Lógica

Publicado em: 29/04/2009 |Comentário: 2 | Acessos: 2,006 |

LÓGICA

Lógica, ciência que trata dos princípios válidos do raciocínio e da argumentação. Seu estudo é um esforço no sentido de determinar as condições que permitem tirar de determinadas proposições, chamadas de premissas, uma conclusão delas derivada. A validade lógica é a relação entre as premissas e a conclusão.

O que hoje se conhece como lógica clássica, ou tradicional, foi enunciado pela primeira vez por Aristóteles, que elaborou leis para um raciocínio correto, a ser desenvolvido mediante silogismos. Em meados do século XIX, os matemáticos britânicos George Boole e Augustus De Morgan abriram à lógica um novo campo, que hoje se conhece como lógica simbólica ou moderna, posteriormente desenvolvida por Bertrand Russell e por Alfred North Whitehead, cobrindo todo um espectro de argumentações possíveis, maior do que aquelas encontradas na lógica silogística.

Tanto o ramo clássico como o moderno implicam em métodos de lógica dedutiva, embora também tenha havido esforços no sentido de desenvolver métodos de lógica indutiva, sendo neste último campo a contribuição mais importante a do filósofo britânico John Stuart Mill, com sua obra Sistema de lógica (1843). Estudos posteriores desenvolveram sistemas da chamada lógica combinatória: uma afirmação pode ter um valor diferente de verdadeiro ou falso. Em alguns pressupostos, é apenas um terceiro valor, neutro; em outros, é um valor de probabilidade.

Lógica paraconsistente, noção segundo a qual a lógica admite contradições. Foi introduzida pelo filósofo e matemático brasileiro Newton da Costa.

A necessidade da ciência de trabalhar com a contradição surgiu do interesse em estudar temas complexos, como por exemplo os tratados pela mecânica quântica. Desde a década de 1930, supunha-se que a lógica clássica não podia ser aplicada à mecânica quântica. A partir das lógicas não-clássicas, em especial os paradoxos na lógica e/ou na matemática, surgiu o conceito de lógica paraconsistente, formulado em 1963.

Na realidade, esse conceito nasceu da idéia de Georg Cantor, que dizia que a essência da matemática está na sua liberdade. Muitos dos paradoxos surgidos no início do século XX, em geral foram eliminados com a manutenção da lógica tradicional e com a introdução de restrições nos postulados da teoria dos conjuntos. Se a matemática fosse absolutamente livre, como supunha Cantor, em vez de introduzir restrições aos postulados da teoria dos conjuntos poderíamos mudar a lógica e, desse modo, reconstituir a matemática clássica inteira.

Para melhor entender o que é a lógica paraconsistente, convém recordar que a lógica é o estudo dos processos pelos quais determinadas sentenças ou proposições podem ser deduzidas de outras. Desde a época de Aristóteles, um dos princípios da lógica é o da não-contradição. Essa idéia estabelece a impossibilidade de que uma sentença qualquer e sua negação sejam ambas verdadeiras. A lógica clássica não admite contradições.

No entanto, à medida que os diferentes campos da ciência evoluem e se tornam mais complexos, as contradições aparecem. Na física, as partículas elementares em determinadas circunstâncias não se comportam como matéria, mas como ondas. Sob certos aspectos, elas são e não são partículas. Tal dificuldade pode ser ultrapassada, como em geral fazem os físicos, tentando eliminar a contradição e manter a lógica clássica.

No entanto, se o pesquisador quiser tratar diretamente o problema, sem desvios teóricos, torna-se necessário o emprego de uma lógica não-convencional, que aceite as contradições. A lógica paraconsistente foi idealizada para tratar desses problemas.

A idéia de trabalhar com a contradição atraiu para a lógica paraconsistente pesquisadores de várias áreas do conhecimento, inclusive psicanalistas que reconhecem no trabalho a formalização da idéia de contradição que, segundo Freud, existiria no próprio plano do inconsciente.

Na informática, os especialistas já desenvolveram sistemas para processar dados contraditórios. No campo da teoria da ciência, surgiu o conceito de "quase-verdade", uma variante da verdade pragmática. Consideremos o caso da mecânica clássica newtoniana, em relação à relatividade einsteiniana: a primeira não se aplica aos corpos que se deslocam em velocidades muito altas, próximas à da luz, ao contrário do que ocorre em determinados domínios, como na engenharia civil, onde a mecânica newtoniana é estritamente verdadeira. Ela é, portanto, quase-verdadeira para um determinado setor. Assim também pode ocorrer com a teoria da luz ondulatória e corpuscular. Ambas são quase-verdade para certos aspectos da teoria da luz.

Matemática, estudo das relações entre quantidades, magnitudes e propriedades, e das operações lógicas utilizadas para deduzir quantidades, magnitudes e propriedades desconhecidas. No passado, a matemática era considerada a ciência da quantidade, aplicada às magnitudes (como na geometria), aos números (como na aritmética) ou à generalização de ambos (como na álgebra). Em meados do século XIX, a matemática passou a ser considerada como a ciência das relações, ou como a ciência que produz condições necessárias. Esta última noção abarca a lógica matemática ou simbólica — ciência que consiste em utilizar símbolos para gerar uma teoria exata de dedução e inferência lógica baseada em definições, axiomas, postulados e regras que transformam elementos primitivos em relações e teoremas mais complexos.

HISTÓRIA

As primeiras referências à matemática avançadas e organizadas datam do terceiro milênio a.C., na Babilônia e no Egito. Esta matemática estava dominada pela aritmética.

Os primeiros livros egípcios, escritos no ano 1800 a.C., mostram um sistema de numeração decimal com diferentes símbolos para as sucessivas potências de 10 (1, 10, 100, ...), semelhante ao sistema utilizado pelos romanos. Na geometria, foram obtidas as regras corretas para calcular a área de triângulos, retângulos e trapézios, e o volume de figuras como ortoedros, cilindros e pirâmides.

Os gregos usaram elementos da matemática dos babilônios e dos egípcios. A inovação mais importante foi a invenção da matemática abstrata, com base numa estrutura lógica de definições, axiomas e demonstrações. Este avanço começou no VI a.C., com Tales de Mileto e Pitágoras. Alguns de seus discípulos fizeram importantes descobertas sobre a teoria numérica e a geometria, que são atribuídas ao próprio Pitágoras.

No final do século IV a.C., Euclides escreveu Elementos, obra que contém a maior parte do conhecimento matemático da época. O século posterior a Euclides esteve marcado por um grande desenvolvimento da matemática, como se pode comprovar nos trabalhos de Arquimedes e Apolônio. Este escreveu um tratado em oito volumes sobre as cônicas e estabeleceu seus nomes: elipse, parábola e hipérbole.

Os avanços dos matemáticos árabes, junto com as traduções dos gregos clássicos, foram os principais responsáveis pelo crescimento da matemática durante a Idade Média. Entre outros avanços, os matemáticos árabes ampliaram o sistema indiano de posições decimais na aritmética de números inteiros, estendendo-o às frações decimais. Al-Khwarizmi desenvolveu a álgebra dos polinômios. Os geômetras, como Ibrahim ibn Sinan, continuaram as investigações de Arquimedes sobre áreas e volumes.

Em 1545, o italiano Gerolamo Cardano publicou em sua obra Ars magna uma fórmula algébrica para a resolução das equações de terceiro e quarto graus. Esta conquista levou os matemáticos a se interessarem pelos números complexos e estimulou a busca de soluções semelhantes para equações de quinto grau ou mais. Também no século XVI, começaram a ser utilizados os modernos símbolos matemáticos e algébricos.

O século XVII começou com a descoberta dos logaritmos pelo matemático John Napier. Na geometria pura, Descartes publicou em seu Discurso do método (1637) sua visão da geometria analítica, que mostrava como utilizar a álgebra para investigar a geometria das curvas. Outro avanço importante na matemática do século XVII foi o surgimento da teoria da probabilidade.

No entanto, o acontecimento mais importante do século na matemática foi o estudo dos cálculos diferencial e integral por Newton, entre 1664 e 1666. Alguns anos mais tarde, o alemão Leibniz também descobriu o cálculo e foi o primeiro a divulgá-lo, em 1684 e 1686. O sistema de notação de Leibniz é usado hoje no cálculo. O grande matemático do século XVIII foi o suíço Euler, que contribuiu com idéias fundamentais sobre cálculo e outros ramos da matemática e suas aplicações.

Em 1821, o matemático francês Cauchy conseguiu um enfoque lógico e apropriado do cálculo, baseado apenas em quantidades finitas e no conceito de limite. Além de fortalecer os fundamentos da análise, nome dado a partir de então às técnicas do cálculo, os matemáticos do século XIX realizaram importantes avanços nesta parte. No início do século, Gauss deu uma explicação adequada sobre o conceito de número complexo.

Outra descoberta do século XIX, que na época foi considerada abstrata e inútil, foi a geometria não-euclidiana. Os fundamentos da matemática foram completamente transformados no século XIX, principalmente pelo inglês George Boole, em seu livro Investigações das leis do pensamento, sobre as quais se baseiam as teorias matemáticas da lógica e das probabilidades (1854) e por Cantor em sua teoria dos conjuntos.

O computador revolucionou a matemática e converteu-se num elemento primordial. Este avanço deu grande impulso a certos ramos da matemática, como a análise numérica e a matemática finita, e gerou novas áreas de investigação, como o estudo dos algoritmos. Tornou-se, portanto, uma poderosa ferramenta em campos tão diversos quanto a teoria numérica, as equações diferenciais e a álgebra abstrata.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/tecnologia-artigos/logica-893229.html

    Palavras-chave do artigo:

    premissas

    ,

    deducao

    ,

    ogicas nao classicas

    Comentar sobre o artigo

    Hoje em dia, não é difícil manter a cozinha de casa ou do seu restaurante organizada, seja por conta dos tipos de prateleiras, utensílios, equipamentos elétricos e outros, que ajudam a deixar o ambiente limpo e arrumado. Quando se trata de um estabelecimento comercial, para manter as portas abertas, os proprietários e gerentes sabem o quanto é importante se sair bem em uma inspeção sanitária e essa preocupação deve ser constante.

    Por: Aline Limal Tecnologial 16/12/2014
    Gustavo Rocha

    São mais de 20 anos de tecnologia na veia, sendo mais de 10 dedicados a sistemas jurídicos. Uma credencial de experiência que permite dizer os 5 pontos cruciais de conhecimento de um sistema jurídico que são essenciais para o sucesso de uma implantação e mais, da manutenção do sistema implantado no cliente. São eles: 1. Cadastro de pessoas 2. Cadastro de processos 3. Agenda 4. Notas de expediente 5. Documentos

    Por: Gustavo Rochal Tecnologial 14/12/2014
    Gustavo Rocha

    Sempre afirmo categoricamente: Ou a tecnologia é útil ou não serve para nada. Um exemplo prático, notícia no Conjur: Juiz na Inglaterra usa Skype para comandar julgamento no tribunal do júri Além de depoimentos de acusados e testemunhas por videoconferência, a Inglaterra está começando a usar a tecnologia para reduzir também o deslocamento dos juízes. Recentemente, o juiz John Tanzer usou o Skype para comandar o último dia de julgamento num tribunal do júri. Ele estava em um compromisso

    Por: Gustavo Rochal Tecnologial 11/12/2014
    Gustavo Rocha

    Uma notícia do CNJ a muito nos anima: Está sendo desenvolvido o projeto do escritório virtual do processo eletrônico. E no que isto impacta para quem usa o processo eletrônico? Muito. Trata-se da forma que todos os softwares de processo eletrônico no país irão se comunicar, e poderemos ter a famosa interoperabilidade. Leia mais sobre este tema aqui.

    Por: Gustavo Rochal Tecnologial 09/12/2014

    A prensagem de CD é uma modalidade que cresceu muito durante os últimos anos, pois além de ser uma forma de divulgar seu produto ou marca, também é uma forma de manter o conteúdo original e garantir que o consumidor sinta segurança no produto que está adquirindo. As formas de divulgação de trabalhos principalmente no mundo da música são inúmeros, justamente por isso as empresas que trabalham nesse segmento, sempre procuram escolher o melhor número de opções possíveis para fazer com que seu servi

    Por: Sayuri Matsuol Tecnologial 05/12/2014

    Quando se fala em duplicação de cds é possível que uma série de pessoas acabem por ficar com dúvidas, assim como também que acabem por não compreender muito sobre o que seria este tipo de processo. Desta forma, iremos citar agora mesmo o que é e também como funciona.

    Por: Sayuri Matsuol Tecnologial 05/12/2014

    Não há o que temer sobre a virtualização. Não é complexa e nem problemática.

    Por: Marcelo Danill Tecnologial 01/12/2014

    Nos dias de hoje, acaba por ser comum verificar que alguns profissionais tenham interesse em realizar um trabalho que seja considerado como mais profissional, mesmo que seja para a distribuição gratuita, como no caso de produção de cds, no entanto, acaba por ser comum também que alguns não saibam como este tipo de trabalho funciona.

    Por: Sayuri Matsuol Tecnologial 26/11/2014

    Ser um líder não é simplesmente dar ordens de qualquer maneira. É aquele que sabe orientar a equipe para seguir a direção correta, aquele que sabe motivar as pessoas para alcançar o objetivo com planejamento, organização, disciplina e criatividade. Para ser um líder precisamos transformar conhecimento em ação. O verdadeiro líder não é alguém que nasce para ser líder, mas aquele que trabalha para que todos sejam líderes. Um líder deve ter capacidades especiais

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Gerêncial 01/12/2009 lAcessos: 3,020

    Como um dos componentes mais antigos associados a computadores, o sistema de gerenciamento de banco de dados, ou SGBD, é um software que foi concebido como objetivo de gerenciar todos os bancos de dados. Existem diferentes tipos de sistemas de gerenciamento de banco de dados, sendo que alguns deles concebidos para a supervisão e controle adequado das bases de dados configurados para fins específicos.

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Tecnologia> TIl 26/11/2009 lAcessos: 1,131

    A importância do planejamento estratégico objetivando adquir estabilidade no mercado. No Brasil não existe o habito de fazer planejamento estratégico desde a fundação da empresa. Nos paises de primeiro mundo tal pratica é um habito.

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Gestãol 25/11/2009 lAcessos: 1,992 lComentário: 9

    As respectivas responsabilidades de cada setor para o bom andamento do projeto

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Ger. de Projetosl 25/11/2009 lAcessos: 1,919

    os principais portos marítimos do Brasil e seus respectivos links.

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negóciosl 23/11/2009 lAcessos: 3,590

    Os principais portos marítimos do mundo descritos por região geografica

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negóciosl 23/11/2009 lAcessos: 11,219 lComentário: 1

    * Local de entrega * Definição de preços * Termo de pagamento * Garantia * Suporte ao produto * Seguros * Incentivos * Penalidades * Papéis e responsabilidade * Declaração de trabalho da entregas * Linha base do cronograma * Limitação de responsabilidade * Relatórios de desempenho * Remunerações e retenções * Período de desempenho * Local de desempenho do Fornecedor * Aprovação de subcontratadas * Solicitações de mudanças

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Ger. de Projetosl 16/11/2009 lAcessos: 1,764

    Publico uma lista com regras básicas e essenciais, independentemente da carga transportada, e que devem ser recordadas ou observadas durante uma operação de transporte. Se uma carga não for acondicionada de forma adequada, configura-se perigo para as pessoas envolvidas nas operações de transporte e para terceiros. A carga mal acondicionada pode tombar do veículo, provocar congestionamento de tráfego e a morte ou lesões a terceiros, logo devemos ter em mente a grande responsabilidade.

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Administraçãol 28/10/2009 lAcessos: 1,771 lComentário: 1

    Comments on this article

    0
    Joao Picao 11/05/2010
    Que site ruim esse
    0
    WEZA ALBERTO CARLOS 28/06/2009
    EU GOSTEI MUITO DA LÓGICA DE JOHN NAPIER.ACENDEU AS LAMPARINAS DO MEU JUISI.ESPERO QUE ESCREVAM MAIS COISAS SOBRE O JOHN NAPIER PORQUE ELE É MUITO IMPORTANTE E PODE NOS ENSINAR MUITAS COISAS UTEIS ENTAO QUEM LER ESTE COMENTARIO POR FAVOR SIGA O MEU EXEMPLO DE ESTUDANTE.OBRIGADA POR LEREM A MINHA MENSAGEM.É TUDO QUE QUIS ESCREVER ADEUS.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast