Yôga

Publicado em: 29/04/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 1,235 |

 

YÔGA

(MÉTODO PODEROSO DE YÔGA)

\\\

 

Prof. Ms. Sc. MARCIO R. BAPTISTA

 

T

 

 

 

 

 JANARDDANA     

 O QUE É YÔGA E SER UM YOGUE

 

 

 

     Eu poderia simplesmente dizer que yôga é uma filosofia, mas vamos descobrir, no decorrer deste capítulo, que yôga é muito mais, é uma filosofia de vida, é uma filosofia prática que permite a auto-integração.

     A primeira etapa de sua prática está em se ter uma obediência às leis que regem nossa natureza física e moral,para a obtenção de perfeita saúde e a perfeição moral e espiritual.

     Nos países ocidentais, a palavra yôga, foi deturpada, e infelizmente vários escritores, professores e "praticantes" a utilizaram com fraude, ou seja, quando as pessoas lêem ou ouvem a palavra yôgue, que significa praticante de yôga; pensam logo em um charlatão, um espertalhão, alguém com influência suficiente para ludibriar, enganar. Alguns ainda imaginam um homem magro e barbudo, dotado de poderes como um mago. Por falta de informação e conhecimento, a história foi mal transmitida e/ou interpretada por algumas pessoas.

     Sabe-se da existência de Escrituras Sagradas por todo o mundo; de profetas, santos, videntes e outros; sendo freqüentes a descrição de alguns milagres e feitos extraordinários. Somos obrigados a admitir os exageros, pois possuem alguma base. Em todos os tempos e épocas, o surgimento de pessoas possuidoras de poderes paranormais sempre foi de nosso conhecimento.

      Muitas dessas pessoas não entendiam o porque desses dons, e na tentativa de explicá-los, tudo era atribuído à influência de Deuses e espíritos bons ou maus. Outros ainda se julgavam especiais, que por algum motivo tinham sido escolhidos como instrumentos dos Deuses, e queriam ser idolatrados como escolhidos de Deus. Em alguns casos, os que possuíam estes dons e  poderes paranormais, foram considerados como divindades, assim como o Buda, Jesus Cristo e outros. Também alguns não tiveram a mesma sorte, foram perseguidos e condenados como feiticeiros. Conseqüentemente, devido às perseguições, foram obrigados a praticarem seu feito longe, escondido de sua sociedade. Esses métodos eram transmitidos de mestre para discípulo verbalmente e na prática; jamais escrito em algum livro ou anotações. Guardavam os ensinamentos como verdadeiros mistérios; e daí o surgimento de tantas sociedades secretas entre os povos antigos, com a finalidade de desenvolver poderes por meios de inúmeras maneiras de práticas e disciplinas.

     Os místicos cristãos da Idade Média, os egípcios, os neoplatônicos e outros; tiveram todos suas organizações secretas, entre elas algumas existem até hoje, como a Loja Maçônica, por exemplo. Daí os ocidentais nunca terem compreendido as manifestações excepcionais, o progresso de alguns na aquisição de poderes superiores, volto a lembrar que não estamos falando de mágica.

     Já na Índia antiga, ao contrário, não havia perseguições por essas causas, o hindú já era obrigado, como parte de seus deveres, principalmente religiosos, a desenvolver certos poderes já latentes nos homens; e a prática diária era o melhor meio de se conseguir tais poderes, esforçava-se para alcançar a realização das verdades superiores. Em todas as situações e lugares existiam muitos que não só tinham alcançado esta realização como também tinham selecionado e registrado suas experiências, descobrindo as leis que governavam a natureza superior. Lentamente foram construindo a filosofia do Yôga.

     Assim percebemos que a Filosofia Yôga, como todas as outras, foi baseada empiricamente, método empregado também pela ciência.

     As verdades foram descobertas por experiências vivenciadas e manuscritas em escrituras, livros; repassadas ao público e

exposta aos discípulos. Porém, sempre antes de se afirmar qualquer fato sobre a natureza da alma ou de Deus, realizaram-na. Os métodos pelos quais estas verdades eram aplicadas na vida diária de um indivíduo para seu desenvolvimento espiritual, foram resumidos com o termo geral de Yôga.

     Já outros escritores hindus empregaram a palavra Yôga em vários outros sentidos, como por exemplo: união de dois objetos externos; a mistura de uma coisa com a outra; correlação das causas e efeitos; o equipamento ordenado de qualquer pessoa ou profissão; a aplicação do raciocínio; o poder dos sons; a preservação daquilo que alguém possui; a transformação de uma coisa em outra; a união de uma alma com outra ou com o Espírito Universal; a emissão de uma corrente mental para um objetivo; a repressão de toda ação mental por meio de concentração e meditação. Observamos que uma única palavra (YÔGA) inclui tantas definições,

abrangendo a psicologia, a filosofia, a ciência, a arte e a religião.

     São inúmeras as escritas na Índia que descrevem os diferentes tipos e métodos desta filosofia aplicada, o Yôga. Os hindus se preocuparam em diversos registros em expor

todas as qualidades necessárias a um principiante para a prática de cada dos tipos e métodos utilizados; quais fases devem transpor para conseguir seu fim, quais os obstáculos aparecem no caminho e como poderão ser vencidos.

     No caminho do Yôga é indispensável à paciência e a perseverança, sem eles não há começo, aqueles que não são pacientes não podem esperar conseguir a verdadeira realização. Além disso, lembrem-se sempre, que o resultado negativo e o insucesso provocado por uma prática levada sob o impulso ou curiosidade, ou ainda, por aquele entusiasmo temporário; não são culpa de seu mestre e sim sua única e própria culpa. Comprovadamente, e vocês serão testemunha de tal comprovação; observamos que os ensinamentos praticados com inteligência e retidão produzirão efeitos surpreendentes, mesmo que não seja de sua total credibilidade. Bastando ao estudante de Yôga seguir rigorosamente os ensinamentos de seu Mestre, que o guia nas práticas físicas, mentais e energéticas. Um Mestre não se questiona, um Mestre não pede, manda.

     A quem    deseja    seguir   e   estudar   os

ensinamentos do Yôga vão mostrar uma classificação  no que diz respeito às tendências

para ser um Yôgue.

 

 

- primeiro:

 

são as pessoas que já nasceram yôgues, existe nelas uma tendência natural a levar uma vida mais pura, manifestam poderes notáveis desde muito novos. Viver e pensar de modo imparcial são suas únicas aspirações, possuem um admirável domínio próprio e excelente concentração. Os prazeres dos sentidos e as coisas que fascinam a mente comum, não têm valores para eles. É difícil para muitos a compreensão do estado mental dessas pessoas. E acreditem, mais cedo ou mais tarde, pela lei da atração, tais pessoas se encontrarão em companhia de um yôgue ou Mestre Yôgue, conforme sua natureza interna deseja. Sentindo-se felizes e no lugar que convém. Quando começam a praticar Yôga, assimilam rapidamente e com facilidades os ensinamentos, logo obtém excelentes resultados, tendendo chegar ao objetivo principal e final doYôga, a auto-integração e ao samadhi.

 

          

- segundo:

 

Inclui aqueles que nasceram pouco despertas. Parecendo precisar de mais experiências, vão por vários caminhos sem conseguir encontrar o verdadeiro. Sem firmeza em seus passos, andam de forma vacilante; gastando muita energia e boa parte do tempo de sua vida. Quando praticam o Yôga, com certeza, conseguirão muitos benefícios pela perseverança e o desejo. Embora progridam um pouco lentamente no caminho da iluminação, dos que os indivíduos da já citados da primeira categoria.

- terceira:

 

   Estão todos os indivíduos não despertos, e que nunca tiveram dentro de si aquela vontade, o desejo natural pela espiritualidade (energia). Desde jovens são atraídos para os desejos e prazeres materiais apenas, e quando praticam o Yôga encontram diversas dificuldades, desde ensinamento filosófico até as práticas de todo Yôga. Há, em alguns casos, alterações em sua saúde e mente; enfraquecendo suas energias, favorecendo o surgimento de diversos distúrbios psicossomáticos. Lutando e aprendendo melhor, irá se transformando pela adaptação que vem sofrendo, absorvendo então os efeitos positivos do Yôga; é como se fosse uma reestruturação de sua energia e predisposição a tais efeitos no corpo e na mente. Seguindo as orientações de um Mestre competente, poderão superar de vez esses obstáculos iniciais.

     Dentro dos meus humildes conhecimentos e vivência Yogue, tomei a liberdade de classificar o quarto grupo, de acordo com o mundo atual; o grupo dos anti-yôgue. Pessoas que não preservam nenhuma lei natural ou espiritual, e jamais em tempo algum irão ter olhos, ouvidos ou qualquer outro sentido ou percepção que os leve ao caminho da iluminação, da espiritualidade. Nascem desprovidos de uma energia refinada, não aprendem coisa alguma em benefício próprio e/ou de outros. Geralmente são pessoas sem luz, que vivem nas trevas, de energia negativa,

enfim, pessoas nocivas à sociedade, que jamais

terão contato com a filosofia Yôgue.

 

     Então estudemos o Yôga, respeitando os seus milenares ensinamentos, os seus efeitos às vezes inexplicáveis, as suas tradições, que muitas vezes, para os leigos, engraçadas e sem lógica.Estudemos o Yôga, que visa à auto-integração, como primeiro ensinamento, o respeito. Respeito pela suas histórias, lendas e poesias. Afinal temos o que não podemos   negar,  os   resultados positivos e benéficos pela sua prática; que são provados pela ciência. Estudos que nos fazem admitir e aceitar muitas vezes o que parece não ser lógico.

Para que se sinta mais íntimo desse estudo,

finalmente o que vem ser Yôga no sentido morfológico; é uma palavra escrita em sânscrito, escrita com "Y" e jamais com "I",

pronunciada com o "Ô" fechado, por isso é

que neste capítulo, e somente nele, usei propositalmente e constantemente os termos Yôga acentuado, como realmente deve ser pronunciado e não escrito. É uma palavra de

gênero masculino e não feminino com muitos

pronunciam e pensam.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

* RESUMO PRÁTICO DESTE CAPÍTULO *

 

          YÔGA, palavra masculina escrita em sânscrito, oriunda da Índia, pronunciada com o

"o" fechado.

     Significa ser uma Filosofia Prática de Vida;

um Estilo de Vida com vivências   práticas,

filosóficas; energéticas; astrais e psicofísicas.

Prática de introspecção mental, com energização áurica  criando  egrégoras  positivas  de  paz,harmonia e prosperidade total do Homem.

 

YÔGA é:

1.união de dois objetos externos

2.mistura de duas coisas

3.correlação de causas e efeitos

4.equipamento ordenado de qualquer ser

5.aplicação,discriminação e raciocínio

6.o poder do som que exprime idéias específicas

7.preservação daquilo que alguém possui

8.a transformação

9.a união da alma com o espírito universal

10.a emissão de uma corrente mental

11.a repressão de toda ação mental por meio

     da concentração e meditação.

Notamos que as onze traduções  citadas estão vinculadas aos diversos tipos de yôga que existem.

 

 

     YÔGA >  prática milenar que atravessou centenas e centenas de gerações, se transformando, se ramificando, se adaptando aos tempos, porém, se mantendo com os mesmos objetivos e essência. Visando a integração, o autoconhecimento do homem interagindo com o universo, com o cosmos. Descobrindo que o seu interior é o macrocosmo dentro de uma pequena morada viva, que é ele mesmo. Enfim, a integração total (o bem-estar físico, emocional, energético e espiritual).

 

     Existem 108 tipos de yôga no mundo e mais de 25 no Brasil.

    As modalidades, ramificações e estilos de yôga; alguns adaptados outros específicos; mas todos continuam a ser YÔGA.

 

 

 

SER YOGUE

 

Yoguin   > praticante do sexo masculino

Yoguiní  > praticante do sexo feminino

 

     Não basta praticar algum tipo de yôga apenas pelo objetivo da perfeição das práticas físicas e respiratórias se não compreende a essência do Yôga. Ser uma pessoa fanática, impregnada de dúvidas e problemas existenciais, voltadas para o total esoterismo; misturando crenças, religiões, psicologia, cabala, energia das formas, quiromancia, cromoterapia, lendas e mentiras; achando-se que é uma pessoa estudiosa e muito entendida no que diz respeito ao Yôga. Na verdade esta pessoa está se envolvendo com energias diferentes que desconhece sua veracidade e benefícios ou malefícios, podendo causar-lhe sérios danos em sua vida.

     Existem também pessoas estranhas fisicamente, de comportamento duvidoso e/ou

problemático, com manias estranhas se achando verdadeiros avatares ou manifestações divinas. Formando um aglomerado de discípulos, alunos e colegas com a mesma linha desvirtuante de pensamento, deturpando o que vem ser o YÔGA  realmente.

     Pessoas normais, com problemas comuns, porém, com discernimento em seus objetivos

e raciocínio. Possuidoras de uma pureza espiritual livre de ganância, mau caratismo e inveja. Pessoas que almejam seu crescimento e o de seu semelhante. Desejam um crescimento em sua vida física e espiritual. Podendo almejar a prosperidade material e financeira também, com objetivo de construir uma vida melhor para si e sua família, podendo ser útil para ajudar seus amigos e outros que necessitem de ajuda, emprego, bem-estar, uma vida melhor. No mundo atual só vivemos se nos alimentarmos bem, ter acesso às coisas boas, estudos, diversões sadias e tudo mais, tudo isso requer dinheiro, sem ele nada é possível realizar, seja qual for seu projeto. Possuir uma casa, se vestir, educar seus filhos e lutar com a devastadora e às vezes cruel e injusta concorrência já globalizada.Devemos pensar em tudo isso, mantendo a essência e os ensinamentos do YÔGA, você saberá utilizar a prosperidade em benefício de todos, não apenas de você próprio.

     Você será um Yogue natural e realista com o mundo do século XXI. Afinal de contas,nós não estamos a 1000 anos A.C.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CAP. II - ORIGEM E ESTILOS DE YÔGA

 

 

1) HISTÓRIA E ORIGEM DO YÔGA

 

 

     A história do yôga não uma data precisa de seu surgimento. É difícil falar sobre suas origens, pois, muito são os obstáculos que encontramos; como por exemplo, a escassez de recursos bibliográficos para a pesquisa. Vários textos, por serem muito antigos, se perderam completamente, ficando apenas as tradições mantidaspor centenas de gerações.

     O próprio codificador do Yôga, que foi Patañjali, pouco sabemos sobre ele, a verdadeira história; devido a pouca existência de registros escritos.

     A história do yôga está vinculada à história da Índia, pois foi na Índia que surgiu o yôga, a mais de 5000 anos. O yôga está intimamente integrado na naturalidade das expressões humana com as diversas manifestações da natureza e os demais seres vivos, exercendo influências sobre a consciência humana.

     Purusha e Prakriti, o Ser e a Natureza. Purusha representa a energia cognitiva e Prakriti, a energia manifestada. yôga significa união; logo é a prática que interage o Homem com a natureza em diversa forma de manifestações.

     Primeiro existiu o yôga, depois as filosofias para fundamentá-la. A filosofia Yôgue começa a existir quando o primeiro yoguin precisa transmitir suas experiências àqueles que vieram depois, seus discípulos. Com essa transmissão de conhecimentos ou sucessão disciplinar, denominado Parámpará, é que foram através de gerações, acrescentadas novas experiências, técnicas e constatações diversas; que por vezes o enriquecem com novos achados e/ou o rebaixam quando passam a incorporar a pequena magia ou cultura popular. Entretanto; por mais que se modifique seu conteúdo durante os tempos, a essência do yôga continua imutável. Estas essências junto com as filosofias e técnicas foram válidas para o primeiro Mestre a seus discípulos, passando por centenas de gerações, até chegar ao nosso século XXI.

     Os Vedas (que significa "aquilo que foi visto") são uma forma de literatura mais antiga da Índia e da humanidade, escritas em sânscrito.

     Os Veda são quatro: RIG, YAJUR, SAMA e ATHARVA. Foram compostos por hinos (mantras) em forma de poesia, mostrando as crenças, costumes e formas de vida deste povo, incluindo magias, encantamentos e orações dirigidas às forças da natureza.

     Constituem uma excepcional obra literária de inusitada profundidade, que contém de uma forma primitiva todas as formas de pensamentos que regeram a Índia ao longo da história, dando origem ao Brahmanismo e posteriormente ao hinduísmo, incluindo o Yôga. Os Vedas também constituem uma impressionante estrutura cosmogônica, que tem como raízes à astronomia e a matemática.

     As referências às técnicas do yôga são feitas ao longo do RIG VEDA, onde se encontram descrições do corpo sutil, kundaliní e os chackras, sobre as quais se baseiam diversas modalidades de yôga Tântrico.

 

 

     No período dos UPANISHADS (que significa sentar aos pés do mestre para ouvir seus ensinamentos) 1900 a.C., começa a sistematização do yôga As Upanishads analisam o aspecto hermético dos Vedas e Sámkhya (filosofia naturalista) e Vedanta (filosofia espiritualista). As primeiras Upanishads formam parte do SHRUTI (literatura revelada do hinduísmo). Novos textos são acrescentados mais tarde, aumentando o número de 13 originais para 112 no século XV. As Upanishads mais recentes repetem as idéias das mais antigas, de acordo com as idéias de alguma linha de pensamento. As mais antigas são ISÁ, KENA, BRIHADÁRANYAKA, CHANDOGYA,

SVETASHVATARA, MAITRÍ, KATHA e YÔGATATTWA, sendo que as quatro últimas tratam do yôga.

     Os yôgues upanishádicos utilizam a concentração e a meditação. O que difere do yôga espiritual dos Vedas. O yôga dos Upnanishads possuem um aspecto prático. O termo yôga, a partir dos Upanishads, assume uma conotação técnica que o caracteriza no futuro.

Essa concepção técnica encontramos nos Upanishads:

1-Taittriya, II:4 (yôga Átma)

2- Katha, II:12 (Adhyaátma Yôga)

3- Chandogya,VIII:15 (alusão a pratyáhára)

4-Brihadáranyaka,I:5,23 (alusão ao pránáyáma)

 

     As mais antigas Upanishads que mencionam o Yôga, Taittriya e Katha, apresenta-se numa linguagem metafórica.

     O Svetashvatara Upanishad menciona que "O Yôga de neditação e da contemplação” é também o Sámkhya. Um outro elemento que chama a atenção nesta Upanishad (III) é a substituição de Víshnu por Shiva como Deus supremo. Neste texto descreve os benefícios que a prática do Yôga produz no corpo físico e na consciência: "Quando o praticante de Yôga tem completo domínio sobre o seu corpo, obtém um novo corpo de fogo sutil, que é superior a doença, a velhice e a morte. Os primeiros frutos da prática do yôga são: saúde; pouco desperdício de energia e boa tez; levesa do corpo; cheiro agradável e voz suave, e ausência dos desejos vorazes".

     O último texto, Maitri, possui apenas 12 estrofes, se concentrando na sílaba OM e descreve os quatro estados de consciência contidos em cada uma das letras do pranava OM.

     Chamamos a atenção para os Upanishads mais recentes, como o Yôgatattwa, por sua tendência para o experimental e o concreto. É um verdadeiro manual de instruções para só yogues, descrevendo detalhadamente as técnicas como Ásana, Mudrá e Pránáyáma, assim como os quatro tipos de Yôga: Mantra Yôga; Hatha Yôga; Laya Yôga e Rája Yôga.

      Há outros Upanishads, que posteriormente descrevem sobre o Yôga: O Rámáyáma e o Mhabhárata ( 2000-1500 a.C.), que falam basicamente do Bhakti, Jñana e Karma Yôga.

O Yôga Vashishta e o Yôga Sutra (300 a.C.) que sistematizam as técnicas de concentração e meditação (Rája Yôga), e outros textos Tântricos mais recentes, entre os quais se destacam o Hatha Yôga Pradípiká, o Gorakshashataka, o Shiva Samhitá e o Gheranda Samhitá (séc. XII-XV), que descrevem as técnicas filosóficas do Hatha Yôga.

     Praticamente o Yôga surge em paralelo com o hinduísmo (são as instituições culturais, religiosas e sociais da população indiana). O hinduísmo surge durante a civilização Védica. Embora não haja uma data precisa de seu surgimento. Poderíamos encontrá-la entre (2200-1900 a.C.) e no séc VI a.C., a partir do qual encontramos registros escritos. As primeiras escrituras do hinduísmo também não tem uma data precisa, foram compostas e transmitidas oralmente (parampará), durante um período de tempo desconhecido antes de serem transcritas.

 

*A DIVINA TRINDADE DO HINDUÍSMO*

 

 

B R A H M A

 

O Criador do Universo, Brahma não é cultuado da mesma forma que os outros deuses, pois já realizou sua tarefa de criação do universo, não voltará para aquilo que criou até a próxima criação do mundo.

 

 

V I S H N U

 

     O Mantedor do Universo/ O que Manifesta

Relacionado com o sol, é o preservador do universo e a encarnação do amor, verdade, ordem e compaixão. Ele é o ser Supremo, do qual tudo emana. Cavalga sobre Garuda (pássaro fabuloso) ou descansa sobre Ananda  (a serpente cósmica). A fim de restaurar o equilíbrio cósmico, Vishnu encarnou na Terra nove avatares (nove encarnações), algumas humanas outras em animais. A décima encarnação ainda estar por vir.

S H I V A

 

     O Destruidor, no sentido de Renovador

     o que dá equilíbrio ao Universo.

   

     Deus da montanha, Shiva é o Deus da destruição. Mas, um mundo de infindáveis renascimentos, a destruição precede a criação.

Pode ser venerado como um Língan (símbolo sexual masculino) , como um asceta, um professor ou como um dançarino na grande dança da destruição.

 

 

 

A DIVINA TRINDADE

 

 

 

                         BRAHMA

                               +

 

 

 

SHIVA  !                                    VISHNU ---

 

 

 

 

* OUTROS DEUSES *

 

 

1-KRISHNA (avatar)

 

 

uma das encarnações de Vishnu, tornando-se mais conhecido e cultuado. Personifica o amor divino e suas aventuras são descritas no Bhagavat Purana.

 

 

2-INDRA- Deus da tempestade.

 

 

3-HANUMAN

 

outro avatar, poderoso macaco general da epopéia Ramayana (poema épico da Índia referente à Rama, um dos grandes santos)

representa a liberdade,a devoção e a coragem.

 

 

4-DURGA

 

simboliza os aspectos mais ativos e destruidores da natureza feminina.

 

 

5-GANESHA

 

também um avatar (encarnação de Vishnu). Supera todos os obstáculos e é o Deus das novas venturas. Tem a cabeça de elefante. É o protetor dos comerciantes, da prosperidade, da prudência, da política e da sagacidade.

 

 

 

6-LAKSHMI

 

Deusa da fortuna. Esposa de Krishna. Deusa da tortura, beleza e fortuna. É o principal símbolo da potência feminina, reconhecida pela sua eterna juventude e formosura. Carrega sempre um cântaro que jorra moedas de ouro.

 

7-SARASVATI

 

Deusa da sabedoria, esposa de Brahma, é a mãe dos principais sábios, ascetas e vários deuses do universo. Seu corpo é branco como leite, podendo ser vista montada num cisne tocando vinal (instrumento de corda) e segurando livros védicos. Mas, na maior parte do tempo fica sentada sobre uma flor de lótus (símbolo da transcendência).

 

8-PARVATI - esposa de Shiva

O conhecimento sobre o Yôga Clássico baseasse no YÔGA-SUTRA de Patañjali, o mais antigo documento sistemático do yôga. O Yôga-Sutra pode ser definido com uma coleção de práticas e idéias comprovadas, codificando a tradição milenar do yôga. O Yôga-Sutra de Patañjali é composto por 195 aforismos (sutra), que são propostas ou teoremas, distribuídos em quatro capítulos: sobre o Êxtase, o Caminho, os Poderes e a Libertação. Sendo um Dárshana do hinduísmo. Ptañjali definiu o Yôga como "sendo a parada das ondas mentais". Em sânscrito  é :

YÔGAH  NIRODDAHAH  CHITTA  VRITTI 

 

     A filosofia yogue segue em Sâmkhya ao ensinar que toda percepção vem dos órgãos dos sentidos, e que toda ação no mundo externo é conseqüência dos órgãos de ação. E por traz estão as faculdades físicas que governam os órgãos físicos. Sendo claro que o poder da concentração é maior que o poder dos sentidos, Patañjali construiu um sistema de domínio mental, com que podem ser controlados todos os órgãos de ação, dos sentidos e da emoção; enfim, todo o organismo mental. Direcionando nossas mentes , repelindo das distrações que desviam a mente para o exterior, direcionando a energia mental para o Ego superior, a verdadeira natureza do eu individual será revelada, percebendo então que o Ser Divino,a quem por ignorância adoramos como separados  e exterior a nós, não reside fora de nosso ser; mas é o nosso próprio Ego onipotente que está em nós. Assim, a realização das verdades se apresenta ao ser que caminhou pelas oito etapas (angas) do Raja yôga, libertando-a da ignorância.

 

 

ASTHANGA YÔGA DE PATAÑJALI

(composto por oito partes)

 

1-YAMA > cinco normas com o mundo 

2-NYAMA > cinco normas consigo mesmo

3-ÁSANA > posição física feita com firmeza

4-PRÁNÁYÁMA > domínio da bioenergia

5-PRATHYAHARA > retraimento dos 5 sentidos

6-DHÁRANA > concentração, fixação da atenção

7-DHYANA > meditação

8-SAMADHI > iluminação, êxtase

 

 

 

 

    

 

 

 

 

2) HISTÓRIA DO YÔGA NO BRASIL

 

     Sri Sevananda Swami foi quem oficialmente introduziu o yôga no Brasil, formando em Lages (SC) e em Resende (RJ) grupos de estudo e prática da filosofia Yogue. Com Sevananda aprenderam yôga todos os professores da "antiga", dentre eles: Zenaide de Castro (SC).                            

Dalva Arruda (Florianópolis), Guiolherme Wirs (SP), Carlos Trota (RJ) e muitos outros.

     Sevananda enfrentou incompreensões e obstáculos pelo seu pioneirismo no Brasil. colocando o yôga sob um ponto de vista místico com trabalhos em mosteiros.

     O Yôga em academias foi graças a Caio Miranda, escritor do primeiro livro de yôga no Brasil. Escreveu vários livros e formou dezenas de professores de yôga. Carismático  e  forte de energia, Caio Miranda foi alvo de inveja e fofocas por seus próprios colegas de Yôga, desgostoso com tal traição, morreu difamado e boicotado por seus colegas. Com o passar dos anos, o Yôga foi se propagando através de muitos outros professores,cada qual com sua linha de yôga ou linhas iguais principalmente, porém com deformações de interpretação e transmissão dos ensinamentos . Sendo esta, uma das causas que o Yôga no Brasil sempre foi visto como algo  "estranho", havendo mistura de religião, magias e outros mais. Hoje temos obras e trabalhos de Hatha Yôga e Yôgaterapia desenvolvido pelo prof. Hermógenes,de grande importância para qualquer aprendizado, seja qual for à modalidade ou estilo de Yôga é importante ler suas obras.

     Devemos citar também o prof. De Rose, que codificou o Svasthya Yôga, de origem mais antiga, com mais variedade de angas em sua modalidade de yôga.

     Todos verdadeiros praticantes,estudiosos e professores de Yôga no Brasil devem agradecer a todos aqueles ,que desde o início até os dias atuais, colaboraram e ainda colaboram para a propagação de uma filosofia de vida fascinante que é o YÔGA.

     Eu, Prof. Marcio Rodrigues Janarddana, Professor, Mestre de Yôga; Prof. de Educação Física também venho unindo meus conhecimentos práticos e científicos vivenciados há mais de 18 anos no Yôga e 14 anos na Educação Física. Não misturando os dois, nem fazendo uma miscelânea. Porque Yôga e Ed. Física são bem diferentes uma da outra, é evidente que se as duas "andassem"  juntas, sem desviar a filosofia Yogue seria muito interessante e de extrema importância para a sociedade.

     Venho desenvolvendo e divulgando um trabalho de Yôga como complemento da performance do atleta ou aluno. Em academias, modalidades desportiva, como futebol; no jui jitsu; alguns esportes radicais  e atletas de triatlon. Unindo o Yôga aos esportes como complemento de treinamento; para a obtenção de uma performance total do indivíduo (mente + corpo = uma só unidade).

     Trabalhando a cada momento; quero divulgar e obter a compreensão da importância e praticidade do Power Sádhana Yôga. Espero

com isto, uma contribuição de uma melhor qualidade de vida, performance, mais alegria de viver e um equilíbrio psicossomático a todos aqueles que adotaram o Yôga como parte de suas vidas.

 

 

 

 

                      N A M A H

 

 

 

                    \\\\\\   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SÁDHANA YÔGA  

 

 

(CAMINHO PODEROSO DO YÔGA)

 

 

Estilo ou modalidade de Yôga realizado em sua prática em cinco partes: Energização ambiental e astral; Domínio da Bioenergia através de exercícios respiratórios ; posições físicas e psicofísicas; relaxamento profundo e consciente; abstração dos cinco sentidos na  meditação. Podendo  também , ser direcionado

de acordo com os objetivos específicos de um determinado grupo de alunos. Utilizando combinações e variações das seis partes da prática, podendo enfatizar cada parte (anga) de acordo com o objetivo proposto, adequando da melhor maneira, para se chegar a um resultado  yogue  mais eficiente.

 

 

 

 

 

 

 

PARTE I  - TURBHA

 

    (Purificação/Energização e Bom Astral)

 

     É a prática de uma purificação e energização positiva do ambiente em que será praticado o Power Sádhana Yôga. Criando uma corrente fluídica ou uma egrégora de harmonia,paz, proteção e bem estar. Tornando o ambiente  propício à prática e criando uma harmonia positiva e tranqüila entre seus praticantes e Mestre. 

    

      

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                                                                                     

 

 

 

 

    PRÁNÁYAMA = domínio da bioenergia através de exercícios respiratórios.                               

 

Prana   =  energia vital

Ayama =  domínio

Anila   =  alento

Maruti =  ar que respiramos

 

     Prana é o conjunto de energias, seja em forma de luz,calor,eletricidade ou magnetismo; proveniente do sol, que penetra em tudo que existe vida,enfim, todas as forças que movem a matéria em suas múltiplas atividades.

     Compõe o corpo sutil do homem e regula as relações que se desenvolvem dentro do indivíduo e as que se realizam entre este e o mundo.

*Polaridade pránica:

.Ida = negativo (lado esquerdo  de sushumna)   

.Píngala = positivo (lado direito de sushumna)   

  

     Ao praticarmos constantemente o pránáyáma, bloqueamos os dois canais (ida e pingala), forçando a energia para sushumna, a fim de despertar a Kundalini,atingindo então o Samadhi (iluminação).

 Um dos efeitos do pránáyáma é a purificação das "nadis", livrando-as das impurezas que as obstruem.

 

     # Fases : >Puraka  =  inspiração

                    >Kumbhaka =  retenção com ar

                    >Rechaka  =  expiração

                    >Shunyaka =  retenção sem ar

 

     Notamos que o homem e vários seres vivos vivem melhor em ambientes claros, ensolarados, limpos e sem poluição, pela necessidade de absorver o prana.

     O pránáyáma  traz consigo a chave da resistência orgânica e da memória; logo  da vitalidade total, proporcionando-nos força e alegria de viver. Respirar é viver, sem respiração não há ásana, não há vida.

    

 No ocidente utilizamos apenas uma parte da capacidade pulmonar disponível. A respiração insuficiente é a parte aberta às gripes, neuroses e outros males.

     O diafragma é o principal músculo da respiração, separando o tórax do abdômen, e sobre ele o homem pode exercer sua vontade, ou seja, embora a respiração seja um ato inconsciente, é possível torná-la consciente através do pránáyáma. Da mesma forma que o pránáyáma tem uma expressiva influência sobre a mente,  através da normalização ou controle da respiração, é que poderá conseguir uma serenidade mental;  boa saúde e maior longevidade.

     Em 1905, o Dr. Atkins, do colégio de medicina da Califórnia, descobriu e provou cientificamente que o ar  penetrando pela narina direita cria correntes eletromagnéticas ao longo do lado esquerdo (ida) da coluna vertebral.

     Através das escritas do Yôga, ao nascermos,  temos um determinado suprimento  ou números de respirações, afirma que diminuindo o ritmo das respirações podemos prolongar nossas vidas. Apesar de não existir dados científicos que provem essa teoria, coincidentemente ou não , observamos que certos animais que possuem uma freqüência respiratória rápida vivem poucos anos de vida; temos como exemplo o cachorro; o beija-flor;  e vários outros animais. Outros já possuem longos anos de vida ,como por exemplo, as tartarugas.

Ao executarmos qualquer pránáyáma a mente deve estar concentrada; ao inspirar, inspire e absorva energia, saúde e positividade; e ao expirar,expulse a negatividade,o cansaço e as impurezas tóxicas ao organismo. O prána também é aceito e conhecido pelos tibetanos,gregos,japoneses e chineses.    

 

FASES DO PRÁNÁYÁMA

 

1- PURAKA (inspiração)

 

     O indivíduo deixa que o ar penetre livremente de uma forma aberta e profunda, recebendo a energia vital (prana). As condições psíquicas são de grande importância,pois o conduzirá a uma inspiração violenta,tensa e ansiosa ou tranqüila e suave,  dependendo de seu estado emocional no momento.

 

2- KUMBHAKA (retenção com ar)

 

     É a absorção e o armazenamento total do prana pelas suas células e todos os seus órgãos. Da mesma forma o caráter neurótico ou tranqüilo irá influenciar.

 

3- RECHAKA (expiração)

 

     Deve estar relaxado e se entregar completamente à expiração com tranqüilidade, suavidade, consciência e concentração. É a limpeza energética e a liberação de CO2 (dióxido de carbono).

 

4- SHUNYAKA  (retenção sem ar)

 

     O indivíduo toma uma atitude receptiva, a espera de algo novo e positivo.

 

     Os exercícios respiratórios proporcionam maior vitalidade e energia,afastando a preguiça; a fraqueza física; as doenças e intoxicações orgânicas.                                    

     Quando estamos em sintonia com o corpo,ele funciona com harmonia e próximo da perfeição. Precisamos conhecer a linguagem corporal,a pulsação e seu biorritmo; então teremos o melhor domínio sobre o frio; cansaço ; dor ; stress;  raiva,calor; fome; sede; saúde; longevidade; formato do corpo;estado emocional e expressão fisionômica. É através dos exercícios respiratórios que iniciamos a sintonia da mente com o nosso corpo.

        * EXERCÍCIOS RESPIRATÓRIOS *

 

1- ARDHA PRÁNA KRIYA ou  ADHAMA    

     PRÁNAMA

    (respiração abdominal ou diafragmática)

 

     Deitado em decúbito dorsal com as coxas e pernas flexionadas, com o corpo relaxado ou sentado em alguma postura de meditação com as pernas cruzadas,coluna ereta e ombros relaxados, com as mãos em jñana mudrá. Ao inspirar projete o abdome para fora ,dilatando-o,puxando o diafragma, enchendo não só o ápice, mas também a base dos pulmões, que é a zona mais rica em alvéolos; logo a mais importante para a economia vital. Ao expirar comprima a parede abdominal ao máximo, expulsando o ar residual que permanece na parte inferior dos pulmões.

     Este exercício respiratório é utilizado em alguns tratamentos fisioterapéuticos ; pois massageia com suavidade e naturalidade o coração e as vísceras, beneficiando a cura da prisão de ventre e contribuindo para livrar o organismo das massas putrefactas. Também atua nas causas da obesidade como exerce um progressivo rejuvenescimento. É um dos exercícios que corrige a visceroptose (deslocamento das vísceras).

 

- efeitos psicológicos  >

 

. equilíbrio das variações emocionais;       

. conexão da divagação mental;                                       

. inibidor da insônia.

 

- efeitos fisiológicos

 

 regularização das funções vegetativas;                                               tranquilidade para os sistemas nervoso cérebro-espinhal e vago-simpático.

                                                                          

 

> PRANA KRIYA (completo)

 

1 fase - respiração abdominal (parte inferior) = adhana

2 fase - respiração mediana  (parte média) = madhyana

3 fase - respiração subclavicular (parte superior) uttama                              

 

* procedimento *

 

     A inspiração completa (puraka) deve ser consciente, silênciosa e uniforme, sem interrupções. Ao expirar (rechaka) execute o movimento inverso, ou seja, comece esvaziando os pulmões pela parte superior, depois a parte média e finalmente a parte inferior; não esquecendo de contrair o abdômen ao final.

 

> efeitos físicos:

 

. massageando o coração, rejuvenescendo-o e estimulando-o;

. equilíbrio do sistema endócrino;

. evita a constipação;

. melhora o funcionamento do estômago, fígado e pâncreas;

. desenvolve e tonifica os pulmões;

. maior oxigenação dos órgãos e tecidos, aumentando a imunidade orgânica por absorver mais oxigênio e eliminar mais gás carbônico;

. auxilia no emagrecimento corporal;

. prevenção da tuberculose.

 

> efeitos psicológicos:

 

. desenvolve a autoconfiança e o entusiasmo      pela vida; . aumenta e recarrega a energia psíquica; . auxilia na redução da depressão; . purifica as nadis e ativa os chackras.

 

 

2- KUMBHAKA/KUMBHAKA BANDHA

     (respiratório feito com ritmos/feito com ritmos e bhandas)

 

* procedimento *

 

. inspirar (puraka) = 4 tempos > jalandhara bandha

. reter com ar (kumbhaka) = 16 tempos >      jiva bhanda

. expirar (rechaka) = 8 tempos > jalandhara bandha

. reter sem ar (shuniyaka) = fazer o mula bandha

        

esse respiratório equilibra a energia de ida e píngala, tranqüilizando o sistema nervoso e o ritmo cardíaco, desenvolvendo também a força de vontade. 

OBS.: cardíacos e hipertensos não devem reter o ar.

 

 

 

 

b) Jalandhara bandha (extensão e flexão da cabeça)

     Ao inspirar faça lentamente uma extensão da cabeça, depois ao expirar flexione o pescoço até encostar e pressionar o queixo no peito, pressionando a tireóide.

 

 

     Consiste na compressão da língua contra o palato(céu da boca), que se chama "vyoma chackra" ou "triveni".

     Ocorre a confluência das três correntes sutis, ida, píngala e sushumna .Esta compressão da língua contra o  "vyoma chackra"  atua  no equilíbrio da glândula pineal.  Uddiyana bandha , jalandhara bandha e mula bandha, quando juntos chamam-se de BANDHA TRAYA. Quando realizamos o bandha traya dá-se uma inversão no sentido do movimento das energias naturais do corpo. Por isso é que não devemos abusar em sua prática, podendo acarretar um efeito contrário, deixando-nos fracos e sem equilíbrio energético.

                                                                                                                

 

3) VAMA KRAMA/SUKKA  PURVAKA

    (sem ritmo)                 (com ritmos)

 

     É a respiração alternada (polarizada).

     Este exercício é muito poderoso e dele não deve abusar. Desenvolve as faculdades mentais e facilita o êxtase  pelo Raja Yôga. Proporciona um forte equilíbrio psicofísico.

 

                                                                          

 

* procedimento *

 

     obstruir a narina direita e inspirar pela narina esquerda em 4 tempos, reter o ar durante 16 tempos e expirar pela narina direita em 8 tempos;

Repetir ao contrário e assim sucessivamente.

exemplos dos ritmos a serem utilizados:

 

1-4-2

2-8-4

9-12-6

4-16-8

5-20-10

 

 

 

 

        Segundo Sri MahaKrishna Swami:

 

    O prana físico é de cor branca. Essa cor, no entanto é síntese de outra sete matizes e tons diferentes, algo semelhante às cores refletidas dos raios solares. Na verdade, não se pode avaliar as cores ou as matizes que sintetizam o prana pela mesma nomenclatura das cores conhecidas no mundo físico, devido à focalização vibratória do olho humano.

     Essas matizes do prana que formam a cor branca são o amarelo, azul, o roxo, verde, o alaranjado e dois tons de vermelho; um forte e outro mais claro, meio roseado, que em certos casos emitem reflexos lilases.

     Os chackras estão situados no duplo etérico como verdadeiros prismas energéticos, variando em seu diâmetro, velocidade e cores; conforme a região que se situam no corpo físico e quanto às funções que desempenham  nas suas relações com o corpo astral.

     Os vegetais,os animais e os seres humanos assimilam e irrigam-se do prana como elemento fundamental de sua vida, possuindo uma cor em sintonia perfeita com o seu tipo biológico e psíquico.

 

 

 

# OS CHACKRAS #

 

 CENTROS OU VÓRTICES MAGNÉTICOS VITAIS

 

    A energia que envolvem o "corpo etérico" do homem são de fundamental importância para se compreender como atua o Yôga no que diz respeito ao auxílio no desenvolvimento energético (espiritual) do homem.

     Chackra significa roda ou disco. Vórtices energéticos,semelhantes a rodas, que existem em especial na superfície do duplo etérico do homem. Esses vórtices captam energia prânica para dentro de todo o corpo humano. Os fisiologistas estão voltados para o corpo físico,denso; e a maioria deles desconhece a existência de outro grau de matéria, também física, ainda que invisível, que os yogues conhecem como etérica.

     Esta parte etérica é o veículo pelo qual fluem as correntes vitais que mantêm o corpo vivo, e funciona como elemento de ligação, transferindo as ondas do pensamento e da emoção do corpo astral ao corpo físico denso. Sem essa ponte de ligação , não poderia o ego utilizar as células de seu cérebro.

     Uma das funções dos chackras é a manutenção das transferências energéticas entre o homem e as energias externas. Cada nível de energia trabalha com seus respectivos centros energéticos. Quando já desenvolvido, os chackras adquirem uns cinco centímetros de diâmetro, que brilham fortemente, e quando são exercitados aumentam de tamanho.

     Os chackras diferem de tamanho e brilho de acordo com cada ser humano, podendo ser mais vigoroso , maior ou menor em diâmetro. Nas pessoas pouco evoluídas, os chackras possuem uma velocidade de captação energética baixa, e no indivíduo mais evoluído aparecerá maior e mais radiante, emitindo raios dourados com maior quantidade de energia, advindo de um acréscimo de suas potencialidades físicas e mentais.

 

     Não podemos deixar de falar sobre as glândulas endócrinas, as glândulas de secreção interna, que são focos de energia; estimuladoras do desenvolvimento quantitativo e qualitativo das estruturas fisiológicas e também base material das estruturas psicológicas, exercendo as funções dentro do organismo como:

 

1-função reguladora das formas físicas

    (tireóide, paratireóide, hipófise e sexuais)

 

2-função reguladora da nutrição dos tecidos

    (supra-renal, timo e hipófise)     

 

3-função reguladora do sistema nervoso   

    vegetativo

    (várias glândulas)

 

 

     As glândulas atuam geralmente interagindo uma com as outras, agindo mutuamente ou antagonicamente. Cientificamente já foi comprovado a existência de uma correlação entre a atividade bioquímica de cada glândula ou grupo de glândulas em determinados comportamentos psicológicos do ser humano. O resultado do funcionamento dessas inúmeras glândulas é que irá determinar a constituição física e funcional do indivíduo durante sua vida, desde o nascimento, a fase adulta e a velhice.

     Logo, se modificarmos o funcionamento de determinadas glândulas, ocorrerá modificações automáticas do perfil caracteriológico correspondente. Sua ação é manifestada através de um funcionamento normal ou desequilibrado.

 

     Percebemos então a importância do bom e harmonioso funcionamento glandular, tanto pela saúde físico-orgânica  como a saúde emocional.

    

     A maioria dos exercícios do Yôga estão intimamente relacionados na atuação direta sobre as glândulas endócrinas, apresentando excelentes resultados e efetivas modificações de personalidade. Os exercícios atuam sobre os chackras (centro de energia fluídica de prana) que

conseqüentemente irão se manifestar nas glândulas endócrinas.

     Vale ressaltar que dentre todas as glândulas, a PINEAL representa um papel fundamental no desenvolvimento humano, pois ela reaviva e estabelece a ligação direta com o "mental superior", ampliando a consciência e determinando a "terceira visão" .

 

 

        OS SETE GRANDES CHACKRAS

 

1-Muladhara  (raiz,base/sexo)

 

*cor: vermelho

*nadis: 04

*bija mantra: LAM

*manifestação: físico

*desequilíbrio psicossomático: ninfomania

satiríase, sintomas psicossomáticos de impotência e frigidez

* glândulas : GÔNADAS SEXUAIS

 

2-Svadhistana (esplênico)

 

*cor: laranja

*nadis: 06

*bija mantra: VAM

*manifestação: físico

*desequilíbrio: obesidade, edema, intoxicação sanguínea

* glândula: SUPRA-RENAIS

 

3-Manipura (umbilical)

 

*cor: verde

*nadis: 10

*bija mantra: RAM

*manifestação: emocional

*desequilíbrio psicossomático: plexo solar, pâncreas, cólicas do estômago, úlceras, diabetes e até câncer. a tensão emocional afeta primeiro o plexo solar.

* glândula: PÂNCREAS

 

4-Anahata (cardíaco)

 

*cor: amarelo

*nadis: 12

*bija mantra : YAM

*manifestação: emocional

*desequilíbrio: distúrbios psicossomáticos como angina, palpitações  e taquicardia.

*glândula: TIMO

 

5-Vishuddha (laríngeo)

 

*cor: azul

*nadis: 16

*bija mantra: HAM

*manifestação: mental

*desequilíbrio: pelo mau funcionamento da tireóide inclui a depressão.

* glândula: TIREÓIDE E PARATIREÓIDE

 

 

6- Ajña (frontal)

 

*cor: anil

*nadis: 96

*bija mantra: OM

*manifestação: mental

*desequilíbrio: distúrbios da pituitária, causando tensão, aborrecimentos e ansiedade.

*glândula: PITUITÁRIA

 

 

7- Sahasrara (coronário)

 

*cor: violeta/lilás

*nadis: 972

*bija mantra: SHAM (secreto)

*manifestação: espiritual

*desequilíbrio:sensorialidade,paranormalidade pouco se sabe.

*glândula: PINEAL 

 

 

     ESTES  SÃO OS PRINCIPAIS CACKRAS DO CORPO HUMANO, PORÉM TEMOS MILHARES DE PEQUENINOS OUTROS CHACKRAS PELO CORPO.

PARTE III - ÁSANA = execução de posturas físicas e psicofísicas.

 

     Conforme a tradição hindú, Shiva num gesto de bondade ensinou a Parvati, sua esposa, os ásanas, incluindo em número igual ao de todas as espécies de seres vivos existentes na face da Terra. Pela mitologia hindú, enquanto Shiva ensinava  os ásanas a Parvati na beira de um rio, o rei dos peixes, denominado Matsyendra, observava atencioso os ensinamentos de Shiva. Pusera em prática as técnicas dos ásanas e evoluíra até tornar-se um ser humano. No século XVI o fundador da Escola Kaula de Tantra Yôga adotou o nome de Matsyendra Natha, que dessa linha de yôga surgiu o Mestre Goraskha Natha, que foi o fundador  do Hatha Yôga , sendo então um Yôga tântrico.

     Existem milhares de ásanas, dentre as quais 8.400 são mantida pela tradição. São transmitidas, no entanto um pouco mais de 84 posturas clássicas.

    A primeira descrição de posturas de      meditação  aparece  no Rig Veda, hino VII:103;

onde os  brahmanas são comparados com as rãs, que demonstram a "posição sentada", denominada então de bhegásana (postura da rã).

     Cada ásana forma uma unidade completa quando executado corretamente, produzindo vários efeitos psicológicos, emocionais, energéticos e físicos. Efeitos físicos como a abstenção de maior flexibilidade e força , como também  a ação mecânica sobre diversas vísceras e glândulas, estimulando-as para seu melhor funcionamento. Melhora a atividade de determinados nervos e plexos nervosos, produzindo uma alteração na sensibilidade interna. Atua também na circulação sanguínea, promovendo um melhor fluxo sanguíneo para todos os órgãos e tecidos do corpo humano.

     Logo, a prática dos ásanas afasta o elemento "TAMAS", que proporciona cansaço e fraqueza física, libertando o corpo dos efeitos nocivos à sua plenitude orgânica e mental. Os ásanas também determinam grande influência sobre o corpo prânico; interferindo na circulação energética, ativando e desenvolvendo inúmeros chackras que controlam as correntes prânicas.

     Os ásanas não são simples exercícios de alongamento, equilíbrio e força, e sim modelos sistemáticos e constantes de posturas psicofísicas realizadas com consciência e concentração.

          Com relação ao modo de sua execução, os ásanas diferem dos exercícios realizados na ginástica, mesmo se forem iguais. 

     A permanência progressiva e prolongada em determinadas posturas é fundamental ao Yôga, onde é executado com movimentos suaves num ritmo tranqüilo, consciente corporal e mentalmente fazendo com que o praticante seja o ásana e não a repetição de uma posição apenas.

     A energia que circula e os efeitos psicológicos e emocionais SÃO de maior importância do que os efeitos apenas físicos. Mesmo as pessoas incapazes de realizar com perfeição os ásanas, não devem esmorecer e preocupar-se, pois assim mesmo estarão sendo beneficiadas. O objetivo principal dos ásanas  é sempre voltado para o lado mental (psicológico e emocional), aumentando a capacidade de concentração e o domínio da mente sobre as fragilidades e inquietações da mesma. É evidente que as conseqüências benéficas sobre o corpo (soma) são notadas e sentidas profundamente.   Inúmeros problemas emocionais,psicológicos e doenças físicas NÃO resistem a poderosa atuação dos ásanas, sendo feitos com, concentração, alinhamento corporal  , percepção cinestésica e assiduidade.

 

 

Segundo Patanjali (Yôga Sutra, II, 46):

   

 "ÁSANA É TODA POSIÇÃO FIRME E AGRADÁVEL".

 

Resumindo os ásanas:

 

     São posições  psicofísicas, formando uma unidade completa, que ao serem executados corretamente produzirão vários efeitos benéficos ao homem em sua totalidade. Trabalhando os músculos e articulações; estimulando o funcionamento dos plexos e glândulas; ativando os sistemas nervosos e determinados órgãos, teremos então diversos efeitos psicofísicos benéficos. Cada posição, postura física adotada produzirá uma atitude psíquica correspondente.  

 

ÁSANA  deve ser executado com:

1-harmonia,consciência e firmesa

2-respiração suave,controlada e adequada

3-ritmo de acordo com o biorritmo orgânico

4-localização de consciência e mentalizações positivas durante a permanência nos ásanas, levando o pensamento para a região do corpo que está sendo mais solicitada no momento,a fim de deixá-la livre de tensões e energias má conduzidas, para melhor obter os seus efeitos.

 

 

 

 

 

 

 

 

YÔGANIDRA (RELAXAMENTO)

 

               Técnica de relaxamento psicofísico.

É a técnica de relaxamento induzido,onde ocorre a total assimilação dos efeitos do pránáyáma e dos ásanas. Podendo ser feito sentado ou deitado, em nossa prática adotaremos a postura shavásana (deitado em decúbito dorsal), apropriada para o relaxamento profundo e consciente.

 

Fases do relaxamento:

1-Introdução ao relaxamento

2-Assimilação dos objetivos

3-Preparação para a saída

4-Saída do relaxamento

 

Principais Efeitos do Relaxamento

 

1-Redução e/ou normalização da pressão arterial

2-Queda do metabolismo basal,devido à redução do consumo de oxigênio

3-Equilíbrio do ritmo cardíaco

4-Redução da fadiga física e mental

5-Equilíbrio das funções orgânicas

6-Aumento da imunidade

7-Redução da ansiedade e do stress

8-Redução dos níveis de lactato no sangue

9-Redução da sensação de dor

 

* Freqüência das ondas cerebrais

 

-acima de 14 ciclos /segundo = vigília = (Beta)

-entre 7 c/s a 14c/s = estado de relax = (Alfa)

 

     Em estado alfa, temos um maior domínio da mente sobre o corpo,atribuindo um poder curativo para todo o organismo,absorvendo toda a energia do pensamento positivo.

 

> procedimento (existem vários métodos)

 

um dos métodos de aplicação do relaxamento:

 

     Deitando-se numa posição confortável, em decúbito dorsal, mantendo os olhos fechados e o corpo totalmente imóvel com uma respiração

tranqüila e suave. Já descontraído, concentre-se nos pés, pernas e joelhos , ordenando que toda a pele, músculos e ossos se relaxem; leve

agora o pensamento para as coxas, quadris e abdômen , e relaxe-os; descontraia o tórax,os ombros, braços,antebraços e mãos. Imagine uma luz azul ou branca envolver todo o seu corpo, transmitindo paz e harmonia. Leve agora o pensamento para as costas deixando-as totalmente relaxadas, descontraia o pescoço e sua cabeça também; sinta seu rosto com um semblante de paz e alegria, sua pele mais rejuvenescida e energizada. Encontrando-se totalmente relaxado, com uma tranqüilidade mental,conscientemente forme  pensamentos positivos em seu benefício. Depois de alguns instantes você descontrairá sua própria mente; imagine e crie em sua mente um ambiente tranqüilo e bonito, inundado de sensações de paz; podendo imaginar uma praia, floresta, um lago ou outro ambiente que desejar. Decorrido algum tempo, você vai se preparar para sair do relaxamento, tomando consciência total do corpo e seus sentidos,fazendo uma respiração profunda várias vezes, daí comece a movimentar suas mãos e pés, movimente suavemente todo o seu corpo,como se estivesse acordando.

      Agora você é um ser mais energizado, onde as funções orgânicas estão em total harmonia, com a mente tranqüila , livre do stress. Os efeitos do relaxamento já estão em você, fazendo com que seja um ser mais saudável com uma qualidade de vida melhor.

 

 

PARTE V -  DHYANA  (MEDITAÇÃO)

 

 

     Segundo Patañjali " Yôga é a parada dos turbilhões da mente ".  Dhyana  é a evolução, o desenvolvimento dos estados de Pratyáhara (abstração dos sentidos) e Dhárama (concentração). É  o  descanso de pensar continuamente, deixando a mente em paz, fortalecendo as energias mentais e o poder dos pensamentos positivos; observando a própria consciência.

     A meditação deve ser praticada em qualquer postura yogue sentada (ásanas meditativos), mantendo os olhos fechados, a respiração livre e suave , evitar ser interrompido e manter a postura durante a meditação.

 

Métodos utilizados para a meditação:

1-Yantra Dhyana  > meditação visual  (grau 1)

2-Mantra Dhyana > meditação auditiva (grau2)

3-Tantra Dhyana  > meditação vibratória

 

    Para os principiantes deve-se meditar com o Yantra Dhyana (grau 1), porque é mais fácil e consiste em visualizar qualquer figura geométrica, uma flor, estrela, sol, lua, qualquer imagem inerte; concentrando-se até chegar ao total aquietamento mental. Com o passar do tempo,gradativamente vamos evoluindo e atingindo  níveis  mais elevados, como o Mantra Dhyana (grau 2) e o Tantra Dhyana (grau 3).

 

* Algumas conseqüências da meditação:

1-tornar-se mais calmoequilibrado emocional/

2-desenvolvimento da inteligência

3-despertar e aumentar a intuição

4-discernimento de outras faculdades mentais

   ( paranormalidade)

 

     Meditar é retirar tudo, libertar-se de tudo, indo ao encontro de seu "EGO", o "EU" definitivo que habita em cada ser humano. Sintonizando com as egrégoras positivas do universo e captando intuitivamente energias e sabedorias que não conhecíamos.

 

Yoni-Mudrá > técnica de Pratyáhara para trabalhar melhor e com eficiência a meditação.

     À medida que o indivíduo pratica a meditação, ele explora as profundezas de sua mente, se aproximando cada vez mais de seu ego, até chegar à unificação física,mental e emocional.

 

Técnica de Pratyáhara (YONI-MUDRÁ)

 

     Yoni significa útero ou fonte, refere-se a Brahma, fonte de toda a vida ; mudrá indica uma prática física e energética realizada com as mãos que proporcionam vários efeitos na mente. Yoni-Mudrá também se chama de SANMUKHI (san = seis/mukhi = orifícios),

indicando que os seis orifícios do corpo estarão fechados; principalmente os olhos,ouvidos,nariz,boca ânus e abertura genital. Outra nomenclatura clássica é o PARANG  MUKHI , que é a fuga do mundo exterior através do fechamento dos sentidos (pratyáhara), indo ao encontro do mundo interior do ser.

     Como podemos observar, a técnica de meditação não é difícil, mas como qualquer prática que traz benefícios, existe perseverança, esforço  e continuidade. A meditação é de extrema importância em nossas vidas, melhorando a qualidade de vida de seu praticante devido os seus efeitos positivos.

Durante cada dia o homem desperdiça energia

mental com emoções negativas e inúteis; o stress mental desgasta e desequilibra a mente, impedindo-a de realmente executar melhor suas tarefas com harmonia e clareza. Por isso é necessário principalmente no mundo globalizado e competitivo, a prática da meditação.

 

> Efeitos do Yoni Mudrá

 

1-Os cinco sentidos se fecham mecanicamente    

levando o praticante a um estado de Pratyáhara

(afastamento dos sentidos).

2-O sistema nervoso se rejuvenesce, principalmente quando os olhos estão fechados, pois a visão utiliza mais energia nervosa do que qualquer outro órgão sensorial.

3-Sintonia profunda entre o corpo e a mente.

4-Introversão mental.

5-Equilíbrio prânico.

6-Relaxamento mental pela "ausência de pensamentos".

> procedimento

 

1- Sentado em qualquer postura de meditação,

2-Braços em posição horizontal,cotovelos alinhados com

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/yoga-artigos/yoga-892488.html

    Palavras-chave do artigo:

    yoga

    ,

    atividades alternativas

    Comentar sobre o artigo

    Yoga para iniciantes passo a passo. Yoga como disciplina da mente e do corpo, que ficou conhecida na sociedade ocidental com a geração hippie dos anos sessenta e início dos setenta.

    Por: ClaudioRjl Esporte> Yogal 06/02/2014 lAcessos: 33

    Este artigo tem como proposta esclarecer as dúvidas sobre as técnicas empregadas nas práticas do Yoga na promoção do relaxamento psicofísico de seus praticantes, promovendo uma melhora da saúde e qualidade de vida.

    Por: Marcio Rodrigues Baptistal Esporte> Yogal 29/04/2009 lAcessos: 8,527 lComentário: 1

    Aprenda como se sentir melhor e mais calmo em qualquer situação de stress. Lembre-se sempre que você está em controle e pode sempre melhorar.

    Por: Carlos Araújol Psicologia&Auto-Ajuda> Redução de Stressl 04/01/2011 lAcessos: 757

    A Physio Pilates traz ao Brasil o método Gyrotonic que relaxa ao mesmo tempo em que exercita os músculos

    Por: Physio Pilatesl Press Releasel 30/03/2010 lAcessos: 34
    Johnny Bernardo

    Aos cinco anos você descobre que é uma versão brasileira de Dalai Lama. Sete anos depois, decide abrir mão de Nintendo e de namoro. Deixa o aconchego da casa no Alto de Pinheiros, região nobre paulista, para viver entre 4.000 monges da Índia. Michel Lenz Cesar Calmanowitz, filho de um engenheiro judeu e uma psicóloga presbiteriana, foi reconhecido como um lama – a reencarnação de um guru indiano – durante o aniversário de sua mãe, celebrado em um restaurante japonês....

    Por: Johnny Bernardol Religião & Esoterismo> Religiãol 26/06/2014 lAcessos: 12
    Robson Luís

    Saibam quais são os objetivos do treinamento funcional, os benefícios, as principais características, a diferença dos exercícios funcional e a musculação.

    Por: Robson Luísl Saúde e Bem Estar> Medicina Alternatival 25/01/2014 lAcessos: 33

    Realização da sétima edição do Encontro de Terapeutas e Profissionais Holísticos, nos dias 24, 25 e 26 de março, no teatro Dante Barone, na Assembleia Legislativa, em Porto Alegre (RS). Profissionais das mais diferentes especialidades de todo o Brasil estarão palestrando no evento.

    Por: Terezinha Tarcitanol Press Releasel 23/03/2012 lAcessos: 45
    Mathias Gonzalez

    A vida estressante que a maioria das pessoas leva atualmente, faz com que nem sempre sejamos capazes de controlar o nosso temperamento. Há quem diga que já nascemos com características que não se modificam muito com o passar do tempo. Como é o seu temperamento? Você é uma pessoa considerada de “pavio curto” que explode com facilidade diante de certas situações, ou é mais do tipo “zen”?

    Por: Mathias Gonzalezl Psicologia&Auto-Ajudal 16/08/2009 lAcessos: 35,257 lComentário: 5

    Yoga de forma simples em suas posições populares, uma das mais antigas formas do mundo de exercício, está experimentando um renascimento em nosso mundo moderno e estressante.

    Por: ClaudioRjl Esporte> Yogal 07/02/2014 lAcessos: 25

    Yoga para iniciantes passo a passo. Yoga como disciplina da mente e do corpo, que ficou conhecida na sociedade ocidental com a geração hippie dos anos sessenta e início dos setenta.

    Por: ClaudioRjl Esporte> Yogal 06/02/2014 lAcessos: 33

    Como fazer Yoga em casa? É uma prática intensa e rigorosa na qual vou explicar sobre postura básica.

    Por: ClaudioRjl Esporte> Yogal 04/02/2014 lAcessos: 26

    Existem relatos através do uso de Yoga, San Antonio, Texas, um especialista em câncer, disse durante um seminário em Oklahoma City em 1980 que é possível curar o câncer. A cura para o câncer existe?

    Por: ClaudioRjl Esporte> Yogal 03/02/2014 lAcessos: 20
    Jose Vieira

    Mas o que será que a bibliografia do Prof. De Karate, Yoshizo Machida, tem a nos ensinar, neste mundo tão carente de ídolos verdadeiros que possam nos inspirar, a sermos pessoas melhores. Em conversas reservadas com o mestre Machida, 7º dan de karate, grau obtido em teste no JKA – Ele nos tem revelado, que os caminhos do DÔ tem sido o farol brilhante a lhe guiar. A retidão do caráter, os valores da família, a probidade das ações, a cortesia, a simplicidade e os valores morais... Leia mais

    Por: Jose Vieiral Esporte> Yogal 24/01/2014 lAcessos: 171

    Alongar é uma etapa da atividade física que é deixada de lado por muitas pessoas, seja por preguiça ou desgosto pela prática. Mesmo assim é essencial para o exercício, auxiliando o corpo na prevenção de lesões musculares, e deve ser feito não só por atletas. O alongamento predispõe os músculos a ficarem preparados para movimentos em seguida que os contrairão,de forma a evitar impactos à toa.

    Por: Antoniol Esporte> Yogal 13/06/2013 lAcessos: 25
    High Performance Sports

    O artigo menciona a importancia da yoga e seus ensinamentos na atividade de corrida.

    Por: High Performance Sportsl Esporte> Yogal 25/09/2012 lAcessos: 31
    High Performance Sports

    O artigo menciona como a endorfina trabalha no nosso organismo para atingirmos a satisfação no exercício físico.

    Por: High Performance Sportsl Esporte> Yogal 25/09/2012 lAcessos: 52

    Este artigo tem como proposta esclarecer as dúvidas sobre as técnicas empregadas nas práticas do Yoga na promoção do relaxamento psicofísico de seus praticantes, promovendo uma melhora da saúde e qualidade de vida.

    Por: Marcio Rodrigues Baptistal Esporte> Yogal 29/04/2009 lAcessos: 8,527 lComentário: 1

    Comments on this article

    0
    Marcio Rodrigues Baptista 04/05/2009
    excelente, muito professor. juliana marzens - espirito santo
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast