Eletroterapia Na Estética Facial: Microcorrentes

Publicado em: 12/04/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 17,156 |

RITA MARIA INÁCIO: Técnica em estética Facial e Corporal-SENAC

 

Artigo Simples

 

Eletroterapia na estética facial: Microcorrentes

 

            A microcorrente pode ser definida como um tipo de eletroestimulação que utiliza correntes com parâmetros de intensidade na faixa dos microampéres, de baixa freqüência, podendo apresentar correntes contínuas ou alternadas. Também é chamada de MENS (Micro Electro Neuro Stimulation).

            O objetivo da técnica é promover a revitalização cutânea, melhorando a flacidez muscular, elasticidade, a viscosidade e o brilho da pele, que ocorre devido à formação de um campo bioelétrico natural, que promove revitalização celular.     

            A polaridade dos tecidos não-excitáveis tem sido documentada nas últimas décadas. Todas as funções e atividades do corpo envolvem de alguma forma a eletricidade. Segundo Okuno (2006, apud Borges, 2006), o conhecimento dos fenômenos elétricos é importante para uma melhor compreensão dos complexos processos físicos e químicos que caracterizam a vida.

            O conhecimento da bioeletricidade celular é fundamental na compreensão de diversos fenômenos que envolvem a eletroterapia. Sabe-se que existe um sistema de comunicação denominado sinalização. Um sinal é uma informação codificada, que não pode ser liberada do sinal se não existir um meio de reconhecer o formato e a leitura do código. Segundo Charman (2006, apud Borges, 2006), a hipótese relativa aos vários aspectos da bioeletricidade é que as células podem receber, decodificar e agir sobre sinais elétricos, magnéticos e acústicos. Esta bioeletricidade é a base em que se apóiam as várias teorias do sinal elétrico ou magnético interagindo entre as células.

            Quando a atividade elétrica endógena do organismo é considerada, é pertinente a hipótese de que as estimulações elétricas ou eletromagnéticas, quando aplicadas externamente ao corpo, possam desencadear alterações em nível celular que intensificam o processo de cicatrização.

            De acordo com Robinson e Snyder-Mackler (2001, apud Borges, 2006), o modo normal de aplicação dos aparelhos de micrecorrentes ocorre em níveis que não se consegue ativar as fibras nervosas sensoriais subcutâneas, e o resultado disto é o cliente não sentir o formigamento que a corrente galvânica favorece.

            O plano de atuação das microcorrentes é profundo, podendo atingir um nível muscular, e apresenta-se com imediata atuação no plano cutâneo e subcutâneo.

 

Efeitos Fisiológicos:

 

Restabelecimento da bioeletricidade  tecidual: pesquisas mostraram que um trauma afetaria o potencial elétrico das células do tecido lesionado. Inicialmente o loca atingido teria uma resistência maior do que os tecidos próximos à lesão da corrente. A aplicação das microcorrentes em um local lesionado pode aumentar o fluxo da corrente endógena. Isto permite à área traumatizada recuperar sua capacidade, ocorrendo um processo de cura.

 

Síntese de ATP: noventa por cento do total de ATP, utilizados nos trabalhos celulares são transformados durante o metabolismo da glicose, com a energia liberada pela oxidação subseqüente dos átomos de hidrogênio liberados durante a glicólise.

            Toda energia acumulada será armazenada nas mitocôndrias, também denominadas “poços de energia” celular, e definidas como uma organela intracelular composta de várias membranas, sendo responsável por todas as reações do metabolismo aeróbico que utiliza esta forma de combustível. Dentro desta estrutura celular, existe uma combinação de várias enzimas especiais que transportam os íons de hidrogênio liberados pela degradação metabólica da glicose e gordura. Estes íons fluem através da membrana celular, dando origem à Adenosina Trifosfato (ATP), principal fonte de energia química.

            A microcorrente atua diretamente no organismo, aumentando a síntese de ATP e eleva o seu aumento em até 500%.

 

Aumento do transporte de membranas: em virtude do aumento da produção de ATP ocorre a intensificaçao  do transporte ativo através da membrana

 

Transporte ativo de aminoácidos: segundo Guyton (2001, apud Borges, 2006), as moléculas de praticamente todos os aminoácidos são demasiadamente grandes para sofrerem difusão através das membranas celulares. Então, o único meio de transporte significativo desta substância para o interior da célula é através do transporte ativo. Este mecanismo de transporte ativo depende diretamente da energia liberada pelas moléculas de ATP, e o aumento de ATP disponível para a célula aumenta o transporte de aminoácidos e, conseqüentemente, aumenta a síntese de proteínas.

 

Ação no Sistema Linfático: uma pequena quantidade de proteínas plasmáticas vaza continuamente através dos poros capilares para o líquido intersticial ( entre os tecidos). Se não forem devolvidas ao líquido circulante, a pressão coloidosmótica do plasma cairá a volumes demasiadamente baixos, o que fará que se perca grande parte do volume sanguíneo para os espaços intersticiais. Uma importante função do sistema linfático é a de devolver as proteínas plasmáticas do líquido intersticial à circulação do sangue. Ocasionalmente, ocorrem anormalidades no mecanismo das trocas líquidas nos capilares que resultam em edema, caracterizado pela passagem excessiva de líquido para fora do plasma e para o líquido intersticial, com a conseqüente tumefação dos tecidos. Entre as várias causas desse fenômeno está o bloqueio do sistema linfático, que impede o retorno da proteína, do interstício para o plasma, fazendo que a concentração   de proteínas plasmáticas caia a volumes muito baixos, enquanto a concentração de proteína no líquido intersticial aumenta muito. Estes dois fenômenos, isolados ou em conjunto, produzem a transudação excessiva de líquido para os tecidos.

            A microcorrente aumenta a mobilização de proteínas para o sistema linfático, pois quando são aplicadas em tecidos traumatizados, as proteínas carregadas são postas em movimento, e sua migração para o interior dos tubos linfáticos tornam-se acelerada. A pressão osmótica dos canais linfáticos é aumentada, absorvendo o fluído do espaço intersticial.

            O método utilizado pela microcorrente é totalmente indolor e não invasivo, onde a aplicação é feita através de massagem agradável e relaxante, com canetas e cotonetes em suas pontas, funcionando em três etapas: na primeira promove o aumento do metabolismo, liberando íons de cálcio que deflagram o incremento no transporte de membranas, aumentando a circulação arterial, venosa e linfática, maior reabsorção de líquidos estagnados no interstício e eliminação de toxinas, aumentando a produção de ATP e transporte de aminoácidos.

            Na segunda etapa realiza pinçamento dos sulcos, vincos e da musculatura, visando o encurvamento muscular com restabelecimento da tonicidade facial.

            Na terceira etapa o objetivo é introduzir com auxílio da miocrocorrente um produto ionizável (técnica que facilita a penetração de substâncias ativas dos cosméticos através da pele).

 

Indicações:

 

_ Cicatrizes;

_ Pós-operatórios;

_ Rejuvenescimento;

_ Flacidez tissular;

_ Recuperação de queimaduras;

 

Contra indicações:

 

_ Cardíacos portadores de marca-passo ou cardiopatias congestivas;

_ Uso de prótese metálica;

_ Portadores de neoplasia;

_ Patologias circulatórias tipo flebite, trombose;

_ Renais crônicos;

_ Gestantes em qualquer idade gestacional;

_ Processos inflamatórios e infecciosos;

_ Sobre a pele anestésica ( sem sensibilidade);

_ Epilepsia ou patologias neurológicas que contra indiquem aplicação de corrente elétrica.

 

Referências:

 

BORGES, Fábio dos Santos. Modalidades terapêuticas nas Disfunções Estéticas. São Paulo: Editora Phorte, 2006.

 

                  

                         

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 23 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/saude-artigos/eletroterapia-na-estetica-facial-microcorrentes-862336.html

    Palavras-chave do artigo:

    estetica facial

    ,

    eletroterapia

    ,

    microcorrentes

    Comentar sobre o artigo

    Araceli Canova

    Você já desistiu das suas resoluções de Ano Novo? Você não está sozinha. Você deve ser uma das muitas que decidiram ficar em forma esse ano e já estão dando desculpas do porque não podem ir á academia. Eu tenho a solução perfeita: Dança do Ventre.

    Por: Araceli Canoval Saúde e Bem Estarl 26/02/2015

    A psoríase é um doença de pele que causa alguns incômodos aos seus portadores. Umas das maiores dúvidas é sobre a coceira. Acesse o link e descubra a resposta!

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 25/02/2015

    A psoríase pode afetar o couro cabeludo? Por ser uma doença de pele, ela pode se espalhar por qualquer parte do corpo. Saiba mais!

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 25/02/2015

    Saiba como tratar a doença psoríase. Doença que se apresenta na pele e em diversas partes do corpo. Este artigo é direcionado para a psoríase dos pés, como tratar. Saiba mais!

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 24/02/2015

    Conheça a doença de pele psoríase, presente em qualquer faixa etárias e diferentes partes do corpo. Descubra seus sintomas.

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 24/02/2015

    Conheça a doença de pele psoríase, que pode se manisfestar em diferentes áreas do corpo humano, inclusive no cotovelo!

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 24/02/2015

    Adultos e idosos não imunizados colaboram para retorno de doenças então controladas. Fórum em São Paulo debate o tema

    Por: Ricardo Machado Comunicaçãol Saúde e Bem Estarl 24/02/2015

    Muitos acreditam que o "Consumo Responsável" de álcool não traz riscos à saúde, e ainda defendem os efeitos protetores do consumo de vinho tinto sobre os eventos cardiovasculares. Porém, sabemos que os benefícios desse consumo não chegam a um décimo de seus riscos, a começar pelo fato de que entre os homens com idade de 15 a 59 anos, o consumo abusivo de álcool é o principal fator de risco de morte prematura.

    Por: Central Pressl Saúde e Bem Estarl 23/02/2015

    No início do século xx, cientistas de diversos lugares do mundo deram-se conta do que até então consideravam um elemento vital para a vida humana, o oxigênio, convertia-se em um inimigo feroz dentro do organismo durante os processos metabólicos: o radical livre.

    Por: Rita Maria Ináciol Saúde e Bem Estar> Medicina Alternatival 27/03/2009 lAcessos: 1,117 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast