Daniel Na Cova Dos Leões

08/08/2009 • Por • 8,463 Acessos

O Profeta Daniel na Cova dos Leões

    O Profeta Daniel assim como todos os outros Profetas, eram cidadãos normais da própria comunidade, são comuns como às outras pessoas, mas eles se diferenciam em alguns pequenos aspectos, por exemplo, a sua inigualável fé em Deus, servindo como porta voz, mensageiros da palavra e da vontade de Deus. Neste aspecto gostaria de chamar a atenção em Daniel, por sua inabalável fé que é exemplo para todos nós, sua fé e esperança em Deus é sem igual é contagiante contagia as pessoas que estão em sua volta. Daniel foi ainda muito jovem retirado de seu país, após Jerusalém ter sido cercada pelo exército do rei Nabucodonosor, e sendo assim levado para Babilônia, um país distante do seu, em uma terra cheia de prazeres, com costumes diferentes aos quais estava acostumado. O rei então algum tempo depois determinou que fossem escolhidos alguns jovens de boa aparência e sem defeito algum, para serem instruídos por um período de aproximadamente de tres anos, nos costumes, cultura e língua dos caldeus para servirem a corte com seus trabalhos domésticos, por obra divina entre estes jovens que foram cuidadosamente escolhidos estavam Daniel, Misael, Ananias e Azarias todos judeus.

    Certa noite o Rei Nabucodonosor teve um sonho ao qual não se lembrava mais, e para tanto reuniu todos os sábios do seu reino para então desvendar seu sonho que estava já o deixando muito inquieto e de certa forma um pouco preocupado, mas seus sábios não conseguiram decifrar tal sonho, alertando ainda ao rei que não havia na face da terra alguém que pudesse decifrá-lo, para o desespero e fúria do rei, que mandou matar todos os sábios da Babilônia ( Dn 2, 1-12). Daniel e seus amigos também deveriam morrer, mas sabiamente recorreram às orações, e a noite Deus revelou a Daniel o significado do sonho. O profeta foi então a presença do Rei e disse-lhe que havia um Deus no céu que revelou os mistérios de seu sonho e das coisas que iria acontecer em seu reinado, o rei Nabucodonosor ouviu as respostas de Daniel e ficou muito satisfeito com que ouviu e elevou a Daniel e a seus amigos em um gesto de agradecimento e extrema confiança, a uma condição especial de trabalho em todo o seu reino, provocando desta forma a inveja, a falsa amizade e a insatisfação de muita gente que os rodeavam. Neste episódio o que mais nos chama a atenção é sem duvida a fé que Daniel teve em Deus, e esta fé é tão contagiante que contagiou até o rei Nabucodonosor um homem cruel, sanguinário, um guerrilheiro violento, que não se acanhou, não poupou elogios ao Deus de Daniel. Ao profeta Daniel o rei disse: "O vosso Deus é de fato o Deus dos deuses! Ele é o Senhor dos impérios, é ele quem revela os mistérios, pois só ele foi capaz de desvendar essa questão" (Dn 2,47).

    No ano de 539 a.C. Ciro, rei dos persas conquistou a Babilônia, transformando-a em mais uma província de seu enorme império. Com o passar dos anos a sabedoria e a competencia em Daniel chamou também a atenção do rei Ciro, que passou a admirá-lo por sua competencia na administração, despertando a ira e a inveja de muita gente que começaram a planejar, arquitetar planos para achar alguma falha em Daniel, mas era impossível, pois este homem era reto integro em seus afazeres.

    Em um determinado momento reuniram-se todas as pessoas importantes do governo do rei Ciro, após muita conspiração contra Daniel, resolveram então editar uma nova lei, que certamente deixaria o rei muito feliz e o consagraria como grande e soberano em todo seu império, tal lei entraria em vigor por um período de trinta dias e era irrevogável, durante este tempo qualquer pessoa que se curvasse perante outros deuses, ou perante homens que não fosse o rei, esta pessoa seria imediatamente atirada na cova dos leões para ser devorada viva por ter desobedecido a lei. Todos que arquitetaram tal lei sabiam que Daniel orava para seu Deus todos os dias em seu quarto diante da janela aberta.Certo dia Daniel estava orando e para a sua surpresa sua casa foi invadida pelos conspiradores que o flagraram nesta conduta, imediatamente, Daniel foi levado à presença do rei, que não teve alternativa se não acatar o que a lei determinava, contra a sua vontade, Daniel foi lançado na cova dos leões, tendo a porta de entrada selada com o selo real para que ninguém violasse. No dia seguinte o rei levantou bem cedo e foi logo para a cova dos leões. Chegando á cova, onde estava Daniel, o rei aflito gritou: "Daniel, servo do Deus vivo, teu Deus, a quem sempre prestas cultos, foi capaz de livrar-te dos leões?" Daniel falou: " Viva o rei para sempre! Meu Deus mandou seu anjo para fechar as bocas dos leões e eles não me incomodaram, pois fui considerado inocente diante de Deus da mesma forma como também contra ti, o Rei, nenhum crime cometi (Dn 6,20-24).Fico imaginando a alegria que este rei deve ter tido no momento que ouviu a voz de Daniel, percebendo que ele estava vivo, deve ter sido algo muito maravilhoso.

    Daniel neste episódio nos da exemplos claros de sua inabalável confiança e fé em Deus, sabe que Ele não o abandonaria jamais, Deus não abandona aqueles que confiam em seu poder de transformar tudo para o bem de sua criatura. Sua fé é mais uma vez contagiante, contagiou também o rei Ciro, que demonstrou ter tido fé que este Deus vivo livraria a Daniel dos leões, este rei, foi sem duvida alguma perseverante, acreditou a todo o momento que Daniel seria de alguma forma resgatado pelo seu Deus. Ficou mais uma vez bem claro para todos nós que o grande Criador não abandona mesmo sua criatura, Ele permanece a todos os instantes lado a lado dos homens, estando Ele pronto para servir, basta que saibamos pedir sua graça. Daniel foi este incrível homem que soube mais do que ninguém esperar o momento certo para agir em nome de Deus.

    O profeta Daniel demonstrou ter em mais este episódio, a incrível confiança em Deus o nosso grande Criador, que mesmo sendo ele atirado para dentro da cova dos leões sairia dela totalmente ileso. Caso isso viesse a ocorrer em nossos dias atuais, será que estes leões também seriam de uma forma ou de outra, cegados e tornados inofensivos por Deus para nos proteger deste mal. Esta é uma pergunta que devemos fazer a nós mesmos, será que Deus viria em nosso auxilio e nos salvaria das garras dos leões. Não temos esta resposta pronta para ser dada, mas podemos imaginar esta resposta através de nossas condutas e das nossas omissões, cada um de nós, somos os principais responsáveis pelo que fazemos, tanto de bom como de ruim, a nossa consciência se encarrega de nos dar as respostas que queremos saber. Será que eu estou sendo uma pessoa boa, como por exemplo, um bom pai, ou uma boa mãe, um bom filho ou filha, um bom marido ou boa esposa, um bom irmão ou irmã, um bom amigo ou boa amiga, um bom colega de trabalho, um bom cristão ou cristã. Não podemos nunca nos esquecer que sempre é tempo para as conversões, arrependimentos, perdão e de encontros com Deus, bastando para isso o pedido de perdão e o nosso sincero arrependimento.

José Valdir Emílio

 

Perfil do Autor

JOSÉ VALDIR EMÍLIO

Casado, natural de Lagoinha-SP. Servidor Público Estadual, Profissional na área de Segurânça.