Planejamento de Recursos da Empresa (ERP): dicas para uma implantação com sucesso

12/06/2011 • Por • 293 Acessos

A maioria de nós da área de Administração já ouvimos falar de ERP. Eu explico melhor: ERP é chamado literalmente Planejamento de Recursos da Empresa ou em inglês Enterprise Resource Planning. Toda empresa necessita de planejamento, independente do ramo de atividade, porte ou finalidade para atingir o sucesso. Então, com a globalização de informações cada vez mais rápidas tornou-se indispensável que os gestores pudessem manter um sistema de informação mais eficaz.

Assim, surgiu o ERP, ou o que algus especialistas chamam de SIGE, os Sistemas Integrados de Gestão Empresarial, sistemas integrativos de todos os dados e processos de uma organização em um único sistema. Como ele integra vários subsistemas, essa integração prescreve uma perspectiva mais funcional, ou seja, integra várias funções importantes da empresa como os próprios sistemas de RH, marketing, fabricação, finanças e outros sob a visão sistêmica, isto é, engloba sistemas de informações gerenciais, sistema de processamento de transações, sistemas de apoio a decisão, etc).

Os SIGE são vistos geralmente como uma macroplataforma de software que objetiva a integração das diversas áreas, departamentos ou setores de uma organização. Os ERP foram desenvolvidos para possibilitar a automação e o armazenamento de todas as informações de negócios gerados na empresa.

Uma versão mais antiga do ERP amplamente utilizada foi o MRP (Material Requirement Planning), que na década de 70 foi utilizado para o planejamento das requisições de materiais.

O planejamento desse sistema era baseado em um conjunto de sistemas também chamados pacotes, que mantinham uma comunicação integrada gerando um planejamento do uso dos insumos e a administração das mais diversas etapas dos processos produtivos de forma mais rápida e eficaz.

Com o passar do tempo os MRPs evoluíram para os MRPs II que abrangiam maior gerenciamento e controle de processos. Por meio da evolução das redes de comunicação entre computadores interligados e a proliferação da arquitetura cliente/servidor já nos anos 90 – o uso de microcomputadores ligados a servidores com preços de mercado bem competitivos foram se popularizando entre as empresas e ganharam destaque por sua eficiência organizacional.

Deixando um pouco de lado a evolução desses sistemas, caro leitor, destacamos nesse artigo que a fase de implantação de um ERP é extremamente complicada devido a muitas variáveis encontradas durante o processo. Até mesmo, de certa forma por que certos projetos de ERP fracassam quando da sua implantação. Alguns especialistas apontam questões que influenciam negativamente no processo e são muito assertivos quanto à questão.

Para que a implantação obtenha sucesso, ou seja, que o projeto tenha um inicio, meio e fim de forma planejada, e bem implementada, salientamos algumas dicas para o sucesso de implantação de ERPs como veremos a seguir.

Toda empresa quando começa a crescer necessita de um sistema que possa agilizar os processos de forma a trazer eficácia para ela e agilidade na resposta ao cliente. Atualmente, as empresas não podem deixar de implantar um ERP, pois a análise dos relatórios devem ser uma constante.

Como consultor, seguramente se estivesse à frente do projeto de implantação de um ERP estabeleceria os seguintes passos:

1º passo: Mapeamento e otimização de processos atuais;

2º passo: Seleção do Sistema ERP;

3º passo: Decisão da compra;

4º passo: Revisão e adequação dos processos operacionais à nova realidade sistêmica;

5º passo: Implantação;

6º passo: Treinamento e o último e

7º passo: uma Auditoria operacional e manualização sistêmica constantes.

Como gestor, entendo que, para que a empresa possa implementar o sistema de forma mais detalhada acredito que ela deva seguir um fluxo organizado de informações, devendo assim:

1º - Formatar um planejamento
com cronograma de atividades e orçamento do investimento do sistema.

2º - Contratar uma empresa especializada em softwares do sistema para realizar o treinamento dos colaboradores envolvidos e formar uma equipe que envolva: analistas de negócios, que conhecem bem os processos das áreas que atuam; especialistas em ti, responsáveis por todo o suporte de desenvolvimento, manutenção e hardware que será necessário na implantação; consultores com capacitação em redesenho de processos, e um gerente, que controle as tarefas individuais e integradas da equipe do projeto.

3º - Estabelecer um Gestor especialmente para o acompanhamento do sistema implantado.

4º - Realizar monitoramento e avaliação dos colaboradores depois de treinados.

5º - Detectar e corrigir os "bugs"encontrados e estar em constante avaliação.

Enfim, embora pareça fácil seguir o esquema que desenhei, acho interessante que o empresário indique um Gestor que tenha amplo conhecimento da empresa como um todo e ainda monitore e avalie minunciosa e constantemente as etapas e como estas serão desenvolvidas, já que a implantação do sistema ERP necessita de profissionais não só especialistas, mas com experiência de implantação em outras empresas.

Perfil do Autor

Flavio Andrade

Flávio Andrade é graduado em Administração pela Universidade Estadual do Maranhão, pós-graduado em Administração pública e é mestrando...