Gerenciamento dos resíduos sólidos em saúde: breve reflexão

Publicado em: 08/09/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 553 |

INTRODUÇÃO 
Em todas as atividades diárias realizadas pelo homem são gerados rejeitos. Tais rejeitos comumente são chamados de lixo, onde podem ser constituídos como todo e qualquer resíduo proveniente das atividades humanas. 
De acordo com estudos realizados e apresentados pelo IBGE em 2000, através da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico, o Brasil produz diariamente 157 mil toneladas de resíduos. Entre esses estão os Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde que podem variar de 1,3 a 2,63 quilos por habitante/dia.
Em geral, os resíduos dos serviços de saúde ainda não recebem o devido tratamento diferenciado, tendo muitas vezes como destino final o mesmo local utilizado para o descarte dos demais resíduos urbanos.
Por se tratar de um tipo especial de resíduo, podendo comprometer a qualidade de vida da população através da disseminação de doenças, visto em sua composição existirem organismos patogênicos, suas etapas desde a fonte geradora até o descarte final têm que ser regulamentado com o apoio das resoluções que detenham competência para tal.
De acordo com a ABNT NBR 8419/1984, deve existir uma técnica bastante elaborada para tratar de todas as etapas que compreendem a geração, o acondicionamento, o tratamento e por fim o seu descarte final.
A pesquisa ora apresentada terá o papel de observar como estão sendo gerados, tratados, acondicionados e destinados tais resíduos no município de Luís Gomes - RN, onde na busca de uma compreensão de até que ponto, pode oferecer riscos ao meio ambiente como também na proliferação de doenças, visto a existência de organismos patogênicos e infectantes contidos nesse tipo de resíduos, possamos lançar estratégias de mitigação dos impactos negativos relativos ao manejo inadequado dos mesmos, através da elaboração de um plano de gerenciamento eficaz.
A metodologia utilizada nessa pesquisa contará, primeiramente, com um levantamento bibliográfico, onde será levantada a visão de diferentes conhecedores da problemática em torno do eixo norteador observando quais os principais mecanismos de tratamento dos resíduos desde a sua fonte geradora até o seu descarte final, observando assim, todas as etapas constituintes.
Trataremos de desenvolver visitas in-loco e posteriormente, os questionários estarão sendo desenvolvidos dentro da pesquisa no momento em que estaremos buscando estratégias para um gerenciamento de resíduos sólidos de serviços de saúde de uma forma ampla e eficaz.
Evidenciar os resultados da pesquisa, apontando estratégias de mitigação dos impactos sócio-ambientais, trazidos pelo mau gerenciamento dos resíduos sólidos de serviços de saúde, trabalhando a confecção de um plano de gerenciamento dos mesmos, como também enfocar a importância da Educação Ambiental para a minimização de substantivos impactos ao meio ambiente e conseqüentemente, a todos os que habitam o mesmo.
 

Resíduos sólidos: definição, origem e classificação

 

No meio ambiente existe um ciclo biológico perfeito que podemos chamar de processo natural de reciclagem da Terra. Há muitas décadas que o homem vem rompendo com esse equilíbrio e uma das formas que mais está causando preocupação é justamente a produção exagerada de Resíduos Sólidos Urbanos.

Nesse sentido a partir do momento que o homem deixa de ser nômade e toma residência fixa ele passa a viver em grupos organizando-se e aumentando ainda mais a dependência com relação à natureza. Contudo, foi a partir da Revolução Industrial que a agressão se tornou cada vez mais intensa, onde através da premissa capitalista do consumismo embasado no modelo capitalista de produção que os problemas vieram a se agravar ainda mais.

Nesse contexto, o homem constitui seu modo de viver, e nessa construção, valores são incorporados, como por exemplo: comodismo, agilidade e a otimização. Junto a esses aspectos o consumismo impera de maneira a intensificar a produção de resíduos sólidos, pois em todas as atividades diárias do homem são gerados rejeitos que comumente são chamados de lixo.

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com suas características mais específicas, como origem, geração e composição. Nesse sentido de acordo com a sua natureza são classificados como: facilmente degradáveis (restos de comida, sobras de cozinha, folhas, capim, cascas de frutas, animais mortos e excrementos); moderadamente degradáveis (papel, papelão, entre outros); dificilmente degradáveis (trapo, pano, couro, madeira, borracha e cerâmica) e por fim os não degradáveis (metal não ferroso, vidro, pedra, cinzas, terra e areia).

Com relação a origem e produção podem ser classificados como:→ Resíduos Urbanos; →Resíduos Industriais;→Resíduos de Serviços de Saúde;→Resíduos Comuns;→Resíduos Especiais;→Resíduos de Atividades Rurais;→Resíduo de Serviços de Transporte; e Resíduos Radioativos.

Nessa pesquisa trataremos de enfocar um conhecimento específico para os Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde elencando as possíveis conseqüências que a mau gerenciamento dos mesmos desde a sua geração até a destinação final pode acarretar a saúde humana e do meio ambiente em si.


Resíduos sólidos de serviços de saúde
 
Os resíduos variam de acordo com sua composição física e química, natureza, grau de degradação, procedência, atividades geradoras e outros fatores, como: clima da região, costumes, práticas econômicas e sociais, nível educacional, número de habitantes do local. Por isto é imprescindível sua classificação correta, bem como a avaliação de sua periculosidade e o controle de sua produção na fonte geradora. (DIAS, 2004; BRITO 2000).
As ações humanas estão ligadas diretamente aos impactos causados na qualidade de vida da sociedade e no meio ambiente, a que todos têm direito e é bem de uso comum. A maioria dos municípios brasileiros não dispõe de uma gestão integrada de resíduos sólidos, entre eles, de resíduos sólidos de serviços de saúde.
Tais resíduos oferecem uma série de transtornos socioambientais quando mal acondicionado. Nesse sentido, vale apena salientar que vêm sendo alvo de constantes mudanças nas legislações pertinentes, no qual inclui acondicionamento, coleta, transporte e destinação final.
Até pouco tempo atrás esses resíduos eram conhecidos como resíduos hospitalares, pois estavam diretamente ligados a Unidade Hospitalar, no entanto, através de pesquisas chegou-se a conclusão de que não só os hospitais geram esse tipo de resíduo e sim muitas outras unidades como, por exemplo: Clinica Veterinária, Laboratório de Análises, Clínicas Laboratório Ortodôntico, entre outros.
Os resíduos sólidos de serviços de saúde podem ser classificados em quatro grupos distintos: O grupo A, com presença de agentes biológicos é dividido por cinco subgrupos, nos quais são detalhados os possíveis resíduos que deverão estar enquadrados nesse grupo. O grupo B é composto pelos resíduos que apresentam contaminação química, geralmente remédios e outros medicamentos. Esse grupo está subdividido em outros cinco subgrupos. O grupo C é caracterizado pela presença de radionucleotídeos. É importante explicar que o gerenciamento desses resíduos fica sob a responsabilidade da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN). O grupo D que é constituído pelos resíduos comuns, sem contaminação, geralmente provenientes dos escritórios e demais áreas dos estabelecimentos de serviços de saúde e que não entraram em contato com os pacientes ou alas passíveis de contaminação.
Os resíduos de serviços de saúde devem também obedecer a critérios específicos de acondicionamento de acordo com o seu tipo e o seu local de geração. Para tanto deve ocorrer embasado em normas legais referentes ao meio ambiente, à saúde e a limpeza urbana, as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), ou na ausência as normas e critérios internacionalmente aceitos.
Os resíduos do grupo A, B e C devem ser separados e acondicionados em contentores de polietileno de alta densidade nas cores preta, azul ou vermelha, pois devem indicar um sinal de resíduo altamente impactante. Os sacos devem ser dimensionados para um volume de 100 litros e ocupados apenas 70% para se evitar extravasamento no momento do lacre, da coleta e do transporte.
Os resíduos do grupo D devem ser separados, acondicionados em sacos plásticos lacrados devidamente guardados em contentores de polietileno de alta densidade e com identificação visível.
Com relação ao veículo de coleta deverá ser de cor branca, com indicações pintadas nas três faces: laterais e traseira como sendo "SUBSTANCIA INFECTANTE" e "LIXO HOSPITALAR" e ainda o nome da empresa e o telefone do órgão de controle ambiental para reclamações. Esse veículo deve ter compartimento de carga isolado da cabine do condutor, possuindo cantos arredondados e a higienização deve ser realizada diariamente após o turno de serviço e sempre que ocorra vazamento ou derrame de resíduos.
O local mais adequado para o destino final desse tipo de resíduos é justamente um Aterro Sanitário, no entanto, as prefeituras alegam não dispor de receita suficiente para a construção dos mesmos, nesse caso os resíduos de saúde são remanejados da mesma forma que os demais tipos de resíduos ocasionando uma série de riscos à saúde humana e ambiental.
 
Impactos dos resíduos sólidos de serviços de saúde no meio ambiente  
 
A preocupação com a questão ambiental torna o gerenciamento dos resíduos sólidos em saúde um processo de extrema importância na preservação da qualidade da saúde do meio ambiente constituindo-se como um grande desafio a ser enfrentado pelas administrações municipais, estaduais e federais.
O descarte inadequado de tais resíduos tem produzido passivos ambientais capazes de colocar em risco e comprometer os recursos naturais e a qualidade de vida das atuais e futuras gerações. Tais desafios têm gerado políticas públicas e legislações tendo como eixo de orientação a sustentabilidade do meio ambiente e a preservação da saúde. Para tanto, vamos observar os impactos ocasionados pela falta de uma gestão integrada dos resíduos sólidos em geral e numa visão particularizada entender até que ponto a má gestão dos resíduos sólidos em saúde pode comprometer a saúde de uma forma geral.
Com a evolução da medicina e das mais novas técnicas para tratamento de pessoas e a partir do incremento de novas tecnologias são gerados novas substâncias, matérias e equipamentos que trazem consigo novas formas de contaminação e proliferação de agentes patogênicos, ou seja, agentes causadores de doenças, que podem ser muitas vezes mais perigosos para o homem que os manuseia e ao meio ambiente que os recebe.
Tratando-se de outros tipos de resíduos, é comprovado que diferentes microorganismos apresentam a capacidade de persistir no ambiente, representando riscos à exposição biológica dentro e fora do serviço de saúde, tornando-se via de transmissão de doenças a partir do contato ou exposição ao material biológico, quando sua disposição no solo ocorre diretamente e há presença de objetos pontiagudos.
Os perfuro cortantes constituem, ou melhor, lideram o ranking de infecções, visto seu mau acondicionamento. Não é pouco comum, observarmos em tambores de lixo ou até mesmo lixões, que abrigam os demais tipos de resíduos encontrarmos resíduos perfuro cortantes, entre eles seringas e bisturis, utilizados anteriormente, e de forma incoerente deixados abandonados a própria sorte.  
              Os resíduos lançados ao solo contaminam-no com o chorume (líquido percolado, oriundo da decomposição de matéria orgânica) proveniente do lixo. Ele resulta principalmente da água de chuva que infiltra no solo e da decomposição biológica da parte orgânica dos resíduos. O chorume pode causar a contaminação de águas superficiais e subterrâneas e o assoreamento dos riachos, por apresentar uma alta concentração de matéria orgânica. Também pode apresentar outros poluentes (substâncias inorgânicas, metais pesados, etc.), o que requer que os aterros sanitários sejam monitorados.
             Tais substâncias e gases em contato com o homem e com o meio em que ele vive pode trazer conseqüências irreversíveis para a saúde e para uma qualidade de vida que traga como premissa o usufruto dos recursos da natureza que é acima de tudo a principal vítima.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 Analisando o contexto, no qual, foram apresentados ao longo da pesquisa todos os pressupostos básicos para o conhecimento da problemática acerca dos Resíduos Sólidos em Saúde, podemos entender que a adoção de Políticas Públicas voltadas à obtenção de um modelo padrão embasada no segmento da lei, através da Gestão Integrada de Resíduos em Saúde, junto da adoção de medidas de educação ambiental pode apontar o alicerce para uma melhor qualidade de vida no ambiente terrestre.
Nesse sentido, a adoção de postura que venha a mitigar a geração seguida de uma proposta de tratamento e acondicionamento eficaz através de um Plano de Gerenciamento dos Resíduos em Saúde é a maneira de evitar distintas problemáticas com relação aos resíduos supracitados como também trazer para o âmbito ambiental e da saúde pública uma melhor qualidade de vida, seguido de um modelo de desenvolvimento sustentável.
Por fim, este trabalho evidencia a importância da educação ambiental para uma compreensão global dos problemas ambientais causados pelos resíduos de serviço de saúde. Através de ações de mobilização, podemos pensar em alternativas a fim de minorar os danos causados ao meio ambiente pelos resíduos de serviço de saúde, sendo que a escola tem um grande papel neste trabalho.
 
REFERÊNCIAS
 
BRITO, M. A.G.M. Considerações sobre resíduos sólidos de serviços de saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem (on-line), Goiânia, v.2, n. 2, julho-dezembro. 2000. Disponível: HTTP://www.fen.ufg.br/revista.htm. Acesso em 17 novembro 2009. 
 
BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. CONANA, Resolução nº 523 de 29 de abril de 2005.
 
______. Fundação Nacional de Saúde. Manual de saneamento. Brasília, 1999.
 
CARDOSO, Telma Abdalla de Oliveira et. al. Plano de Gerenciamento de Resíduos da Fundação Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro – RJ: Fundação Oswaldo Cruz, 2005.
CASTILHOS, A. B. Resíduos sólidos. Rio de Janeiro: ABES, 2003.
 
________. Resíduos sólidos urbanos. Rio de Janeiro: ABES, 2003.
 
DIAS, M.A.A. Resíduos de serviços de saúde e contribuição do hospital para a preservação do meio ambiente. Revista Academia de Enfermagem, v.2 n. 2, 29 janeiro 2004.
 
FERREIRA, A. B. H. Miniaurélio Século XX: O minidicionário da língua portuguesa 5. Ed. Ver. Ampliada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.
 
FONSECA, E. Iniciação ao estudo dos resíduos sólidos e da limpeza urbana. João Pessoa: Gráfica e Editora União,1999.
 
NATAL. Regulamento de Limpeza Urbana de Natal, Lei 4748/96 – Prefeitura Municipal do Natal – Natal/RN, 1996.
 
SCHINIEDER, Vânia Elisabete et. al. Manual de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Saúde. 2º edição. Caxias do Sul – RS: Educs, 2004.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/saude-artigos/gerenciamento-dos-residuos-solidos-em-saude-breve-reflexao-5201384.html

    Palavras-chave do artigo:

    palavras chave residuos solidos de servicos de saude

    ,

    saude publica

    ,

    meio ambiente

    Comentar sobre o artigo

    Cosme de Jesus Souza

    Este artigo tem por finalidade verificar e mostrar o crescimento econômico e mantém a diversidade e a responsabilidade no meio ambiente. Apresentar as possíveis ferramentas que podem ser utilizadas pelas organizações, para que se tornem empresas ecologicamente corretas. Aborda também a respeito da definição e do uso da Norma 14001. que contém todos os requisitos que as empresas devem possuir para ganharem o selo padrão de qualidade da Gestão Ambiental de acordo com a ISSO.

    Por: Cosme de Jesus Souzal Educação> Ensino Superiorl 05/01/2012 lAcessos: 490
    Elizeu Vieira Moreira

    ...reflete filosoficamente e sociologicamente sobre a necessidade de mudanças na gestão do espaço e da espacialidade urbanos, tendo em vista, o atual estado de crise social e ambiental vivenciada nas cidades, notadamente, naquelas cuja infraestrutura de provimento das necessidades está intimamente relacionada ao processo de estratificação social provocado pelo sociometabolismo do capital...

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 27/09/2011 lAcessos: 521

    De acordo com dados referentes à atual manejo de resíduos sólidos, o Município de Lima Campos coleta: ≈ 128 t/mês ou ≈ 1.536 t/ano, com uma produção diária de lixo de ≈ 4,26 t/dia. O objetivo principal do Projeto é preservar o ambiente da poluição, mudar os hábitos na disposição e acondicionamento do lixo a partir da fonte geradora e criar postos de trabalho para a mão-de-obra com baixa qualificação.

    Por: BRITO SOBRINHO, J. C. C.l Ciênciasl 06/12/2010 lAcessos: 2,190 lComentário: 1

    Este artigo traz um conjunto de fatores que aponta para uma imprescindível articulação entre eles, a qual pode ampliar o grau de percepção sobre as atividades de consumir e de gerar resíduos, incluindo os inúmeros e importantes impactos ambientais.

    Por: João Pinheirol Ciênciasl 09/09/2011 lAcessos: 330

    O presente artigo enfoca a avaliação dos aspectos atuais da infraestrutura sanitária do bairro Farolândia, especificando o estudo de caso dos resíduos sólidos, contribuindo para a melhor qualidade de vida aos moradores e os visitantes locais.

    Por: Wagna Santos Alvesl Ciênciasl 25/09/2009 lAcessos: 1,171

    O artigo apresenta os resultados obtidos com a utilização de programa específico para reunião da legislação legal a cerca da tomada de decisões relacionadas ao meio-ambiente, aplicadas em empresa púclica distribuidora de derivados de petróleo - UN REMAN - PRETROBRÁS.

    Por: Ronaldo Augusto N. Rochal Direitol 27/08/2009 lAcessos: 956
    Isac Henrique Cordeiro

    Consciência dos profissionais que militam no setor da limpeza/higienização de ambientes da área da saúde, órgãos públicos e privados com grande fluxo de pessoas, quanto ao risco de contaminação e proliferação de agentes patogênicos.

    Por: Isac Henrique Cordeirol Saúde e Bem Estarl 06/12/2009 lAcessos: 687
    Giovani Fuscaldi Albergaria

    O artigo fala sobre os tipos de resíduos gerados nos serviços de saúde e detalha a forma correta de tratá-los.

    Por: Giovani Fuscaldi Albergarial Notícias & Sociedade> Meio Ambientel 05/05/2010 lAcessos: 1,805
    Natalicio Rodrigues

    Como os resíduos se tornaram um problema ao longo da história nas sociedades, o tema considera escala temporal que abrange desde a pré-história ao período contemporâneo. Mostra elos estabelecidos entre a saúde pública a religião e a mitologia, perpassa pelo surgimento da doutrina miasmática proposta por Hipócrates (460-435.a.C.) paradigma explicativo para os problemas ambientais.

    Por: Natalicio Rodriguesl Educação> Ensino Superiorl 30/09/2013 lAcessos: 53

    O verão está prestes a começar, e com ele temos mais atividades ao ar livre e exposição solar. Durante todo o ano, a proteção solar é importante, mas nesta época não podemos deixá-la de lado.

    Por: Central Pressl Saúde e Bem Estarl 19/12/2014

    Pode-se notar com uma determinada facilidade o fato de que há diversas pessoas que sofrem com o ressecamento da pele na região dos cotovelos, e isto poderia ser considerado comum, no entanto, há casos em que é necessário que se tenha um pouco mais de atenção.

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 12/12/2014

    Uma doença que causa vermelhidão e muita irritação na pele. As pessoas que têm psoríase tem a pele grossa e bem vermelha com muitas placas escamosas esbranquiçadas.

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 11/12/2014

    Para quem já ouviu falar sobre a psoríase, no entanto não tem muito conhecimento sobre os seus sintomas e com isto esta com algumas dúvidas, como por exemplo, a respeito da possível coceira. Sendo assim, iremos falar agora mesmo se a psoríase apresenta ou não este sintoma.

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 09/12/2014

    As doenças de pele sempre geram muitos problemas principalmente na estética, e isso acaba chateando bastante os pacientes, porém na maioria dos casos essas doenças não afetam em nada na qualidade de vida, e esse acaba sendo o fator mais importante, pois mesmo com a doença, o paciente pode ter muita qualidade de vida. Assim também acontece com a psoríase, uma doença de pele que se caracteriza principalmente pelos sintomas de vermelhidão e coceira, porém também faz com que a pele na região doente

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 05/12/2014

    Atualmente existem muitas doenças que vem se tornando bastante populares entre os brasileiros, e entre essas doenças está a psoríase, uma doença que ataca a pele, causando vermelhidão e irritação, sendo que um dos seus principais sintomas são coceira intensa na região, o que acaba sendo o principal responsável por causar feridas na pele, pois a pessoa acaba coçando com muita frequência, e isso acaba sendo um dos principais motivos pela aparição de feridas.

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 28/11/2014

    HUMANIZAR É PRECISO. SOMOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E DEVEMOS A CADA DIA LUTAR PELA HUMANIZAÇÃO EM NOSSOS SETORES.

    Por: JOSE ERIQUE MIRANDA MEDEIROl Saúde e Bem Estarl 28/11/2014

    Para quem é paciente de psoríase, provavelmente já ouviram falar algumas centenas de vezes que a doença não tem cura, o que pode desconfortar muitos dos pacientes, como também os seus familiares, no entanto, não é necessário preocupação, pois existem diversos tratamentos que podem ser adotados, e que podem funcionar como uma espécie de cura temporária.

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 26/11/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast