Idosos: Atividade Física No Processo De Envelhecimento

21/11/2009 • Por • 1,313 Acessos

Na atualidade, observa-se um aumento na expectativa de vida da população mundial, em que o número de idosos cresceu a partir das últimas décadas. A partir daí também a preocupação da área da Educação Física com os mesmos. Na condição da melhoria da saúde, bem-estar e capacidade funcional que ligada à preparação para as tarefas da vida diária.

O processo de envelhecimento ainda pouco conhecido pela humanidade entra em debates através de publicações cientificas e também em materiais informativos produzidos pela mídia. A televisão, a internet, jornais, enfatizam consistentemente a necessidade de atenção especial ao idoso.

Assim, implicações do aumento do número de idosos liga-se a imagem do idoso saudável e ao seu novo estilo de vida ativo, entrando em cena os Profissionais da área da Saúde geral, citando entre eles: o Profissional da Educação Física. Que desenvolve um papel fundamental na vida do idoso e que através de programas de atividades físicas consegue melhorar as condições corporais dessa faixa etária.

Neste caso, em torno do idoso se cria uma indústria de bens de consumo que vende a vida mais “prazerosa” depois dos 60 anos. Imagem essa do idoso que vem sendo produzida no Brasil e, sobretudo a partir da década de 90. Em que empresas, associações, entidades, instituições, e outros órgãos governamentais, abrem espaços para a convivência social.

Desvirtuando a idéia de que, o idoso é visto como um ser fraco ou inútil, além ser considerado excluído em meio à sociedade devido as suas limitações e problemas de ordem fisiológica e cognitiva. Assim, priorizando recursos de sensibilidade humana dentro de um contexto social, cultural, contemporâneo e permitindo a inclusão do mesmo.

Neste contexto, Grupos de convivência são criados pelas entidades em geral, a nível nacional, chamados de “Grupos de Maturidade Ativa”, coordenados por Profissionais da área da Educação Física, possibilita que pessoas idosas vivenciem atividades de práticas corporais como: o alongamento, a dança, recreação, hidroginástica, ginástica localizada, musculação, entre outras. Os grupos funcionam como “caixas de ressonância”, onde a interferência em um elemento repercute outros como uma rede vincular. O planejamento das atividades nos grupos sociais através de políticas públicas deve ser pensado “carinhosamente” para que possa dar acesso ao idoso. E que o grupo beneficie suas ações como formação humana neste período que complementa as fases da vida do ser humano.

Segundo Meireles (1999) o processo de envelhecimento começa desde a concepção, a velhice se torna um processo dinâmico e progressivo, aliada modificações funcionais, bioquímicas, psicológicas e morfológicas que futuramente podem ocasionar maior incidência de processos patológicos.

De acordo com PIRES (2002), a pessoa idosa sofre varias alterações causadas pelo envelhecimento entre elas:

- Capacidades Físicas: há uma diminuição de:

a) coordenação motora grossa e fina;

b) habilidades;

c) equilíbrio;

d) esquema corporal;

e) visão e audição.

  • Modificações Anatómo-fisiológicas:

a) hipotrofia cerebral e muscular;

b) diminuição da elasticidade vascular;

c) concentração de tecido adiposo;

d) tendência à perda de cálcio pelos ossos;

e) desvios de coluna;

f) redução de mobilidade articular;

g) altura;

h) densidade óssea;

i) volume respiratório;

j) resistência cardio-pulmonar;

l) freqüência cardíaca máxima;

m) debito cardíaco;

n) consumo de oxigênio;

o) mecanismos de adaptação:

1. hemodinâmicos;

2. termorreguladores;

3. imunitários;

4. hidratação;

5. insuficiência cardíaca;

  • Função Cognitiva:

a) é expressa pela velocidade de processamento das informações;

b) assim influenciadas pela quantidade de motivação e estimulação;

c) só sofrerá negativas se não for estimulada.

  • Alterações Psicossociais:

a)     ocorre a diminuição da sociabilidade: a depressão.

b)     mudanças no controle emocional;

c)      isolamento social e baixa auto-estima:

1. ocasionadas pela aposentadoria;

2. pela dificuldade auditiva, visual e motora;

3. pela síndrome do ninho vazio (saída dos filhos, de casa);

4. pela impotência sexual, entre outras.

De acordo com Zimerman (2000), o indivíduo é um ser gregário e, durante seu desenvolvimento, passa por diferentes grupos: família, amigos, escola e trabalho. O idoso, no decorrer de sua vida, já transitou por todos esses grupos, devendo ter todas as condições internas e a necessidade de se filiar a um grupo de pessoas iguais a ele. Na utilização do processo de grupo, através das múltiplas relações que se dão entre seus componentes, visamos à integração do indivíduo no grupo, possibilitando sua extensão individual como membro operante deste, de sua família e de sua comunidade. Pela formação de um vínculo com os elementos do grupo, os quais dão segurança, apoio, compreensão e liberdade entre si, é que alcançaremos o almejado: dar condições aos componentes para que se desenvolvam livres e sadios.

Nas ultimas décadas observar-se que a Atividade Física está atraindo cada vez mais a atenção dos pesquisadores, pois devido ao grande número de pessoas sedentárias, os pesquisadores procuram comprovar através de estudos, relatos de experiências e pesquisas mais aprofundadas, a importância e os benefícios da prática da atividade física regular, para que estas pessoas se conscientizem que esta proporciona o bom funcionamento do corpo humano e uma grande melhora na sua qualidade de vida.

A atividade corporal é facilitadora desse processo. À medida que se estabelece uma articulação entre os sujeitos do grupo na qual assumem e delegam papéis um ao outro, a comunicação possibilita a aprendizagem e, conseqüentemente, a apreensão da velhice se torna compartilhada. O vínculo é condição básica para o sucesso do grupo; é quando um sujeito se torna significativo para o outro (MAXIMINO, 2001).

A aderência da atividade física e um processo que pode fazer parte do dia a dia de cada indivíduo, em que cabe a ele adaptar ou não, no seu habito de vida. Aderência se refere a pratica do exercício físico de forma regular, por longo período de tempo, tornando um habito na vida do indivíduo, bem como a permanência em determinado grupo social e convivência.

 

 

 

 

 

Perfil do Autor

DANI JEFERSON DE OLIVEIRA