O apóstolo Tomé

28/05/2010 • Por • 720 Acessos

                  Tomé – o apóstulo faminto

 

Tomé era israelita de nascimento, carpinteiro por profissão, magro e desconfiado e esfomeado por tradição. Como não estava nem aí (nem aqui... ) quando  disseram que Jesus reapareceu aos discípulos, Tomé quis ver para crer, como São Tomé. Pediu provas irrefutáveis para acreditar na ressurreição do Mestre e que providenciassem uns óculos mais fortes (ver para crer) por que os seus estavam fracos. Jesus, que não era bobo nem nada, com uns gestos rápidos de mão, num passe de mágica, como por milagre, do nada materializou uns óculos e pediu-lhe que tocasse suas chagas, mesmo sem luvas de borracha!

Foi Tomé que perguntou a Jesus, durante a Última Ceia: o que teremos de entrada?  E qual caminho que conduz ao Pai e a um restaurante baratinho? Senhor, não sabemos para onde vais. Como podemos conhecer o caminho de um restaurante não muito caro na sua ausencia?

Ao que disse Jesus:

"Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida, mas nada sei sobre restaurantes. Ninguém vem ao Pai a não ser por mim  e pede para rangar. Diga-se de passagem que o Mestre não conhecia o jeito entrão do presidente Lula....".

Tomé, de temperamento audacioso, cheio de generosidade e de fome, professou que se Jesus era realmente Deus e Senhor devia conhecer pelo menos um guia de bares e restaurantes e anotou o nome de uma pensão baratinha que ouviu alguém por misericórdia falar. Ausente na primeira aparição, duvidou que Jesus tinha voltado sem saber nada sobre restaurantes.

Oito dias depois – fome aumentando - achavam-se os discípulos novamente famintos dentro de uma casa - ávidos por alimento espiritual e físico, principalmente físico e com um molho ao ponto, quando Jesus veio se esgueirando por entre as paredes (as portas estavam fechadas) pôs-se no meio deles e disse: "A paz esteja convosco!" E, olhando para o esfomeado discípulo falou:

"Põe teu dedo aqui e vê minhas mãos! Estende tua mão e põe-na aqui, mesmo sem luvas de borracha,  e não sejas incrédulo, mas crê!" Tomé incrédulo e já quase sem forças devido a fome respondeu: "Meu Senhor é meu Deus e meu garçom, um prato de comida pelo menos! (pasmem.... falou em português)", tornando-se assim, o primeiro dos apóstolos a se dirigir a Jesus nestes termos. Ninguém até aquele momento, nem mesmo Pedro e João, havia pronunciado a palavra "Deus" e "fome" dirigindo-se a Jesus assim com tanta intimidade, até porque eles falavam aramaico e não português.

Tomé era o quarto apóstolo em magreza, o terceiro em idade depois de Pedro, mas, ao contrário deste, tinha lá seus envolvimentos com mulheres, mesmo sem ser casado, assim como Bartolomeu, André, Simão, Judas e o próprio Jesus que era visto sempre com Madalena após o sol se por.  Segundo as partituras, a música " o ma , o mada, o madalena... "  já era entoada por Jesus àquela época e segundo as escrituras, foi em resposta a Tomé que Jesus introduziu o mistério trinitário: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida (café, leite e pão com manteiga).Ninguém vai ao Pai e a restaurante senão por mim  – novamente esqueceu-se de citar a possibilidade de usar o Lula... . Se vocês me conhecem, conhecerão também meu Pai."

Essa afirmação é um tanto obscura e espantosa por que não consta que o Pai e Jesus sejam minimamente parecidos.

Tomé incitou os discípulos a seguir Jesus e a morrer, mas não de fome, com ele na Judéia dizendo a eles:
Vamos também nós, vamos segui-lo, mas de barriga cheia, Poderemos morrer com ele,  mas não de fome. Antes vamos rangar!

 

Perfil do Autor

Luiz Otavio D. Pinheiro

Carioca nascido e criado em Ipanema, Engenheiro metalurgista com especialização em Business e em RH. Ex faixa preta de judo e ex remador. Contrabaixista, tecladista e compositor com curso de harmonia e composição. Fã de Leon Eliachar e de Rajneesh. Fez curso de detetive particular por correspondência e de salva-vidas e foi aprovado em ambos. É viciado em mulher bonita, em ler e em dormir tarde vendo vídeo. Gosta de mágica, jogar em cassino, dançar swing e de jogar tranca. Tem mania de comprar sapatos Se veste de preferência com roupas escuras (gostaria de ter uma capa tipo do Drácula) Escreve livros de humor reflexivo. É bem míope, canhoto (não totalmente) e do signo de virgem (totalmente). Já esteve em St. Jones (Caribe), Rabat (Marrocos), Malmo (Suécia), no bairro francês (New Orleans), Jerumenha (Piauí), São tomé das Letras (Minas) e em Rio Maior (Santa Catarina) É considerado, por quem o conhece pouco, uma pessoa meio estranha. ESCRITOR , MÚSICO, PENSADOR, FUTURISTA E VISIONÁRIO