O Significado da Oração

18/10/2010 • Por • 4,851 Acessos

Em diferentes pontos do globo terrestre, neste instante, milhões de pessoas estão de alguma maneira, seja com diversos rituais ou com simples gestos, fazendo preces, rezas, petições, súplicas, enfim, orações. Seja como for o termo utilizado (do latim oratione), nas mais diversas culturas do mundo, subentende-se que a oração no sentido etimológico corresponde a uma fala, discurso, sentença ou elocução, mas no sentido religioso é uma expressão da alma humana com o Divino. É um relacionamento de diálogo entre pessoas, ou um tipo de comunicação entre o sujeito e o Intangível. Basicamente, a oração pode ser apenas com palavras e expressões da língua local, mas em algumas religiões do mundo é realizada em outro idioma que não seja a língua-mãe. Em muitos casos a oração é uma expressão direta e espontânea, outras vezes ela pode ser lida como um discurso escrito. Também pode ser feita em pensamento, com o gesto simples de cerrar os olhos e curvando a cabeça para cima ou para baixo, com as mãos livres ou juntando-as. Entretanto, não há uma regra ou padrão único que possa ser seguido por todos. Cada pessoa ou grupo religioso adota métodos distintos para fazer suas orações a Deus (no caso das seitas e religiões pagãs, suas orações são direcionadas a diversos deuses ou demônios). Há uma variedade muito grande de conceitos teológicos que expressam a experiência do praticante, assim como também os modelos de orações pelo mundo. Seria dispendioso listar aqui os diversos conceitos e maneiras de orações seguidas pelos indivíduos e religiões do mundo todo. Basta-nos este conceito do famoso Bispo de Hipona, Agostinho, "a oração genuína e total nada mais é do que amor".

I – Qual a origem da Oração?

A oração é uma das práticas mais antigas que o ser humano possui para comunicar-se com a Divindade. Isto se deu por ocasião do pecado introduzido no mundo. Com certeza o relacionamento que o homem tinha com Deus no princípio, antes do pecado, não era abstrata, mas real. Por conseguinte, a barreira do pecado impediu desde a antiguidade a comunicação direta do homem com Deus. Todavia, Deus pela Sua eterna Misericórdia instituiu a oração, que à semelhança da fé é um dom de Deus, para que o homem mantivesse uma comunhão permanente com o Pai celeste em qualquer situação ambiental ou variação emocional. Blaise Pascal dissera que "Deus instituiu a oração para conferir a suas criaturas a dignidade de serem causas". A oração faz parte da vida do ser humano e da comunidade desde os tempos mais remotos, não somente em rituais litúrgicos como também na vida cotidiana.

Porém com o passar dos tempos o pecado se multiplicou sobremaneira, "a humanidade ficou corrompida e cheia de violência" (Gn 6.11 - parafraseado). O homem distanciou-se cada vez mais do Seu Criador. Assim, como desde o princípio, o homem procura se esconder da presença de Deus (Gn 3.8), perdendo e corrompendo essa grande dádiva de Deus que é a oração.

Com a proliferação do politeísmo e da idolatria, a maior parte dos povos antigos manipulou os mais diversos ritos e cerimônias religiosas para as suas divindades. As expedições arqueológicas sustentam que alguns escritos encontrados das civilizações antigas são rituais religiosos a deuses, ou especificamente a uma divindade pagã. Entre esses rituais a oração continuava a ser o cerne de suas religiões, embora de maneira promíscua. Na Bíblia temos diversos exemplos disso, é o que trataremos mais adiante.

II – Que tipo de Oração encontramos na Bíblia?

Deus fala conosco de muitas maneiras (Hb 1.1). Nós nos expressamos a Ele através da oração. Na Bíblia encontramos muitos exemplos de pessoas que expressaram seus sentimentos pela oração a Deus. Apesar de acharmos vários tipos e propósitos de oração nas Escrituras, a natureza e o veículo condutor dela seguem um padrão divino.

Depois que o povo de Deus foi estabelecido, a oração passou a fazer parte da liturgia no culto. No culto sacerdotal de Israel a oração era representada pelo altar de incenso (Ex 30.1 comparar com Ap 8.3-4). Neste caso os critérios de Deus para queimar incenso no altar eram rigorosos (Ex 30.7-9), mesmo porque a posição do altar de incenso no tabernáculo (simbologia do A.T. para a vida cristã - 2 Co 6.16) ficava diante da Arca da Aliança (Ex 40.5), que era o testemunho fiel da presença de Deus entre o povo (Nm 7.89). Dentro deste rigor estavam as especiarias utilizadas para a fabricação do incenso: estoraque (ou benjoim), ônica, gálbano e incenso puro. Essas especiarias são plantas e resinas aromáticas, muito usadas na medicina até hoje (Novo Dicionário Aurélio). Todo esse material era preparado por um especialista em obra de perfumaria (Ex 30.35). O boticário ou perfumista, como era chamado, secava, moia e processava as especiarias para dar origem ao incenso "temperado, puro e santo" ao Senhor. Isto representava a verdadeira natureza da oração: com contrição, natural e objetiva.

No ensino de Jesus a oração tem a mesma natureza que o ensinado no Antigo Testamento. Não poderia servir para projeção do ego. Tinha que ser discreta (Mt 6.5), com intimidade (Mt 6.6) e com objetivo (Mt 6.7). Jesus teve séria preocupação com seus discípulos em ensinar-lhes a fazer uso da oração constantemente. Além de ensinar a orar, o Senhor Jesus vivia em contínua oração (Mt 14.23; 26.36-44; Lc 6.12; 9.28).

O caráter do cristão é formado pelo tipo de comunhão que ele tem com Deus. A vida de intimidade com Deus é ter a prioridade em alcançar as bênçãos do Senhor e de transpor as adversidades da vida. Tudo isso é resultado de uma vida piedosa e devotada ao Senhor, através da prática da oração e do estudo da Palavra. Se pretendermos influenciar e transformar pessoas, não será, com certeza, através de uma boa retórica nem de posição eclesiástica, mas de uma vida piedosamente enxertada pela Palavra de Deus e pelo cultivo da oração, conseqüentemente cheia do poder do Espírito Santo. Neste caso, influenciaremos a nossa família, nosso bairro, nossa igreja, nossa cidade e até o mundo.

Perfil do Autor

Valnei Santos

Teólogo, Evangelista, Gestor de Empresas, MBA em Administração