O Que É Catequese?

Publicado em: 01/01/2009 |Comentário: 4 | Acessos: 30,760 |

O QUE É CATEQUESE?




Segundo a exortação apostólica Catechesi Tradendae do Papa João Paulo II  a Catequese sempre foi considerada pela Igreja como uma das suas tarefas primordiais e  essenciais, porque Cristo ressuscitado, antes de voltar para o Pai, deu aos Apóstolos uma última ordem: fazer discípulos de todas as nações e ensinar-lhes a observar tudo aquilo que lhes tinha mandado.


Deste modo lhes confiava Cristo a missão e o poder de anunciar aos homens aquilo que eles próprios tinham ouvido do Verbo da Vida, visto com os seus olhos, contemplado e tocado com as suas mãos. Ao mesmo tempo, confiava-lhes ainda a missão e o poder de explicar com autoridade aquilo que Ele lhes tinha ensinado, as suas palavras e os seus atos, os seus sinais e os seus mandamentos. E dava-lhes o Espírito Santo, para realizar tal missão.


Bem depressa se começou a chamar Catequese ao conjunto dos esforços envidados na Igreja para fazer discípulos, para ajudar os homens a acreditar que Jesus é o Filho de Deus, a fim de que, mediante a fé, tenham a vida em Seu nome, para os educar e instruir quanto a esta vida e assim edificar o Corpo de Cristo. A Igreja nunca cessou de consagrar a tudo isto as suas energias. 


Segundo as orientações da Catequese Renovada, a renovação atual da Catequese nasceu para responder aos desafios de uma nova situação histórica. Esta exige a formação de uma comunidade cristã missionária que anuncie, na sua autenticidade, o Evangelho e o torne fermento de comunhão e participação na sociedade e de libertação integral do Ser Humano. Para realizar esse objetivo, a Catequese precisa de sólido fundamento. Ele só pode ser procurado na própria Palavra, pela qual Deus revela sua vontade de comunhão plena com os homens.


No Novo Testamento, o termo Catequese significa dar uma instrução a respeito da fé. Em sua origem, o termo se liga a um verbo que significa fazer ecoar (Kat-ekhéo). A Catequese, de fato, tem por objetivo último fazer escutar e repercutir a Palavra de Deus fomentando assim o reino de Deus.


O desafio da Igreja é a evangelização do mundo de hoje, mesmo em territórios onde a Igreja já se encontra implantada há mais tempo. Nossa realidade pede uma nova evangelização. A catequese coloca-se dentro desta perspectiva evangelizadora, mostrando uma grande paixão pelo anúncio do Evangelho.


Sendo o anúncio de Jesus Cristo um momento da evangelização (querigma), a catequese  é um modo, dando-lhe continuidade. Sua finalidade é aprofundar e amadurecer a fé, educando o convertido para que se incorpore à comunidade cristã. A catequese sempre supõe a evangelização. Por sua vez à catequese segue-se o terceiro momento: a ação pastoral para os fiéis já iniciados à fé, no seio da comunidade cristã através da formação continuada. Catequese e ação pastoral se impregnam do ardor missionário, visando à adesão mais plena a Jesus Cristo.


A atividade da Igreja, de modo especial a catequese, traduz sempre a mística missionária que animava os primeiros cristãos. A catequese exige conversão interior e contínuo retorno ao núcleo do Evangelho (querigma), ou seja, ao Mistério de Jesus Cristo em sua Páscoa libertadora, vivida e celebrada continuamente na liturgia. Sem isso, ela deixa de produzir os frutos desejados. Toda ação da Igreja leva ao seguimento mais intenso de Jesus e o compromisso com seu projeto missionário.


O fruto da evangelização e da Catequese é o fazer discípulos: acolher a Palavra, aceitar Deus na própria vida, como dom da fé. Há certas condições da nossa parte, que se resumem em duas palavras evangélicas: conversão e seguimento. A fé é como uma caminhada, conduzida pelo Espírito Santo, a partir de uma opção de vida e uma adesão pessoal a Deus, através de Jesus Cristo, e ao seu projeto para o mundo. Isso supõe também uma aceitação intelectual, um conhecimento da mensagem de Jesus. O seguimento de Jesus Cristo realiza-se, porém, na comunidade fraterna. O discipulado, que é o aprofundamento do seguimento, implica renúncia a tudo o que se opõe ao projeto de Deus e que diminui a pessoa. Leva à proximidade e intimidade com Jesus Cristo e ao compromisso com a comunidade e com a missão.


A catequese é, em primeiro lugar, uma ação eclesial: a Igreja transmite a fé que ela mesma vive e o catequista é um porta-voz da comunidade e não de uma doutrina pessoal. A catequese faz parte do ministério da Palavra e do profetismo eclesial. O catequista é um autêntico profeta, pois pronuncia a Palavra de Deus, na força do Espírito Santo. Fiel à pedagogia divina, a catequese ilumina e revela o sentido da vida.


A catequese possui algumas características fundamentais: ser um aprendizado dinâmico da vida cristã, uma iniciação integral que favoreça o seguimento de Jesus Cristo; fornecer uma formação de base essencial, centrada naquilo que constitui o núcleo da experiência cristã; possibilitar a incorporação na comunidade cristã: nela, a catequese vai além do ensino, põe em prática a dinâmica do encontro com Jesus Cristo vivo e da experiência do Evangelho, celebra e alimenta a fé nas celebrações e na liturgia; proporcionar formação orgânica e sistemática da fé; desenvolver o compromisso missionário, inerente à ação do Espírito Santo, para o estabelecimento do Reino de Deus no coração das pessoas, em suas relações interpessoais e na organização da sociedade; fomentar o diálogo com outras experiências eclesiais (ecumenismo), religiosas (diálogo inter-religioso) e com o mundo, testemunhando a convivência fraterna com o diferente; despertar o compromisso com a ação sócio-transformadora à luz da Palavra de Deus e dos ensinamentos da Igreja.


Por ser educação orgânica e sistemática da fé, a catequese se concentra naquilo que é comum para o cristão, educa para a vida de comunidade, celebra e testemunha o compromisso com Jesus. Ela exerce, portanto, ao mesmo tempo, as tarefas de iniciação, educação e instrução (cf DGC 68). É um processo de educação gradual e progressivo, respeitando os ritmos de crescimento de cada um.


A catequese possui forte dimensão antropológica. E, por isso, ela precisa assumir as angústias e esperanças das pessoas, para oferecer-lhes as possibilidades da libertação plena trazida por Jesus Cristo. Nesta perspectiva, as situações históricas e as aspirações autenticamente humanas são parte indispensável do conteúdo da catequese. Elas devem ser interpretadas seriamente, dentro de seu contexto, a partir das experiências vivenciais do povo de Israel, à luz de Cristo e na comunidade eclesial, na qual o Espírito de Cristo ressuscitado vive e opera continuamente.


A finalidade da catequese é aprofundar o primeiro anúncio do Evangelho: levar o catequizando a conhecer, acolher, celebrar e vivenciar o mistério de Deus, manifestado em Jesus Cristo, que nos revela o Pai e nos envia o Espírito Santo. Conduz à entrega do coração a Deus e  à comunhão com a Igreja.


A dimensão eclesial é essencial à fé cristã: cada batizado professa individualmente a fé, explicitada no Credo apostólico chamado “Símbolo”, pois manifesta a identidade de nosso compromisso cristão. Mas cada um recebe, professa, alimenta e vive essa fé na Igreja e através dela. “O Creio e o Cremos se implicam mutuamente. Ao fundir a sua confissão com a confissão da Igreja, o cristão é incorporado à sua missão: ser sacramento de salvação para a vida do mundo. Quem proclama a profissão de fé assume compromissos que, não poucas vezes, atrairão a perseguição. Na história cristã, os mártires são os anunciadores e as testemunhas por excelência”.


A catequese não prepara simplesmente para este ou aquele sacramento. O sacramento é uma conseqüência de uma adesão à proposta do Reino, vivida na Igreja. Nosso processo de crescimento da fé é permanente; os sacramentos alimentam este processo e tem conseqüências na vida. Diante da importância de se assumir uma catequese de feição catecumenal, é necessário rever, profundamente, não apenas os “cursos de Batismo e de noivos” e outros semelhantes, mas todo o processo de catequese em nossa Igreja, para que se pautem pelo modelo do catecumenato.


 A Catequese é um processo permanente de educação da fé. A fé foi colocada por Deus no coração do homem. A tarefa do catequista é a de cultivar este Dom, alimentá-lo e ajudá-lo a crescer primeiro em seu coração para que deixe transbordar esta experiência de vida cristã para os irmãos. Além de ser testemunha, o catequista deve ser mestre que ensina a fé. Uma formação bíblico-teológica lhe fornecerá um conhecimento orgânico da mensagem cristã articulada a partir do mistério central da fé, que é Jesus Cristo.A catequese não pára porque é um processo e, por isso, precisa estar sempre atualizada. O mundo muda, as comunidades mudam e a catequese precisa mudar, também.


Em virtude de sua própria dinâmica interna, a fé precisa ser conhecida, celebrada, vivida e cultivada na oração. E como ela deve ser vivida em comunidade e anunciada na missão, precisa ser compartilhada, testemunhada e anunciada.


A  catequese introduz o cristão no conhecimento do próprio Jesus, das Escrituras Sagradas, da Igreja, da Tradição e das fórmulas da fé, particularmente do Credo Apostólico. E, neste sentido, as fórmulas doutrinais ajudam no aprofundamento do mistério cristão: é a dimensão doutrinal da catequese.


É tarefa da catequese introduzir no significado e participação ativa, interna e externa, consciente, plena e frutuosa dos mistérios (sacramentos), celebrações, sinais, símbolos, ritos, orações e outras formas litúrgicas. Na catequese primitiva era importante esta introdução no sentido pleno dos sinais e símbolos litúrgicos (mistagogia). Além do mais, a liturgia, por sua própria natureza, possui uma dimensão catequética. A catequese deve ser realizada em harmonia com o ano litúrgico.


É tarefa importante da catequese é educar a consciência, atitudes, espírito e projeto de vida segundo Jesus. As bem-aventuranças e os mandamentos, lidos e praticados à luz do Evangelho, e com suas conseqüências éticas e morais, tanto pessoais como sociais, fazem parte do conteúdo essencial da educação para as atitudes cristãs, como discípulos e discípulas de Jesus Cristo.


A formação para o Sacramento da Penitência contribui para a formação moral. A coerência da vida dos cristãos com sua fé é sinal de eficácia da evangelização. Somente esta coerência poderá evitar os desvios do materialismo, consumismo, hedonismo e relativismo, e superar as “estruturas geradoras de injustiças” e outras formas impostas a um povo de tradição cristã. É preciso mostrar que a religião, especialmente o cristianismo, é fermento de libertação da pessoa e de transformação da sociedade.


Cabe à catequese ensinar a rezar por, com e em Cristo, com os mesmos sentimentos e disposições com as quais ele se dirige ao Pai: adoração, louvor, agradecimento, confiança, súplica, contemplação. O Pai-nosso é o modelo acabado da oração cristã. A missão do cristão é levar, à sociedade de hoje, a certeza de que a verdade sobre o ser humano só se revela plenamente no mistério do Verbo encarnado. O testemunho de santidade tornará este anúncio plenamente digno de fé.



As principais características do documento Catequese Renovada são as seguintes: Delinear-se um modelo metodológico que leva à experiência de Deus que se expressa, sobretudo, na vida litúrgica e orante. A catequese é concebida como uma iniciação à fé em sua dimensão pessoal e comunitária.


A Catequese é o momento da iniciação à fé, a formação cristã se prolonga pela vida inteira. Além das crianças, os adultos começam a merecer maior atenção, conduzindo o catequizando ao centro do Evangelho (querigma), à conversão, à opção por Jesus Cristo e ao seu seguimento. A Catequese está a serviço da pessoa humana em sua situação concreta. É uma catequese cristológica com dimensão antropológica.


A Catequese é considerada anúncio da Palavra de Deus, a serviço da qual se coloca. O verdadeiro catequista tem a convicção (mística) de que é profeta hoje, comunicando a Palavra de Deus com seu dinamismo e eficácia, na força do Espírito Santo. A Bíblia é considerada o livro da fé e, por isso mesmo, o texto principal da catequese. O princípio da interação fé e vida, aplicado à leitura da Bíblia, gera um tipo de leitura vital e orante da Palavra de Deus.


A renovação da Catequese assume a doutrina sobre a Revelação, contida na Dei Verbum, com suas conseqüências. O modo de educar a fé segue o mesmo processo e pedagogia que Deus usou para revelar-Se.


Catequese Renovada introduziu o conceito de ações evangélico-transformadoras como aprofundamento do tradicional conceito de atividades pedagógicas. A catequese tem por tarefa introduzir o cristão nestas ações, “inspiradas pela experiência de Deus na caminhada da comunidade; [elas] educam evangelicamente para as mudanças do ambiente que nossa fé exige e inspira”.


a catequese quer valorizar e assumir os valores da cultura, a linguagem, os símbolos, a maneira de ser e de viver do povo nas suas diversas expressões culturais. A inculturação está presente em Catequese Renovada, embora o termo não apareça explicitamente. Fala-se de interação fé e vida, com vistas principalmente a aspectos sociais, políticos e econômicos. Isso facilitou posteriormente a compreensão da necessidade de assumir e valorizar os elementos da cultura, da linguagem, dos símbolos que fazem parte da maneira de viver do povo. Expressar o evangelho de forma relevante para a cultura é uma exigência metodológica da catequese. Não se trata só da cultura popular, ligada mais ao ambiente rural e às vezes pré-moderno, mas também da cultura surgida da modernidade e pós-modernidade, cujo lugar privilegiado são os grandes espaços urbanos.


Como dimensão organica, a catequese está presente em todas as pastorais, e como atividade específica, articula-se com as demais. A catequese respira a vida e a fé da Igreja, celebrada na liturgia, expressa na prática pastoral das comunidades e nas suas orientações. A catequese se beneficia dessa articulação ao mesmo tempo em que contribui para uma pastoral orgânica ou de conjunto;


Um dos temas centrais da formação do catequista é sua espiritualidade: ela brota da vida em Cristo, que se alimenta na ação litúrgica e se expressa a partir da própria atividade de educador da fé, da mística daquele que está a serviço da Palavra de Deus. É uma espiritualidade bíblica, litúrgica, cristológica, trinitária, eclesial, mariana e encarnada na realidade do povo.


A Igreja redescobriu os pobres não só como destinatários de sua missão, mas também como evangelizadores. Não se trata de um tema da catequese, mas de uma perspectiva geral, que orienta concretamente objetivos, sujeitos e destinatários, conteúdo, métodos, recursos e a própria formação de catequistas;


A Catequese Renovada descreveu em sua terceira parte os temas fundamentais da catequese. Trata-se de um conjunto de mensagens a ser adaptado aos destinatários quanto à seleção de temas, linguagem, metodologia. Deseja-se principalmente que este conteúdo de mensagens seja vivido na caminhada da comunidade. O eixo central que permeia a apresentação da mensagem é o da comunhão-participação num processo comunitário. A quarta parte do documento descreve o processo pelo qual interagem o conteúdo da fé e a transformação da vida pessoal e social.


O papel da linguagem na educação da fé. Ela já não prioriza tanto a linguagem filosófico-teológica do catecismo, mas ao traduzir os conteúdos da fé cristã, a catequese está aprendendo a falar com o homem e a mulher da modernidade e do mundo urbano, da cultura cibernética de hoje e com o homem secularizado que não tem mais aquele lastro da linguagem da Igreja.


A formação dos catequistas é atualmente uma das tarefas mais urgentes de nossas comunidades, pois, o catequista é de certo modo, o intérprete da Igreja junto aos catequizandos. O objetivo principal da formação do catequista é o de prepará-lo para comunicar a mensagem cristã,  àqueles que desejam entregar-se a Jesus Cristo.


A Catequese é vocação. Quando falamos de vocação estamos falando de um chamado que supõe o encontro de duas liberdades: a liberdade absoluta de Deus, que chama, e a liberdade humana, que responde a este chamado. Responder ao chamado de Deus é servir numa atitude de escuta, diálogo, disponibilidade e fidelidade ao compromisso. Um passo dado na missão de testemunhar o seguimento a Jesus Cristo. É um chamado para uma missão especial de evangelizar. “Ser catequista é viver uma vocação característica dentro da Igreja. Ela é uma realização da vocação batismal”.


            Catequese é profecia. O profeta é aquele que conjuga a inspiração do Alto com a respiração da realidade. Ele prolonga o mistério da Encarnação do Verbo, partilha seus aniquilamentos. Anuncia e denuncia. A missão do catequista é fazer ecoar a Palavra de Deus. Ele é sobretudo um comunicador, por isso “é necessário que a catequese estimule novas expressões do Evangelho na cultura na qual este foi implantado.”(DGC 208).


A Catequese nos últimos anos deu passos significativos. Em toda parte percebe-se um fervilhar de novas experiências e métodos mais adequados que nos orientem na caminhada. Este processo de renovação depara-se com alguns desafios: a catequese não pode ser uma simples iniciativa baseada na boa vontade, na improvisação. Disso decorre a necessidade de pensar, organizar e atualizar a catequese, buscar novos rumos, animar os catequistas, criar um clima humano-afetivo.  Surge assim a missão do coordenador do qual depende, em grande parte, a dinâmica e a renovação da catequese numa comunidade. 


Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 8 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/religiao-artigos/o-que-e-catequese-705721.html

    Palavras-chave do artigo:

    catequese

    Comentar sobre o artigo

    No início do cristianismo, a catequese era o período em que se estruturava a conversão. Os já evangelizados eram iniciados no mistério da salvação e num estilo evangélico de ser: experiência de vida cristã, ensinamento sistematizado, mudança de vida, crescimento na comunidade, constância na oração, alegre celebração da fé e engajamento missionário. Este longo processo de iniciação, chamado catecumenato, se concluía com a imersão no mistério pascal através dos três grandes Sacramentos: Batismo, Confirmação e Eucaristia. A catequese estava a serviço da igreja visando a iniciação cristã.

    Por: Robson Stigarl Religião & Esoterismo> Religiãol 04/01/2009 lAcessos: 10,654 lComentário: 3
    Odalberto Domingos Casonatto

    O mês de setembro para os católicos é dedicado a Bíblia. Este ano o livro escolhido para estudo é o livro do Êxodo capítulos 15-18. Sendo o tema central "Travessia: passo a passo o caminho se faz" e o lema "Aproximai-vos do Senhor" (Ex 16,9). O mês da Bíblia vem complementar o tema da Campanha da Fraternidade que este ano tratou do meio ambiente. A mensagem forte deste estudo para as comunidades, círculos bíblicos e catequese: na caminhada realizada passo a passo sempre esta a presença de Deus

    Por: Odalberto Domingos Casonattol Religião & Esoterismo> Religiãol 07/08/2011 lAcessos: 1,160

    Após a promulgação da atual LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) lei 9394/96 a educação passou por inúmeras mudanças, novos parâmetros surgiram e nortearam a educação. O mesmo processo também aconteceu com a disciplina de Ensino Religioso, que passou a ser orientada pelo artigo 33 da LDB e desenhada como área de conhecimento, passando a ser um novo foco de pesquisa, reflexão e também como componente curricular.

    Por: Robson Stigarl Educaçãol 04/01/2009 lAcessos: 72,292 lComentário: 15

    O presente texto tem por objetivo refletir sobre a Educação Brasileira do período Colonial a Primeira Republica. Vamos procurar analisar os seus fundamentos históricos e filosóficos contribuindo assim para o entendimento da história da Educação do nosso Pais, permitindo com isso que entendamos parte da conjuntura atual, uma vez que somos frutos de uma determinada construção histórica de exploração e desigualdade que infelizmente ainda não conseguimos romper.

    Por: Robson Stigarl Educação> Ensino Superiorl 22/03/2010 lAcessos: 12,336 lComentário: 7
    BIANCA TRINDADE DA FONSECA

    O tema das missões, pela sua importância no contexto colonial, sempre despertou opiniões contraditórias, porque representou interesses de setores concorrentes, como as Coroas espanhola e portuguesa, a Igreja Católica e os povos nativos, em relação a territórios com fronteiras ainda indefinidas, e aparece, na historiografia de cada país e na memória das áreas envolvidas, sob diferentes versões e interpretações, nas várias disciplinas que se interessam por seu estudo.

    Por: BIANCA TRINDADE DA FONSECAl Educação> Educação Onlinel 23/02/2011 lAcessos: 2,808

    O presente estudo tem o tema Ensino Religioso nas Escolas Públicas e Suas Implicações. O Ensino religioso utiliza diferentes linguagens para o tratamento pedagógico. Seu conteúdo deve ser traduzido de modo a facilitar a compreensão dos educandos. Superar preconceitos e discriminações requer lidar com valores como : autoridade, respeito e direito à diferença. O estudo de natureza revisão bibliográfica, pretende contribuir com a reflexão que nos propõe o Ensino religioso nas escolas públicas.

    Por: CLEA MARCIA PEREIRA CAMARAl Educação> Ensino Superiorl 14/03/2012 lAcessos: 656
    Challis

    A Literatura é o espelho social de uma época, pois nos mostra a face do artista e também o cenário no qual produziu sua obra, ou seja, a sociedade em que viveu. O estudo da Literatura auxilia-nos a compreender melhor a natureza de nossas ações e sentimentos. As obras de escritores e poetas nos ajudam a entender como nós, seres humanos, temos nos comportado ao longo dos séculos e, a partir do exemplo e da experiência alheios, refletir sobre nosso próprio comportamento.

    Por: Challisl Educaçãol 14/03/2013 lAcessos: 174
    Prof. JV de Miranda Leão Neto

    Um erro de investigação e uma postura proselitista foram os responsáveis por esta omissão noutros credos, e a humildade de Deus está no centro da verdadeira compreensão destes dois mistérios

    Por: Prof. JV de Miranda Leão Netol Religião & Esoterismo> Evangelhol 30/10/2012 lAcessos: 91
    BIANCA TRINDADE DA FONSECA

    A delimitação dos limites do território brasileiro, desde o descobrimento, sempre foram feitas através de conflitos. A região do Rio da Prata, no Sul do Brasil, foi palco de disputa das Coroas portuguesa e espanhola, principalmente nos territórios nos quais as missões jesuíticas de catequização de índios se encontravam. Os limites geográficos do Brasil atual foram demarcados por vários acordos firmados para resolver as divergências fronteiriças entre Portugal e Espanha nessa região. Assim, o est

    Por: BIANCA TRINDADE DA FONSECAl Educação> Ensino Superiorl 14/11/2011 lAcessos: 80

    A vontade é algo que antecipa os pensamentos humanos. A vontade se origina na alma que é a mente externa e superior. Esta vontade superior nos textos, designada também como a vontade de deus, comprovam esta proposição.

    Por: Alf Arianl Religião & Esoterismo> Religiãol 16/09/2014
    Edison Candido Gonçalves

    As interpretações bíblicas servem tanto para o bem como para o mal. Seus textos contém mensagens maravilhosas como também relatos sangrentos, traições, adultérios, incestos e outras barbaridades. Será realmente a bíblia a palavra de Deus?

    Por: Edison Candido Gonçalvesl Religião & Esoterismo> Religiãol 12/09/2014 lAcessos: 11

    A religião reúne o maior número de hipócritas e ignorantes da face da Terra e sendo ignorante também, pretendo neste texto abordar sobre religião.

    Por: EdeNickl Religião & Esoterismo> Religiãol 01/09/2014
    Flávio Oliveira

    Instituições religiosas que mantem atividades de assistência ao próximo no campo da educação, saúde e atividades previstas na constituição como de manutenção a vida podem optar por solicitar títulos de reconhecimento público, levando em consideração suas exigências e sua estrutura interna.

    Por: Flávio Oliveiral Religião & Esoterismo> Religiãol 01/08/2014

    A Letra Viva, é uma ótica colocado sobre os textos, que nos faz crer na possibilidade de que os mesmos tenham sido escritos utilizando-a, o que coloca o real entendimento diametramente oposto ao entendimento causado pela letra morta, ou interpretação ao pé da letra.

    Por: Alf Arianl Religião & Esoterismo> Religiãol 01/08/2014 lAcessos: 16

    Os bons atos determinam a liberdade espiritual e material da criatura. É na vivência diária que ela constrói o seu céu ou o seu inferno por intermédio do uso do livre arbítrio.

    Por: ADRASTIA ABNARAl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/07/2014
    Instituto Teológico Gamaliel

    Por que será que muitas pessoas que entram e sentam em um banco de uma Igreja, não são mais tocadas e nem deixam Deus falar com elas? Quem sabe: elas estão com o coração fechados e ouvidos tapados, ao ponto, de sentirem ...

    Por: Instituto Teológico Gamaliell Religião & Esoterismo> Religiãol 21/07/2014 lAcessos: 14
    Werkson Azeredo

    RESUMO Na visão Paulina o nascimento de Cristo ocorreu em momento oportuno "Plenitude dos tempos" que viria a favorecer a propagação da Fé cristã, porém Jesus foi uma figura controversa em seu contexto amado pelas massas, mas em constante conflito com os líderes Judaicos o que culminará na sua crucificação e morte de Jesus, evento relatado nos quatro evangelhos (Mt. 27.45-56; Mc. 15.33-41; Jo 19.28-30), contudo Jesus Ressuscita provando ser o messias, ressuscitando vencera a morte, sendo agora c

    Por: Werkson Azeredol Religião & Esoterismo> Religiãol 20/07/2014 lAcessos: 23

    O referido livro faz parte da Coleção Temas do Ensino Religioso lançado pela Editora Paulinas em 2007. A obra tem o objetivo de divulgar as legislações em níveis nacional e estaduais sobre o Ensino Religioso, colaborando assim para a compreensão deste componente curricular como área de conhecimento junto à educação brasileira

    Por: Robson Stigarl Religião & Esoterismo> Religiãol 25/03/2010 lAcessos: 1,211

    Este artigo pretende apresentar as principais diferenças entre Recursos Humanos e Gestão de Pessoas, aborda as principais tendências de Gestão de Pessoas com ênfase nos estudos e nas experiências desenvolvidas no âmbito da gestão

    Por: Robson Stigarl Educação> Ensino Superiorl 23/03/2010 lAcessos: 6,691

    Principal religião da Índia, o Hinduísmo é um tipo de união de crenças com estilos de vida. Sua cultura religiosa é a união de tradições étnicas

    Por: Robson Stigarl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/03/2010 lAcessos: 1,310

    O presente texto não tem a pretensão de esgotar os conhecimentos sobre a relação Estado-Sociedade, bem pelo contrario, tal tema é bastante amplo e complexo, sendo impossível conceituar o mesmo em poucas palavras, ate mesmo por que se trata de pontos de vistas distintos sobre o mesmo assunto

    Por: Robson Stigarl Educação> Ensino Superiorl 22/03/2010 lAcessos: 3,683

    Não é novidade que a presença dos jovens nas igrejas têm crescido surpreendentemente no mundo atual. Uma pesquisa inédita do instituto Bertelsmann Stifung revela que 95% dos jovens brasileiros se dizem religiosos e buscam novas formas de expressar sua fé.

    Por: Robson Stigarl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/03/2010 lAcessos: 813

    A palavra Filosofia remete o imaginário popular a pensar em diferentes sentidos e significados. Para entendermos seu real significado é precisar buscar a origem etnológica da palavra a cerca de 2400 a.C. na Grécia clássica.

    Por: Robson Stigarl Educação> Ensino Superiorl 22/03/2010 lAcessos: 5,945 lComentário: 1

    O presente texto tem por objetivo refletir sobre a Educação Brasileira do período Colonial a Primeira Republica. Vamos procurar analisar os seus fundamentos históricos e filosóficos contribuindo assim para o entendimento da história da Educação do nosso Pais, permitindo com isso que entendamos parte da conjuntura atual, uma vez que somos frutos de uma determinada construção histórica de exploração e desigualdade que infelizmente ainda não conseguimos romper.

    Por: Robson Stigarl Educação> Ensino Superiorl 22/03/2010 lAcessos: 12,336 lComentário: 7

    O presente artigo se propõe a abordar o que são Direitos Humanos, fazendo uma breve retrospectiva histórica. Comentando que é possível constatar que ainda é tímida a introdução da temática da educação em Direitos Humanos na formação de professores e educadores em geral, na formação inicial e continuada.

    Por: Robson Stigarl Educaçãol 28/01/2010 lAcessos: 556

    Comments on this article

    2
    Ivanildo Pereira 27/03/2011
    Gostei muito de ler o verdadeiro significado de catequese. Antes ficava me perguntando o significado do mesmo. Porém! é uma palavra que busca o comunhão com a sociedade, ou seja, se aproximar de DEUS. Enfim é isso! gostei muito!
    2
    paula 26/08/2010
    Maravilhoso este artigo, sou professora de ensino religioso e catequista e estava em busca de material para completar minha sintese teologica,pois estou no meu ultimo periodo do curso e seu trabalho muito me ajudou,parabens voce e muito especiallllllllll.
    2
    jairo Cardoso 13/07/2010
    Boa tarde...Sim a catequese é uma vocação, e hoje precisamos de Catequistas preparados, consciente de seu Papel como Catequista, pois ser catequista é um desafio, mas é um Santo desafio, onde enriquece muito a nossa vida....
    4
    leonilda 13/08/2009
    Parabens Rbson, meu colega de especialização em ER!!! otimo seus artigos, está me ajudando em minha monografia de pós em catequese.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast