Tabagismo - O consumo de tabaco constitui um dos principais problemas de saúde pública

15/07/2010 • Por • 700 Acessos

Caracterização a situação

 

O consumo de tabaco constitui um dos principais problemas de saúde pública, sendo uma das principais causas de mortalidade e morbilidade, pelo que é considerado uma epidemia global.

O hábito de fumar é geralmente adquirido durante a adolescência, sendo as causas, maioritariamente, sociais.

O fumo do tabaco contém várias substâncias, incluindo a nicotina. A nicotina inalada do fumo do tabaco é rapidamente absorvida pelo aparelho respiratório, mucosa bocal e pele, apresentando uma elevada concentração no cérebro, estômago, rins e fígado.

Acções da nicotina:

  • Aumento da pressão arterial
  • Aumento do consumo de O2 pelo miocárdio
  • Aumento da coagulação sanguínea e da agregação plaquetária
  • Aumento da motilidade e da secreção de sucos gástricos
  • Estimulação respiratória
  • Estimulação marcada do Sistema Nervoso Central (SNC)
  • Indução de arritmias
  • Vasoconstrição das artérias coronárias

 

Os efeitos que a nicotina produz no cérebro são, temporariamente, agradáveis e são eles que levam ao uso continuado do tabaco. Cinco a oito segundos após o início do acto de fumar, a nicotina mimetiza os efeitos da aceticolina, libertando-se narodrenanila e dopamina. Estas substancias produzem sensação de bem estar, causando uma estimulação inicial, seguida de uma sensação d calma. O individuo desenvolve tolerância à sensação de calma, o que leva a fumar cada vez mais.

Para além dos efeitos da nicotina e das outras substâncias que constituem o fumo do tabaco (responsáveis pelas doenças associadas) o tabagismo é ainda responsável por uma voz mais grave nas mulheres, pela tosse característica dos fumadores, pelo envelhecimento precoce da pele, por cáries e por uma maior susceptibilidade a infecções respiratórias. Mais ainda, os fumadores podem sofrer de halitose e apresentam, frequentemente, mau odor na roupa e cabelo.

Consequências do tabagismo:

  • Doenças do aparelho respiratório
  • Doenças cardiovasculares
  • Doenças gastrintestinais
  • Cancro

 

O consumo de tabaco durante a gravidez aumenta o risco de sofrer um aborto espontâneo e de parto prematuro. O recém-nascido pode apresentar baixo peso a nascença e malformações congénitas.

A dependência resulta da vulnerabilidade física do organismo à nicotina, que é potencialmente aditiva quando disponibilizada nos fumadores descontinuam a sua inalação. Dado que, durante o processo de adição, os receptores de aceticolina aumentam, nas tentativas para deixar de fumar, a actividade acetilcolina aumenta de forma pronuciada, causando irritabilidade. O síndrome de privação da nicotina varia de individuo para individuo e tem um inicio rápido (24-48h) durante semanas ou meses.

Sinais de dependência:

  • Tentativas sucessivas falhadas para deixar de fumar
  • Sintomas marcados de privação, ao deixar de fumar
  • Não conseguir deixar de fumar, apesar de já ter problemas de saúde relacionados
  • Preferir o tabaco a actividades sociais

Sintomas de privação:

  • Tensão nervosa
  • Irritabilidade
  • Dificuldade de concentração
  • Pressão arterial elevada
  • Bradicardia
  • Diminuição da capacidade de reacção
  • Depressão

 

Importante

O consumo de tabaco ou de outras fontes de nicotina deve ser completamente eliminado durante a terapêutica de substituição nicotínica, pois pode levar a níveis tóxicos de nicotina no organismo.

A dose de nicotina deve ser progressivamente diminuída até se parar o tratamento numa dose mínima.

 

Terapêutica não farmacológica/prevenção

Existem algumas recomendações da Direcção Geral da Saúde que podem ser dadas aos indivíduos fumadores para apoiar a cessação tabágica:

  • Anunciar aos familiares e amigos a decisão de deixar de fumar
  • Marcar uma data para deixar de fumar
  • Evitar as circunstâncias e situações em que habitualmente fumava
  • Fazer uma alimentação saudável
  • Pôr de parte dinheiro que iria gastar com a compra do tabaco, para confirmar o que poupa com o abandono do tabagismo

 

A prevenção, na farmácia, pode se feita a vários níveis:

  • Reforço da abstinência tabágica a todos os utentes
  • Informação sobre as consequências do tabagismo a todos os utentes
  • Identificação dos fumadores (principalmente de grupos de risco) e aconselhamento sobre cessação tabágica
  • Acompanhamento de fumadores em processo de cessação tabágica, por forma a prevenir eventuais recaídas.

 

Perfil do Autor

Rui

http://farmaciaturcifalense.blogspot.com/2010/07/tabagismo.html