Intoxicação Pelo Mercúrio: Perigo Para A Saúde Do Trabalhador

Publicado em: 07/03/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 3,019 |

O Mercúrio é um metal líquido, que se volatiliza facilmente, mesmo à temperatura ambiente, dispersando–se e contaminando, assim, a atmosfera do local de trabalho. Quando aquecido, transforma–se em um gás incolor e inodoro. Sua evaporação aumenta com o aumento da temperatura, podendo evaporar – se até oito vezes mais, em uma elevação de temperatura de 20 º C a 50 º C.

O mercúrio metálico é responsável por um grande número de intoxicações agudas e crônicas, em saúde ocupacional, com graves seqüelas e até óbitos. Muitas doenças causadas por esse metal podem ser diagnosticadas erroneamente como de outras causas, se o profissional de saúde não conhecer a história ocupacional do trabalhador e os riscos da exposição ao mercúrio.

Estima – se que, pelo menos, noventa tipos de atividades estejam expostas ao mercúrio. Dentre essas, podemos citar Indústrias de cloro-soda, equipamentos eletrônicos, termômetros, lâmpadas fluorescentes e neon, amálgama odontológico, produção de polpa de papel, corantes e tintas, garimpo de ouro e prata, Indústria de jóias, medicamentos, prateação de espelhos, manufatura de tintas, produção de acetaldeído, desinfetantes, explosivos, laboratório químico/fotográfico, conservantes de madeira, produção de chapéus de feltro, refinarias de petróleo, usina nuclear, metalurgia, cosméticos e perfumes, conservação de peles de animais, anti-séptico, manufatura de papel, Inseticidas, fungicidas, e herbicidas aplicados na agricultura, produtos para conservação de sementes e catalisador.

O mercúrio e seus componentes tóxicos penetram no organismo por inalação, absorção cutânea e por via digestiva. As três formas são tóxicas, mas cada uma delas possui características toxicológicas próprias. A principal via de penetração é a respiratória, em até 80% dos casos, sendo que 80% do mercúrio inalado ficam retidos no organismo. Deposita-se em vários órgãos como o rim, fígado, testículos, tireóide, membranas do trato intestinal, glândulas salivares, medula óssea e baço; atravessa a barreira hemato-encefálica e aloja-se no Sistema Nervoso Central (SNC); também atravessa a barreira placentária, atingindo o embrião/feto.

A eliminação do mercúrio dá - se pela urina, fezes, saliva, suor e o ar expirado. A permanência desse metal no corpo humano é, em média, sessenta dias, mas no SNC ultrapassa um ano, e não há provas de que ele seja totalmente eliminado do organismo.

Um exemplo dos males que o mercúrio causa foi observado na cidade de Minamata, no Japão (1960), onde uma indústria que usava metilmercúrio, e despejava seus resíduos na Baía de Minamata, contaminando água e peixes, causou a morte de sessenta e cinco pessoas, e o nascimento de crianças com grandes distúrbios genéticos, principalmente neurológicos.

Na Inglaterra do Rei Eduardo VII (1902), fabricantes de chapéus de feltro, expostos ao mercúrio utilizado no processo de feltração, apresentaram uma síndrome conhecida como Dança de São Vítor, caracterizada por contínuos movimentos involuntários dos músculos da face e das extremidades, além de distúrbios psiquiátricos, o que deu origem à doença conhecida como ¨loucura dos chapeleiros¨, e à expressão ¨louco como um chapeleiro¨.

Zavariz & Glina (1993) realizaram estudo, em uma fábrica de lâmpadas elétricas de Santo Amaro - SP., em 91 trabalhadores, entre homens e mulheres, com idades entre 20 e 65 anos, expostos ao mercúrio metálico utilizado na fabricação de lâmpadas fluorescentes, com tempo de serviço variando entre 4 meses e 30 anos. Dos 91 trabalhadores avaliados, 84,62% apresentavam quadro de intoxicação por mercúrio, com manifestações da doença que iam desde amolecimento dos dentes até distúrbios neurológicos.

A legislação brasileira, através das Normas Regulamentadoras (NR´s) do Ministério do Trabalho, e a Organização Mundial de Saúde (OMS) estabelecem um Limite de Tolerância Biológica (LTB) para o trabalhador exposto ao mercúrio, mas muitos pesquisadores afirmam que não há um limite seguro, e que o ideal é que as medidas preventivas sejam efetivas e constantes, para garantir a saúde do trabalhador.

A NR15 lista o mercúrio como um dos principais agentes nocivos que afetam a saúde do trabalhador, referindo – o como grau máximo de insalubridade. Dentre os metais que causam doença ocupacional, é o que apresenta a maior diversidade de efeitos (neurológicos, psicológicos, cardio -respiratórios, gastrintestinais, renais e bucais).

Muitas doenças causadas pelo mercúrio são irreversíveis, podendo deixar o trabalhador permanentemente inapto para o trabalho, o que significaria um ônus muito maior do que a adoção de medidas de proteção e prevenção que valorizam o trabalhador.

Anna Borges Louzada

CRO – AM 1192

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/saude-artigos/intoxicacao-pelo-mercurio-perigo-para-a-saude-do-trabalhador-1951646.html

    Palavras-chave do artigo:

    mercurio

    ,

    odontologia do trabalho

    Comentar sobre o artigo

    A Constituição Federal assegura aposentadoria diferenciada ao servidor público que exerça atividade de risco ou cuja atividade seja exercida em condição que prejudique sua saúde ou integridade física. No entanto a Constituição Federal definiu que a aposentadoria "especial" seria concedida nos termos de Lei Complementar, porém, até o momento não temos esta Lei Complementar que trate do assunto. Todavia muitos servidores públicos tem obtido na Justiça este direito.

    Por: Dra. Karenl Direitol 12/04/2011 lAcessos: 1,369
    Araceli Canova

    Você já desistiu das suas resoluções de Ano Novo? Você não está sozinha. Você deve ser uma das muitas que decidiram ficar em forma esse ano e já estão dando desculpas do porque não podem ir á academia. Eu tenho a solução perfeita: Dança do Ventre.

    Por: Araceli Canoval Saúde e Bem Estarl 26/02/2015

    A psoríase é um doença de pele que causa alguns incômodos aos seus portadores. Umas das maiores dúvidas é sobre a coceira. Acesse o link e descubra a resposta!

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 25/02/2015

    A psoríase pode afetar o couro cabeludo? Por ser uma doença de pele, ela pode se espalhar por qualquer parte do corpo. Saiba mais!

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 25/02/2015

    Saiba como tratar a doença psoríase. Doença que se apresenta na pele e em diversas partes do corpo. Este artigo é direcionado para a psoríase dos pés, como tratar. Saiba mais!

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 24/02/2015

    Conheça a doença de pele psoríase, presente em qualquer faixa etárias e diferentes partes do corpo. Descubra seus sintomas.

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 24/02/2015

    Conheça a doença de pele psoríase, que pode se manisfestar em diferentes áreas do corpo humano, inclusive no cotovelo!

    Por: Sayuri Matsuol Saúde e Bem Estarl 24/02/2015

    Adultos e idosos não imunizados colaboram para retorno de doenças então controladas. Fórum em São Paulo debate o tema

    Por: Ricardo Machado Comunicaçãol Saúde e Bem Estarl 24/02/2015

    Muitos acreditam que o "Consumo Responsável" de álcool não traz riscos à saúde, e ainda defendem os efeitos protetores do consumo de vinho tinto sobre os eventos cardiovasculares. Porém, sabemos que os benefícios desse consumo não chegam a um décimo de seus riscos, a começar pelo fato de que entre os homens com idade de 15 a 59 anos, o consumo abusivo de álcool é o principal fator de risco de morte prematura.

    Por: Central Pressl Saúde e Bem Estarl 23/02/2015
    Anna Louzada

    A chupeta pode ser importante para o desenvolvimento emocional da criança, mas apenas até um certo ponto; após os dois anos de idade, é importante retirar a chupeta, para prevenir problemas de oclusão na criança.

    Por: Anna Louzadal Saúde e Bem Estarl 07/03/2010 lAcessos: 516
    Anna Louzada

    O Flúor é utilizado na prevenção da cárie, há quase um século, mas existem polêmicas a respeito de suas propriedades preventivas dessa doença que atinge grande parte da população brasileira.

    Por: Anna Louzadal Saúde e Bem Estarl 19/11/2009 lAcessos: 436 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast