O QUE FOI O "AUTO-DE-FÉ DE BARCELONA"?

Publicado em: 09/10/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 365 |

Foi a queima, em praça pública, em Barcelona, Espanha, de 300 volumes de obras espíritas, que Kardec havia remetido ao livreiro Maurice Lachâtre, em 09 de outubro de 1861, às 10:30 horas.

Maurice Lachâtre era um intelectual e editor francês que achava-se estabelecido em Barcelona com uma livraria, quando solicitou a Kardec seus livros para divulgá-los na Espanha. Só não contava com a intolerância do bispo da cidade que havia ordenado que as obras fossem apreendidas e queimadas numa grande fogueira. O episódio, ocorrido a 9 de outubro de 1861, conhecido como o Auto-de-fé de Barcelona, apenas serviu para revigorar a coragem do livreiro.

O livreiro Maurice Lachâtre foi um grande propagandista do Espiritismo na Espanha e havia encomendado trezentos volumes de diversos títulos espíritas a Allan Kardec. O material chegou à Espanha através de tramitação legal, com impostos e taxas devidamente pagos por Kardec e com a documentação correta. O destinatário pagou os direitos de entrada dos volumes, mas antes que os mesmos fossem entregues, uma relação dos títulos foi entregue ao bispo de Barcelona, pois a liberação de livros e/ou sua censura, competia à autoridade eclesiástica. O bispo tomando conhecimento da natureza dos livros ordenou que fossem apreendidos e queimados em praça pública pela mão do carrasco.

Os livros deveriam em tal situação ser devolvidos ao remetente em seu país de origem -a França. Contudo, tal não aconteceu e o espetáculo - só assim pode-se classificar tal ato de intolerância e intransigência - foi marcado para o dia 9 de outubro de 1861. Naquela data, às 10:30 horas, os volumes foram queimados como se fossem réus da inquisição.

Essa atitude intransigente prosseguiu, dissimulada, mas acirradamente, por muito tempo após a queima dos livros, porém contribuiu enormemente para a propaganda da doutrina espírita.

Na "Revista Espírita", de novembro de 1861, Kardec diz: Não informamos nada, aos nossos leitores, sobre esse fato, que já não saibam pela via da imprensa; o que ocorreu de admirar, foi que os jornais, que passam geralmente por bem informados, hajam podido colocá-lo em dúvida; essa dúvida não nos surpreende; o fato em si mesmo parece tão estranho para o tempo em que vivemos, e está de tal modo longe de nossos costumes que, alguma cegueira que se reconhecesse ao fanatismo, crê-se sonhar ouvindo dizer que as fogueiras da inquisição se acendem ainda em 1861, à porta da França; a dúvida, nessa circunstância, é uma homenagem prestada à civilização européia, ao próprio clero católico. Em presença de uma realidade incontestável hoje, o que deve mais espantar, é que um jornal sério, que cai cada dia, sem dó nem piedade, sobre os abusos e as usurpações do poder sacerdotal, não haja encontrado, para assinalar esse fato, senão algumas palavras zombeteiras, acrescentando: "Em todo caso, não seremos nós que nos divertiremos, neste momento, em fazer girar as mesas na Espanha." ("Siècle", de 14 de outubro de 1861) (...)

(...) O que não é menos exorbitante, e o que contra o qual se espanta, é não se ter visto um protesto enérgico, é a estranha pretensão que se arroga o bispo de Barcelona de fazer a polícia na França. Ao pedido que foi feito de reexportar as obras, respondeu com uma recusa assim motivada: A Igreja católica é universal, e os livros, sendo contrários à fé católica, o governo não pode consentir que eles vão perverter a moral e a religião de outros países. Assim, eis um bispo estrangeiro, que se institui em juiz do que convém ou não convém à França! A sentença, portanto, foi mantida e executada sem mesmo isentar o destinatário das despesas de alfândega, que se teve muito cuidado em fazê-lo pagar.

Eis a narração que nos foi pessoalmente dirigida: "Este dia, nove de outubro de mil oitocentos e sessenta e um, às dez horas e meia da manhã, sobre a esplanada da cidade de Barcelona, no lugar onde são executados os criminosos condenados ao último suplício, e por ordem do bispo desta cidade, foram queimados trezentos volumes e brochuras sobre o Espiritismo, a saber:

"A Revista Espírita", diretor Allan Kardec;
"A Revista Espiritualista", diretor Piérard;
"O Livro dos Espíritos", por Allan Kardec;
"O Livro dos Médiuns", pelo mesmo;
"O que é o Espiritismo", pelo mesmo;
"Fragmento de sonata", ditado pelo Espírito Mozart;

"Carta de um católico sobre o Espiritismo", pelo doutor Grand;
"A História de Jeanne d'Arc", ditada por ela mesma à Srta. Ermance Dufaux;
"A realidade dos Espíritos demonstrada pela escrita direta", pelo barão de Guldenstubbé.

Assistiram ao Auto-de-Fé:

"Um padre revestido das roupas sacerdotais, trazendo a cruz numa mão e a tocha na outra mão;
"Um notário encarregado de redigir a ata do Auto-de-Fé;
"O escrevente do notário;
"Um empregado superior da administração da alfândega;
"Três moços (serventes) da alfândega, encarregados de manter o fogo;
"Um agente da alfândega representando o proprietário das obras condenadas pelo bispo.

Uma multidão inumerável encobria os passeios e cobria a imensa esplanada onde se elevava a fogueira. Quando o fogo consumiu os trezentos volumes ou brochuras Espíritas, o padre e seus ajudantes se retiraram, cobertos pelas vaias e as maldições dos numerosos assistentes que gritavam: "Abaixo a inquisição!"

Numerosas pessoas, em seguida, se aproximaram da fogueira, e recolheram as suas cinzas. Uma parte dessas cinzas nos foi enviada; com elas se encontra um fragmento de "O Livro dos Espíritos" consumido pela metade. Nós o conservamos preciosamente, como um testemunho autêntico desse ato insensato. Toda opinião à parte, esse assunto levanta uma séria questão de direito internacional. Reconhecemos ao governo espanhol o direito de proibir a entrada, sobre o seu território, das obras que não lhe convém, como a de todas as mercadorias proibidas. Se essas obras tivessem sido introduzidas clandestinamente e em fraude, nada haveria a dizer; mas são expedidas ostensivamente e apresentadas na alfândega; era, pois, uma permissão legalmente solicitada. Esta acreditou dever referi-la à autoridade episcopal que, sem outra forma de processo, condena as obras a serem queimadas pela mão do carrasco.

Examinando-se este assunto do ponto de vista de suas consequências, diremos primeiro que não houve senão uma voz para dizer que nada podia ser mais feliz para o Espiritismo. A perseguição sempre foi aproveitável à idéia que se quis proscrever; por aí se lhe exalta a importância, se lhe desperta a atenção, e fazendo-o conhecer por aqueles que o ignoram. Graças a esse zelo imprudente, todo o mundo, em Espanha, vai ouvir falar do Espiritismo e quererá saber o que é; é tudo o que desejamos. Podem-se queimar os livros, mas não se queimam as idéias; as chamas das fogueiras as super-excitam em lugar de abafá-las. As idéias, aliás, estão no ar, e não há Pirineos bastante altos para detê-las; e quando uma idéia é grande e generosa, ela encontra milhares de peitos prontos para aspirá-la. O que se lhe haja feito, o Espiritismo já tem numerosas e profundas raízes na Espanha; as cinzas da fogueira vão fazê-las frutificar. Mas não será só na Espanha que esse resultado será produzido, é o mundo inteiro que lhe sentirá o contragolpe. Vários jornais da Espanha estigmatizaram esse ato retrógrado, como o merece. "Las Novedades de Madrid", de 19 de outubro, entre outros, contém, sobre esse assunto, um notável artigo. (...)

Espíritas de todos os países! Não vos esqueçais desta data de 9 de outubro de 1861; ela será marcada, nos fastos do Espiritismo; que ela seja para vós um dia de festa e não de luto, porque é a garantia do vosso próximo triunfo!

Entre as numerosas comunicações que os Espíritos ditaram sobre esse acontecimento, não citaremos senão as duas seguintes, que foram dadas espontaneamente na Sociedade de Paris; elas dele resumem todas as causas e todas as consequências:

"O amor da verdade deve sempre se fazer ouvir: ela dissipa a névoa, e por toda a parte brilha ao mesmo tempo. O Espiritismo chegou para ser conhecido por todos; logo será julgado e colocado em prática; quanto mais houver perseguições, mais depressa esta sublime Doutrina chegará ao seu apogeu; seus mais cruéis inimigos, os inimigos do Cristo e do progresso, com isso se surpreendem de maneira que ninguém ignore que Deus permite àqueles que deixaram esta Terra de exílio de retornar para aqueles que amaram. Tranquilizai-vos; as fogueiras se extinguirão por si mesmas, e se os livros são lançados ao fogo, o pensamento imortal lhes sobrevive." (DOLLET)
Nota. Este espírito, que se manifestou espontaneamente, disse ser o de um antigo livreiro do século dezesseis.

"Era preciso alguma coisa que ferisse, com um golpe violento, certos Espíritos encarnados para que se decidissem ocupar-se desta grande Doutrina que deve regenerar o mundo. Nada é inutilmente feito sobre a vossa Terra, para isso, e nós, que inspiramos o Auto-de-Fé de Barcelona, sabíamos bem que, assim agindo, faríamos dar um passo imenso para a frente. Esse fato brutal, inaudito nos tempos atuais, foi consumado para atrair a atenção dos jornalistas que permaneciam indiferentes diante da agitação profunda que abalava as cidades e os centros Espíritas; deixavam dizer e deixavam fazer; mas se obstinavam em fazer ouvido de mercador, e respondiam pelo mutismo ao desejo de propaganda dos adeptos do Espiritismo. Por bem ou por mal, é preciso que dele falem hoje; uns constatando o histórico do fato de Barcelona, os outros desmentindo-o, deram lugar a uma polêmica que dará volta ao mundo, e da qual só o Espiritismo aproveitará. Assim, hoje, a retaguarda da inquisição fez seu último Auto-de-Fé, porque assim o quisemos." (SAINT DOMINIQUE)

Prossegue Kardec na "Revista Espírita" de dezembro de 1861: Os jornais espanhóis não foram tão moderados em reflexões, sobre esse acontecimento, quanto os jornais franceses. Qualquer que seja a opinião que se professe com respeito às idéias espíritas, há, no próprio fato, alguma coisa de tão estranha para o tempo em que vivemos, que ele excita mais piedade do que cólera contra as pessoas que parecem ter dormido há vários séculos, e despertado sem ter consciência do caminho que a humanidade percorreu, crendo-se, ainda, no ponto de partida. (...)

Em "Obras Póstumas", Kardec pergunta (À Verdade): – Não ignorais, sem dúvida, o que vem de se passar em Barcelona a respeito das obras espíritas; teríeis a bondade de me dizer se convém perseguir a sua restituição?

Resposta. – Em direito podes reclamar essas obras, e delas, certamente, obtereis a restituição, dirigindo-se ao Ministro dos Assuntos Estrangeiros da França. Mas a minha opinião é que resultará desse Auto-de-Fé um bem maior que não produziria a leitura de alguns volumes.  A perda material não é nada em comparação com a repercussão que semelhante fato dará à Doutrina.  Compreendes o quanto uma perseguição tão ridícula e tão atrasada poderá fazer o Espiritismo progredir na Espanha.  As idéias se difundirão com tanto mais rapidez, e as obras serão procuradas com tanto mais diligência, quanto as tiver queimado. Tudo está bem.

Nas palavras de Amílcar Del Chiaro Filho, o Auto-de-Fé de Barcelona foi a consagração do Espiritismo. Literalmente o seu batismo de fogo. Mas a Espanha levantou-se como um só homem, para saber o que era essa doutrina que aterrorizava o clero. A comissão episcopal foi vaiada pelo povo, e assim que a guarda armada se retirou da Praça do Quemadero, onde muitos mártires tiveram seus corpos incinerados no intuito de salvar as suas almas, o povo simples recolheu as cinzas dos livros e fragmentos que não foram consumidos pelas chamas, e levaram para as suas casas.

Um exemplar de "O Livro dos Espíritos", carbonizado pela metade, foi enviado a Allan Kardec, que o guardou como uma doce lembrança em uma urna. Lamentavelmente, a intransigência que ainda perdurou na primeira metade do século XX, fez com os nazistas, durante a 2a. Grande Guerra Mundial, destruissem a urna.

Muitas outras perseguições viriam. Muitas lágrimas ainda seriam derramadas. É por isso que o movimento espírita tem que respirar liberdade, tem que ser compreensivo, mas não conivente, porque venceu a ditadura de Napoleão 3º - a força esmagadora da perseguição religiosa, o orgulho acadêmico das ciências, o esnobismo filosófico, para firmar-se como doutrina consoladora e iluminadora.

Prof. Hermes Edgar Machado Junior

Fontes e sugestões de Leitura:

- "Revista Espirita", Allan Kardec, novembro e dezembro de 1861
- "Obras Póstumas", Allan Kardec
- "Auto de Fé de Barcelona", Amílcar Del Chiaro Filho, em www.espirito.org.br/portal/artigos/amilcar/audo-de-fe-de-barcelona.html
- "Auto-de-Fé em Barcelona", postado por Sergio Ribeiro, no blog http://aprendizdeespirita.blogspot.com/2009/10/auto-de-fe-em-barcelona.html
- Gravura "Auto-de-Fé": www.bezerramenezes.org.br/imagens/Auto_de_fe.jpg

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/religiao-e-esoterismo-artigos/o-que-foi-o-auto-de-fe-de-barcelona-3438159.html

    Palavras-chave do artigo:

    auto de fe

    ,

    espiritismo

    ,

    kardec

    Comentar sobre o artigo

    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    Síntese da doutrina espírita, mostrando o que ela é, o que revela, sua abrangência, seus ensinamentos fundamentais e a prática espírita.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 20/04/2010 lAcessos: 251

    Como saber se o que está acontece com o médium é animismo ou espiritismo? É preciso muito cuidado com este campo e só com o tempo e a prática podemos discernir um do outro.

    Por: Henrique Pompilio de Araújol Religião & Esoterismo> Religiãol 28/10/2009 lAcessos: 3,462
    Marcos Paterra

    Pesquisas recentes têm demonstrado que comer carne vermelha, de vitela e de porco magras é tão eficiente quanto comer carne de frango magra ou peixe para baixar o colesterol ruim (LDL) e elevar o colesterol bom HDL no sangue. Mas se é assim, surge a pergunta... De onde surgiu essa estória de médium não poder comer carne?

    Por: Marcos Paterral Religião & Esoterismo> Meditaçãol 03/02/2010 lAcessos: 1,345

    A dinâmica mediúnica revela um estado alterado de consciência; portanto, um autêntico estado de transe.Transes existem de vaiada natureza, razão porque “Para melhorarmos, outorgou-nos Deus, precisamente, o de que necessitamos e nos basta: a voz da consciência e as tendências instintivas. Priva-nos do que será prejudicial”.Na terminologia atual classificamos a oração como súplica religiosa, reza. Pode-se atrelar discurso, fala; sermão, prédica; frase ou membro dela que consta de um predicado. A oração pode tomar a forma oracular, ou próprio do oráculo; doutrinar. A oração, a comunhão pelo pensamento com o universo espiritual e divino é o esforço da alma para a Beleza e para a Verdade eternas; é a entrada, por um instante, nas esferas da vida real e superior, aquela que não tem termo

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Notícias & Sociedade> Cotidianol 02/07/2008 lAcessos: 14,999 lComentário: 1
    Fernando Rubin

    O presente trabalho objetiva lançar bases mais sólidas, teóricas e científicas, a respeito da possibilidade de utilização da carta psicografada como meio de prova em processos judiciais. Não sendo desconsideradas as vozes que se colocam contra a utilização desse atípico meio de prova, desenvolver-se-á tese que auxilie na adequada e ponderada valoração da psicografia, juntamente com os demais meios lícitos de prova admitidos no direito processual brasileiro.

    Por: Fernando Rubinl Direito> Doutrinal 19/08/2011 lAcessos: 193

    Três palavras de suma importância para o ser hominal, no entanto, poucos compreendem a finalidade, bem como a sinonímia das palavras acima expostas. O Espírito pela sua essência espiritual é um ser indefinido, abstrato, que não pode ter ação direta sobre a matéria, sendo-lhe indispensável um intermediário, que é o envoltório fluídico, o qual, de certo modo, faz parte integrante dele. Os Espíritos são os agentes da potência divina; constituem a força inteligente da Natureza e concorrem para a ...

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Religião & Esoterismol 29/11/2011 lAcessos: 143

    A obsessão tão bem estudada por Allan Kardec (Capítulo XXIII – Da Obsessão – Livro dos Médiuns), sem sombra de dúvida continua sendo um mal necessário para a humanidade, bem como um dos grandes estorvos para a mediunidade. Este estudo busca esclarecer as causas e consequências da obsessão e sua qualificação como doençamoral que atinge qualquer pessoa, independente da religião a qual pertence.

    Por: Sergio Marquesl Religião & Esoterismo> Religiãol 28/10/2011 lAcessos: 193
    Escritorcampos

    Nesta obra de auto-ajuda, vamos falar sobre as várias vertentes do sucesso, criadas pelos estudiosos, que num resumo, dá-se pela psicologia prática, no campo do carisma, ou da empatia humana, ou pelo sistema neural de programação social.

    Por: Escritorcamposl Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 05/05/2010 lAcessos: 440

    A IMPORTÂNCIA DE SABER O QUE SIGINIFICA O VERDADEIRO NATAL

    Por: MARATl Religião & Esoterismo> Evangelhol 24/12/2009 lAcessos: 311

    Na cidade de São Gonçalo,Região Metropolitana do Rio de Janeiro,o fundamentalismo religioso se tornou nos últimos dez anos uma importante força política,influindo nos Conselhos Municipais,entidades da sociedade civil organizada - e mesmo - nos executivo e legislativos municipais.O artigo expõe como essa inserção política é parte de um projeto para laçar o poder político em todo o Brasil

    Por: Mauricio Mendes de Oliveiral Religião & Esoterismol 06/03/2015
    Sergio Sebold

    O relativismo moral que está se disseminando no mundo está levando a destruição dos valores na humanidade, criando-se leis absurdas levando o homem ao estágio da barbárie.

    Por: Sergio Seboldl Religião & Esoterismol 04/02/2015 lAcessos: 11
    Francisco Amado

    Eu, pois, agi com os Espíritos como o teria feito com os homens: eles foram, para mim, desde o menor até o mais elevado, meios de colher informações e não reveladores predestinados".

    Por: Francisco Amadol Religião & Esoterismol 02/02/2015 lAcessos: 12

    Venho nesta manhã de domingo, após um sábado de muito trabalho agradecer a Deus pelos êxitos obtidos na batalha que empreendi. Foi dura, estafante, mas a força de vontade e a esperança se sobressaíam, e a vitória ficou muito mais próxima de mim. O sol causticante abrasava minha cabeça, no entanto, a vontade de vencer era muito maior.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Religião & Esoterismol 28/12/2014

    O SENHOR JESUS fala ao Espírito, mas este ainda se confunde com a matéria.

    Por: ADRASTIA ABNARAl Religião & Esoterismol 22/11/2014
    Prof. JV de Miranda Leão Neto

    Comentário da Escola de Aprofundamento Teológico (EAT) para a SEMANA LEWIS de 2014, realizada em Fortaleza, por alunos da Universidade Federal do Ceará.

    Por: Prof. JV de Miranda Leão Netol Religião & Esoterismol 12/11/2014 lAcessos: 18
    radimel alonso favacho

    Devemos mudar nossas atitudes através da mudança das informações que entram em nossas mentes ...

    Por: radimel alonso favachol Religião & Esoterismol 13/09/2014 lAcessos: 40
    JUNIOR OMNI

    Para afirmar que Jesus é um ser "CRIADO" por Jeová Deus, as "Testemunhas de Jeová" explicam o seguinte: Provérbios 8:22 - "JEOVÁ me possuiu no princípio de seus caminhos, desde então, e antes de suas obras". A "Bíblia" – "TRADUÇÃO DO NOVO MUNDO" traduz: "O próprio Jeová me produziu..." Dessa forma, as "Testemunhas de Jeová" querem dizer que Jesus teria sido criado. Mas, quando lemos todo o contexto, das palavras de Salomão, em provérbios, descobrimos que ele fala da "SABEDORIA" e não JESUS

    Por: JUNIOR OMNIl Religião & Esoterismol 25/08/2014 lAcessos: 11
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    "... a abolição libertou os brancos do fardo da escravidão e abandonou os negros à sua própria sorte." (Florestan Fernandes)

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Educaçãol 13/05/2011 lAcessos: 257
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    O nazifascismo chegou ao Brasil na primeira metade do século 20, em 1932, dentro do contexto dos acontecimentos europeus e inspirado principalmente no fascismo italiano: nascia a Ação Integralista Brasileira (AIB), através de um Manifesto à Nação Brasileira, de autoria do escritor Plínio Salgado e a partir de reuniões de vários grupos da direita política.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Educaçãol 04/03/2011 lAcessos: 358
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    Inevitável é a solidão em "espírito" que em determinada fase do caminho cada discípulo experimentará, nos ensina praticamente todas as tradições espirituais.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 09/02/2011 lAcessos: 81
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    O Mahabhárata, a "Grande Índia", é um dos dois maiores épicos clássicos da mundo. Mahabhárata provém do sânscrito "maha", grande, e "bhárata", Índia. O texto é enorme, e se for incluído o seu anexo, o Harivamsa, poderá ser considerado o maior volume de texto em uma única obra. É o texto sagrado de maior importância no hinduísmo, estimado por todos os esotéricos e ainda um verdadeiro manual de psicologia e descrição da evolução humana. No Mahabhárata encontramos a Bagavad Gita ("Sublime Canção").

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 24/01/2011 lAcessos: 106
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    O verdadeiro crescimento e evolução espiritual é muito diferente de simplesmente gostar de uma tradição espiritual qualquer, de seguir uma cartilha determinada, ou comodamente ler lindas mensagens. Sabe-se que nenhum instrutor desperdiçará seu tempo com pessoas sem um objetivo claro na vida espiritual. Por isso nós nos auto-qualificamos ou nós nos auto-desqualificamos para a caminhada espiritual. Mas tudo tem seu tempo.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 21/12/2010 lAcessos: 241
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    As Escrituras Sagradas, de todas as tradições, revelam verdades eternas, atemporais, tais como as leis do ser, as experiências místicas interiores e a evolução dos mundos e seres. O mito, os símbolos e as histórias são pano de fundo para mostrar, aos que têm olhos e condições evolutivas de ver mais além da "letra morta", operações do Altíssimo na natureza, universos e seres. Mostram as operações e experiências místicas e esotéricas do gênero humano em geral, o despertar gradual da consciência.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Religião & Esoterismol 11/11/2010 lAcessos: 510
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    É comum, entre os historiadores, dizer que o Estado monárquico era caritativo e paternalista. A vida se processava numa relação de troca, numa negociação entre o povo e o Império, pois o Estado monárquico promovia, de certa maneira, os auxílios e amparos públicos. Por outro lado, com o Estado republicano, o Brasil mudava a forma de governo sem revolucionar a sociedade. O povo continuava pobre e as elites na prosperidade.

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Educaçãol 06/11/2010 lAcessos: 247
    Prof. Hermes Edgar Machado Jr.

    Podemos dizer que o fim do governo de D. Pedro II foi marcado por uma série de contestações ao regime imperial. Contestações tendo por base a campanha abolicionista, a "questão religiosa", a "questão militar", a insatisfação da oligarquia cafeeira, a insatisfação das elites dos setores produtivos das províncias e as tranformações sociais e econômicas a partir da Revolução Industrial. Mas, o que realmente movia o Império rumo à República?

    Por: Prof. Hermes Edgar Machado Jr.l Educaçãol 28/10/2010 lAcessos: 3,149 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast