Mas Afinal, O Que É Turismo?

14/09/2009 • Por • 23,806 Acessos

 

De acordo com a Organização Mundial do Turismo – OMT 2003 entende-se Turismo como as atividades realizadas pelas pessoas durante suas viagens e estadas em lugares distintos do seu entorno habitual, por um período consecutivo, inferior a um ano, por lazer, negócios e outros.

 

A palavra deriva de tour, do latim tornare e do grego tornus, cujo significado é giro ou círculo. Turismo seria, portanto, o ato de partir e posteriormente regressar ao ponto inicial, sendo que o realizador deste giro é denominado Turista.

 

No contexto histórico, o Turismo tem início com os jogos olímpicos na Grécia e sua ascensão ocorreu durante a Revolução Industrial na Inglaterra por volta do Século XX. Após a Segunda Guerra mundial, com o acesso aos meios de transportes, mais econômicos e o surgimento de companhias aéreas comerciais, as viagens tornaram-se mais presentes na vida das pessoas, intensificando a atividade turística em todo o mundo.  Atualmente seu crescimento é impulsionado pela maior disponibilidade de tempo, pela facilidade nas condições de pagamento, pelo aumento da renda, a segmentação do mercado turístico baseado nas preferências e motivações das pessoas e, devido à grande globalização, a busca pela singularidade local e pela fuga da rotina.

 

O turismo não pode ser considerado uma indústria visto que situa-se no setor terciário da economia.  É, portanto, uma atividade de prestação de serviços. Apresenta, dentre outros fatores positivos, a geração de emprego, renda e desenvolvimento econômico local, regional, estadual e nacional, estimula a comercialização de produtos locais, propicia melhoria de equipamentos urbanos e de infra-estrutura de apoio (estradas, segurança, saneamento), investimentos voltados à proteção do meio ambiente e à cultura, melhoria do nível sociocultural da população residente e intercâmbio de idéias, costumes e estilos de vida.  

 

É um fenômeno complexo e abrangente que envolve não só viagens, mas toda uma cadeia de bens e serviços como cultura, gastronomia, compras, negócios, teatro, dança, música, artesanato, eventos, transporte, segurança e entretenimento. Movimenta mais de cinquenta segmentos da economia e é um dos principais geradores de divisas para um país.

 

Somente um conjunto de atrativos não garante o fluxo turístico ou a permanência das pessoas em determinado destino. É necessária a existência de equipamentos e serviços de qualidade e de infra-estrutura básica que permita a fixação dos turistas em um local por um determinado tempo. Para suprir as necessidades desta demanda real ou da que se espera, é necessário, dispor, além da oferta original (atrativos), uma oferta agregada diversa (hotéis, restaurantes, entretenimento, transporte, dentre outros serviços). 

 

É preciso trabalhar o Turismo sistematicamente, de maneira sustentável, entendendo-o como uma rede de relações e como um processo, contextualizando e organizando-o no tempo e o espaço em que acontece. Incluindo as pessoas e preservando a identidade, os valores e atrativos locais.

 

O turismo pode ser um importante instrumento transformador de economias e sociedades, mas não deve ser visto como a solução para os municípios se estabelecerem. O não planejamento desta atividade pode gerar impactos ambientais, sociais e econômicos irreversíveis e que podem causar o declínio de um destino ou a depredação e até a extinção de um atrativo. Em cidades que são pólos turísticos, nos períodos de alta temporada, a população local sofre com o aumento dos preços, com a poluição das águas e com a degradação de áreas naturais ou de seu patrimônio histórico-cultural. Os costumes locais podem ser alterados drasticamente no intuito de adequar a oferta de produtos, como artesanato ou manifestações folclóricas e religiosas ao gosto dos visitantes.

 

Para minimizar os impactos negativos e potencializar os efeitos positivos da atividade é fundamental e indispensável este planejamento, que não deve abranger somente uma localidade, mas todo seu entorno. É de responsabilidade do setor público o cuidado com a infraestrutura de apoio e do setor privado investimentos em equipamentos e serviços turísticos. O Terceiro Setor, por sua vez, atuará na capacitação da mão de obra. Ações conjuntas podem agregar ainda mais valor à atividade e contribuir com o seu efeito multiplicador.

 

 

 

 

Referências:

 

BENI, Mário Carlos. Análise Estrutural do Turismo. São Paulo: SENAC, 2000.

 

LEMOS, Leandro de.Turismo: Que negócio é esse? Uma análise da economia do Turismo. São Paulo: Papirus, 2001.

 

OMT – Organização Mundial do Turismo. Turismo Internacional: uma perspectiva global. 2. ed. Porto Alegre: Bookmann, 2003.

 

TRIGO, Luiz Gonzaga Godoi. Turismo Básico. São Paulo: Senac, 2002.

 

Perfil do Autor

Ana Cristina Faria

Técnica em Turismo - Cefet Bacharelanda em Turismo - Newton Paiva Aluna destaque acadêmico e bolsista do programa de Iniciação Científica da mesma instituição.