digno de saúde nos hospitais públicos que afeta diretamente a camada mais pobre da nossa população, a falta de uma política digna de saúde para os nossos deficientes físicos e mentais, que há muito tempo sofrem com a atual situação em nosso país. A falta de um ensino público sério sem violência e com qualidade é o que desejamos para os nossos filhos nas escolas de nosso país. A falta de um programa digno de moradias para atenderem a demanda de maneira justa e coerente. A falta de saneamento básico nas grandes cidades, aliado com a falta de abastecimento de água potável, onde milhões de pessoas passam sede todos os dias, e alguns chegam até a morrerem em razão da falta deste liquido precioso. O aumento da poluição do ar, dos grandes rios que cortam o Brasil de norte a sul, a poluição dos mares, das nascentes de água potável, o desastroso desmatamento das florestas, os crimes ambientais os desrespeito com a natureza, o contrabando de animais silvestre que vem crescendo dia a dia no Brasil. O crescente descongelamento das geleiras polares. A degradação do nosso meio ambiente, em fim tudo nos aponta para um futuro não muito promissor, com poucas opções de melhorias de qualidade de vida para as futuras gerações que herdaram nosso planeta terra.

    Diante dos pensamentos e das realidades acima citados, gostaria de fazer uma pequena comparação e para isso, lembraremos o que ocorreu acerca de dois mil anos atrás, na época em que Jesus Cristo vivia humanamente entre nós aqui na terra, que também tinha e enfrentavam os seus muitos problemas diários, como por exemplo, os cuidados com a alimentação, moradia com os inúmeros preconceitos da época, as enormes injustiças sociais e o fato dos primeiros cristãos que viviam neste contexto, estarem sendo severamente perseguidos sem piedade alguma por parte das autoridades constituídas. Tempos difíceis de grandes provações, as pessoas que viviam nesta época, também não tinham segurança alguma ao saírem às ruas, de expressarem seus pensamentos, suas ideologias seus sentimentos com relação a sua crença sua espiritualidade, sua fé em uma nova maneira de viver a vida e de se pronunciarem a respeito de Deus.

    Neste panorama muitos perderam suas vidas, seus filhos, esposas, maridos, amigos e entre outros familiares por defenderem sua fé, eles também não viam uma luz ao final do túnel, não tinham esperanças de um futuro promissor aqui na terra, mas este povo era movido pelo Espírito Santo, que gera a união à fé que é a fonte da comunhão. Estes cristãos depositaram todas as suas esperanças nos ensinamentos de Jesus de Nazaré, no Cristo Ressuscitado, se desligaram das coisas materiais e terrenas, das preocupações cotidianas e banais, e encontraram a sua maneira a paz e o amor tão desejado por todos que partilhavam da mesma fé e esperança em Cristo.

    O centro de tudo é a vivência na esperança. A esperança do povo de Deus e a sua convicção colocada no porvir, a projeção de seu ser, todos os bens no que virão, os que vivem a esperança vivem a vida de outra maneira, sacrificam o hoje para viver o amanhã, pois acreditam que o amanhã será melhor. Ser cristão hoje é um grande desafio para a humanidade que está a cada dia se distanciando ainda mais de suas raízes de sua fé no Criador, que jamais abandona a sua criação, Ele sempre está ao nosso lado, nos mínimos detalhes, mas nós em nossas correrias do dia a dia, nem notamos sua presença. A fé é que dá a chave para a compreensão mais profunda sobre a natureza da violência e sobre suas causas.

    O homem contemporâneo deve ter o coração limpo de manchas, de magoas, e se desligar das coisas terrestres e se ligar mais nas coisas de Deus, é estar bem consigo mesmo todos os dias, é viver bem com intensidade o agora como se ele fosse o último, é sempre estar de bem com os amigos, estar sempre pronto para não fazer o mal e sim o bem, é saber dizer não as coisas maléficas e dizer um sim as coisas boas, é saber distinguir na hora certa, Jesus de Nazaré usou seu tempo com muita sabedoria, fez milagres espantosos, aliviou a dor de todas as pessoas que o procuraram ou que de uma forma ou de outra cruzou em seu caminho, mas quando Ele precisou aliviar um pouco a sua própria dor, se comportou com dignidade e com naturalidade, se esquivou de usar o seu poder, foi tremendamente humilde. Verdadeiramente este homem Jesus Cristo, é exemplo para o mundo é insuperavelmente digno de seguimento para a humanidade.

JOSÉ VALDIR EMÍLIO

 

Perfil do Autor

JOSÉ VALDIR EMÍLIO

Casado, natural de Lagoinha-SP. Servidor Público Estadual, Profissional na área de Segurânça.