O QUE FOI O "AUTO-DE-FÉ DE BARCELONA"?

Publicado em: 09/10/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 344 |

Foi a queima, em praça pública, em Barcelona, Espanha, de 300 volumes de obras espíritas, que Kardec havia remetido ao livreiro Maurice Lachâtre, em 09 de outubro de 1861, às 10:30 horas.

Maurice Lachâtre era um intelectual e editor francês que achava-se estabelecido em Barcelona com uma livraria, quando solicitou a Kardec seus livros para divulgá-los na Espanha. Só não contava com a intolerância do bispo da cidade que havia ordenado que as obras fossem apreendidas e queimadas numa grande fogueira. O episódio, ocorrido a 9 de outubro de 1861, conhecido como o Auto-de-fé de Barcelona, apenas serviu para revigorar a coragem do livreiro.

O livreiro Maurice Lachâtre foi um grande propagandista do Espiritismo na Espanha e havia encomendado trezentos volumes de diversos títulos espíritas a Allan Kardec. O material chegou à Espanha através de tramitação legal, com impostos e taxas devidamente pagos por Kardec e com a documentação correta. O destinatário pagou os direitos de entrada dos volumes, mas antes que os mesmos fossem entregues, uma relação dos títulos foi entregue ao bispo de Barcelona, pois a liberação de livros e/ou sua censura, competia à autoridade eclesiástica. O bispo tomando conhecimento da natureza dos livros ordenou que fossem apreendidos e queimados em praça pública pela mão do carrasco.

Os livros deveriam em tal situação ser devolvidos ao remetente em seu país de origem -a França. Contudo, tal não aconteceu e o espetáculo - só assim pode-se classificar tal ato de intolerância e intransigência - foi marcado para o dia 9 de outubro de 1861. Naquela data, às 10:30 horas, os volumes foram queimados como se fossem réus da inquisição.

Essa atitude intransigente prosseguiu, dissimulada, mas acirradamente, por muito tempo após a queima dos livros, porém contribuiu enormemente para a propaganda da doutrina espírita.

Na "Revista Espírita", de novembro de 1861, Kardec diz: Não informamos nada, aos nossos leitores, sobre esse fato, que já não saibam pela via da imprensa; o que ocorreu de admirar, foi que os jornais, que passam geralmente por bem informados, hajam podido colocá-lo em dúvida; essa dúvida não nos surpreende; o fato em si mesmo parece tão estranho para o tempo em que vivemos, e está de tal modo longe de nossos costumes que, alguma cegueira que se reconhecesse ao fanatismo, crê-se sonhar ouvindo dizer que as fogueiras da inquisição se acendem ainda em 1861, à porta da França; a dúvida, nessa circunstância, é uma homenagem prestada à civilização européia, ao próprio clero católico. Em presença de uma realidade incontestável hoje, o que deve mais espantar, é que um jornal sério, que cai cada dia, sem dó nem piedade, sobre os abusos e as usurpações do poder sacerdotal, não haja encontrado, para assinalar esse fato, senão algumas palavras zombeteiras, acrescentando: "Em todo caso, não seremos nós que nos divertiremos, neste momento, em fazer girar as mesas na Espanha." ("Siècle", de 14 de outubro de 1861) (...)

(...) O que não é menos exorbitante, e o que contra o qual se espanta, é não se ter visto um protesto enérgico, é a estranha pretensão que se arroga o bispo de Barcelona de fazer a polícia na França. Ao pedido que foi feito de reexportar as obras, respondeu com uma recusa assim motivada: A Igreja católica é universal, e os livros, sendo contrários à fé católica, o governo não pode consentir que eles vão perverter a moral e a religião de outros países. Assim, eis um bispo estrangeiro, que se institui em juiz do que convém ou não convém à França! A sentença, portanto, foi mantida e executada sem mesmo isentar o destinatário das despesas de alfândega, que se teve muito cuidado em fazê-lo pagar.

Eis a narração que nos foi pessoalmente dirigida: "Este dia, nove de outubro de mil oitocentos e sessenta e um, às dez horas e meia da manhã, sobre a esplanada da cidade de Barcelona, no lugar onde são executados os criminosos condenados ao último suplício, e por ordem do bispo desta cidade, foram queimados trezentos volumes e brochuras sobre o Espiritismo, a saber:

"A Revista Espírita", diretor Allan Kardec;
"A Revista Espiritualista", diretor Piérard;
"O Livro dos Espíritos", por Allan Kardec;
"O Livro dos Médiuns", pelo mesmo;
"O que é o Espiritismo", pelo mesmo;
"Fragmento de sonata", ditado pelo Espírito Mozart;

"Carta de um católico sobre o Espiritismo", pelo doutor Grand;
"A História de Jeanne d'Arc", ditada por ela mesma à Srta. Ermance Dufaux;
"A realidade dos Espíritos demonstrada pela escrita direta", pelo barão de Guldenstubbé.

Assistiram ao Auto-de-Fé:

"Um padre revestido das roupas sacerdotais, trazendo a cruz numa mão e a tocha na outra mão;
"Um notário encarregado de redigir a ata do Auto-de-Fé;
"O escrevente do notário;
"Um empregado superior da administração da alfândega;
"Três moços (serventes) da alfândega, encarregados de manter o fogo;
"Um agente da alfândega representando o proprietário das obras condenadas pelo bispo.

Uma multidão inumerável encobria os passeios e cobria a imensa esplanada onde se elevava a fogueira. Quando o fogo consumiu os trezentos volumes ou brochuras Espíritas, o padre e seus ajudantes se retiraram, cobertos pelas vaias e as maldições dos numerosos assistentes que gritavam: "Abaixo a inquisição!"

Numerosas pessoas, em seguida, se aproximaram da fogueira, e recolheram as suas cinzas. Uma parte dessas cinzas nos foi enviada; com elas se encontra um fragmento de "O Livro dos Espíritos" consumido pela metade. Nós o conservamos preciosamente, como um testemunho autêntico desse ato insensato. Toda opinião à parte, esse assunto levanta uma séria questão de direito internacional. Reconhecemos ao governo espanhol o direito de proibir a entrada, sobre o seu território, das obras que não lhe convém, como a de todas as mercadorias proibidas. Se essas obras tivessem sido introduzidas clandestinamente e em fraude, nada haveria a dizer; mas são expedidas ostensivamente e apresentadas na alfândega; era, pois, uma permissão legalmente solicitada. Esta acreditou dever referi-la à autoridade episcopal que, sem outra forma de processo, condena as obras a serem queimadas pela mão do carrasco.

Examinando-se este assunto do ponto de vista de suas consequências, diremos primeiro que não houve senão uma voz para dizer que nada podia ser mais feliz para o Espiritismo. A perseguição sempre foi aproveitável à idéia que se quis proscrever; por aí se lhe exalta a importância, se lhe desperta a atenção, e fazendo-o conhecer por aqueles que o ignoram. Graças a esse zelo imprudente, todo o mundo, em Espanha, vai ouvir falar do Espiritismo e quererá saber o que é; é tudo o que desejamos. Podem-se queimar os livros, mas não se queimam as idéias; as chamas das fogueiras as super-excitam em lugar de abafá-las. As idéias, aliás, estão no ar, e não há Pirineos bastante altos para detê-las; e quando uma idéia é grande e generosa, ela encontra milhares de peitos prontos para aspirá-la. O que se lhe haja feito, o Espiritismo já tem numerosas e profundas raízes na Espanha; as cinzas da fogueira vão fazê-las frutificar. Mas não será só na Espanha que esse resultado será produzido, é o mundo inteiro que lhe sentirá o contragolpe. Vários jornais da Espanha estigmatizaram esse ato retrógrado, como o merece. "Las Novedades de Madrid", de 19 de outubro, entre outros, contém, sobre esse assunto, um notável artigo. (...)

Espíritas de todos os países! Não vos esqueçais desta data de 9 de outubro de 1861; ela será marcada, nos fastos do Espiritismo; que ela seja para vós um dia de festa e não de luto, porque é a garantia do vosso próximo triunfo!

Entre as numerosas comunicações que os Espíritos ditaram sobre esse acontecimento, não citaremos senão as duas seguintes, que foram dadas espontaneamente na Sociedade de Paris; elas dele resumem todas as causas e todas as consequências:

"O amor da verdade deve sempre se fazer ouvir: ela dissipa a névoa, e por toda a parte brilha ao mesmo tempo. O Espiritismo chegou para ser conhecido por todos; logo será julgado e colocado em prática; quanto mais houver perseguições, mais depressa esta sublime Doutrina chegará ao seu apogeu; seus mais cruéis inimigos, os inimigos do Cristo e do progresso, com isso se surpreendem de maneira que ninguém ignore que Deus permite àqueles que deixaram esta Terra de exílio de retornar para aqueles que amaram. Tranquilizai-vos; as fogueiras se extinguirão por si mesmas, e se os livros são lançados ao fogo, o pensamento imortal lhes sobrevive." (DOLLET)
Nota. Este espírito, que se manifestou espontaneamente, disse ser o de um antigo livreiro do século dezesseis.

"Era preciso alguma coisa que ferisse, com um golpe violento, certos Espíritos encarnados para que se decidissem ocupar-se desta grande Doutrina que deve regenerar o mundo. Nada é inutilmente feito sobre a vossa Terra, para isso, e nós, que inspiramos o Auto-de-Fé de Barcelona, sabíamos bem que, assim agindo, faríamos dar um passo imenso para a frente. Esse fato brutal, inaudito nos tempos atuais, foi consumado para atrair a atenção dos jornalistas que permaneciam indiferentes diante da agitação profunda que abalava as cidades e os centros Espíritas; deixavam dizer e deixavam fazer; mas se obstinavam em fazer ouvido de mercador, e respondiam pelo mutismo ao desejo de propaganda dos adeptos do Espiritismo. Por bem ou por mal, é preciso que dele falem hoje; uns constatando o histórico do fato de Barcelona, os outros desmentindo-o, deram lugar a uma polêmica que dará volta ao mundo, e da qual só o Espiritismo aproveitará. Assim, hoje, a retaguarda da inquisição fez seu último Auto-de-Fé, porque assim o quisemos." (SAINT DOMINIQUE)

Prossegue Kardec na "Revista Espírita" de dezembro de 1861: Os jornais espanhóis não foram tão moderados em reflexões, sobre esse acontecimento, quanto os jornais franceses. Qualquer que seja a opinião que se professe com respeito às idéias espíritas, há, no próprio fato, alguma coisa de tão estranha para o tempo em que vivemos, que ele excita mais piedade do que cólera contra as pessoas que parecem ter dormido há vários séculos, e despertado sem ter consciência do caminho que a humanidade percorreu, crendo-se, ainda, no ponto de partida. (...)

Em "Obras Póstumas", Kardec pergunta (À Verdade): – Não ignorais, sem dúvida, o que vem de se passar em Barcelona a respeito das obras espíritas; teríeis a bondade de me dizer se convém perseguir a sua restituição?

Resposta. – Em direito podes reclamar essas obras, e delas, certamente, obtereis a restituição, dirigindo-se ao Ministro dos Assuntos Estrangeiros da França. Mas a minha opinião é que resultará desse Auto-de-Fé um bem maior que não produziria a leitura de alguns volumes.  A perda material não é nada em comparação com a repercussão que semelhante fato dará à Doutrina.  Compreendes o quanto uma perseguição tão ridícula e tão atrasada poderá fazer o Espiritismo progredir na Espanha.  As idéias se difundirão com tanto mais rapidez, e as obras serão procuradas com tanto mais diligência, quanto as tiver queimado. Tudo está bem.

Nas palavras de Amílcar Del Chiaro Filho, o Auto-de-Fé de Barcelona foi a consagração do Espiritismo. Literalmente o seu batismo de fogo. Mas a Espanha levantou-se como um só homem, para saber o que era essa doutrina que aterrorizava o clero. A comissão episcopal foi vaiada pelo povo, e assim que a guarda armada se retirou da Praça do Quemadero, onde muitos mártires tiveram seus corpos incinerados no intuito de salvar as suas almas, o povo simples recolheu as cinzas dos livros e fragmentos que não foram consumidos pelas chamas, e levaram para as suas casas.

Um exemplar de "O Livro dos Espíritos", carbonizado pela metade, foi enviado a Allan Kardec, que o guardou como uma doce lembrança em uma urna. Lamentavelmente, a intransigência que ainda perdurou na primeira metade do século XX, fez com os nazistas, durante a 2a. Grande Guerra Mundial, destruissem a urna.

Muitas outras perseguições viriam. Muitas lágrimas ainda seriam derramadas. É por isso que o movimento espírita tem que respirar liberdade, tem que ser compreensivo, mas não conivente, porque venceu a ditadura de Napoleão 3º - a força esmagadora da perseguição religiosa, o orgulho acadêmico das ciências, o esnobismo filosófico, para firmar-se como doutrina consoladora e iluminadora.

Prof. Hermes Edgar Machado Junior

Fontes e sugestões de Leitura:

- "Revista Espirita", Allan Kardec, novembro e dezembro de 1861
- "Obras Póstumas", Allan Kardec
- "Auto de Fé de Barcelona", Amílcar Del Chiaro Filho, em www.espirito.org.br/portal/artigos/amilcar/audo-de-fe-de-barcelona.html
- "Auto-de-Fé em Barcelona", postado por Sergio Ribeiro, no blog http://aprendizdeespirita.blogspot.com/2009/10/auto-de-fe-em-barcelona.html
- Gravura "Auto-de-Fé": www.bezerramenezes.org.br/imagens/Auto_de_fe.jpg

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/religiao-e-esoterismo-artigos/o-que-foi-o-auto-de-fe-de-barcelona-3438159.html

    Palavras-chave do artigo:

    auto de fe

    ,

    espiritismo

    ,

    kardec

    Comentar sobre o artigo

    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    Síntese da doutrina espírita, mostrando o que ela é, o que revela, sua abrangência, seus ensinamentos fundamentais e a prática espírita.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 20/04/2010 lAcessos: 241

    Como saber se o que está acontece com o médium é animismo ou espiritismo? É preciso muito cuidado com este campo e só com o tempo e a prática podemos discernir um do outro.

    Por: Henrique Pompilio de Araújol Religião & Esoterismo> Religiãol 28/10/2009 lAcessos: 3,419
    Marcos Paterra

    Pesquisas recentes têm demonstrado que comer carne vermelha, de vitela e de porco magras é tão eficiente quanto comer carne de frango magra ou peixe para baixar o colesterol ruim (LDL) e elevar o colesterol bom HDL no sangue. Mas se é assim, surge a pergunta... De onde surgiu essa estória de médium não poder comer carne?

    Por: Marcos Paterral Religião & Esoterismo> Meditaçãol 03/02/2010 lAcessos: 1,321

    A dinâmica mediúnica revela um estado alterado de consciência; portanto, um autêntico estado de transe.Transes existem de vaiada natureza, razão porque “Para melhorarmos, outorgou-nos Deus, precisamente, o de que necessitamos e nos basta: a voz da consciência e as tendências instintivas. Priva-nos do que será prejudicial”.Na terminologia atual classificamos a oração como súplica religiosa, reza. Pode-se atrelar discurso, fala; sermão, prédica; frase ou membro dela que consta de um predicado. A oração pode tomar a forma oracular, ou próprio do oráculo; doutrinar. A oração, a comunhão pelo pensamento com o universo espiritual e divino é o esforço da alma para a Beleza e para a Verdade eternas; é a entrada, por um instante, nas esferas da vida real e superior, aquela que não tem termo

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Notícias & Sociedade> Cotidianol 02/07/2008 lAcessos: 14,989 lComentário: 1
    Fernando Rubin

    O presente trabalho objetiva lançar bases mais sólidas, teóricas e científicas, a respeito da possibilidade de utilização da carta psicografada como meio de prova em processos judiciais. Não sendo desconsideradas as vozes que se colocam contra a utilização desse atípico meio de prova, desenvolver-se-á tese que auxilie na adequada e ponderada valoração da psicografia, juntamente com os demais meios lícitos de prova admitidos no direito processual brasileiro.

    Por: Fernando Rubinl Direito> Doutrinal 19/08/2011 lAcessos: 182

    Três palavras de suma importância para o ser hominal, no entanto, poucos compreendem a finalidade, bem como a sinonímia das palavras acima expostas. O Espírito pela sua essência espiritual é um ser indefinido, abstrato, que não pode ter ação direta sobre a matéria, sendo-lhe indispensável um intermediário, que é o envoltório fluídico, o qual, de certo modo, faz parte integrante dele. Os Espíritos são os agentes da potência divina; constituem a força inteligente da Natureza e concorrem para a ...

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Religião & Esoterismol 29/11/2011 lAcessos: 134

    A obsessão tão bem estudada por Allan Kardec (Capítulo XXIII – Da Obsessão – Livro dos Médiuns), sem sombra de dúvida continua sendo um mal necessário para a humanidade, bem como um dos grandes estorvos para a mediunidade. Este estudo busca esclarecer as causas e consequências da obsessão e sua qualificação como doençamoral que atinge qualquer pessoa, independente da religião a qual pertence.

    Por: Sergio Marquesl Religião & Esoterismo> Religiãol 28/10/2011 lAcessos: 172
    Escritorcampos

    Nesta obra de auto-ajuda, vamos falar sobre as várias vertentes do sucesso, criadas pelos estudiosos, que num resumo, dá-se pela psicologia prática, no campo do carisma, ou da empatia humana, ou pelo sistema neural de programação social.

    Por: Escritorcamposl Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 05/05/2010 lAcessos: 425

    A IMPORTÂNCIA DE SABER O QUE SIGINIFICA O VERDADEIRO NATAL

    Por: MARATl Religião & Esoterismo> Evangelhol 24/12/2009 lAcessos: 299
    radimel alonso favacho

    Devemos mudar nossas atitudes através da mudança das informações que entram em nossas mentes ...

    Por: radimel alonso favachol Religião & Esoterismol 13/09/2014 lAcessos: 16
    JUNIOR OMNI

    Para afirmar que Jesus é um ser "CRIADO" por Jeová Deus, as "Testemunhas de Jeová" explicam o seguinte: Provérbios 8:22 - "JEOVÁ me possuiu no princípio de seus caminhos, desde então, e antes de suas obras". A "Bíblia" – "TRADUÇÃO DO NOVO MUNDO" traduz: "O próprio Jeová me produziu..." Dessa forma, as "Testemunhas de Jeová" querem dizer que Jesus teria sido criado. Mas, quando lemos todo o contexto, das palavras de Salomão, em provérbios, descobrimos que ele fala da "SABEDORIA" e não JESUS

    Por: JUNIOR OMNIl Religião & Esoterismol 25/08/2014

    Deus deu seu filho amado por amor di nós. Então, consequentemente entregou-lho, para que fosse crucificado. E tomaram a Jesus, e o levaram. João 19:16 Caro amigo tenha certeza que Jesus sofreu muito mais doque qualquer um de nós, mas tenha certeza que morreu na cruz do calvario foi pelo meu e teu pecado foi por amor. Que pessoa daria sua propria vida por amor por de um ladrão um adultero um pessoa escruida da sociedade foi ele portanto entrega seu problema pra ele.

    Por: marcio almeidal Religião & Esoterismol 31/07/2014
    Johnny Bernardo

    Em recente reportagem publicada no Gnotícias (Reportagem Especial: Cresce Relação de Protestantes com Políticas Ambientais), tecemos alguns pontos relacionados ao aumento da relação de evangélicos com políticas sociais de defesa do Meio Ambiente. O avanço do desmatamento, do aumento de poluentes e de doenças respiratórias decorrentes da intervenção humana na natureza é um alerta para toda a humanidade, para todos os credos, das diversas nacionalidades e culturas. O cientista Rajendra Pachauri...

    Por: Johnny Bernardol Religião & Esoterismol 26/06/2014 lAcessos: 18
    Francisco Eudes Rocha

    O desconhecido, o sobrenatural, o inconsciente vs subconsciente, que nunca o vemos ou podemos tocar, e que a maioria não sabe mesmo de onde exteriormente vem, é ou não o sobrenatural? As forças que atuam no cérebro, inconscientemente, para mover a máquina biológica humana na produção do duro marfim dos dentes, o processo da constituição de um ser no interior do ventre materno e sua força produzida para a ejaculá-lo para fora, deve ser entendido como ação do sobrenatural partindo do Eterno.

    Por: Francisco Eudes Rochal Religião & Esoterismol 26/06/2014 lAcessos: 42
    JUNIOR OMNI

    Tudo acabará... - O DINHEIRO de todas as nações acabará - As BANDEIRAS das nações desaparecerão - As DIVISÕES, as LUTAS, e todas as GUERRAS acabarão... - O CONFLITO entre os povos acabará... - A CORRUPÇÃO POLÍTICA acabará... - O ABORTO acabará... Não haverá mais crianças assassinadas no útero de suas mães. - A FOME e a MISÉRIA acabarão... - A ESCASSEZ, as DOENÇAS, as EPIDEMIAS, as PESTES, e todas as PRAGAS acabarão...

    Por: JUNIOR OMNIl Religião & Esoterismol 22/06/2014
    Hudson Sander

    O melhor e mais polemico artigo escrito por Hudson Sander que revela o conhecimento mais intrigante e revolucionario sobre a evolução humana de uma maneira simples e de fácil compreensão.

