Sobrenomes Sefarditas: Uma Cripto-Comunidade Judaica Na Europa, Na África E Na América

Publicado em: 19/04/2009 |Comentário: 22 | Acessos: 50,645 |

1 – INTRODUÇÃO

Os Sefarditas (do hebraico Sefardim, no singular Sefardi) são todos os Judeus provenientes da Península Ibérica (Sefarad). Tais Povos por muitos séculos foram perseguidos durante o período da Inquisição Católica. E por este motivo, fugiram para países como Holanda e Reino Unido; além dos países do Norte da África e da América como: Brasil, Argentina, México e EUA; e desse modo, tiveram que seguir suas tradições secretamente ou até mesmo abrir mãos das Tradições do Judaísmo, tudo em busca da sobrevivência. Sendo que alguns ainda tiveram que se converter forçadamente ao Cristianismo Católico.   

2 – CONTEXTO HISTÓRICO

Ao longo da História o Judaísmo sofreu inúmeras perseguições por parte de seus opositores, dos tais destacam-se os Romanos, Católicos e Nazistas. Nestas condições, muitos Judeus perderam suas identidades culturais, e assim, várias gerações surgiram sem o contato explicito com as Tradições do Judaísmo, seja ele Ortodoxo ou Messiânico.

De fato, tudo isso iniciou com a segunda Diáspora, onde o General Tito, filho do Imperador Vespasiano, sufocou a primeira rebelião no ano de 70 d.C. (tendo ela sido iniciada em 66 d.C.), o que culminou na destruição do Templo e na morte de quase 1 milhão de Judeus. Sendo que a Diáspora só se concretizou após a segunda revolta dos Judeus, iniciada em 132 d.C. e dissolvida pelo Imperador romano Adriano em 135 d.C. E assim, proibidos de entrarem em Jerusalém e sendo eles expulsos da Palestina (região da Judéia), os Judeus se espalharam pelo Mundo.

Aos poucos a Europa foi sendo habitada por Judeus refugiados da ira romana, principalmente na região da Península Ibérica. Tempos depois, os Judeus novamente passaram a ser vítimas de perseguições, desta vez, promovidas pela Igreja Católica Apostólica Romana; que instaurou a fogueira da Inquisição. Assim, um dos crimes alegados pela Igreja, era o “crime de Judaísmo”. Em que o indivíduo era proibido de exercer sua judaicidade.

Neste caso, a partir da feroz Inquisição espanhola de 1478 até 1834, em que Judeus e inúmeros outros indivíduos, foram julgados por possíveis atos contra os preceitos da Igreja. Sendo que os Judeus foram expulsos da Espanha no ano de 1492.

Perseguidos e desamparados, os Judeus espanhóis tiveram que se refugiar em Portugal. Estando lá, foram feitos escravos, embora conquistassem a liberdade em 1495, beneficiados com a Lei promulgada por D. Manoel ao subir ao trono. Mas em 1496, assinou um acordo que expulsaria todos os Judeus Sefarditas (ou Marranos) que não se sujeitassem ao batismo Católico. Sendo que no ano seguinte, as crianças Judias de até 14 anos foram obrigadas a se batizarem e em seguida adotadas por famílias Católicas.

Com a descoberta das terras brasileiras em 1500, pela a esquadra de Cabral, a sorte de muitos Judeus mudaria. Pois em 1503, o Judeu Fernando de Noronha com uma considerável lista de Judeus, apresenta o projeto de Colonização a D. Manoel. Porém, o Povo Judeu ainda passaria por mais um triste episódio, quando em 1506, milhares de Judeus foram mortos e queimados pelo Progon da capital portuguesa. Além de tais Judeus (Cristãos Novos) terem presenciado o contraditório D. Manoel estabelecer a lei que dava os liberdade e os mesmos direitos dos Católicos, em 01 de março de 1507. O mesmo D. Manoel que em 1515 solicita ao papa um sistema de Inquisição semelho semelnatede Inquisiçita ao papaqueimados triste ep por famSefarditas (ou Marranos)ante ao espanhol.

E desse modo, a solução para estes Judeus Marranos, foram a de aderirem ao movimento de Colonização do Brasil, quando em 1516, D. Manoel distribui ferramentas gratuitamente a quem quisesse tentar a vida na Colônia.

Em 1524, D. João III confirma a Lei de D. Manoel (de 1507), que consolida a lei de direitos iguais aos convertidos à força. No ano de 1531, Martin Afonso de Souza (aluno do Judeu Pedro Nunes), recebe de D. João III a autorização de colonizar o Brasil sistematicamente. Em que 1533, o mesmo funda o primeiro engenho no Brasil.

Durante um bom tempo, os Judeus passaram por inúmeras revira-voltas quanto a benefícios, confiscos e até mesmo mortes. Porém, os mesmos gozaram de plena liberdade religiosa durante o domínio holandês de 1637 a 1644 (na gestão de Maurício de Nassau), quando fundaram a primeira sinagoga no Brasil, a Zur Israel. Mas, com a retomada portuguesa em 1654, os Judeus foram de fato expulsos e alguns migraram para outros países.

No período de 1770 a 1824, os Judeus passam por mais uma fase de aceitação; sendo que em 25 de maio de 1773, é estabelecida a abolição dos termos Cristãos Novos (Judeus) e Cristãos Velhos (Católicos), passando todos a terem os mesmos benefícios e sem distinções.

A partir de 1824, o movimento tais Judeus (Sefarditas ou Marranos), passa por um período de “assimilação profunda”, isto é, inicia-se uma fase de parcial esquecimento de suas Tradições, devido a séculos de repressão e pelo contato direto e extensivo com uma cultura etnocêntrica, que mesmo os aceitando perante as leis, tratavam-os com desprezo e repressão. A solução mesmo, partiu do pressuposto do esquecimento e sectarismo, o que permitiu com que várias gerações crescessem sem ter uma real noção de suas legitimas raízes.

Desse modo, estima-se que no Brasil, vivam cerca de um décimo (1/10) ou até mesmo 35 milhões de Judeus Sefarditas, entre eles os Judeus Asquenazitas (provinientes da Europa Central e Oriental).

Assim, segue-se abaixo uma lista com os principais sobrenomes Sefarditas habitantes da Peninsula Ibérica, e no decorrer do continente Americano, a exemplo do Brasil:        

2.1 – Sobrenomes Judaico-Sefarditas oriundos das regiões portuguesas de Alentejo, Beira-Baixa e Trás-os-Montes:

Amorim; Azevedo; Álvares; Avelar; Almeida; Barros; Basto; Belmonte; Bravo; Cáceres; Caetano; Campos; Carneiro; Carvalho; Crespo; Cruz; Dias; Duarte; Elias; Estrela; Ferreira; Franco; Gaiola; Gonçalves; Guerreiro; Henriques; Josué; Leão; Lemos; Lobo; Lombroso; Lopes; Lousada; Macias; Machado; Martins; Mascarenhas; Mattos; Meira; Mello e Canto; Mendes da Costa; Miranda; Montesino; Morão; Moreno; Morões; Mota; Moucada; Negro; Nunes; Oliveira; Ozório; Paiva; Pardo; Pilão; Pina; Pinto; Pessoa; Preto; Pizzarro; Ribeiro; Robles; Rodrigues; Rosa; Salvador; Souza; Torres; Vaz; Viana e Vargas.

2.2 – Sobrenomes de famílias Judaico-Sefarditas na Diáspora para Holanda, Reino Unido e Américas:

Abrantes; Aguilar; Andrade; Brandão; Brito; Bueno; Cardoso; Carvalho; Castro; Costa; Coutinho; Dourado; Fonseca; Furtado; Gomes; Gouveia; Granjo; Henriques; Lara; Marques; Melo e Prado; Mesquita; Mendes; Neto; Nunes; Pereira; Pinheiro; Rodrigues; Rosa; Sarmento; Silva; Soares; Teixeira e Teles.

2.3 – Sobrenomes judaico-Sefarditas na América Latina:

Almeida; Avelar; Bravo; Carvajal; Crespo; Duarte; Ferreira; Franco; Gato; Gonçalves; Guerreiro; Léon; Leão; Lopes; Leiria; Lobo; Lousada; Machorro; Martins; Montesino; Moreno; Mota; Macias; Miranda; Oliveira; Osório; Pardo; Pina; Pinto; Pimentel; Pizzarro; Querido; Rei; Ribeiro; Robles; Salvador; Solva; Torres e Viana.

2.4 – Principais exemplos de Sobrenomes extraídos do Dicionário Sefarad:

AAbreu; Abrunhosa; Affonseca; Affonso; Aguiar; Ayres; Alam; Alberto; Albuquerque; Alfaro; Almeida; Alonso; Alvade; Alvarado; Alvarenga; Álvares/Alvarez; Alvelos; Alveres; Alves; Alvim; Alvorada; Alvres; Amado; Amaral; Andrada; Andrade; Anta; Antonio; Antunes; Araújo; Arrabaca; Arroyo; Arroja; Aspalhão; Assumção; Athayde; Ávila; Avis; Azeda; Azeitado; Azeredo; Azevedo; BBacelar; Balão; Balboa; Balieyro; Baltiero; Bandes; Baptista; Barata; Barbalha; Barboza/Barbosa; Bareda; Barrajas; Barreira; Baretta; Baretto; Barros; Bastos; Bautista; Beirão; Belinque; Belmonte; Bello; Bentes; Bernal; Bernardes; Bezzera; Bicudo; Bispo; Bivar; Boccoro; Boned; Bonsucesso; Borges; Borralho; Botelho; Bragança; Brandão; Bravo; Brites; Brito; Brum; Bueno; Bulhão; C Cabaço; Cabral; Cabreira; Cáceres; Caetano; Calassa; Caldas; Caldeira; Caldeyrão; Callado; Camacho; Câmara; Camejo; Caminha; Campo; Campos; Candeas; Capote; Cárceres; Cardozo/Cardoso; Carlos; Carneiro; Carranca; Carnide; Carreira; Carrilho; Carrollo; Carvalho; Casado; Casqueiro; Casseres; Castenheda; Castanho; Castelo; Castelo Branco; Castelhano; Castilho; Castro; Cazado; Cazales; Ceya; Céspedes; Chacla; Chacon; Chaves; Chito; Cid; Cobilhos; Coche; Coelho; Collaco; Contreiras; Cordeiro; Corgenaga; Coronel; Correa; Cortez; Corujo; Costa; Coutinho; Couto; Covilha; Crasto; Cruz; Cunha; D Damas; Daniel; Datto; Delgado; Devet; Diamante; Dias; Diniz; Dionísio; Dique; Doria; Dorta; Dourado; Drago; Duarte; Duraes; E Eliate; Escobar; Espadilha; Espinhosa; Espinoza; Esteves; Évora; F Faísca; Falcão; Faria; Farinha; Faro; Farto; Fatexa; Febos; Feijão; Feijó; Fernandes; Ferrão; Ferraz; Ferreira; Ferro; Fialho; Fidalgo; Figueira; Figueiredo; Figueiro; Figueiroa; Flores; Fogaca; Fonseca; Fontes; Forro; Fraga; Fragozo; Franca; Francês; Francisco; Franco; Freire; Freitas; Froes/Frois; Furtado; G Gabriel; Gago; Galante; Galego; Galeno; Gallo; Galvão; Gama; Gamboa; Gancoso; Ganso; Garcia; Gasto; Gavilao; Gil; Godinho; Godins; Góes; Gomes; Gonçalves; Gouvêa; Gracia; Gradis; Gramacho; Guadalupe; Guedes; Gueybara; Gueiros; Guerra; Guerreiro; Gusmão; Guterres; H Henriques; Homem; I Idanha; Iscol; Isidro; J Jordão; Jorge; Jubim; Julião; L Lafaia; Lago; Laguna; Lamy; Lara; Lassa; Leal; Leão; Ledesma; Leitão; Leite; Lemos; Lima; Liz; Lobo; Lopes; Loução; Loureiro; Lourenço; Louzada; Lucena; Luiz; Luna; Luzarte; MMacedo; Machado; Machuca; Madeira; Madureira; Magalhães; Maia; Maioral; Maj; Maldonado; Malheiro; Manem; Manganês; Manhanas; Manoel; Manzona; Marca; Marques; Martins; Mascarenhas; Mattos; Matoso; Medalha; Medeiros; Medina; Melão; Mello; Mendanha; Mendes; Mendonça; Menezes; Mesquita; Mezas; Milão; Miles; Miranda; Moeda; Mogadouro; Mogo; Molina; Monforte; Monguinho; Moniz; Monsanto; Montearroyo; Monteiro; Montes; Montezinhos; Moraes; Morales; Morão; Morato; Moreas; Moreira; Moreno; Motta; Moura; Mouzinho; Munhoz; N Nabo; Nagera; Navarro; Negrão; Neves; Nicolao; Nobre; Nogueira; Noronha; Novaes; Nunes; O Oliva; Olivares; Oliveira; Oróbio; P Pacham/Pachão/Paixão; Pacheco; Paes; Paiva; Palancho; Palhano; Pantoja; Pardo; Paredes; Parra; Páscoa; Passos; Paz; Pedrozo; Pegado; Peinado; Penalvo; Penha; Penso; Penteado; Peralta; Perdigão; Pereira; Peres; Pessoa; Pestana; Picanço; Pilar; Pimentel; Pina; Pineda; Pinhão; Pinheiro; Pinto; Pires; Pisco; Pissarro; Piteyra; Pizarro; Pombeiro; Ponte; Porto; Pouzado; Prado; Preto; Proença; Q Quadros; Quaresma; Queiroz; Quental; R Rabelo; Rabocha; Raphael; Ramalho; Ramires; Ramos; Rangel; Raposo; Rasquete; Rebello; Rego; Reis; Rezende; Ribeiro; Rios; Robles; Rocha; Rodriguez; Roldão; Romão; Romeiro; Rosário; Rosa; Rosas; Rozado; Ruivo; Ruiz; S Sá; Salvador; Samora; Sampaio; Samuda; Sanches; Sandoval; Santarém; Santiago; Santos; Saraiva; Sarilho; Saro; Sarzedas; Seixas; Sena; Semedo; Sequeira; Seralvo; Serpa; Serqueira; Serra; Serrano; Serrão; Serveira; Silva; Silveira; Simão; Simões; Soares; Siqueira; Sodenha; Sodré; Soeyro; Sueyro; Soeiro; Sola; Solis; Sondo; Soutto; Souza; T Tagarro; Tareu; Tavares; Taveira; Teixeira; Telles; Thomas; Toloza; Torres; Torrones; Tota; Tourinho; Tovar; Trigillos; Trigueiros; Tridade; U Uchoa; V Valladolid; Vale; Valle; Valença; Valente; Vareda; Vargas; Vasconcellos; Vasques; Vaz; Veiga; Veyga; Velasco; Vélez; Vellez; Velho; Veloso; Vergueiro; Viana; Vicente; Viegas; Vieyra; Viera; Vigo; Vilhalva; Vilhegas; Vilhena; Villa; Villalao; Villa-Lobos; Villanova; Villar; Villa Real; Villella; Vilela; Vizeu; X Xavier; Ximinez; ZZuriaga.

Desse modo, vemos claramente que os Judeus fazem parte de uma enorme frente de formação da Península Ibérica, Norte da África e América. O que nos coloca em contato direto com um contexto cripto-judaico.

2.5 – Como confirmar a descendência judaica?

Evidentemente que, nem sempre aqui no Brasil, ter o sobrenome judaico lhe dá a condição de Judeu descendente. Pois, havemos de concordar, que o país passou por inúmeros casos concernentes a erros de sobrenomes, no que diz respeito a grandes falhas nos cartórios responsáveis pelo registro de nomes e sobrenomes.

Assim, a melhor opção para quem se identifica com um sobrenome Judeu, é observar os seguintes fatores:

  • Os casamentos entre familiares (pois era uma forma de manter os bens entre as famílias judias e os pontos de vista em comum);
  • Tradições de cunho ligado à cultura hebraica em relação ao Cristianismo (considerando que o Cristianismo para esses era seguido por aparências, pois ambos foram convertidos forçadamente à religião Cristã Católica);
  • E por último, o levantamento histórico-genealógico (para confirmar se houve ou não alterações nos sobrenomes ao longo das gerações).

 

3 – CONCLUSÃO

Portanto, fica evidente a existência de uma grandiosa cripto-Comunidade Judaica na Península Ibérica (Portugal e Espanha), assim como nos países do continente americano (a exemplo do Brasil) e africano. E com isso, percebemos o quanto à segregação e o etnocentrismo promovem a destruição de princípios, gerando um “câncer” na liberdade individual e conjunta, como também, na tradição religiosa. O que aglutina ainda mais a odiosidade entre as Religiões e os Povos, que se distanciam ainda mais de possíveis e saudáveis diálogos baseados no bom senso.    

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DESCENDENTES DE JUDEUS DA INQUISIÇÃO. Cronologia histórica da etnia judaica Ibero-Brasileira. Disponível em:<http://ensinandodesiao.org.br/anussim/index.php?option=com_content&task=view&id=39&Itemid=29>. Acesso realizado em: 19 abr. 2009. 

CRUZ, Carla & RIBEIRO, Uirá. Metodologia cientifica: teoria e prática. 2ª ed. Rio de Janeiro: Axcel Books do Brasil, 2004.

LAMECH144. Judeus Anussins: nossa origem comum [mensagem geral: triangulodourado – yahoogrupos]. Mensagem recebida por <[email protected]> em 23 dez. 2007.

WIKIPÉDIA. Sefardita. Disponpivel em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Sefardita>. Acesso realizado em: 18 abr. 2009.

 

 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 22 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/religiao-artigos/sobrenomes-sefarditas-uma-cripto-comunidade-judaica-na-europa-na-africa-e-na-america-874480.html

    Palavras-chave do artigo:

    diaspora peninsula iberica judeus sefarditas inquisicao sobrenomes

    Comentar sobre o artigo

    Páscoa significa passagem do material ao espiritual, o que resta é só carnal, a ressurreição bendita é real na glória não desdita, o espírito se liberta e ressuscita. Jesus o Cristo, o filho do homem, passa a filho de Deus deixa o espírito encarnado, ressuscitado não morreu. A páscoa vivifica e se eterniza em nossos corações, persas, romanos, judeus e armênios, se tornam filisteus, o mundo cristão encena a paixão de quem não morreu. Cristo nosso irmão mora nos corações dos irmãos seus.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Religião & Esoterismo> Religiãol 05/04/2015

    páscoa era a maior festa dos judeus, recomendada por Moisés e celebrada pela primeira vez quando deixaram o Egito. A palavra páscoa significa passagem, ou seja, a passagem dos judeus pelo Mar Vermelho e do anjo que matou os primogênitos do Egito e poupou os Hebreus, cujas casas estavam assinaladas com o sangue do cordeiro. Páscoa é, pois, para os judeus, a comemoração da passagem de Israel do cativeiro para a liberdade.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Religião & Esoterismo> Religiãol 05/04/2015

    A mediunidade está muito difundida nos dias atuais. Muitas pessoas de outras religiões procuram as Casas Espíritas, no intuito de encontrar uma paz interior e através dessa paz, conquistar a sua reforma íntima. Todo aquele que sente num grau qualquer, a influência dos espíritos é, por esse fato, médium. A palavra médium tem a sinonímia de intermediário entre o mundo material e espiritual. Essa faculdade é inerente ao homem, não é exclusividade de nenhuma religião.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Religião & Esoterismo> Religiãol 24/03/2015 lAcessos: 12

    As religiões servem até hoje como um caminho para os mais elevados valores pessoais, e também como uma das formas mais complexas de poder e de preconceito, incluindo-se fé, ambição, poder e Deus. Todas as religiões têm suas crenças no mundo espiritual, mas não deixam de almejar o poder e construir seu reino na Terra.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Religião & Esoterismo> Religiãol 22/03/2015
    Fernando Corrêa manarim

    Para compreendermos a origem dessa "esquizofrenização" da raça humana, principal responsável por essa crise existencial avassaladora, elegi empregar como principais referências, dois mitos importantes e iconográficos, de épocas diferentes, mas que ilustram e caracterizam de maneira clara e original os verdadeiros motivos que nos transformaram nisso que "estamos" hoje. Esses mitos nos revelam simbólica e metaforicamente, como esse mundo distorcido criado pela humanidade originou-se

    Por: Fernando Corrêa manariml Religião & Esoterismo> Religiãol 19/03/2015
    Fernando Corrêa manarim

    O ser humano passa por uma grave crise, pois algo o domina, o envolve e o manipula há muito tempo. Sem identidade, sem certezas e sem rumo, a humanidade, doente, passou a viver uma vida errante, de profunda mendicância existencial, por buscar algo que ficamos privados e que, por algum motivo, não nos recordamos nem como e nem porque tudo isso aconteceu. Esse "algo" extraviado ficou conhecido historicamente com o nome de "Elo Perdido"

    Por: Fernando Corrêa manariml Religião & Esoterismo> Religiãol 16/03/2015 lAcessos: 15
    Cláudia Meyer

    "Portanto, dá-me sabedoria para que eu possa governar o teu povo com justiça e saber a diferença entre o bem e o mal. Se não for assim, como é que eu poderei governar este teu grande povo?" (‭1 Reis‬ ‭3‬:‭9‬)

    Por: Cláudia Meyerl Religião & Esoterismo> Religiãol 12/03/2015 lAcessos: 15
    Jordanio Aguiar

    O presente artigo almeja discutir o caminho do Ensino Religioso na história da educação brasileira, iniciando-se pelo período colonial, imperial, republicano e pelas constituições até a idade contemporânea com a nova LDB 9.475 de 22 de julho de 1997, onde o Ensino Religioso é refletido como sendo uma disciplina curricular de obrigatoriedade das escolas públicas de ensino fundamental, proibidas quaisquer formas de proselitismo, ou seja, o Ensino Religioso deve respeitar a pluralidade cultural .

    Por: Jordanio Aguiarl Religião & Esoterismo> Religiãol 23/02/2015 lAcessos: 18
    José Ribeiro da Silva Júnior

    Neste artigo, analisaremos brevemente a relação deturpada entre os estudos propostos por Karl Marx, e aqueles que se dizem serem seus seguidores. Desse modo, enfatizaremos o quanto tais estudos foram alterados em termos hermenêuticos, ao ponto de fugir quase que por completo, da autenticidade sugerida por Marx.

    Por: José Ribeiro da Silva Júniorl Educação> Ensino Superiorl 25/05/2013 lAcessos: 63
    José Ribeiro da Silva Júnior

    Este presente artigo de opinião relata os princípios em torno das mudanças sociais, trazendo um retrospecto em relação aos agentes implicantes e contribuintes de tais modificações.

    Por: José Ribeiro da Silva Júniorl Educação> Ensino Superiorl 25/05/2013 lAcessos: 22
    José Ribeiro da Silva Júnior

    Neste presente artigo refletiremos sobre problemas pertinentes em torno da Educação Infantil, no que diz respeito ao poder da interferência familiar. Para isso, traremos como elemento chave o filme O Milagre de Anne Sullivan, a fim de que tenhamos a noção fundamental da necessidade de um equilíbrio educacional. Culminando assim, numa analise em torno das possibilidades de transformações positivas.

    Por: José Ribeiro da Silva Júniorl Educação> Educação Infantill 06/08/2010 lAcessos: 1,802
    José Ribeiro da Silva Júnior

    Toda política educacional ou qualquer ação realizada, constitui, no entanto dois lados: um positivo e o outro negativo. Sendo assim, por meio do presente artigo, buscaremos a reflexão em torno da política educacional do Governo Lula. Ressaltando de fato, pontos fundamentais ou desnecessários.

    Por: José Ribeiro da Silva Júniorl Educação> Ensino Superiorl 07/07/2010 lAcessos: 1,069
    José Ribeiro da Silva Júnior

    O trabalho ao longo dos períodos históricos vividos pelos seres humanos, representou como um meio prático e fundamental a sobrevivência. No entanto, o mesmo no presente século possui a mesma característica. Adicionada a ideia de ascensão social e busca incessante pela aquisição de status. Assim, nesse presente artigo, refletiremos um pouco mais sobre tais pressupostos.

    Por: José Ribeiro da Silva Júniorl Educação> Ensino Superiorl 07/07/2010 lAcessos: 543
    José Ribeiro da Silva Júnior

    A discussão em torno da proposta de como construir um Currículo sistemático que atenda as necessidades da sociedade, sempre teve e terá lugar reservado nos centros de ensino. Nesse pressuposto, o presente artigo tem como perspectiva a abordagem temática de acordo com a produção de Cecília Hanna Mate, embasada, no entanto, na concepção do norte-americano Thomas S. Popkewitz.

    Por: José Ribeiro da Silva Júniorl Educação> Ensino Superiorl 07/07/2010 lAcessos: 494
    José Ribeiro da Silva Júnior

    O Halo é um fenômeno que consiste na manifestação de um círculo multicor em torno do Sol. O mesmo é explicado por cientistas como sendo provocado pelo contato da luz solar com micropartículas de cristais de gelo, presentes nas altas nuvens. Porém, sua manifestação revela uma outra possibilidade ou explicação, que parte do pressuposto de que possivelmente, tal fenômeno seja o resultado de uma desestruturação na formação dos gases que compõem a camada de Ozônio.

    Por: José Ribeiro da Silva Júniorl Ciênciasl 06/09/2009 lAcessos: 2,439
    José Ribeiro da Silva Júnior

    Os termos contraditórios são bastante frequentes entre os principais grupos Cristãos. Porém, algo se torna pertinente quanto a sua eficácia, ou seja, no verdadeiro sentido amplo de sua apropriação. Desse modo, discutiremos o emprego dos termos: aceitar e reconhecer; quando nos referimos a obtenção da Salvação dada por Yeshua.

    Por: José Ribeiro da Silva Júniorl Religião & Esoterismo> Religiãol 23/08/2009 lAcessos: 309 lComentário: 1

    Comments on this article

    3
    Luzineth Serra 20/09/2011
    Podemos concluir a partir dos dados levantados sobre o cripto judaismo que realmente a descendência de Abrãao seria como as estrelas do céu e as areias do mar.
    Sou descendente de indios e meu avô paterno, de quem herdei meu sobrenome, era português.
    1
    diomar f. santos 08/09/2011
    Desculpa ,vi o sobrenome Meira na lista.
    2
    diomar ferreira dos santos 08/09/2011
    É bom lembrar que na epoca que os negros foram trazidos ao Brasil como escravos ,eles receberam de seus senhores o sobrenome.
    Então uma pessoa negra,tem que que pesar esse parametro .O fato dela hoje ter um sobrenome judaico ou não,não significa que ela seja ascendente de judeus.
    Eu mesmo sou negra e tenho um sobrenome composto (dois) segundo a lista é judeus,sem contar que meus pais e avós tem quase todos os sobrenome da lista,menos um que segundo outras entendidos tambem é judeu(MEIRA)
    Me desculpe não quiz ser grosseira,apenas realista.
    E aos colegas que comentaram e vão comentar que são realmente judeus,eu quiz apenas chamar atenção para esse detalhe,admiro muito vocês.
    Abraços!
    0
    Germano Brandes 17/08/2011
    Caro amigo,
    venho por meio desta congratular o excelente trabalho feito e reiterar o meu apoio as questões da nossa origem semita. Meu sobrenome é Brandes. Fiz um estudo profunda da origem do nome, originário de Safed (Israel), depois para o Egito e Marrocos para desenbocar na península Ibérica. Expulsos daí pela rainha espanhola no séc XVI deslocaram-se até a Alemanha e PolÔnia para finalmente emigraram para o Brasil no séc XIX.
    3
    elisangela batista 06/03/2011
    Boa noite Sr. José Ribeiro,

    Quero lhe congratular pelo artigo em epígrafe. Bom a minha intenção é saber mais sobre a descendecia judaica brasileira, tenho por grande estima o povo judeu, gostaria de saber se tenho descendencia judaíca pois o meu sobrenome é batista e os pais de minha mãe são filhos de portugueses. Se assim desejar me ajudar com essa inquietação. Agradeço e desejo sucesso pos formatura.
    4
    RINALDO DE LIMA ANDRADE 15/09/2010
    Ao sr. José Ribeiro da Silva Júnior, rogo que defina-se, pois o pior sentimento humano é a confusão da mente, e o senhor que possui um nível academico como eu tambem, devemos ser bem resolvidos, em relação às nossas escolhas, sou academico na área de exatas(Matemática) FUNESO, sou judeu tradicionalista, e o que bem sei sobre a Halacha (Interpretação da Lei Judaica) ou se é judeu ou se é cristão, não se pode usar duas coroas quando só se tem uma cabeça ou usa-las juntas, seria inusitado, então amigo, pense bem.
    4
    paulo 24/07/2010
    parabens pela pesquisa, que possam vir mais artigos ilustrativos como estes. Shalom Adonai.
    1
    Thiago 19/06/2010
    Prezado José,
    Parabéns pelo artigo!
    Eu só teria algumas ressalvas importantes a fazer:
    1) Deve-se ter cautela com as estimativas sobre a ascendência judaica de brasileiros, pois elas não têm fundamentação empírica. Somente estudos genéticos poderiam sustentar tais afirmações, tendo em vista a escassez documental sobre o assunto.
    2) Deve-se ter em mente que ser descendente de judeu é diferente de ser judeu.
    3) Os sobrenomes listados não são judaicos propriamente ditos. São sobrenomes portugueses e espanhóis, usados por famílias judias e não judias igualmente. Na verdade, eram sobrenomes cristãos bem antes de serem adotados por judeus por ocasião dos batismos forçados.
    4) No Brasil, ter tais sobrenomes não indica ser judeu, mas isso não é por causa dos registros cartoriais. É justamente porque os sobrenomes não são exclusivamente judaicos, são de famílias cristãs também, e isso vale tanto para brasileiros quanto para portugueses e espanhóis.
    4
    Newton Herculano Carneiro Pinto 25/02/2010
    MAIS IMPORTANDE QUE CULTUAR AS TRADICOES E SENTIR NO CORACAO.
    SHALOM
    4
    elpiniano 23/01/2010
    Como fazer, uma pesquiza para saber que tribo de yahshoruh eu sou????
    6
    antonio aparecido machado 30/12/2009
    Ola,a religiao de Jesus e a felicidade e uniao de toda raça humana
    0
    Isaac 08/12/2009
    Gostaria de salientar para os que vêem além de descendência física, que qualquer pessoa, independente de onde tenha nascido ou de quem tenha descendido se torna judeu através da conversão à Jesus Cristo, conforme se lê em Romanos 2.28-29:

    28 Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne.
    29 Mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão a que é do coração, no espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus.

    (para maiores entendimentos leia Romanos 2 inteiro).

    Shalom Adonai!
    1
    José Ribeiro da Silva Júnior 03/12/2009
    Olá Sr. Walter Olivas!

    De fato, me sinto honrado por seu interesse em publicar meu texto. Desse modo, fique à vontade para publicá-lo em seu site, que por sinal é bem atrativo, parabéns!

    Muito obrigado pelo reconhecimento!
    Fique com Deus!
    0
    Walter Olivas 02/12/2009
    Seu texto é de grande importância para a genealogia e peço sua autorização para publicá-lo em nosso blog, com as devidas fontes citadas. Visite nosso blog em www.meusparentes.com.br/blog . Aguardo resposta
    1
    Rodrigo LOBO 02/11/2009
    Eh... meu sobrenome eh LOBO e de fato meus parentes tem aspecto bastante SEFARDITA.
    1
    Newton Herculano Carneiro Pinto 24/10/2009
    Pelos caminhos da Genealogia, chego aos serfaditas, minha pergunta, serei eu um?
    Se possivel gostaria de uma manifestacao do senhor sobre minha pergunta, sendo o senhor um estudioso da area.
    Gostei e parabens pelo Blog.
    Newton
    0
    qudes 23/10/2009
    covem falarmos sobre o nome de Yahoshuah
    1
    José Ribeiro da Silva Júnior 22/10/2009
    Olá! A origem do nome JACKSON é inglesa e significa O FILHO DE JACK. Espero ter ajudado-a. Obrigado por perguntar! Shalom!
    0
    jaynara 07/10/2009
    eu gostaria de saber a horigem do nome jackson o mais rapido possivel!!!
    0
    luiz 08/08/2009
    cotinue, publicando é otimo o seu artigo.
    -1
    ANDRE GASPAR 03/07/2009
    POBRE DO HOMEM QUE PRECISA CONSUMIR PARA SER FELIZ. EU ACHO QUE ESSE MODELO DE SOCIEDADE NÃO SE SUSTENTA POR MUITO TEMPO.FALTA CONTEÚDO E HUMANIDADE NAS PESSOAS.
    1
    DieterRapp Junior 02/07/2009
    Sensacional
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast