Meio Ambiente E Sustentabilidade Como Elemento De Marketing E Progresso Para As Empresas

14/12/2008 • Por • 4,603 Acessos

Desperdiçar menos, reduzir o que consumimos, reciclar o que dispensamos, reaproveitar. Mais do que intenções, apenas atitudes conscientes são capazes de mudar o mundo. Que tal começar agora mesmo?


Por volta dos anos de 1990, um termo começou a ser muito mais freqüente na mídia e em todas as conversas sobre os problemas ambientais que começavam a ser muito mais seriamente sentidos em toda parte do planeta. Assim, a sustentabilidade ambiental começa a ser debatida com maior freqüência por cientistas e pessoas ligadas à preservação do meio ambiente e que percebem que o atual ritmo de degradação e consumo dos recursos ambientais acabará tornando inviável a permanência do homem sobre a face do planeta.


Com a criação de fóruns e a ampliação do debate, começa a surgir à figura do consumidor verde. Um grupo de pessoas que, mesmo não integrando essas entidades; pode perceber a importância de estabelecerem-se regras para um consumo mais responsável e sustentável. Dentro de uma doutrina quase voluntária, os consumidores verdes começam a influenciar a forma como as grandes empresas de setores historicamente poluentes fabricam e encaram a venda de seus produtos. Ações capazes de diminuir ou igualar os impactos ambientais causados pela produção desses produtos começam a ser exigidas por essa nova “onda” de consumidores conscientes como forma de justificar a venda e a compra desses produtos. Ficar ”de fora” representa estar “ao lado do mal”; e pode também significar perda desse mercado formado, em sua grande maioria, por pessoas de bom poder aquisitivo. Desta forma, o “consumo verde” acaba agindo como um organismo independente e não ligado a nenhuma entidade governamental; regulando o mercado.


Contudo, apesar de representar um começo, essa regulamentação do mercado feita pelo indivíduo e pelo “consumo verde”, não é capaz de reverter o processo de degradação e de dilapidação acelerada dos recursos naturais do planeta. Só ações em grande escala, bancadas por governos ou por entidades internacionais é que serão capazes de frear de forma consistente o atual ritmo da degradação ambiental que experimentamos hoje. Garantir a tão sonhada sustentabilidade hoje, passa pela soma de ações individuais e globais, tanto de pessoas engajadas em movimentos conservacionistas quanto na implementação de políticas internacionais para a criação da consciência ambiental em empresas e nas nações da terra.


Desta forma, temos na política de consumo sustentável e responsável uma forma efetiva de criação da consciência ambiental em empresas e como fonte de pressão constante para políticos e governantes em geral. Atuando como uma base importante na criação de normas cada vez mais rígidas que permitam a punição de abusos e a demarcação clara de limites e parâmetros a serem seguidos na exploração de recursos naturais. E nisso consiste o principal desafio para garantir a sustentabilidade ambiental. Pois mudar a visão governamental e garantir a implementação dessas políticas que possibilitarão a redução de forma objetiva dos abusos e das ameaças a aplicação da sustentabilidade ambiental; é uma tarefa lenta e trabalhosa. Que deve vencer a resistência de inúmeros setores produtivos e de políticos que os representam.


Formar esse novo paradigma e essa nova consciência e o desafio a ser vencido pelas gerações atuais e pelas próximas. Sem que o sucesso chegue para coroar essa meta ambiciosa, o prognóstico para a vida em nosso planeta é ameaçador.


“Se cada empresa focar em pequenas ações, estaremos ajudando não somente a humanidade, mas educando a comunidade, colaboradores e fazendo com que a defesa do meio ambiente se torne algo natural e incorporado no dia a dia das companhias” diz JOHN KAWESKE.

Perfil do Autor

John Kaweske

JOHN KAWESKE é empresário em Miami Florida, Vancouver Canada e São Paulo Brasil.