    Por: Hudson Sanderl Religião & Esoterismol 16/05/2014

    DEUS Criou a Todos nós. Portanto, todos somos filhos de DEUS. Se somos FILHOS de DEUS, TAMBÉM SOMOS DEUSES! JESUS deixou a mensagem de que PODEMOS FAZER TUDO O QUE ELE FEZ, E MUITO MAIS. Basta que tenhamos FÉ, ACREDITEMOS em tudo que fizermos. ELE, constantemente, se voltava em ORAÇÃO. Falava, nesse momento, com o PAI. AGRADECIA, se LIGAVA, SINTONIZAVA, com o PAI. Quantas vezes nós fazemos isso? Quantas vezes nos SINTONIZAMOS com o PAI em ORAÇÃO? Quantas vezes AGRADECEMOS ao PAI pela nossa VIDA?

    Por: Elcio Ronaldo Piresl Religião & Esoterismol 07/05/2014 lAcessos: 21
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    "... a abolição libertou os brancos do fardo da escravidão e abandonou os negros à sua própria sorte." (Florestan Fernandes)

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Educaçãol 13/05/2011 lAcessos: 237
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    O nazifascismo chegou ao Brasil na primeira metade do século 20, em 1932, dentro do contexto dos acontecimentos europeus e inspirado principalmente no fascismo italiano: nascia a Ação Integralista Brasileira (AIB), através de um Manifesto à Nação Brasileira, de autoria do escritor Plínio Salgado e a partir de reuniões de vários grupos da direita política.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Educaçãol 04/03/2011 lAcessos: 350
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    Inevitável é a solidão em "espírito" que em determinada fase do caminho cada discípulo experimentará, nos ensina praticamente todas as tradições espirituais.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 09/02/2011 lAcessos: 74
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    O Mahabhárata, a "Grande Índia", é um dos dois maiores épicos clássicos da mundo. Mahabhárata provém do sânscrito "maha", grande, e "bhárata", Índia. O texto é enorme, e se for incluído o seu anexo, o Harivamsa, poderá ser considerado o maior volume de texto em uma única obra. É o texto sagrado de maior importância no hinduísmo, estimado por todos os esotéricos e ainda um verdadeiro manual de psicologia e descrição da evolução humana. No Mahabhárata encontramos a Bagavad Gita ("Sublime Canção").

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 24/01/2011 lAcessos: 97
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    O verdadeiro crescimento e evolução espiritual é muito diferente de simplesmente gostar de uma tradição espiritual qualquer, de seguir uma cartilha determinada, ou comodamente ler lindas mensagens. Sabe-se que nenhum instrutor desperdiçará seu tempo com pessoas sem um objetivo claro na vida espiritual. Por isso nós nos auto-qualificamos ou nós nos auto-desqualificamos para a caminhada espiritual. Mas tudo tem seu tempo.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 21/12/2010 lAcessos: 230
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    As Escrituras Sagradas, de todas as tradições, revelam verdades eternas, atemporais, tais como as leis do ser, as experiências místicas interiores e a evolução dos mundos e seres. O mito, os símbolos e as histórias são pano de fundo para mostrar, aos que têm olhos e condições evolutivas de ver mais além da "letra morta", operações do Altíssimo na natureza, universos e seres. Mostram as operações e experiências místicas e esotéricas do gênero humano em geral, o despertar gradual da consciência.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 11/11/2010 lAcessos: 483
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    É comum, entre os historiadores, dizer que o Estado monárquico era caritativo e paternalista. A vida se processava numa relação de troca, numa negociação entre o povo e o Império, pois o Estado monárquico promovia, de certa maneira, os auxílios e amparos públicos. Por outro lado, com o Estado republicano, o Brasil mudava a forma de governo sem revolucionar a sociedade. O povo continuava pobre e as elites na prosperidade.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Educaçãol 06/11/2010 lAcessos: 234
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    Podemos dizer que o fim do governo de D. Pedro II foi marcado por uma série de contestações ao regime imperial. Contestações tendo por base a campanha abolicionista, a "questão religiosa", a "questão militar", a insatisfação da oligarquia cafeeira, a insatisfação das elites dos setores produtivos das províncias e as tranformações sociais e econômicas a partir da Revolução Industrial. Mas, o que realmente movia o Império rumo à República?

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Educaçãol 28/10/2010 lAcessos: 3,051 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast